quarta-feira, 7 de março de 2018

Fevereiro, vida tranquila, um post em duas partes


Cerca de um ano antes de virmos para Toronto, minha cunhada me emprestou um livro pequenininho em italiano chamado Novecento, de Alessandro Baricco. No livro, esse homem que nasceu num barco e nunca saiu dele, um dia diz que quer descer para a terra. Por quê?, perguntam. Para ver o mar onde ele vivera a vida toda de outro ponto de vista.

Aquilo ficou gravado dentro de mim. Porque é preciso sair da ilha para ver a ilha, segundo Saramago, e percebi que confortavelmente inserida no contexto da minha existência no Brasil, eu jamais conseguiria enxergar a ilha, ver minha vida de outro ponto de vista. E eu vinha tentando, havia muito tempo, com todos esses processos de auto-ajuda encaixotados que peguei para mim, da naturebice, no minimalismo, do moda parisiense, dos livros de parenting, sem perceber que usar os óculos dos outros para enxergar pode ajudar mas não é a solução.

Em fevereiro fizeram seis meses que mudamos de país.

Durante esse tempo houve uma dezena, uma centena de desastres miniaturas dentro de mim, quebrando-me inteira por dentro, obrigando-me a reorganizar os pedaços e montá-los de um jeito novo, de novo e de novo. Demorei para me dar conta de que aquele quebra-cabeça emocional era tão difícil porque continuava forçando as peças dentro de um molde velho, gasto e torto.

Estava na hora de jogar o molde fora e montar aquelas peças livres no ar. Olhar para cada uma delas e decidir se elas ainda combinavam com as outras, se ainda tinham lugar. Muito como desentulhar uma garagem cheia de tralha, mas ao invés de olhar para os objetos em volta, você olha para aquele imenso espelho de cristal dentro de si. E abdicar de um pedaço do que você achava que queria ser, ou um pedaço da pessoa que você queria que os outros acreditassem que você era, é bem mais difícil do que jogar fora um abajur.

Mas quando você sai da ilha e se encontra à deriva nesse mar sem referências, você se dá conta de que todas aquelas pecinhas que formavam o que você acreditava ser sua identidade não passavam de bagagens externas. Eu sou uma pessoa que faz. Eu sou uma pessoa que tem. Eu sou uma pessoa que usa. Eu sou a pessoa que é filha de... Sou a pessoa que é mãe de... Eu sou uma pessoa que gosta de... coisas, pessoas, ações fora de mim. Todas essas malas pesadas que a gente carrega com a gente para fora da ilha e não nos permitem nadar para longe. E ali você está, na marolinha, achando que é alto-mar.

Fui nadando para longe e largando um baú medieval repleto de tralha emocional a cada braçada, e agora sento aqui nesse meu barquinho simples, olhando a ilha. O balanço do mar me conforta e meus olhos divisam as formas da terra firme claras sob o sol. E o que eu vejo não é bom nem ruim, apenas é.

Tudo mudou em mim.

Dou-me conta de que cada mudança de casa na minha vida foi o passinho que eu aguentava para longe da ilha que eu sabia que teria de deixar definitivamente um dia para me conhecer de verdade. Coisa louca, que muita gente não precisa fazer, mas que para mim era imprescindível. Não é que eu não me sentisse confortável no Brasil. Eu não me sentia confortável em mim mesma.

Agora o barco navega tranquilo. Tempestades ocasionais aqui e ali, mas a diferença crucial entre o antes e o agora é essa recém-descoberta calma frente ao conflito. Isso que tenho tentado ensinar aos meus filhos, isso de aprender a identificar suas emoções, ainda que abruptas e explosivas, e lidar com elas de forma tranquila. Isso de resolver os problemas sem perder a cabeça. Isso que eu não sabia fazer mas vi os professores canadenses ensinando às crianças. Oi, tia. Pode me ensinar isso também? Essa coisa linda de não perder a calma? De ficar zen? De se respeitar e respeitar o outro e exigir respeito? Adorei isso, quero tentar também.

E tudo flui. Essa vida tranquila que eu sempre busquei e que estava dentro de mim, escondida atrás de uma muralha de coisas que não eram eu, uma floresta de vitimismo, um mar inteiro de infantilidade e um deserto de ausência de responsabilidade pela minha própria vida.

E a gente se resolve um pouco e as coisas se resolvem em torno por osmose, porque a natureza assim funciona. E as crianças imitam o adulto, seja ele descompensado ou feliz. Que me imitem feliz então, que aprendam a respirar fundo e enfrentar seus medos, e tentar coisas novas, e resolver pepinos, e amar, e pedir desculpas, e dar a vez ao outro mas também exigir respeito.

As crianças vão aos pouquinhos nadando também para longe da ilha e entendendo que o mundo é grande e que as pessoas são incrivelmente diferentes e interessantes, e que todo mundo pode ser amigo desde que haja conversa. E conversando eles vão, aprendendo inglês em ritmo de trem-bala, contando histórias e aprendendo histórias, e Laura quer viajar para outros países e Thomas diz que vai morar no Japão um dia. E eu vejo esses dois seres imensos, desde quando a mão deles é tão grande?, fazendo lição-de-casa sozinhos e preparando o café de manhã, e recortando papéis coloridos e desenhos em folhas sulfite para criar seus próprios jogos de tabuleiros, e brincando metade em inglês, metade em português, e me dá uma tranquilidade imensa vê-los apanhar os livros da estante para folheá-los no sofá, em silêncio, por muito tempo, enquanto ouço uma música e preparo o jantar.

Passei fevereiro todo refazendo meu portfolio. Entra lá: www.anaelisagranziera.com

A vida anda mais devagar, ainda que bastante ocupada.

Numa quinta-feira corrida, voltamos da escola para a rotina de sempre: banho, lição, brincar, jantar, cama. Está um fim de tarde lindo, no entanto, um céu azul claro brilhante diferente da noite que caía cedo no auge do inverno e a sala inteira se ilumina e refresca como havia meses não acontecia. Acabáramos de assar biscoitos, e enquanto Thomas roubava um ainda quente da última fornada, pergunto se querem ir ao parque estrear os patins de gelo que apanhara usados na escola. Pensei que o jantar sairia atrasado, que era uma "school night", que Thomas não fizera a lição ainda. Mandei as favas as preocupações, o controle da rotina, e fomos. E as crianças patinaram pela primeira vez na vida, e Laura não parava de dizer o quanto AMAVA aquilo, e eu, ainda sem meus patins, sentei e vi o por-do-sol cor-de-laranja deitando sobre o rinque branco, e éramos praticamente só nós ali quando a noite caiu e continuei ouvindo seus risos e o raspar das lâminas no gelo sob a lâmpadas amarelas do parque.

Voltamos para casa no escuro, jantamos pipoca e Thomas disse para que eu não me preocupasse, pois ele faria a lição de manhã antes de ir à escola. Na manhã seguinte, ao invés de mandar consertar meu celular quebrado, comprei-me um par de patins para poder acompanhá-los no rinque. Prioridades.

O celular quebrou enquanto eu tirava essa foto, quando tropecei no cachorro e caí em cima do celular.
Senti-me estúpida e peguei birra do Instagram por alguns dias.

Patinei pela primeira vez na primeira festa de aniversário para a qual Thomas fora convidado. Os pais haviam reservado um espaço para fogueira num parque ali perto, do lado do rinque público de patinação. Havia smores e cachorros-quentes feitos na fogueira, e pipoca. Eram apenas meia-dúzia de crianças e os respectivos pais. Nossos pés chafurdavam na lama criada pela neve que se derretera nos dias anteriores. As crianças ajudavam os adultos a alimentar o fogo e saíam correndo para patinar mais um pouco. Era tudo simples e bom. O som dos pássaros, do fogo, das crianças.

Deslizar no gelo foi aterrorizante e maravilhoso. Fazer algo novo. Vencer meu medo de quebrar um braço ao cair. Eu já escorregara no gelo ao correr com o cão num parque e já sabia quão doloroso isso podia ser. As crianças estavam em êxtase ao me ver fazendo algo pela primeira vez, como eles. Mamãe não sabe tudo. Mamãe também está aprendendo. Se mamãe cair, tudo bem. Então se a gente cair, tudo bem também. Depois é a vez do papai. A gente quer ver o papai tentar também. 

Fevereiro se foi e levou com ele muito de quem eu achava que precisava mostrar para os outros que eu queria ser. E o que sobrou foi apenas eu. Eu que só quero uma vida tranquila.

Já estou com saudades da neve, pode?


.....

Agora vamos às praticidades da vida. Era preciso que entendessem isso aí em cima para entenderem isso aqui embaixo.

Em fevereiro minha cozinha começou a se aventurar de novo. Janeiro foi o mês em que Thomas decidiu que não queria mais levar fruta para a escola. E que tinha vergonha de comer salada na frente dos amigos. Pudera, bastou uma olhadela no almoço dos coleguinhas, num dia em que ajudava a professora, para entender. Era um tal de pão branco sem nada e sucrilhos de almoço que me deixou de cabelo em pé. Além disso, ele veio me explicar que não tinha lá muito tempo para comer, que os amigos engoliam a comida meio de qualquer jeito e saíam correndo para brincar ou jogar Ball Hockey, atividade gratuita que a escola oferece nos intervalos de almoço umas duas vezes por semana durante o inverno - e na qual Thomas se inscreveu assim, sozinho; fui descobrir que ele estava jogando um mês depois.

Janeiro eu passei preocupada tentando convencer a criança a comer fruta e verdura, e fiquei me enfiando em sites natureba-vegan-gluten-free-vida-sem-queijo para tentar inventar novas formas de enfiar coisas verdes na lancheira dele. Fiquei lá passando sabão no coitado, discursando à mesa cada vez que o lanche voltava, e vi logo que um sinal de que eu precisava mudar alguma coisa era o fato do meu filho levar as mãos às orelhas e fazer cara de exausto enquanto a ladainha prosseguia. 

Nisso, caí de gaiata no canal relaxante da Lu Azevedo, coleguinha ilustradora e brasileira que mora em Vancouver. Mais ou menos de gaiata, pois eu já conhecia o canal antigo, o Fala Maluca, cujos videos eu assistia para tentar me situar nesse futuro incerto que seria mudar para o Canadá com filhos. Mas o que eu não sabia era que ela havia partido em "carreira solo" e tinha criado esse canal que para mim é a versão em video da maternidade-sussa da Maria, do Seis Mais Dois. Quando ela fez um video mostrando o que mandava de almoço para os filhos na escola, logo caí em mim que eu andava complicando demais as coisas. (Aliás, sempre me deixa contente assistir a seus videos, pois parece que estamos sempre mais ou menos alinhadas em algumas coisas da vida - andava falando para uma amiga sobre comon mudara meu relacionamento com as crianças nos últimos meses, e vai lá a Lu e faz um video sobre disciplina positiva que é praticamente um resumão do que eu tentava explicar.)

Larguei mão geral e se meu filho diz que não dá pra comer mais que um sanduíche, então sanduíche será. Sanduichinho, macarrão, nori, cenoura, mini-pretzel e passas cobertas de iogurte, os dois últimos comprados a granel na loja de orgânico. E bolo e muffin e cookie feitos pela mamãe, porque a maior graça é poder fazer essas coisas toda semana. E aí que vem o pulo do gato: as frutas que Thomas não come em natura na escola, ele come nos doces que eu faço.


Como esse bolo de banana com chocolate do livro da Magnolia Bakery. Muito bom. Era para ter amendoins, mas como na escola não pode, omiti, e não fez falta.

CHOCOLATE CHIP BANANA LOAF
(do livro The Magnolia Bakery CookBook)

Ingredientes:
  • 1/3xic. manteiga sem sal, amolecida
  • 1/2 xic. açúcar
  • 2 ovos grandes, em temperatura ambiente
  • 1 1/2 xic. bananas maduras, amassadas
  • 1/3 xic. leite
  • 2 xic. farinha de trigo com fermento (eu usei farinha comum, adicionei 1 colh (chá) de fermento e uma pitada de sal)
  • 3/4xic. chocolate chips
  • (se quiser usar os amendoins, é só acrescentar 1/2 xic. de amendoins sem sal e sem pele, picados

Preparo:
  1. Pré-aqueça o forno a 180oC. Unte e enfarinhe uma forma de bolo inglês de cerca de 21cm.
  2. Na batedeira, bata a manteiga e o açúcar até que fique clara e fofa. 
  3. Junte os ovos, um a um, batendo bem. Junte a banana e o leite e misture.
  4. Adicione a farinha e misture apenas até que esteja tudo incorporado. 
  5. Junte os chips com a ajuda de uma espátula e passe a mistura para a forma.
  6. Asse por 45-55 minutos, até que um palito inserido saia limpo. 
  7. Deixe que esfrie na forma por uns 20 minutos antes de desenformar,.


PORÉM... é claro que a nutricionista esquizofrênica dentro da gente começa a achar que a criança está comendo muito açúcar, muita farinha branca e aquela coisa toda. (Se for comparar com criança-padrão canadenses e brasileiras, meus filhos não comem quase nada de aç[ucar, mas a nossa cabeça adora achar problema com o qual se preocupar e fica tentando resolver o que já está resolvido, simplesmente pelo prazer de resolver alguma coisa. - Tivesse resolvido os problemas de verdade dentro de mim, não ficaria enchendo tanto o saco dos meus filhos.)

E daí que eu catei todas as receitas da Kim Boyce (do livro Whole to the Grain) que eu tinha anotado e saí tentando encontrar um denominador comum entre elas, um template para criar outros muffins com outras farinhas integrais e outras frutas, pois sempre gostei dos muffins altos, massudinhos e pouco doces dela. E assim fiz. E nasceu o Muffin de Salada de Frutas. Com todas as frutas que Thomas se recusou a levar para a escola naquela semana. E ficou ótimo, principalmente quentinho com manteiga. E Thomas amou. E eu achei que meus problemas estavam resolvidos.



MUFFIN DE SALADA DE FRUTAS
(Rendimento: 12 muffins)

Ingredientes:
  • 1 1/2 xic. de farinha de trigo
  • 1 xic. farinha de trigo integral 
  • 1/2 xic açúcar mascavo (eu tentaria 3/4 xic também, para algo mais doce)
  • 1 colh (chá) fermento
  • 1 colh. (chá) bicarbonato de sódio
  • 1/2 colh. (chá) canela
  • 3/4 xic. manteiga derretida (150g, aproximadamente)
  • 2 ovos grandes
  • 1 (colh) chá extrato de baunilha
  • 1 xic. iogurte natural
  • 1/2 xic. leite
  • 2 xic. de frutas picadas grosseiramente, como maçãs, peras, bananas, caquis, abacaxi.

Preparo:
  1. Pré-aqueça o forno a 180oC. Forre a forma de muffins com forminhas de papel.
  2. Misture com um fouet todos os ingredientes secos numa tigela. Em outra, misture a manteiga derretida, os ovos, a baunilha e o iogurte e o leite, até que fique homogêneo. A massa não pode ficar líquida. Ela precisa fazer um montinho e ficar ali quietinha, sem espalhar. Isso garante aqueles muffins altos com domos grandes.
  3. Junte os líquidos aos secos e misture com uma espátula apenas até que a farinha suma. Junte as frutas.
  4. Divida a massa entre as formas. A massa VAI FICAR PARA FORA, mais alta que as formas. Desde que esteja firme, está tudo bem, ela não vai vazar. Vai inflar e firmar bonitinho sem virar aquela gororoba de quando tudo espalha, achata e afunda. Asse por cerca de 25 minutos, ou até que um palito inserido no meio de um deles saia limpo. 
  5. Retire do forno e deixe esfriar cinco minutos antes de comer. 

Mas Laura não comeu.

Porque aqui a grande diversão dos dois parece ser me deixar culinariamente louca.

Thomas ama nozes e castanhas e sementes e qualquer coisa crocante. Laura detesta. DETESTA.
Laura pede e devora qualquer fruta. Thomas diz que só gosta de melancia.
Thomas me pede para fazer mingau pelo menos uma vez por semana. Laura reclama sempre que eu faço mingau.
Ela adora tomate cereja. Ele nem encosta.
Ele adora edamame. Ela faz cara de nojo.
Ele adora sanduíche de almoço. Ela só quer prato quente.

Não tem saída.

Parece que eles só têm pontos em comum no que se refere às porcarias. Eu queria dizer que eles concordam na pizza, mas Thomas gosta de massa fina e Laura gosta de massa grossa.

Em fevereiro eu larguei mão de me preocupar demais com isso, virei para os dois, e disse: vocês vão levar o que tiver em casa e o que eu tiver tempo de preparar. Comeu, comeu, não comeu, traz de volta. E é isso aí.

E é isso aí.

E uma coisa puxa a outra. Se eu não fico aflita com o almoço deles, posso relaxar e me divertir mais nas outras refeições. E me deu vontade de fazer pão de novo, para variar um pouco o pão do sanduíche, e porque o pão integral das padarias daqui meio que não têm gosto de coisa nenhuma.

Catei um livro na biblioteca e achei essa receita aqui. Fiquei meio ressabiada com a quantidade absurda de fermento e cortei pela metade. Mas deixo aqui a quantidade original e, você conhecendo o fermento que usa, pensa bem o que fazer a respeito. O pão ficou fofo e delicioso, e eu faria de novo várias e várias vezes.

Thomas amou as sementes no pão.
Laura destestou e comeu só o queijo. >_<



BIRDSEED BREAD
(receita de um livro de baking de uma autora canadense. Preciso pegar o nome. Não curti muito o livro mas esse pão ficou muito bom. Fotografei a receita mas esqueci de anotar o nome do livro.) 
Rendimento: 2 pães

Ingredientes:
  •  2 xic. água morna
  • 5 colh (chá) fermento ativo seco (usei metade)
  • 3 colh (sopa) óleo vegetal (usei azeite)
  • 1 colh (sopa) suco de limão
  • 2 colh (sopa) mel
  • 2 colh (sopa) açúcar mascavo
  • 1 colh (sopa) melado ou extrato de malte
  • 1 colh (sopa) sal
  • 1/4 xic farinha de centeio
  • 1 xic. farinha de trigo integral
  • 1/2 xic. sementes de girassol
  • 2 colh. (sopa) de farelo de trigo (omiti pois não tinha)
  • 2 colh (sopa) de linhaça (depois vi que era moída, mas usei inteiras)
  • 2 colh (sopa) de sementes de gergelim
  • 3 a 4 xic. farinha de trigo branca 
  • mais sementes para polvilhar

Preparo:
  1. Unte duas formas de pão e posicione sobre uma assadeira.
  2. Na tigela da batedeira planetária, misture a água morna, o fermento, o óleo, mel, açúcar e melado, até que tudo esteja dissolvido. Se o fermento não for do tipo instantâneo, deixe uns cinco minutos ativando antes de prosseguir. (Fermento instantâneo dissolve rápido na água - o meu aqui não é, e se eu não der uns minutos, as bolinhas de fermento continuam inteiras na massa do pão.)
  3. Junte todos os ingredientes menos a farinha branca e misture. 
  4. JUnte 2 xicaras da farinha branca e misture por alguns minutos. 
  5. Vá misturando na batedeira com o gancho aos poucos o restante da farinha branca, até obter uma massa grudenta mas que pareça razoavelmente manipulável. Talvez você não precise de toda a farinha.
  6. Cubra a tigela com filme plástico e deixe fermentando por 1 hora ou até dobrar de tamanho.
  7. Divida a massa em duas partes, e deixe descansar por 15 minutos. Molde como dois cilindros do comprimento da forma. Espalhe as sementes pela bancada e role os pães sobre elas para que grudem na superfície. Coloque-os dentro da forma, cubra e deixe que fermentem novamente até que estejam ultrapassando a borda da forma. Enquanto isso, aqueça o forno a 190oC.
  8. Coloque os pães no forno e imediatamente abaixe o forno para 180oC. Asse até que estejam com a crosta dura e dourada, cerca de 35-40 minutos. Esfrie nas formas sobre grades.




Pode ter sido minha maratona de The Great British Bake Off  seguido do The Great Canadian Baking Show que me transformou na louca da padaria novamente. Pode ter sido o fato de eu ter encontrado um lugar para comprar farinha de trigo orgânica em sacos imensos e mais baratos - pensa a pessoa que usa um saco de 11kg de farinha em um mês. Sei que devo a isso o fato de ter encontrado ESSA RECEITA PERFEITA DE CINNAMON BUNS, sucesso absoluto com 100% da família. Catei a receita do Smitten Kitchen mas omiti tudo o que não pertencia a um Cinnamon Bun, e é isso aí. Pense macio. Úmido. Doce. Delicioso. E PRÀTICO. Você faz ele todo num fim de tarde, começo de noite e deixa fermentando durante a noite na geladeira para ir direto para o forno. Vinte minutos depois, eis o melhor café-da-manhã de sábado do mundo. :D A massa é feita na batedeira, e é uma delicinha de abrir e enrolar e cortar.

 
Daí que as crianças pediram bolo de chocolate e eu, que andava feliz e tranquila, catei o tal livro do Birdseed Bread e resolvi fazer um bolo dele com sour cream que parecia muito bom e muito simples. Havia um mês eu encontrara cacau Valhrona numa loja de importados e andava enrolando para abrir, usando o baratinho da Hersheys até então. Lá fui eu. Três quartos de xícara de cacau Valhrona. TRÊS QUARTOS DE XÍCARA.
E o bolo ficou assim:


Falei que foram 3/4 de xícara de cacau Valhrona? Pois é. No mesmo dia, a máquina de lavar e secar roupa quebrara, com todas as toalhas de casa, sujas e molhadas, dentro. E eu tinha queimado consideravelmente meu braço na tampa de uma das panelas ao preparar o jantar (a bolha se foi, a cicatriz ficou.) Laura resolveu virar no Jiraia e fazer as birras mais escalafobéticas do mundo. Daquelas que você se surpreende pelos vizinhos não terem chamado a polícia. Daquelas que te dão vontade de levantar, ir embora e não voltar mais. Daquelas que fazem você pensar por que diabos resolveu ter filhos mesmo. E quando meu marido me mandou um recado perguntando como estavam as coisas e eu expliquei, ele perguntou se eu queria que ele voltasse mais cedo, pois eu deveria estar um caco.

Foi aí que me dei conta de que não, eu não estava um caco. Eu estava tranquila. Já ligara para a administradora do condomínio requisitando o reparo da máquina (que, diga-se de passagem, ainda não foi consertada até o momento em que eu escrevo - toda uma epopéia). Lidara com a queimadura feia no braço com a mesma calma com que lidara com a vez em que chanfrei a ponta do dedo cortando salsinha, ou quando rasguei o outro dedo na lâmina serrilhada do processador: cuidei e segui a vida. Mantive-me zen-budista frente à reencarnação de Cthulhu que era minha filha e resolvi sem castigo nem escândalos adicionais, e terminamos o dia tranquilos ouvindo música. E quando o Gólgota emergiu da minha forma de bolo, eu soltei um palavrão cabeludo, tirei a porcaria do forno, suspirei e disse a mim mesma: Meh. É só um bolo. o_O Isso foi inédito. As crianças roubaram uns pedaços cozidos de bolo da beirada da forma, eu deixei tudo esfriar para jogar fora e limpar o piso do forno, catei um livro mais confiável e... fiz outro bolo.


 CHOCOLATE SOUR CREAM CAKE WITH CHOCOLATE CHIPS
(Do livro The Magnolia Bakery Cookbook)

Ingredientes:
  • 3 xic. + 2 colh (sopa) farinha de trigo
  • 1 1/2colh (chá) bicarbonato
  • 1/4 colh (chá) sal
  •  85g chocolate 100% cacau (unsweetened chocolate, difícil de achar no Brasil, mas que eu substituía com sucesso por chocolate 85% ou 90% cacau)
  • 1 1/2 xic. café forte ainda fervendo
  • 3/4 xic (150g) manteiga sem sal, amolecida
  • 2 2/3 xic açúcar mascavo
  • 2 ovos grandes, em temperatura ambiente
  • 1 1/2 colh (chá) extrato de baunilha
  • 3/4 xic. sour cream (se não tiver, deixe o creme de leite fresco com uma colher de vinagre fora da geladeira por algumas horas e use)
  • 2/3 xic. chocolate chips

Preparo:
  1. Pré-aqueça o forno a 160oC. Unte e enfarinhe uma forma bundt ou de tubo com capacidade para 12 xícaras.
  2. Numa tigela, peneire a farinha, bicarbonato e sal.
  3. Em outra, coloque o chocolate 100%. Adicione o café fervendoe misture até derreter o chocolate. Deixe esfriar por uns 10 minutos.
  4. Na batedeira, bata a manteiga e o açúcar até que fique fofo. Junte os ovos, um a um, batendo bem. Junte a baunilha. 
  5. Adicione os ingredientes secos aos poucos, batendo apenas até incorporar, em velocidade baixa. Junte o sour cream. Junte o chocolate derretido em três partes.Incorpore os chips. 
  6. Passe a mistura para a forma e asse por 70-80 minutos, até que um palito inserido no meio saia limpo. DEixe esfriar por 20 minutos pelo menos na forma antes de desenformar.

A vida não é horrível. O universo não está te perseguindo. O mundo não está contra você. É só um bolo de 14 xicaras que você meteu numa forma onde só cabiam 12. É só uma birra de criança porque a criança tem f*cking 5 anos e está aprendendo a controlar as emoções. É só uma máquina de lavar que tem conserto e o prédio tem lavanderia. E é só uma bolha no braço para acompanhar as dúzias de marcas de guerra que você adquiriu na cozinha durante sua vida.

Finito. Caput. No more drama. Porque a vida no fim é isso: tem muito mais birra de criança, machucado e máquina quebrada do que dia de piquenique, todo mundo fofo e céu azul com borboletas. E se você for deixar um bolo afundado estragar seu dia... bom... você está lascado, pois está destinado a uma vida de miséria e frustração. Vida tranquila não é vida de comercial de margarina. É aceitar que a vida tem uns momentinhos mequetrefes e desastres estrambólicos mas não deixar isso te destruir. A gente é melhor que isso. A vida é muito curta pra chorar por bolo explodido no forno. Limpa tudo e segue a vida. É só um bolo.

Quando estou alegre, quero que a cozinha reflita isso. Saio buscando muito mais cores e mais vida para a mesa combinar com meu humor. Daí que catei o livro Plenty More na biblioteca, que me trouxe belíssimas surpresas, como um COZIDO DE ERVILHAS E ALFACE ROMANA maravilhoso (no qual usei edamames ao invés de favas, pois era o que tinha e Laura comeu sem saber o que eram) e esse BOLO DE COUVE-FLOR sensacional, que preparei acompanhado de uma salada de alface romana, abacates e watermelon-radish, esse rabanete grandalhão que quando cortado parece uma melancia, lindo e delicioso. Esse foi um jantar tão bom que as crianças pediram repeteco para a escola, até com o tal rabanete e alface acompanhando, e a lancheira voltou vazia, vazia.



Acabei estendendo meu empréstimo do livro por mais 20 dias para poder fazer outras receitas.
E outra coisa que valeu muito a pena fazer e que rendeu igualmente almoços escolares bem sucedidos foi essa TORTA SALGADA do blog Smitten Kitchen. Aliás, tenho cozinhado tanto dessa fonte que sinto que preciso ir até Nova York e dar um abraço na Deb por isso, mas acho que ela acharia esquisito esse abraço de uma completa desconhecida. ;)

A receita original era com batatas e espinafre, mas substituí por brocolis branqueado e puxado no alho, e algumas fatias de bacon douradas e picadas. O restante do recheio de ovos e queijo, mantive igual. Também arrisquei estender a massa mais fina para conbrir minha assadeira, um pouco maior que a dela, e o risco compensou, pois a torta ficou um desbunde de boa. Fria, dava para comer os quadrados com a mão, o que facilitou no almoço da escola. De novo, torta acompanhada de salada de alface, watermelon radish, cenouras e sementes de abóbora.



 E é isso aí. Vida tranquila.


11 comentários:

Patricia Scarpin disse...

Tenho uma pen pal americana (ela lê o blog em inglês há bastante tempo) que já me falou pra fazer esse bolo de couve-flor umas 150 vezes! Ottolenghi é muito amor, mesmo. Adorei o post. xx

Eloisa Vidal Rosas disse...

Querida, que delícia ler seu texto tomando meu café. Quando vejo que tem post seu já bate uma emoção gostooosa...
Não sei se você conhece o filme, lindo, dirigido pelo Tornatore a partir do livro do Barico http://www.adorocinema.com/filmes/filme-22168/
Que aliás (Barico) tem outro livrinho instigante, Seda.
Ainda, de outro departamento, mas você já deve saber que o melhor para queimadura é passar clara de ovo, não é? A clara não só ajuda pela albumina como faz uma capa protetora, o que diminui muito a dor porque a pele não fica em contato com o oxigênio.
No mais, beijo carinhoso para essa família "nunca te vi, sempre te amei". <3

Leila Figueiredo disse...

Nossa Ana, que post maravilhoso,para ler e reler. Tive uma experiência parecida quando morei em Liverpool por 4 anos, vc colocou palavras nos meus sentimentos, obrigada por dividir conosco, bjus

elaine disse...

Que saudades dos seus posts! Na correria só fico sabendo de novos quando chegam por email, mas ainda assim precisava me manifestar e falar desta saudade, como aquela dos amigos que ficamos um tempão sem procurar mas que quando reencontramos ficamos ao mesmo tempo felizes e envergonhados por ter deixado o tempo passar tanto... Boa sorte nos seus planos e siga a com sua vida tranquila, mas mandando notícias para nós, seus fãs!

Unknown disse...

Ana, obrigada por este post! Nas receitas, nas reflexões sobre a vida, era o que eu estava precisando. Beijo.
Serena Katzumata

Daniela Assumpção disse...

Adorei o post. Acho que cada vez que leio suas postagens fico um pouquinho mais zen. Reflexões, reflexões...Obrigada!

Unknown disse...

Ana,

Leio o blog ha muito tempo, mas nunca comentei. Resolvi comentar hoje porque hoje surgiu mais uma coisa que temos em comum (de muitas, eu acho!): essa historia de se preocupar com o alomoc escolar das criancas. Eu sou brasileira, adoro cozinhar, moro no Canada, tenho dois filhos pequenos e o que eles comem e MUITO importante pra mim - tudo isso tenho em comum com voce. Tambem sei que conhecemos uma pessoa em comum (o Alexander, pra quem voce fez uma ilustracao pra um torulo da cerveja que ele fabrica, de uma india numa canoa num rio). E agora isso dos almocos! Mais uma coisa em comum! Acho que isso tem muito, muito a ver com a nossa cultura brasileira, onde o almoco eh uma grande refeicao. Na America do Norte nao e. O jantar e a grande refeicao, e isso fica muito mais visivel quando observamos os almocos das criancas. Porem, no Canada tem gente de todo o lugar do mundo, e acho que deve sm haver uma certa diversidade no que as criancas levam. Estava pensando sobre isso outro dia e conclui o mesmo que voce - tortas e sanduiches com proteinas e vegetais serao a salvacao. E tem que ser bom de comer frio, porque o almoco na escola e frio. Fritattas tambem serao parte de salvacao.

Adorei esse post! E ja reservei na biblioteca o livro que voce recomendou

Se voce quiser entrar em contato sobre dicas de coisas no Canada, tenho varias dicas e estou a disposicao.

Ate logo,

Heloisa

Unknown disse...

Ana,

Leio o blog ha muito tempo, mas nunca comentei. Resolvi comentar hoje porque hoje surgiu mais uma coisa que temos em comum (de muitas, eu acho!): essa historia de se preocupar com o alomoc escolar das criancas. Eu sou brasileira, adoro cozinhar, moro no Canada, tenho dois filhos pequenos e o que eles comem e MUITO importante pra mim - tudo isso tenho em comum com voce. Tambem sei que conhecemos uma pessoa em comum (o Alexander, pra quem voce fez uma ilustracao pra um torulo da cerveja que ele fabrica, de uma india numa canoa num rio). E agora isso dos almocos! Mais uma coisa em comum! Acho que isso tem muito, muito a ver com a nossa cultura brasileira, onde o almoco eh uma grande refeicao. Na America do Norte nao e. O jantar e a grande refeicao, e isso fica muito mais visivel quando observamos os almocos das criancas. Porem, no Canada tem gente de todo o lugar do mundo, e acho que deve sm haver uma certa diversidade no que as criancas levam. Estava pensando sobre isso outro dia e conclui o mesmo que voce - tortas e sanduiches com proteinas e vegetais serao a salvacao. E tem que ser bom de comer frio, porque o almoco na escola e frio. Fritattas tambem serao parte de salvacao.

Adorei esse post! E ja reservei na biblioteca o livro que voce recomendou

Se voce quiser entrar em contato sobre dicas de coisas no Canada, tenho varias dicas e estou a disposicao.

Ate logo,

Helo

Jessica disse...

Amei ler esse post. Me senti bem tranquila rs Mas de verdade essas reflexões são ótimos.
Lembro uma vez que tentei fazer um bolo (quer era de caixinha ainda) e não deu certo, era para fazer surpresa para meu namorado e não tinha tempo de tentar fazer outro. Quando ele chegou, eu chorando de soluçar falava : "Não consegui, deu tudo errado". Ele falando para eu ficar tranquila, foi comeu um pedaço do bolo pesado e sem gosto, que eu tentei remendar com chocolate e falou "Esta um delicia!". Claro que eu sabia que não estava, mas custou a meu sub processar e pensar exatamente o que você pensou "é só um bolo" rs.
Hoje em dia não faço mais bolo de caixinha kk Mas morando sozinha me arrisco bastante na cozinha e depois de um tempo vamos pegando o jeito.E como você disse, acredito que isso se resume para tudo na vida. Quanto mais serenas, mais as coisas são certo (Ou não), mas mantendo a serenidade no final do dia tudo estará BEM.
Abraços

Mariana Verdun disse...

Adoro esses seus posts grandões e filosóficos. Preciso aprender a ser mais calma, para além das queimaduras e cortes - se eu pirasse com cada um deles, trabalhando numa cozinha, ficaria insana. Meu marido surta e diz que eu tinha que ficar mais incomodada de arrancar a ponta do dedo com uma faca. Fico não. Mas ah se um bolo dá errado. É o fim do mundo. Ele ri, me abraça e fala "não é porque você é chef, que nunca vai errar. toda produção tem margem de erro e a sua é incrivelmente baixa". Mas eu queria ter 100% de assertividade, fazer o que?
Duas coisas: a primeira, é que se eu tivesse filhos, ia querer educa-los para comer iguais aos seus. Sempre que eu vejo uma criança comendo algo trash ou não experimentando algo diferente em um restaurante (porque jesus inventaram menu kids? sério que criança só pode comer batata frita com nuggets?), penso nos "filhos da la cucinetta". hahaha A segunda é que tem muita receita aqui que me faz querer ir pro Canadá te dar um abraço. Puts, eu tinha que te dar um abraço até pela minha escolha de profissão. Meio bizarro isso, né? Você e a Patricia Scarpin foram as minhas primeiras fontes de receitas e deram sempre tão certo, que me convenceram de que eu era boa nessa história toda de cozinhar. :)
Que bom que essa aventura de vocês está dando certo. Espero que eu seja a próxima a ir para uma ilha nova.
Beijos!

M disse...

Mãe de dois bem pequenos ( 2 anos o mais velho e 6 meses o caçula ), no meio do caos que parece que não vai passar em sem nenhuma paciência com nada nem com eles, leio esse post.
Chorando muito e meu deus!como a gente precisa aprender a relaxar.
Adoro seu blog há muito tempo. Que bom ler isso hoje.

Cozinhe isso também!

Related Posts with Thumbnails