Mostrando postagens classificadas por relevância para a consulta angel. Classificar por data Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens classificadas por relevância para a consulta angel. Classificar por data Mostrar todas as postagens

segunda-feira, 15 de março de 2010

Fofinho como uma nuvem: Angel Food Cake

Sempre tive curiosidade quanto a esse bolo. Tem nome mais cuticuti que "Angel Food Cake"? É impossível não imaginar algo puro e etéreo, flutuando em seus sonhos culinários. E esse bolo, apesar de ser uma versão "endiabrada" do bolo, como a própria autora diz, tem o miolo tão branquinho, tão leve e tão fofo, que não poderia mesmo ter outro nome.

O Angel Food Cake original não leva gordura nenhuma: são claras, cremor tártaro, açúcar, baunilha e farinha. Esta versão leva um belo e saboroso banho de manteiga, razão pela qual a autora deve ter acrescentado também o fermento. O resultado é tão delicioso e leve; todos que o experimentaram até agora tiveram a mesma reação: "Noooossaaa... que bolo fofiiiinhoooo...". Não sei por quê, mas algo nele me trouxe uma sensação nebulosa de infância, daqueles bolinhos de baunilha que se agarram à memória para perdurar até o fim de seus dias.

De qualquer forma, a razão pela qual resolvi preparar esse bolo foi o fato de ter 14 claras congeladas em meu freezer. O que fazer com todas elas, se meu menor pacotinho continha 4 claras? Essa menor quantidade já produziria um batalhão de suspiros. Nada de suspiros, então. Macarons? Neh. Não quero ter de comprar farinha de amêndoas. Financiers? Também não. Pode-se dizer que, enquanto fuçava em meus livros, essa receita de Angel Food Cake caiu mesmo do céu: usa 9 das minhas 14 claras e tudo o que eu já tinha na despensa. Houve apenas duas adaptações: a substituição da cake flour por farinha comum peneirada com amido de milho e o uso de açúcar baunilhado e essência de baunilha no lugar da fava que eu não tinha. (Você pode usar açúcar comum e omitir a essência se quiser usar a fava: acrescente as sementes raspadas da fava logo antes da manteiga.) Aliás, sempre que falo de açúcar baunilhado, refiro-me ao pote de açúcar cristal orgânico entulhado de favas de baunilha usadas, e não, NUNCA, dos vendidos prontos em saquinhos, artificiais e caros que só eles.

Se você também é cabeça oca como eu e de vez em quando congela claras sem anotar quantas há no saquinho, deixe descongelar durante a noite e pese: cada clara deve pesar cerca de 28g, totalizando 252g de claras. O preparo é na verdade tão fácil quanto fazer merengue. Há praticamente dois passos: bater as claras e incorporar os secos. Por isso, tenha tudo pronto para ser usado e leia toda a receita antes para pegar os truquezinhos e não se atrapalhar no meio.

ANGEL FOOD CAKE "ENDIABRADO"
(Adaptado do livro Desserts By The Yard, de Sherry Yard)
Tempo de preparo: 20 minutos + 45 min. forno + 1 hora de descanso
Rendimento: 10 porções


Ingredientes:
  • 1 xic. farinha de trigo
  • 2 colh. (sopa) amido de milho (maizena)
  • 1 xic. + 2 colh. (sopa) açúcar cristal orgânico baunilhado
  • 1/2 colh. (chá) fermento químico em pó
  • 9 claras grandes
  • 1/4 colh. (chá) cremor tártaro
  • 1 colh. (chá) essência de baunilha
  • 115g manteiga sem sal, derretida e ainda quente

Preparo:
  1. Posicione a grade do forno no meio e pré-aqueça a 180ºC. Use uma forma redonda, de 23-25cm de diâmetro (capacidade de 10 xíc.), de laterais razoavelmente retas. NÃO UNTE A FORMA: a massa é leve e precisa grudar nas laterais para conseguir crescer. Forre apenas o fundo com papel manteiga, para facilitar na hora de desenformar (dobre um quadrado de papel até que vire um triângulozinho, alinhe com o raio da forma e corte a parte externa para encaixar dentro da forma e a ponta interna; quando aberto, o papel parecerá um donut e encaixará certinho no fundo da forma).
  2. Junte a farinha, o amido, 1/2 xíc. + 1 colh. (sopa) do açúcar e o fermento e peneire umas 4 vezes. Reserve.
  3. Na batedeira, bata as claras em velocidade baixa até que espumem. Junte o cremor tártaro e 1 colh. (sopa) do açúcar e continue batendo, acrescentando 1 colh. (sopa) do açúcar restante por vez, até que ele tenha acabado. Bata até que as claras estejam medianamente firmes: ou seja, elas devem manter sua forma quando você levantar a batedeira, mas ainda bastante "cremosas". Se estiverem firmes demais, como suspiros, o bolo vai ficar denso e ressecado.
  4. Junte a manteiga derretida e a baunilha num fio rápido enquanto termina de bater as claras.
  5. Pare a batedeira e, com uma espátula grande, incorpore os ingredientes secos, pouco a pouco. Faça isso com cuidado mas rapidamente, para que as claras não desinflem. Puxe a massa do fundo da tigela para cima, pois normalmente a massa parece bem homogênea de cima, mas pode haver muita farinha ainda no centro e no fundo.
  6. Coloque a massa na forma às colheradas, alise a superfície e leve ao forno por 30 minutos. Abra o forno rapidamente e gire a forma de trás para frente. Asse por mais 10-15 minutos, até que esteja firme ao toque e um palito inserido no centro saia limpo.
  7. Retire do forno e imediatamente vire a forma de ponta-cabeça em uma grade. Se o bolo tiver chegado até a borda da forma, apoie a parte central da forma em algum objeto para que o bolo não fique encostando na grade. Deixe esfriar assim por 1 hora. Se você não fizer isso, o bolo, que é muito leve, vai naturalmente se afastar das laterais da forma e afundar.
  8. Passada 1 hora, vire a forma novamente e passe uma faquinha nas laterais. Desenforme o bolo e retire o papel-manteiga do fundo. Sirva com frutas, creme ou sorvete.

terça-feira, 7 de agosto de 2012

Marshmallows de mudança

Como algumas pessoas adivinharam, a segunda parte da novidade em minha vida é a de que estou me mudando. De novo. Grávida. De novo. Mas desta vez a mudança é grande: estamos saindo de São Paulo. Foi um choque para nossos amigos mas um movimento totalmente esperado por nossa família. Estava cada vez mais óbvio que nosso estilo de vida não mais combinava com o centro dos Jardins.

Ainda não é um sítio no meio do mato, mas tem uma formiguinha me mordendo atrás da orelha, que me diz que o passo que estamos dando é apenas um em direção a algo ainda um pouco mais radical. Mas vamos ver. Nasci nos Jardins, e é a primeira vez que vou morar a mais de quarenta minutos de minha mãe, ou mesmo a mais de um quarteirão de uma padaria, então acredito que será uma experiência um pouco assustadora, ainda que bem vinda.

Com a mudança marcada, tornou-se uma missão minha acabar com todos os itens do meu freezer e tudo aquilo da geladeira e da despensa que fosse difícil de transportar. É claro que eu não consegui. É claro que há muito mais farinhas especiais, feijões, e pastas de curry do que minha família poderia consumir em um mês. Mas pelo menos o freezer precisava ser limpo. E minha maior nêmesis eram as claras. Vinte claras congeladas. O que um ser humano faz com vinte claras congeladas? Suspiro para abastecer uma escola primária? Não. Angel Food Cake. Que virou meu bolo oficial de mudança. Nada faz a rapa das claras congeladas como um Angel Food Cake. E encontrei um no lindo livro Bon Appétit Desserts que usava 14 delas! O bolo ficou delicioso, mas não vai aparecer por aqui. Primeiro porque não consegui tirar uma foto do bendito. Segundo porque ele precisa de uma forma de furo no meio absolutamente imensa, de um tamanho que eu sei que a maioria dos brasileiros simplesmente não tem. Nem eu. Usei a maior forma de pudim que eu tinha, e mesmo assim tive de jogar fora (!!!!) uma xícara e meia de massa, pois não cabia mais. Para quê dificultar a vida de vocês?

Mas ainda sobraram claras. O que fazer? O que fazer? Acabado o bolo, ataquei os marshmallows. Nunca fiz as versões que levam apenas gelatina, porque sempre que resolvo prepará-los é o uso das claras perdidas que me atrai. Esses, do delicado livro Miette, ficaram ótimos, e não consigo parar de comê-los, o que não é exatamente bom para minhas ancas parideiras. Certamente, no entanto, anuviam a preocupação e o stress de empacotar toda uma casa enquanto se impede um garotinho de um ano e meio de escalar a caixa onde está a louça.

Nos mudamos na semana que vem. Como ainda não consegui resolver a conversão do meu fogão de volta para gás de botijão [butijão? desligar a correção ortográfica automática é confiar perigosamente no próprio cérebro... hmmm...], provavelmente semana que vem será uma semana estranha de macarrão feito no fogareiro e legumes grelhados na churrasqueira. [Sim! Churrasqueira! Meus amigos não entendem para que serve uma churrasqueira na casa de quem não come picanha, mas eles vão ver só!] Não sei se haverá algum post, mas juro que tentarei, pelo menos para captar a bizarrice da situação. ;)

Enquanto isso, mais um marshmallow.

MIETTE MARSHMALLOWS
Rendimento: cerca de 48 unidades, dependendo do tamanho que você cortar

Ingredientes:
  • 1/2 xic. amido de milho
  • 1/2 xic. açúcar de confeiteiro, peneirado
  • 3 colh. (sopa) + 2 colh. (chá) gelatina em pó incolor e sem sabor (pouquinho mais de 2 envelopes de 12g)
  • 1/3 xic. água + 1/2 xic.
  • 2 xic. açúcar cristal orgânico
  • 1/2 xic. glucose de milho
  • 1/2 fava de baunilha
  • 3 claras de ovo grande, orgânico
  • 1 colh. (sopa) extrato natural de baunilha
  • 1 pitada de cremor tártaro
  • 1/4 colh. (chá) sal

Preparo:
  1. Unte ligeiramente com óleo neutro uma assadeira de aproximadamente 20x30cm. Em uma tigela pequena, misture bem o amido e o açúcar de confeiteiro. Polvilhe um pouco na assadeira, cobrindo bem o fundo e as laterais e bata o excesso de volta na tigela para usar depois. Reserve.
  2. Numa tigela pequena, coloque 1/3 xic. de água fria e polvilhe a gelatina por cima. Reserve.
  3. Numa panela pequena, combine o açúcar cristal, a glucose e 1/2 xic. de água fria. Corte a meia fava de baunilha ao meio e raspe as sementes para dentro da panela (guarde a casca da fava no seu pote de açúcar, se quiser). Coloque um termômetro de óleo/açúcar na panela e leve ao fogo médio-baixo, sem mexer, até que chegue a 120ºC. 
  4. Enquanto isso, coloque na tigela da batedeira (com o batedor de arame) as claras, o extrato de baunilha, o cremor tártaro e o sal. Quando o caramelo da panela chegar a 110ºC, ligue a batedeira em velocidade baixa. 
  5. Quando o caramelo chegar a 120ºC, retire imediatamente do fogo e junte a gelatina, misturando bem e rapidamente com um fouet até que não haja mais pedacinhos de gelatina visíveis. Passe a mistura por uma peneira em uma tigela resistente ao calor para retirar qualquer pedacinho de gelatina que não tenha dissolvido.
  6. Com a batedeira em velocidade baixa, coloque uma quantidade pequena do caramelo, tentando não atingir o batedor de arame. Continue adicionando o caramelo em fio, devagar. Quando todo o caramelo tiver sido adicionado, aumente a velocidade da batedeira para médio-alta e bata até que a tigela da batedeira esteja em temperatura ambiente e a mistura esteja clara e com picos firmes. Isso pode levar vários minutos. 
  7. Despeje a mistura na assadeira preparada e alise a superfície com uma espátula. Polvilhe mais um pouco de amido com açúcar por cima, cubra a assadeira com papel alumínio e deixe firmar por aproximadamente 6 horas em temperatura ambiente. 
  8. Com a ajuda de uma espátula, desenforme a massa. Com uma faca afiada, ligeiramente untada de óleo, corte o marshmallow em cubos e passe-os na mistura de amido e açúcar. Guarde em pote fechado, em temperatura ambiente, por até 5 dias.


terça-feira, 12 de fevereiro de 2019

Um mês sem (com menos) açúcar e mousse de chocolate, porque a coerência, né?!

O Inverno de verdade demorou para chegar, mas quando chegou, chegou chegando.
Sabe resolução de ano novo? Eu detesto resolução de ano novo, e não me invento uma desde a minha adolescência. Porque, né? eu gosto de ser do contra. Foi meio sem querer que Janeiro acabou virando um mês que teve feeling de resolução de ano novo, mas foi engraçado por isso mesmo: porque não foi uma resolução de ano novo. Muitas transformações aconteceram, no meio do clima louco que despencou dos 5 graus positivos para os 36 negativos durante duas semanas, inclusive minha primeira exposição em Toronto, no Starving Artist Café, que exibiu minhas aquarelas durante 8 semanas. :)



Acordei no dia primeiro do ano incomodada. Muita coisa passara pela minha cabeça durante o mês de dezembro, e quando me levantei da cama para tomar o primeiro cappuccino do ano, conseguia sentir minhas caraminholas se movendo no meu cérebro.

Mamãe, quer waffle? perguntaram as crianças. Não, respondi. Acho que quero dar um tempo do açúcar. Quero ver o que acontece.

Não era dieta, não era modismo, era mera curiosidade. Eu achava que era uma pessoa que já não consumia lá muito açúcar mesmo (vide o post do que como num dia normal), mas fiquei curiosa em saber se eu conseguiria ficar sem o pouco que a que eu me acostumara. Sabia que o ponto fraco era o goró, meu tipo de açúcar preferido, e eu acreditava que a experiência me ajudaria a ter mais clareza dos gatilhos emocionais e circunstanciais que me faziam comer uma fatia de bolo ou abrir uma cerveja.

Minha pele andava mais manchada do que o normal, sentia meu corpo inchado, e meu padrão de sono havia um tempo parecia errático, e intuí que deveria ter a ver com o quanto de álcool e açúcar que andava ingerindo (não a quantidade, porque não sou de exagerar há já uns anos, mas a frequência). Pois ainda que a "regra" aqui em casa seja de não beber durante a semana (até porque bebida alcoólica aqui em Ontario é cara), eu pareço sair do eixo toda vez que temos visitas, pois a visita está de férias e você entra no ritmo do convidado mesmo que sem se dar conta, aproveita para relaxar também... e nós tivemos um bocado de visitas no segundo semestre de 2018, e eu claramente não conseguira voltar a meu ponto de equilíbrio desde então.

Além disso, numa terça-feira em que as crianças perguntaram se havia sorvete de sobremesa do jantar, surpreendi-me com a resposta contundente de meu marido: "Ué, por que teria? É terça-feira!", E naquele momento me dei conta de que por boa parte da vidinha dos meus filhos, essa fora a regra de casa: podia até ter um bolo ou biscoito indo de lanche da escola, mas o conceito de "sobremesa", de "doce depois das refeições", sempre foi meio que coisa de fim de semana apenas. Sobremesa durante a semana é fruta. Ponto. Se quiser. Se não quiser fruta, vai escovar os dentes e xô.

Acontece que durante o verão, com a Saga-do-Sorvete-de-Fruta-Para-Fazer-Thomas-Comer-Mais-Fruta, continuei o embalo e quando me dei conta, todo mundo estava terminando o dia com sorvete. Mas agora de chocolate, de baunilha, de iogurte, de cheesecake, do que fosse.

"Ok, papai tem razão. Acabou a festa do doce e estamos voltando à normalidade. Sobremesa é só de fim de semana."

Antes que alguém revire os olhos e me xingue nos comentários, as crianças reclamaram no primeiro dia. Perguntaram da sobremesa no módulo automático no segundo dia. No terceiro já pediram licença da mesa e foram escovar os dentes e brincar. E quando chegou a sexta-feira, vieram felizes da vida perguntar qual era a sobremesa do fim de semana e está todo mundo contente e tranquilo. Esperar faz bem. (Tempo de tela é a mesma coisa aqui em casa: tv e video-game é só de fim de semana, e ninguém está sofrendo por isso.) E os dois sempre foram acostumados com uma casa que não tinha um monte de biscoito e chocolate dentro do armário.

Enfim.

No mesmo dia em que decidi cortar o açúcar (ou pelo menos diminuir, sabendo que o aniversário da Laura viria e que eu me permitiria alguma bebida durante os eventos já marcados com amigos, só pra evitar encheção de saco), também foi o dia em que propus a meu marido que começássemos a exercitar melhor nossa frugalidade. Sentei com nossas finanças e esmiucei todas os gastos do último ano, que agora finalmente haviam entrado num ritmo estável depois da mudança de país,e poderiam ser melhor avaliados. Saímos fazendo cortes onde podíamos, e estabelecemos algumas novas metas. Cortar cabelo em casa (um corte besta de máquina no barbeiro por aqui sai bem uns 50 dólares com gorjeta!! - e sim, cortei meu próprio cabelo e ficou muito bom, diga-se de passagem), ficar de olho nos horários mais baratos da companhia elétrica (aqui você tem horários e dias em que o preço da energia cai quase que pela metade), e mais várias outras pequenas e grandes mudanças, inclusive... tentar pela primeira vez realmente se manter dentro da meta de supermercado, que em muitos meses estourava em uns 20 a 30%, principalmente por aquelas autoindulgências típicas da nossa geração "eu mereço (item), porque...(insira seu motivo aqui)". Ou porque esquecíamos de deixar guardado aquele tanto para gastar no produto de limpeza que estava acabando, ou na ração do cachorro, que incluímos na categoria Groceries para simplificar nosso orçamento.
A comida do cachorro entra na nossa lista de comida porque, né? cachorro também é gente.
Um site que me ajudou um bocado nesse pensamento frugal esse mês foi o https://www.frugalwoods.com/ . Recomendo.

E lá fui eu.

Como mostrei no post anterior, sobre as compras de mercado, a primeira coisa que fiz foi verificar meu inventário: tudo o que havia de comida, bebida, ingredientes, produtos de limpeza, comida de cachorro, para verificar o que de imprescindível precisaria ser comprado aquele mês e para o qual eu teria de deixar uma "verba alocada". Montei na minha lousa da geladeira a maior quantidade possível de refeições com o que eu tinha em casa, indo de coisas bonitas como "quiche de abóbora e salada verde com rabanetes" até pratos tão absurdamente simples que pareciam saídos de uma verdadeira economia de guerra, como o dia da "Sopa Daquilo Que Sobrou", das fotos aqui em baixo. O objetivo era usar a criatividade para de fato esmiuçar a despensa e a geladeira até o último ingrediente disponível. E aproveitar para colocar à prova aquela minha teoria do último post de que você aprende a cozinhar de verdade com os ingredientes básicos, e não com com ingredientes caros.

Como transformar uma cenoura, uma cebola, um talo de salsão, um ramo de salsinha, borda de pizza de ontem, uma casca de parmesão e 1/4 xic de arroz para risotto em uma refeição para quatro pessoas?
Faça uma SOPA.
A sopa é simples e intuitiva: refogue em azeite a cebola, a cenoura e o salsão picadinhos, junte o arroz como se fosse fazer um risotto, tempere com sal  e a salsinha picada, e cubra com o dobro de água quente que você usaria para fazer um risotto (no caso, eu usei a água do cozimento do grão de bico, pois usara o grão de bico para fazer hommus e guardei o caldo no freezer - eu guardo água de cozimento de QUALQUER coisa no freezer pra incrementar sopas ou tornar um arroz simplesinho em algo mais nutritivo). Junte a casca de queijo, que vai cozinhar junto, e dar sabor e complexidade à sopinha e deixe cozinhar até o arroz estar macio. Não tem problema se passar do ponto. Se o arroz tiver absorvido muita água, junte mais e acerte o tempero. Doure a borda da pizza ou pão velho em cubinhos em azeite com uma pitada de sal e sirva com a sopa. Ficou com fome depois do jantar leve? Come uma fruta. Aqui, ninguém ficou com fome. Estava uma delícia e alimentou todo mundo muito bem. ;)

Enquanto isso, lá ia eu sem açúcar.

A manhã começou bem: eu nunca coloco açúcar no meu cappuccino, pois gosto de sentir a doçura da gordura do leite e o amargo do café. Para mim, açúcar adicionado só atrapalha. E prefiro um pão com manteiga e sal a qualquer outra coisa doce quando acordo. Foi no lanche das dez que a coisa entornou um pouco. Voltei da corrida, e quando fui montar meu potinho de iogurte e fruta, percebi que não usaria o mel de sempre. O iogurte que eu comprara aquele mês, mais barato que o meu habitual, era também mais ácido, e a fruta cortada em pedaços não foi um contraponto doce o bastante. Mas logo percebi que se RALASSE a fruta dentro do iogurte, ela soltaria seus sucos, distribuindo doçura mais uniformemente e tornando o mel desnecessário. #ficaadica.

O almoço, por sua vez, manteve-se igual.

Pão caseiro, abacate, o queijo feta que sobrara do reveillon, salsinha, cebolinha, azeite, limão e sal. Clementinas de sobremesa. Tudo, como sempre, no prato lindo da minha amiga Marina, do @ateliegaroa
Foi de novo no lanche que eu me vi mudando hábitos. Onde antes eu cataria um pedaço de bolo, ou uma das goiabinhas que minha mãe trouxe do Brasil, e correria para fora para buscar as crianças em mais uma deliciosa (note o sarcasmo) nevasca de janeiro, eu me vi catando uma banana.

 *** Aliás, uma curiosidade: não sei por que cargas d'água, mas é impossível separar as bananas canadenses do cacho com as mãos. As cascas são tão fortes, que preciso de uma faca para cortar a banana fora do cacho, como se estivesse tirando o cacho inteiro da bananeira. BIZARRO. Fim da curiosidade. De volta ao post. ***

Hora do jantar. Tudo corre normalmente, apenas evitando receitas cujo tempero envolvesse açúcar ou mel no preparo.

E aí veio o snack da noite. Aquele, que eu andava querendo evitar. Num dia uma banana bastou. Em outro, que desejava algo salgado, me vali dos legumes com hommus, que sempre tenho na geladeira. Mas meu snack da noite favorito, descobri, são fatias de maçã mergulhas em manteiga de amendoim e um bocado de canela. Parece estranho mas é na verdade delicioso e muito satisfatório.

Então quer dizer que foi muito fácil ficar sem açúcar e deu tudo muito certo?

Sim e não.

Como eu já comia pouco açúcar e eu já tinha um mindset de tentar buscar coisas mais saudáveis para beliscar, não foi difícil mudar o HÁBITO, porque foram poucos os momentos do meu dia em que eu precisei buscar uma alternativa. Eu nunca como sobremesas logo depois das refeições, então eu não me vi em momento nenhum "procurando um docinho".

O que eu vi foram algumas "condições de temperatura e pressão" em que eu ficava sim buscando desculpa para terminar o dia com alguma coisinha alcoólica. Não todos os dias. Eram alguns específicos. Normalmente no fim dos dias difíceis. Ou nas sextas-feiras, por exemplo, quando eu começava a preparar a pizza. Foi quando senti falta do meu vinhozim. Mas muito rapidamente, e aí foi a parte interessante, percebi que não era do gosto ou do buzz que eu sentia falta. Era de ter o copo na mão. Então assim como fiz durante aquele um ano e meio em que fiz dieta com nutricionista antes de engravidar, troquei o copo de vinho por uma xícara de chá. E tudo correu bastante bem.

Então foi tudo tranquilo e maravilhoso?

Não.

Assim como eu havia pesquisado, no terceiro dia sem açúcar minha energia e meu humor foram para o buraco. Eu queria gritar com todo mundo, tudo parecia difícil e horrível, todos estavam no meu caminho, e minha cabeça doía, não pela falta de açúcar, mas pela quantidade de tempo que mantive o cenho franzido, cultivando o ranço dentro mim. Esse foi o único dia em que não comi um snack da noite: porque fui dormir às oito e meia, enfurecida e exausta com o universo.

Um amigo do Allex, que fizera essa mesma desintoxicação de açúcar na época em que tentava descobrir a que diabos tinha alergia (a fermentos, no final ele descobriu), explicou a ele: Ih, o terceiro e o sétimo dia são os piores, e depois passa.

Dito e feito. No sétimo dia eu parecia igualmente confusa e mal humorada. Mas o que se seguiu depois foi sensacional.

"Minha cabeça está funcionando!", eu disse a Allex, que me olhou sem entender. "Sério, é como se tivessem passado um limpa-vidros no meu para-brisa sujo pela primeira vez."

O que eu sentia era clareza mental. Andava acordando mais facilmente e com muito mais foco. Eu sabia o que precisava ser feito e estava fazendo. Foi nesse momento, inclusive, que corri atrás e consegui minha primeira exposição de arte em Toronto. Foi quando voltei a produzir mais. Foi quando comecei a enxergar melhor algumas coisas acontecendo no meu dia-a-dia que poderiam ser melhoradas.

E meu corpo?
Ao final de duas semanas eu havia desinchado visivelmente e as manchas vermelhas em meu rosto haviam sumido. E a melhor parte de tudo, e que mais me chamou a atenção, é que pela primeira vez em minha vida, eu não tive NENHUMA TPM. Há dois dias por mês em que eu viro um monstro descontrolado, em que grito com as crianças sem motivo e fico procurando pêlo em ovo para arrumar briga: o da ovulação e o dia antes da menstruação descer. É tão certeiro, que uso isso até como guia para saber quando as duas coisas estão acontecendo ou vão acontecer. Nesse mês... não teve... NADA.

Outros efeitos interessantes:

- a partir da segunda semana, eu parei de ter vontade de beber. Quando Allex me perguntou se queria uma cerveja, respondi que SIM, mas logo em seguida mudei de ideia, porque me dei conta de que respondera automaticamente, e não de fato porque tinha vontade.
- nos momentos em que bebi, foi muito mais fácil parar ainda na primeira ou segunda, sem me sentir sequestrada emocionalmente por qualquer espécie de pressão social.
- os efeitos da bebida (mesmo que tão pouca) no dia seguinte ficaram MUITO mais evidentes, principalmente a quantidade de tempo que meu corpo levou para voltar ao normal depois. Essa velocidade de reparação parecia sempre mascarada pelo consumo de outros açúcares no meu dia-a-dia e não me permitia entender meu corpo.
- a vontade de comer doce sumiu. Mas quando eu comi açúcar, tive os mesmos sintomas de uma ressaca. No fim de semana do aniversário da Laura, em que tive 2 eventos em que bebi (pouco) e comi bolo, toda aquela clareza mental DESAPARECEU por uns 3 dias e meu humor voltou a ficar instável.

Era aniversário da Laura, e como ela pedira para chamar umas amiguinhas em casa no sábado, disse a ela que haveria bolo apenas no dia da festa, ao que ela concordou. No entanto, sem que ela soubesse, preparei esse bolo simplíssimo de baunilha da Alice Medrich, apanhei as framboesas congeladas, e fiz uma geleia rápida e azedinha. Depois da escola, enquanto Laura tomava seu banho compriiiiido de banheira, Thomas me ajudou a cortar o bolo ao meio, recheá-lo, e cobri-lo com chantilly recém-batido. Ele decorou com mais algumas framboesas e posicionou as velas. E Laura ficou felicíssima depois do jantar, quando anunciamos que, apesar de ser uma quarta-feira, teríamos sobremesa.

Thomas recheou e decorou o bolo-surpresa da Laura, que achava que só cantaria Parabéns no dia em que as amigas viessem.

Foi unânime que esse tem que ser o novo bolo oficial de aniversário, pois ficou infinitamente mais gostoso que o de chocolate.
O bolo estava delicioso. Leve e fresco. As crianças adoraram, Allex que não gosta de bolos se serviu mais de uma vez, e eu comi uma fatia gordinha e satisfatória.

O jantar também fora especial: pão de queijo e pastel, a pedido da aniversariante. Usei a receita da massa da Rita Lobo. A receita diz para abrir a massa até a espessura 3 da máquina de macarrão, mas o pastel acabou saindo mais com textura de panzerotti que de pastel de feira. Tive de abrir novamente toda a massa depois do primeiro teste, até uma espessura quase transparente, se não me engano, no nível 8. Preparei o dobro e deixei guardado o que sobrou para fazermos mais pastel no fim de semana.



O sabor escolhido pela aniversariante foi Pastel de Pizza. Essa foto foi da massa teste, que saiu muito grossa.
No sábado, preparei o bolo de aniversário clássico de chocolate, que nunca me parecera excessivamente doce até aquele momento. Quando também Laura e Thomas comentaram que preferiam o de baunilha. Metade de uma fatia bastou para mim, e deixei o restante para as crianças comerem de sobremesa durante o fim de semana.

E no fim de semana seguinte, quando Allex resolveu preparar sozinho um pudim de leite, e pesquisou uma receita do "melhor pudim de leite do Brasil", que levava uma tonelada de leite condensado e uma quantidade brutal de gemas de ovos, também um pedaço para mim bastou. Estava uma delícia. Mas depois de uma colherada gorda, eu sentia REALMENTE que eu já tinha matado a vontade.
Tudo isso me fez pensar a respeito da minha relação com açúcar, seja em forma de doce ou de álcool. Desde como somos ensinadas a enfiar o pé no doce para compensar nossas frustrações (pense na cena clássica da mulher rejeitada, chorando, comendo um pote inteiro de sorvete, ou na frase também clássica "ai, estou de TPM, tô precisando de um chocolatinho"), até na minha relação a cozinha.

Porque se eu não como doce, eu não faço doce (exceto pelo aniversário da Laura). E se eu não faço doce, ninguém em casa come doce. De novo, a não ser pela uma goiabinha que mando no lanche da escola e pelas sobremesa do fim de semana, todo mundo aqui em casa começou a comer MUITO MAIS FRUTAS. Inteiras, in natura. Não dentro de sorvete, pudim ou bolo. Dá pra contar nos dedos das mãos quantos doces a família toda comeu esse mês. E eu não enchi o saco de ninguém, nunca falei que era para a família inteira cortar doce, eu deixei bem claro que era uma experiência MINHA.

Mas acabou sendo melhor para todo mundo.

O que sobrou da quantidade BRUTAL e bananas, maçãs e clementinas que eu comprara no começo da semana.

 Na minha busca por uma vida tranquila, tem entrado muito a MME: Maternidade do Mínimo Esforço. Um termo que vou acabar cunhando, marca registrada, fui eu que inventei (hahaha), porque me deu um bode geral de soluções complicadas para problemas simples. Comida simples. Direta ao ponto. Fruta de sobremesa. Tem sido meu novo lema. Agora, mais ainda.

Maaaas...na minha primeira semana sem açúcar, saí correndo internet afora atrás de receitas de sobremesa sem açúcar para toda a família. Comprei chia para fazer geleia sem açúcar para as crianças. Compilei receitas usando bananas e abacates e tâmaras. DE NOVO.

DE

NOVO

AFE

*Suspiro*.

Cara, eu já fiz isso quantas vezes? QUANTAS??

Benzadeus pela clareza mental.

Parei. Apaguei tudo.

Quero mesmo passar meu dia fazendo bolinha de tâmara? Eu quero ficar preparando mousse de abacate com cacau quando posso só morder uma pera?

Qual é a solução mais simples? Se você não quer comer açúcar mas quer comer algo doce, QUAL É A SOLUÇÃO MAIS SIMPLES? Um mousse de abacate com tâmara e cacau... ou uma maçã?

Uma maçã basta. E que o mais complicado seja uma polvilhada de canela.

No meu mês frugal, o arroz e feijão voltou com tudo. Jantar de ontem foi arroz integral, feijão preto, brócolis refogado e abóbora assada, e o prato estava tão lindo que me arrependi de não ter fotografado. Assim, simples. Sem temperos complicados. Laura resolveu ontem que gosta de abóbora (então agora são 3 contra 1 aqui em casa! hahaha!). Simples. Comida boa e gostosa. Com cara de casa, não de restaurante.

Quando Allex me disse que queria dar um tempo da carne novamente e voltar a fazer hambúrguer vegetariano, a primeira coisa que fiz foi pegar na bilioteca de novo todos os livros do Green Kitchen Stories e aqueles vegetarianos que eu tinha no Brasil. E depois de folheá-los extensamente, suspirei e me dei conta de que não queria fazer nada daquilo. Não queria criar de novo aquela despensa imensa que eu tivera no Brasil. Não queria de novo ficar seguindo receitas para combinar vinte e sete ingredientes. Sabe o que é vegetariano? Arroz, feijão, legumes deliciosamente refogados em azeite e uma salada muito bem temperada. E lá vinha o bode outra vez. Bode desse hábito de se complicar, bode do FOMO que faz com que eu acredite que preciso tentar coisas novas O TEMPO TODO.

Bode, bode, bode. 

O resultado do mês é que passei menos tempo na cozinha. Eu voltei a fazer pães com regularidade, mas não fiquei me sentindo pressionada a fazer bolo ou biscoito toda semana para as crianças levarem para a escola. A comida mais simples e mais previsível é mais fácil de preparar e de reaproveitar. Cortei as idas semanais no supermercado e comecei a ir realmente apenas quando itens imprescindíveis acabassem (como leite, ovos e farinha), ou quando não conseguisse mais produzir nenhuma refeição com o que havia na despensa. O que quer dizer que também passei menos tempo indo a supermercados.

Ainda que eu continue encucada com a nutrição das crianças na escola, principalmente nesse ambiente norte-americano meio trash, confesso que fiquei menos paranoica com o valor nutricional dos pratos que cozinhei. Se é comida de verdade e compõe uma refeição decente, tá bom, obrigada. Hoje em dia sou feliz com essa cozinha simples de dia-a-dia. Sou feliz com banana com canela, sou feliz com o mesmo bom e velho bolinho de iogurte, com minha torrada de abacate e com spaghetti com molho de tomate. Sou feliz com brócolis no alho e azeite e com batatas assadas com alecrim. Com feijão e ovo frito e com tapioca com queijo.

Se um dia eu me fartei de cozinhar panquecas de todos os jeitos e scones e biscuits e toda sorte de itens diversos de café da manhã, minha felicidade hoje reside em pão com manteiga e café quente.

Simples.

Eu tenho certeza que essas pessoas que a gente acaba seguindo internet afora devem ser muito felizes com as soluções que elas encontraram para a vida delas. Que dão certo no contexto delas. Mas para mim o diagnóstico é sempre o mesmo: basta desligar a internet um pouco para a paz de espírito retornar.

Cada vez mais, todas as soluções complicadas são as soluções erradas para mim, para o meu contexto, para minha vida e para minha família.

.....

No último fim de semana do mês, comemorei o fato de ter ficado, PELA PRIMEIRA VEZ desde que chegamos ao Canadá (ou pela primeira vez desde que saí da casa dos meus pais) ABAIXO da meta de supermercado (e de bebida alcoólica!). A comemoração veio de uma forma bastante frugal: usando todas as claras de ovos não utilizadas no pudim de leite do Allex para produzir um Mousse de Chocolate. Porque meu filho disse que não sabia o que era mousse, e isso me desconcertou. Mousse de chocolate era minha sobremesa favorita de infância. E eu fiz tanta sobremesa complicada ao longo dos meus anos, e tantas sobremesas com substituições "saudáveis", e tantas sobremesas com ingredientes exóticos, que eu sequer tinha uma receita "oficial" de mousse de chocolate, daquelas testadas e aprovadas repetidamente.

Fui direto ao meu livrão de todas as coisas francesas, o I Know How to Cook, da Ginette Mathiot.

Esse mousse de chocolate é muito leve e muito fácil, e foi unanimemente aprovado na família. Além de tudo, é simples e doce na medida, e me deixou felicíssima em saber que finalmente tenho outra coisa para fazer com o mar de claras congeladas que sempre tenho no freezer, além de Angel Food Cake.

 
A receita pede apenas 2 colheres de sopa de açúcar e não especifica o teor de cacau do chocolate. Usei 70% da Callebaut, que é mais suave do que o Lindt, que tem um final mais amargo. Mas, temendo que as duas colheres somente produzissem um mousse muito "francês" e "adulto" (porque Allex disse que gosta muito do meu pudim de leite, mas que é muito "adulto", e que o dele alimentava a criança gordinha dentro dele. Hahaha), acabei aumentando a quantidade aos poucos, e usando 4 colheres de sopa (ou seja, 1/4 xic.). Mas pretendo fazer novamente apenas com duas. O mousse não ficou muito doce, o chocolate amargo ainda era o principal sabor. Aliás, para esse chocolate, acho que ficou perfeito. Mas recomendo que você experimente o seu chocolate e decida se prefere a quantidade original de açúcar ou um pouco mais.

Enfim.

O mês com menos açúcar foi uma experiência excelente. Eu descobri que me sinto infinitamente melhor com nenhum açúcar durante a semana, inclusive álcool. Descobri que continuo precisando do meu snack à noite, não para acompanhar a cerveja ou porque quero açúcar, mas porque de fato TENHO FOME. Descobri que consigo ficar sem beber álcool tranquilamente, e agora sei quando realmente quero e quando é meu emocional pedindo compensação, quando nesse caso, volto pro meu chá e tento de fato resolver meu problema ao invés de entorpecê-lo de açúcar. Descobri que a família toda se beneficia dos caminhos mais simples. Redescobri meu amor pelas frutas. Descobri que consigo sim economizar no supermercado sem fazer ninguém sofrer por isso. Descobri que esse desafio foi fácil não porque eu já não comia muito açúcar, mas porque eu não entrei nele com uma mentalidade de restrição: eu nunca disse EU NÃO POSSO comer açúcar, mas EU NÃO QUERO. Entrei nessa com curiosidade científica, com vontade de explorar minhas possibilidades, e não querendo me punir. E com isso, consegui o presente de me entender melhor.

Vou continuar fazendo sobremesas com açúcar. Quando eu tiver vontade. Para o fim de semana. Porque esperar o fim de semana para ver seu desenho e comer mousse de chocolate é gostoso. Assim como sei que é gostoso esperar o domingo para sentar no sofá com uma caipirinha. Assim como esperamos a pizza de sexta-feira. E da mesma forma como faço a pizza de forma relaxada, porque está inserida como algo bom na minha rotina, começo a ficar contente pensando qual será o doce da vez. E é só ele, e não precisa ser complicado. Não precisa ter cara de especial, porque por ser raro, é especial em si mesmo.

Mas nesse mundo internetístico em que as pessoas querem ver receitas mais gourmet, preparos mais complexos, pratos com temperos exóticos, saladas nutricionalmente perfeitas, novidades incríveis para seu paladar, variação infinita... fico me perguntando qual será o futuro desse blog. Com os legumes refogadinhos e os mesmo bolo de sempre. No espaço virtual, há espaço para uma cozinha simples? Quão instagramável é uma clementina?

MOUSSE DE CHOCOLATE
(do livro I Know How to Cook, de Ginette Mathiot)

Ingredientes:
  • 200g de chocolate amargo
  • 6 claras de ovo
  • 2 colh (sopa) de açúcar

Preparo:
  1. Em banho-maria, derreta o chocolate picado, misturado a 2 colheres (sopa) de água, mexendo de vem em quando com uma colher para que derreta uniformemente. 
  2. Enquanto isso, bata as claras até picos moles. Junte o açúcar e continue a bater até que fiquem bem firmes (mais do que você faria para um bolo). 
  3. Junte 1/3 das claras ao chocolate e misture energicamente, para que fique homogêneo e o chocolate misture mais fácil ao restante das claras. 
  4. Incorpore o restante das claras, agora com delicadeza, e, quando o creme estiver homogêneo, coloque em uma tigela ou potinhos individuais, cubra com filme plástico e deixe firmar por várias horas, no mínimo quatro.



 


   


sexta-feira, 16 de novembro de 2018

O que eu como em um dia (quer dizer, uma semana, mais ou menos...), muitos reaproveitamentos, um bolo simples e um sorvete de baunilha

As frutas sao da Laura, eu nao sou tao saudavel assim.

CAFÉ-DA-MANHÃ

O dia amanhece tarde. O sol não dá as caras antes das sete da manhã. Ainda são seis e alguma coisa, uma preguiça-monstro impera, e não fosse o fato do marido acordar dez para seis para correr ou meditar, acho que jamais acordaria. Está frio lá fora, chove, e não me animo para a rotina-loucura matinal com as crianças. Mas o cão vem batendo o rabo entre a parede e a cama, panc, panc, panc, panc, feliz e contente pedir por comida e carinho, e seu bafo quente e suas lambidas em meu nariz escapando para fora das cobertas me convencem.

Levanto.

Há mais de meia hora as crianças já estão de pé, brincando no quarto ou desenhando na sala. Já saio do quarto vestida de roupa de corrida e de cama feita, para não me animar a voltar ao travesseiro. O ruído da cafeteira moendo grãos de café e ligando a caldeira é confortável. Acendo as luzes da sala e da cozinha conforme caminho pelo pequenino apartamento. Ainda é noite fechada lá fora.

Thomas dá comida ao cão e pergunta o que há de café. Tem pão, tem cereal, tem waffles de ontem. Quer uma torrada? Laura apanha as frutas do prato azul da bancada, uma faca pequena e começa a preparar seu prato. Ela sempre come frutas no café da manhã. Um bocado delas. Naquela manhã, kiwi e romã. Faço torradas para o resto da família, douradas com manteiga na frigideira. Thomas come várias com mel ou geleia, Allex come duas. Uma torrada basta para mim, pois nunca tenho fome assim que acordo. Uma torrada solitária, com uma passadela extra de manteiga e uma pitada de sal para acompanhar meu cappuccino de todo dia. Nessa semana, no entanto, minha torrada vem sempre com esse estranho queijo-que-não-é-queijo que minha cunhada trouxe da Noruega. Pense um doce de leite. Mas sem açúcar nenhum. Estranhíssimo e delicioso.

Como assim, de pé, sobre a tábua de corte onde já saio preparando o almoço das crianças. Allex sempre leva restô-dontém, mas as crianças raramente têm tempo para uma refeição decente, o que sempre me entristece. Mas bola para frente. Ando sempre buscando alternativas para enfiar mais legumes nos lanches.

Naquele dia, resolvo fazer um rolinho de ovo com legumes, uma espécie de omelete de forno para usar as nove claras que eu tinha no freezer, e que eu não queria transformar DE NOVO em Angel Food Cake. Ossos do ofício de quem faz sorvete em casa - arrumar novos modos de usar as claras que sobram. Encontrei essa receita internet afora, preparara na noite anterior e deixara já pronta na geladeira para a manhã seguibte  Os adultos adoraram. As crianças, no entanto, não se animaram. Thomas achou que tinha queijo demais e ficou muito salgado, mas a verdade é que usei a quantidade de sal pedida na receita, sem me dar conta de que o sal que compro é bastante salgado (tem disso, sal que é mais salgado, sal que é menos salgado). Ovos salgados mais queijo cheddar, realmente ficou meio além da conta. Então, se for fazer a receita, lembre-se de salgar a gosto e com cuidado. Já Laura não gostou foi da textura, e é sempre disso que ela reclama quando dou algo essencialmente macio para ela comer: frittata, gnocchi, Spaetzle, omelete, e até crepioca são sempre sumariamente reprovados por ela por conta da textura.




Olha que fofura! Dá pra acreditar que eles não gostaram? Eu adorei, mesmo muito salgado.

Enquanto todos terminam de se arrumar e colocar nas lancheiras seus almoços, coloco roupas para lavar, louças na lava-louças, passo um pano na mesa e na bancada da cozinha (quando uma das crianças não se anima a fazer essa limpeza), alimento meu fermento, e verifico minha lista de coisas a fazer do dia.

Allex já saiu correndo para o trabalho que fica longe.

Quando todos estão prontos, saímos para a escola. Eles de casacos de inverno, eu tilintando de frio num agasalho leve de corrida, puxando o cão comigo e pedindo para que os dois acelerem o passo para mamãe não congelar até chegar na escola. É o primeiro dia de sensação térmica negativa do Outono. Chove leve.

Beijinhos, recomendações, abraços, jogo a criançada para dentro da escola e imediatamente começo a correr, puxando o cachorro para o parque, buscando me esquentar com a movimentação.

LANCHE DA MANHÃ

Quando chego em casa, depois de alguns quilômetros corridos (as vezes três, às vezes sete, às vezes nenhum, depende do que tenho para fazer no dia e da colaboração do cão), a fome bate. São nove e quarenta e cinco. Dez da manhã quando a corrida foi longa. Tomo um banho rápido, dou mais comida e água ao cão e preparo o que considero meu segundo café da manhã, desta vez apreciado em silêncio, com calma, sentada à mesa. Simples e, assim como a torrada com manteiga, todo dia tudo igual: meia xícara de iogurte natural, a fruta que houver, uma colher de manteiga de amendoim (sem açúcar, apenas amendoim, e quando tenho na geladeira, substituo por nozes picadas) e um fio de mel. Acompanha uma xícara de chá, que, assim como meu café, tomo sem açúcar -  acho que açúcar estraga o gosto das bebidas.

Ok, sou saudável sim. Mas minhas frutas vem sempre aqui, com iogurte.
A partir daí, o dia começa. Pintar, desenhar, escrever, resolver pepinos, responder emails, terminar um trabalho, prospectar clientes, costurar joelho de TODAS as calças das crianças e passar aspirador na casa (coisa que leva cinco minutos - vantagem do apartamento pequeno) para recolher toda a areia que se solta dos pelos do cachorro quando a lama do parque seca. 

ALMOÇO

Às dez para meio dia já tenho fome e começo a preparar minha torrada, que gosto de chamar carinhosamente de Tartine, pois isso me faz sentir mais inclinada a caprichar na preparação. 

Uma de minhas favoritas: abacate e grapefruit, azeite, sal e pimenta-do-reino. O pãozinho da vez é aquele integral de aveia do post passado.
Quase toda semana compro ingredientes específicos para meus almoços, pois sei com quê meu apetite se anima nesse horário e o que me satisfaz sem precisar de grandes malabarismos culinários. Abacate é um item praticamente obrigatório na minha cozinha. Pepinos apareceram durante todo o verão, mas agora que esfriou estão custando um rim. Tahini é uma pastinha que passo no meu pão com frequência, e sempre tenho potinhos de hommus que preparo de batelada e congelo para quando precisar. Agora no frio, o grapefruit é minha primeira escolha para acompanhar o abacate.
Nesta semana, no entanto, havia apenas um avocadozinho na geladeira e, por algum motivo, acabei não comprando mais. Às vezes me divirto NÃO indo às compras e me desafiando a criar refeições com tudo o que sobrou na geladeira, no freezer e na despensa. Doida de pedra.
Num dia, havia sobrado do jantar anterior uma Salada Siciliana de Erva-doce e Laranja (na qual usara azeitonas ao invés das nozes, para o marido e a filha não reclamarem). Pensei naquela erva-doce que passara a noite marinando em suco de laranja e limão, e pesquisei na internet: o que fazer com picles de erva-doce. Acabei caindo Neste Site que sugeria, veja só, uma torrada, e adaptei como bem entendi. Havia sour cream na geladeira (que aqui é grosso como um iogurte grego), que misturei a salsinha picada, sal e pimenta-do-reino e passei a colheradas generosas na minha torrada grelhada em azeite. Cobri com dois filezinhos de anchova cada, e então a salada de erva-doce. Corrigi a acidez da salada com mais um pouco de suco de limão, polvilhei com as folhas da erva-doce e o que restara da salsinha, um fio de azeite e NHAC!
Inventando com os restos: sour cream, anchovas e um "picles" falso de erva-doce.
Num almoço, eu apanhara um tantinho de maionese que sobrara da batelada do sábado anterior e misturei a ovos cozidos, cenoura ralada, salsão picadinho, cebolinha e salsinha, um nada de mostarda, sal e pimenta, e recheei sanduíches de pão integral de aveia para o almoço das crianças. O que restou no potinho, virou meu almoço também. Boa e velha salada de ovo.



No dia seguinte, eu tinha uma baguette grelhada no azeite, hommus de edamame (que eu preparara num dia em que me deu um siricotico e eu não tinha grão-de-bico), cenoura ralada, queijo feta, cebolinhas, sal, pimenta-do-reino e azeite como almoço. Uma versão aberta do wrapp de tortilla que eu mandara de lanche para as crianças. (Que Thomas amou e Laura odiou, porque ela detesta edamame.)  E chá. Quando não bebo água durante o almoço, bebo chá. A água, aliás, na minha garrafa azul, está sempre comigo.

Hommus de edamame, cenoura ralada, queijo feta e cebolinhas picadas.

Purê de abóboras com lentilhas, queijo feta, salsinha, cebolinha, limão e azeite.
 Mais um dia, mais um aproveitamento de restô-dontém. As abóboras com lentilha do jantar foram amassadas com um garfo até quase virarem purê, e ligeiramente aquecidas. Cobriram a baguete douradinha, e ganharam mais feta, ervas, limão e azeite. Esse almoço acabou me deixando mais satisfeita do que eu pretendia, e pensei que era melhor ter preparado uma torrada só. Detesto sensação de barriga cheia depois do almoço, pois fico letárgica e pouco produtiva. Mas estava uma delícia, de qualquer forma.
Por último, repeti para mim o almoço que mandara para as crianças: wrapp de tortilla com hommus, cenoura ralada, as beterrabas assadas que haviam sobrado de outro dia, salsinha, cebolinha, queijo feta, umas gotinhas de limão, azeite, sal e pimenta-do-reino, tudo enroladinho e pronto pra comer. Adivinha! Adivinha! Thomas adorou. Laura detestou. Por quê, Laura? Por quê? Por causa da textura do queijo, mamãe. >_<
Wrapp de tortilla de trigo com hommus, beterrabas assadas, cenoura ralada, queijo feta, salsinha, cebolinha, limão e azeite.

De barriga cheia, levo o cão para um passeio, aproveito para ir a mercado ou biblioteca ou onde precisar ir com o bichinho junto, e volto para trabalhar mais um pouco e adiantar, de repente, algum processo do jantar. (Aliás, peraí, que enquanto escrevo isso, deixei minha cevadinha cozinhando, e acho que ela começou a queimar. Nãaaaaaao!)

SNACK

São quase três horas e preciso buscar as crianças. Em dias chuvosos como hoje, sei que voltaremos para casa assim que eles saírem da aula, e então apenas tomo mais uma xícara de chá e saio. (Quando está muito frio, o chá vai comigo numa caneca térmica.) Em dias sem chuva, em que sei que eles quererão brincar meia hora ou mais e que demoraremos para voltar para casa e fazer o jantar, belisco algo com minha xícara de chá. Uma banana, uma metade de maçã que ficou na geladeira são habituais opções. Às vezes cato um talo de salsão ou uma cenoura que sobrou de algum lanche deles de outro dia e dou uma passadela rápida no pote de hommus. O normal, no entanto, é só o chá mesmo, pois não tenho fome nesse horário.

Naquela manhã mais tranquila, eu preparara rapidamente um bolo simples para que as crianças levassem de lanche durante a semana. E o motivo para ter usado as claras nos rolinhos de ovo ao invés de um bolo, foi que eu tinha intenção de usar a calda das peras cozidas do post anterior para molhar o bolo. Reduzi a calda um pouco e reguei todo o bolo pronto com ela.

E como houvesse bolo pronto ali pedindo para ser experimentado, naquela tarde meu snack foi uma fatia de bolo ainda morna.

Pound cake de azeite de oliva, regado com a calda das peras cozidas.
Como eu queria uma base bem neutra para a calda de pera, usei óleo de semente de uva, que é bem suave, no lugar do azeite. Você pode também usar um óleo vegetal neutro, se quiser.

POUND CAKE DE AZEITE DE OLIVA
(Do livro Sinfully Easy Delicious Deserts, da Alice Medrich)
Rendimento: 2 bolos ingleses ou 1 bolo de furo no meio (forma de 10-12 xic. de capacidade)

Ingredientes:
  • 3 xic. farinha de trigo
  • 2 colh (chá) fermento químico em pó
  • 2 xic. açúcar
  • 1/4 colh. (chá) sal
  • 1 xic. azeite de oliva
  • 1 colh. (chá) extrato de baunilha
  • 5 ovos ainda gelados da geladeira
  • 1 xic. de leite integral

Preparo:
  1. Posicione a grade do forno na parte inferior e pré-aqueça o forno a 180oC. Unte e enfarinhe a(s) forma(s) ou forre o interior com papel-manteiga, se estiver usando as formas de bolo inglês.
  2. Numa tigela, misture a farinha e o fermento. Reserve.
  3. Na tigela da batedeira, bata o açúcar, sal, óleo e baunilha até que esteja tudo bem misturado. 
  4. Junte os ovos, um a um, batendo bem a cada adição, e então continue batendo até que fique aumente o volume e fique pálido, entre 3 a 5 minutos. 
  5. Junte 1/3 da farinha, e bata em velocidade baixa apenas até que se misture. Junte metade do leite, misturando, então prossiga alternando a farinha e o leite até que tudo esteja incorporado. 
  6. Transfira a massa para a(s) forma(s). Asse por 1 hora ou 1 hora e 10 minutos, até que um palito inserido no meio saia limpo.
  7. Esfrie na forma, sobre uma grade, por 15 minutos. Desenforme e deixe que esfrie completamente antes de servir. Os bolos, frios e embalados, podem ser congelados por até 3 meses. 
  8. (Esse bolo é bem compacto, e por isso se presta bem a ser furadinho e banhado em caldas e xaropes ainda na forma. Banhe ainda quente do forno e deixe que esfrie completamente e absorva toda a calda antes de desenformar. Ele também é um ótimo bolo base para toda sorte de variações, com raspas de cítricos, por exemplo.)



JANTAR

Quando voltamos para casa, a criançada desempacota almoço e mochila. O que sobrou é consumido como lanche da tarde enquanto Thomas faz lição. Ele senta no sofá e lê seu livro em voz alta (todo dia a professora manda um livro diferente), e eu preparo o jantar enquanto Laura vai para o banho ou senta para incomodar ouvir a história lida pelo irmão.

Eu ando pegando livros de cozinha na biblioteca, mas não sei muito bem por quê. Fico animada ao ter o livro nas mãos, mas no fim, ao folheá-los, tenho sempre essa sensação estranha de o autor estar tentando com força demais reinventar a roda. Tive essa impressão principalmente com o livro novo do Ottolenghi, o Simple. Folheei, folheei, mas só de pensar em começar de novo a colecionar temperos que eu não uso todos os dias, bateu uma preguiça gigante. A bem da verdade, depois de tanto tempo experimentando e cozinhando de diferentes fontes, acabo gravitando em torno da cozinha italiana e francesa (com breves incursões em modinhas naturebas), onde ingredientes têm os gostos deles mesmos. Não é a toa que a sopa favorita dos meus filhos é a sopa francesa de abóbora que se faz com abóbora, água e leite. Ela é maravilhosa e tem gosto de... abóbora. (Sempre faço a receita inteira, para 8 porções, para ter congelada para dias apressados. As crianças adoram e assim que o Outrono chegou, já vieram pedir por ela.)

Além da parte do sabor, onde parece que quero abobrinha com gosto de abobrinha e berinjela com gosto de berinjela, com temperos simples que realcem o sabor natural dos ingredientes, também, entrando no reino da auto-análise, me dou conta de que sempre saio à caça de livros de cozinha quando me sinto atrapalhada na vida. Como se buscasse em receitas de comida as fórmulas mágicas para aplacar minha ansiedade e encontrar direção. Mas o que isso faz, quase sempre, é complicar ainda mais meu dia-a-dia, quando me pego passando mais tempo do que gostaria na frente do fogão, ligeiramente alvoroçada por processos menos familiares, e usando ingredientes que não fazem parte de verdade da minha vida. Quando minha cabeça está bem, toda a minha cozinha é simples e direta ao ponto. É couve-flor com azeite. É bolo de iogurte. Na hora em que me meto a fazer saladas que levam vinte e sete elementos e começo a me preocupar que o bolo de beterraba não leva nenhuma farinha de grãos antigos, eu sei que é hora de parar, abrir um vinho, botar o pé pra cima e pedir uma pizza. Liga pruma amiga pra conversar e bota as ideias em ordem.  

Enfim. Preguiça. A maior parte dos livros que andei pegando, devolvi no mesmo dia.

No caso desse livro do Ottolenghi, resolvi preparar algumas receitas antes.

Na segunda-feira, preparei de jantar esse alho-poró e espinafre braseado com ovos e queijo feta. Lembra do feta que apareceu aí em cima em todos os almoços? Veio daqui, pois eu comprara um enorme para fazer pão de queijo, mas desisti e resolvi usar em todas essas receitas. Para acompanhar, fiz aquela salada de funcho lá em cima, cujas sobras viraram torrada. Na hora em que fui servir, no entanto, dei-me conta de que esquecera de preparar o arroz que eu pensara para acompanhar essa profusão de legumes. Na pressa, servi tudo com uma fatia de pão dourado no azeite e todo mundo gostou.

O veredito do prato do Ottolenghi? Bom, acabou que não usei o zatar, e mantive os sabores clássicos, usando tomilho no cozimento dos legumes. Ficou muito saboroso, mas foi um consenso de que é simplesmente alho-poró demais para se comer assim, sozinho. Em termos de verduras com ovos, a versão do outro livro dele, de espinafre, e cuja pimenta-diferente-específica-difícil-de-achar eu também nunca uso, ainda é mais apetitosa em termos de TEXTURA. Laura concordou comigo. Hahah! ;)

Um ovo de gema mole para cada um sobre os legumes.

Jantar.

Em outro dia, eu lembrei de fazer o arroz. Há! ;) 

Ele acompanhou as Abóboras Assadas com Cebolas, Lentilhas, Queijo (que era para ser gorgonzola mas usei o feta) e o molhinho de ervas. Eu adorei esse prato, ainda que não houvesse nada de inovador nele. Enquanto preparava e comia, tinha a impressão de já ter feito diversas versões daquele mesmo prato durante os últimos quinze anos. Leguminosas + vegetal caramelizado no forno + queijo salgado e picante + ervas refrescantes. Fórmula imbatível. De qualquer forma, a refeição foi um sucesso com todos a não ser com o marido, que fez cara de "eu só estou comendo abóbora por educação porque as crianças estão me olhando" durante todo o jantar. No dia seguinte, ele fez a marmita dele apenas com as lentilhas e o arroz, deixando todas as abóboras para trás na geladeira com uma colherada minúscula de lentilhas. E foi esse resto abandonado que virou meu almoço ali em cima.

Amo essas cores.

Comeria esse prato todo dia. Tá bom, toda semana, que não gosto de comer todo dia a mesma coisa.
No dia seguinte, resolvi fazer bom uso das folhas de alho-poró que eu tinha guardado. Eu usara um bocado de alho-poró na receita da segunda-feira, mas os que eu comprara no mercado tinham partes verdes bojudas e muito logas, com pelo menos 15cm de comprimento cada, o que resultou numa pequena bacia de folhas de alho-poró. Meu primeiro instinto foi usar para caldo, mas me dei conta de que era simplesmente demais. O caldo teria apenas gosto de alho-poró e me deu preguiça de ter aquilo tudo de folha no freezer para a eventual necessidade de precisar aromatizar alguma coisa. Fiquei encafifada. Aquilo É comestível! Porque a gente não usa? Porque a gente obedece esse monte de chefs mandando a gente descartar partes boas dos alimentos? Se eu estivesse numa guerra, eu jogaria aquilo fora?

NÃO.

Lavei bem as folhas, fatiei todas elas bem BEM fininho, e refoguei no azeite, manteiga e tomilho exatamente como teria feito com as partes brancas do alho-poró. Mexi bem, temperei com sal, cobri com tampa e deixei ali cozinhando por bem uns dez minutos, fogo baixo, até amaciarem. Abri a tampa, juntei um pouquinho de água e uma colherinha de vinagre (teria usado meia xícara de vinho branco se tivesse, mas no caso só queria acidez), misturei bem e continuei cozinhando sem tampa, até o líquido reduzir. Fui experimentando as folhas. Queria quebrar todas as fibras dela e amaciá-las por completo. Juntei mais um tantinho de água e continuei cozinhando até que estivessem tão macias quanto as partes brancas do alho-poró, e foi isso o que aconteceu. As folhas ficaram macias e quase cremosas.

Preparei minha massa de torta de sempre usando farinha integral, pois acabara a farinha branca, e fiz um quiche usando as partes verdes do alho-poró, e um creme feito com 3 ovos, 1 xícara de sour cream, noz moscada, sal, pimenta-do-reino e queijo cheddar branco ralado grosso. Preparei o quiche normalmente.

A torta ficou tão boa, mas tão boa, que as crianças pediram para levarem de almoço na escola no dia seguinte. E assim foi. Aprendemos mais uma, amiguinhos: nunca descarte as partes verdes do alho-poró.

Para acompanhar, preparei uma salada de espinafre (o espinafre daqui é diferente do brasileiro, com textura de rúcula, bem suave), beterrabas assadas (que eu assara no forno no dia anterior, em outra grade, ao mesmo tempo das abóboras, com intenção de fazer um pão do livro do Ottolenghi, mas do qual desisti depois), queijo feta, cenoura fatiada fininho, e um vinaigrette com mostarda, cebolinha, salsinha e estragão.


Na quarta-feira, resolvi aproveitar outra apara de vegetal que geralmente vai para o lixo: os talos verdes e fibrosos da erva-doce. Como eu trouxera aquele funcho imenso da fazenda do passeio escolar das crianças, com todos os talos de meio metro junto, precisava dar cabo deles. Separara as folhas para pesto, e picara todos os talos e congelara, primeiro com intenção de fazer uma sopa. Mas então me veio a ideia de fazer um risotto de funcho usando apenas as partes descartadas. 

Comecei refogando cebola em meias-luas finas e o funcho em manteiga e azeite, devagar, em fogo médio, até começar a dourar. Quando isso acontecia, juntava uma colher de água e misturava energicamente, raspando o fundo da panela com a colher de pau e então largando para dourar de novo e repetindo o processo até os legumes ficarem macios a ponto de desmancharem e deliciosamente caramelizados. Nesse ponto, adicionei mais azeite e e então entrei com o arroz arbóreo para começar o processo normal do risotto, usando caldo caseiro. (Meu caldo tem cascas de cebola, então ele tinge tudo de um âmbar intenso.) Risotto pronto, com manteiga e queijo, polvilhei folhas de erva-doce e salsinha e servi. Delicioso. 

O que aprendemos de novo, amiguinhos? Não descarte os talos da erva-doce.(Aliás, li também que os talos de erva-doce podem ser usados exatamente com o salsão. Andei fazendo essa troca em receitas que pedem salsão, e o resultado é excelente e nem se sente a diferença. Fica a dica.)


Na quinta-feira eu planejara fazer ragù, pois não havia nada a não ser o cachorro para me tirar de casa, e ragù bolognese é um compromisso de dia todo aqui em casa. A receita que uso é a de Marcella Hazan, que sempre faço em dobro para congelar e sempre faço a versão que também leva carne de porco (ela diz pra substituir até 1/3 da carne por porco, mas já usei até meio a meio e fica ÓTIMO). O cozimento lento e extenso torna o molho de carne cremoso e sensacional.

É uma lindeza esse ragù.
Na sexta é sempre dia de pizza, e aqui andei voltando para minha massa tradicional, substituindo metade da farinha branca por farinha integral. Ninguém em casa notou a farinha integral na massa, mas todos preferiram essa versão, que ficou mais saborosa.

Eu tinha um pacote de linguiças do fim de semana anterior, e resolvi abri-lo e usar uma delas para essa pizza de... erva doce. Dá pra ver que tinha erva doce pra burro em casa, não? A massa foi com molho de tomate, linguiça sem a pele, esmilgalhada, e fatias finas de funcho temperadas com sal e azeite para o forno alto por doze minutos, então coberta de mozzarela e assada por mais oito minutos até o queijo derreter e a massa dourar. Um absurdo de bom!


Um outro momento de reaproveitamento foi quando resolvi pegar as cascas de todas as abóboras que usara durante o mês de outubro (menos as do Halloween, que apodrecem), e que deixara congeladas, e cozinhar em água até amolecerem. Escorri bem, reservando a água cor-de-laranja, e bati as cascas macias no processador até obter um purê liso e espesso. Esse purê usei para preparar um bolo de abóbora que as crianças levaram de lanche da escola a semana toda. Não gostei muito da receita que escolhi, no entanto. O bolo não assou no tempo certo e as especiarias ficaram muito tímidas. Mas sempre dá pra pegar uma fatia de bolo sem graça e dourar na manteiga na frigideira, caramelizando seus açúcares e trazendo à tona uma textura mais interessante. Nham!

A água do cozimento das cascas usei para preparar um simples arroz, cujas cebolas também refoguei com sálvia. O arroz ficou ligeiramente alaranjado, adocicado e delicioso. Terminei com o funcho e com as beterrabas nessa salada simples com laranja, e, como eu tivesse ainda um pouco de maionese que eu preparara aquela semana, resolvi fazer um clássico simplérrimo: Oeuf Mayo. Ovos cozidos com maionese. Só isso.


SNACK DA NOITE

Lembra que eu disse que eu janto cedo? As fotos ali em cima foram tiradas entre 5h30 e 6h30, dependendo do ritmo pós-escola. Dá bem pra ver como nossos jantares antes eram feitos com luz do sol entrando pela janela e agora apenas com a luz do abajur, pois o sol agora, às 5 da tarde, já foi embora e é noite fechada. 

O que acontece quando você janta às seis da tarde e vai dormir às dez da noite? Você tem fome. E é por saber disso que eu SEMPRE deixo para comer sobremesa no fim do dia, de snack. Sempre que tem alguma sobremesa, as crianças comem logo em seguida ao jantar e já correm para escovar os dentes e brincar ou encerrar o dia, pois vão para a cama entre 7h30 e 8h. Eu nunca como doce junto com eles, pois sei que mesmo que esteja satisfeita, o hábito vai me fazer buscar comida lá pelas nove da noite. Nove da noite é minha hora do doce. 

A abóbora de Halloween que Thomas trouxe da fazenda no passeio da escola virou torta a pedido dele. Deliciosa. Receita de Dorie Greenspan.

O miolo dessa abóbora virou recheio da torta aí embaixo.

 

Mas quase sempre a sobremesa por aqui é sorvete. Por causa das crianças? Não, por causa do marido, que pergunta toda noite depois do jantar: "tem sorvete?" Esse de baunilha que é o grande favorito da casa e o grande responsável pelo meu estoque sem fim de claras de ovos (ainda que essa receita use poucas gemas, comparada a outros).  Acompanhou um frozen yogurt de café de David Lebovitz, maravilhoso, mas a pior sobremesa do mundo para se comer às nove da noite, pois leva uma quantidade avassaladora de espresso. Também não recomendo sorvete de cafè para duas crianças. Tá? Só não. Experiência própria. De qualquer forma, me refestelei de sorvete de baunilha e sorvete de café, polvilhado com cacau em pó, quase lembrando um tiramisù. (Aliás, se você for comprar uma máquina de sorvete, recomendo a da Cuisinart. A mais barata das novas versões dela, só com botão de liga e desliga. Achei que os sorvetes ficam imensamente mais cremosos do que com minha antiga da Hamilton Beach.)

MEU SORVETE DE BAUNILHA PREFERIDO, que eu acho que já postei aqui, mas não custa colocar de novo.
(ligeiramente adaptado do livro Twelve, de Tessa Kiros)

Ingredientes:
  • 750ml de leite integral
  • 250ml creme de leite fresco
  • 4 gemas grandes
  • 200g açúcar
  • 1 colh. (chá) extrato de baunilha
  • 1 pitada de sal

Preparo:
  1. Numa tigela, misture com um fouet as gemas e o açúcar até que fiquem claras e fofas. Enquanto isso, aqueça o leite e o creme até quase o ponto de fervura. 
  2. Junte uma concha do leite quente às gemas, mexendo rapidamente para que as gemas não cozinhem. Repita o processo mais duas vezes e então junte o restante do leite quente, misturando bem com o fouet. 
  3. Transfira de volta para a panela e leve ao fogo médio-baixo, mexendo sempre com uma colher de pau ou espátula, fazendo um 8 no fundo da panela, até que a mistura engrosse o bastante para que você passe o dedo nas costas da colher e o rastro se mantenha, sem que o creme escorra. NÃO DEIXE QUE FERVA EM MOMENTO NENHUM, ou o creme vai talhar e arruinar a textura do sorvete. O processo pode demorar até uns dez minutos, dependendo da panela e da intensidade do fogo. 
  4. Remova imediatamente do fogo, e passe por uma peneira para uma tigela limpa, para remover qualquer pedaço de ovo que possa ter coagulado. Num mundo ideal, a peneira não vai pegar nada. 
  5. Junte o sal e a baunilha e continue mexendo a mistura na tigela até que o vapor pare de sair. Alternativamente, você pode colocar a tigela sobre uma maior com água e gelo para resfriar mais rápido, mas como minhas tigelas são de vidro, tenho medo que trinquem, então não faço isso. 
  6. Leve o creme à geladeira, sem nenhuma tampa (você não quer nenhum vapor condensando e pingando de volta no creme, para virar gelo depois). Resfrie durante a noite e coloque na sorveteira no dia seguinte, seguindo as instruções do fabricante. 


Quando não tem sobremesa nenhuma na casa, o que às vezes acontece, normalmente apelo para uma maçã com manteiga de amendoim, algum legume cru com hommus, ou, se é para ser brutalmente honesta, algum salgadinho que o marido abriu para acompanhar uma cerveja de fim de dia. Porque eu adoro salsão com hommus, só que cerveja pede porcaria. Quando ainda quero parecer virtuosa, abro um avocado e preparo um guacamole rapidinho para acompanhar tortilla chips. Senão, um punhadinho de Cheezes (pense um Cheetos canadense BEM crocante e feito com cheddar, mas que não deixa pózinho radioativo grudado no dedo) vai muito bem com a cervejinha, que via de regra é consumida só de fim de semana. Mas regras foram feitas para serem quebradas, né? 

E esse é o fim de uma semana e uns quebrados de refeições razoavelmente típicas aqui de casa. Vou dormir lá pelas dez e meia da noite, depois de um último passeio com o cão, e começa um novo dia de torradas e iogurtes com fruta e cappcuccino, e chás e jantares repletos de legumes e partes estranhas de vegetais. :)

Cozinhe isso também!

Related Posts with Thumbnails