segunda-feira, 14 de abril de 2014

Linguado com espinafre e molho de tomate e meus livros de ilha deserta

Eu já fui melhor em tirar fotos antes do jantar com luz artificial de cozinha. :P
Meus livros de ilha deserta.
O país está desandando num passo tão rápido, que acho que não conheço um único brasileiro de classe média-mequetrefe (quem vos escreve inclusa) que não repita duas vezes ao dia que está na hora de fazer as malas e procurar outro lugar para morar. Discurso antigo, mas que anda tomando força entre quem eu conheço, e ando vendo muita gente de que gosto de fato juntando as coisas e indo embora.

A discussão aqui não é para ser política, isso é um blog de comida. O caso é que toda essa movimentação, é claro, faz a gente olhar em volta e pensar num grandessíssimo "E SE...".

E se eu saísse do Brasil?
Pra onde eu iria?
E as crianças?
E a escola das crianças?
E os avós?
E os meus amigos?
E o cachorro?
E a minha rotina?
E meu trabalho?
E o meu estúdio de pintura?
E a bateria do Allex?
E os meus livros de cozinha?

o_O

Sim, sim, e os meus livros de cozinha? Todos os... [pausa pra checar o número no Eat Your Books] 127 livros de cozinha que habitam desmazeladamente minha casa toda?

Porque não basta empacotar tudo e botar no mochilão. Custa caro levar tralha pra lá e pra cá. E ninguém garante que seu lugar novo vai comportar tudo o que você quer levar.

Ando vendo justamente minha cunhada e seu marido, que estão fazendo o caminho inverso e voltando para cá: como custa uma fortuna desmedida trazer um container de fora para o Brasil, eles tiveram de selecionar a dedo todos os seus pertences e decidir o que de fato era importante e o que poderiam vender ou deixar para trás... para que trouxessem apenas as malas de viagem. Um enorme exercício de desapego, mas que deve ter sido extremamente doído.

E fiquei matutando nisso, pois fora o material de arte, que é meu trabalho, eu não tenho de fato muita coisa. Aliás, depois das últimas rapas, percebi que não tenho praticamente nada além da mobília, das roupas e... dos livros. [Não adianta falar em Tablet, que eu realmente acho muito desconfortável ler nele, pois pesa, e por conta da sensibilidade da tela e de seu formato nada orgânico, meus dedos nunca ficam relaxados à volta dele, e uma vez lendo por meia hora no aparelho, os músculos de minhas mãos doem. Fora que, como Umberto Eco – a-ham... – eu gosto de rabiscar livros.] Dos romances, hoje em dia, acho que só levaria O Senhor Dos Anéis comigo para lá e para cá para sempre. Mas e os livros de cozinha??

Matuta, matuta.

Concluí que ainda que goste muito da minha coleção e que tenha fases de usar mais determinados livros do que outros, estou bem satisfeita com os que tenho, e, não apenas não sinto mais vontade de comprar novos [toda vez que estou fuçando na Amazon me refreio, pois vejo que não sinto mais aquela ilusão de "uau, se eu cozinhar isso, vou ter esse estilo de vida" e que não tem mais muita novidade por aí, na verdade], como também estou meio que pronta para me desfazer de uma parte deles. Mas calma, isso com o tempo. O problema é que, tendo espaço, sei que mandar alguns embora é querer trazer outros no lugar. Então deixa quieto.

Mas no fim das contas, desde que Laura nasceu, pego-me repetidamente abrindo os mesmos livros, atrás do mesmo tipo de prato, e ainda que às vezes eu apanhe algo de diferente num dia mais tranquilo, meus volumes de confiança são sempre os mesmos. No caso, os dois livros que mais desprezei quando abri pela primeira vez, achando que eram excessivamente simples ou derivativos. Acontece que... não.

O Sinfully Easy Delicious Desserts, da Alice Medrich, faz jus ao nome. E todos os bolos de aniversário (e de lanche da escola, e de terças-feiras) tem saído daí. Acho que se não fiz todos, falta um ou dois. Meu pudim de chocolate é o desse livro e ponto, porque é o mais simples de todos, mas que entrega complexidade como se eu estivesse usando mais ingredientes. E a panna cotta. Quando vi toda uma sessão "ensinando" a misturar frutas com iogurte, tive vontade de devolver o livro, julgando-me enganada. Até o dia em que fiz seu iogurte com purê de bananas, açúcar mascavo e cardamomo e comi tudo numa sentada só, mal dividindo com as crianças. É o livro de sobremesas que mais tenho usado nos últimos anos, e toda vez que escolho uma receita de outro livro, fuço nesse também para vez se há uma opção mais fácil. Baking com duas crianças pequenas, um trabalho e uma casa pra cuidar não é mole não e se eu puder fazer a receita toda metendo tudo no processador de uma vez só sem perder em qualidade, ah, eu vou.

Daí vem o Apples for Jam, da Tessa Kiros, que foi mais ou menos a mesma história. Como assim, receita de macarrão com  molho de tomate? E lasanha de tomate? E brownie de novo? E, jura?, arroz com ovo frito? Folheando o livro de primeira, você realmente acha que ele é excessivamente simples, básico, monótono. Acontece que... não. A lasanha de tomate tem o gosto da lasanha da minha avó, e virou clássico aqui em casa, com o queijo que tiver, de queijo Serrano até queijo prato de padaria, e sempre fica tão, tão bom. E o "soufflé loaf" de vagem. E os flanzinhos de cenoura e espinafre, que fiz à exaustão na época de papinha do Thomas, e que, quando eu via, o Allex tinha comido tudo. E o risotto branco com ovo frito e sálvia. E o pão de forma. E a focaccia, que já virou minha, de tantas vezes que fiz. E o purê de damascos. E os sorvetes. E a omelete de abobrinha. E as cenouras cremosas. E os croissantzinhos. E o pão de cacau. E o de farinhas integrais. E o gnocchi de beterraba. E o iogurte com laranja e leite condensado. E o iogurte com pecãs e romã. Os risotti, de legumes, de tomate, de espinafre com camarão, e a sopa de peixe. Nunca nada saiu menos do que "gostoso". Nunca nada dá errado. E sempre tem gosto de comida de mãe ou de avó.

A verdade é que me sinto assim com todos os seus livros (o Falling Cloudberries, o da Toscana, o da Grécia, o de Veneza...) mais do que com qualquer outro autor, e acho que se um dia saísse do Brasil, tentaria levar todos comigo, e seus novos seriam os únicos que continuaria comprando. Mas se só pudesse levar um, seria Apples for Jam. Pois ele tem receitas como essa, leves, deliciosas, e surpreendentemente fáceis de fazer, apesar de não parecerem à primeira vista.

Linguado enroladinho com espinafre e molho de tomate. Mesmo tendo feito o molho com tomates frescos, ainda foi fácil. Enrolar o peixe foi bico. Fiz tudo com antecedência, e quinze minutos antes da hora do jantar, esquentei o molho e cozinhei o peixe, que já estava enroladinho na geladeira. Servi com batatas fritas (como ela sugere) e arroz integral, pois eu só tinha três batatinhas minúsculas. Sucesso com todo mundo, até com o pequeno aniversariante do mês, que graças a deus, não está mais dodói e voltou a comer. "Nossa, gostoso, isso. Muito delicado!", foi o veredito do marido, que odeia "fishy fish".

E esses são, portanto, meus livros de ilha deserta, ou de mudar pra fora.

Não, eu não vou mudar pra fora. (Povo lê na diagonal e se confunde.)

Mas o exercício mental foi interessante. :)

ENROLADOS DE LINGUADO E ESPINAFRE COM MOLHO DE TOMATE
(do livro Apples for Jam, de Tessa Kiros)
Rendimento: 4 porções

Ingredientes:

  • 5 colh. (sopa) azeite
  • 2 dentes de alho, descascados e ligeiramente amassados
  • 1/2 lata de tomates italianos picados, ou 4-5 tomates frescos, bem maduros, picados
  • 2 raminhos de manjericão, rasgados
  • sal
  • 3 xic. folhas frescas de espinafre, firmemente apertadas na xícara (cerca de 1 maço pequeno)
  • 1/3 xic. queijo parmesão ralado
  • 8 filés pequenos de linguado, sem pele
  • farinha de trigo, para polvilhar
  • fatias de limão, para servir
  • palitos de dente para prender


Preparo:

  1. Aqueça 4 colh. (sopa0 de azeite e um dente de alho numa frigideira funda com tampa, que consiga acomodar posteriormente todos os rolinhos de peixe. Quando o alho começar a fritar, junte o tomate picado e o manjericão, tempere com um pouco de sal e deixe levantar fervura. Cozinhe em fogo baixo por dez minutos, amassando e mexendo às vezes com uma colher, até que forme um molho. Se começar a pegar na panela, ou secar, junte um pouquinho de água, só pra ajudar o tomate a se desmanchar. 
  2. Enquanto isso, em outra frigideira, aqueça o restante do azeite e o outro dente de alho. Junte o espinafre e cozinhe por alguns minutos até que murche e reduza o volume. Retire do fogo, retire o dente de alho, descartando-o, junte o parmesão e acerte o sal. 
  3. Coloque os filés de peixe na tábua, com a parte que costumava ter a pele virada para baixo. Coloque uma colher (chá) cheia de espinafre no centro de cada um. (Eu coloquei mais, depende do tamanho dos filés.)
  4. Enrole bem apertadinho e passe um palito de dente de um lado ao outro, prendendo firmemente a ponta.
  5. Passe os rolinhos cuidadosamente na farinha de trigo, cobrindo-os ligeiramente. 
  6. Acondicione os rolinhos na panela do molho de tomate já quente, em uma única camada. Polvilhe com um pouco de sal. 
  7. Coloque a tampa e cozinhe em fogo brando por 5 minutos. Destampe, vire os rolinhos cuidadosamente,  polvilhe com sal outra vez, tampe novamente e cozinhe por mais 5 minutos, até que o peixe esteja cozido (dá pra sentir o cheirinho dele cozido, mas é sempre bom testar um e ver se já está opaco por dentro.) Se o molho estiver secando muito antes do peixe ficar pronto, acrescente algumas colheres de água e deixe esquentar outra vez. Sirva com as fatias de limão. 



16 comentários:

rosa cristina disse...

Com luz ou sem luz, a foto está linda: dá vontade de fazer, dá vontade de comer.

Mari disse...

vá e volte com um livro seu! recheado de receitas suas, acompanhadas desses deliciosos textos!

Stéphanie disse...

Ana, morri de peninha do matador de dragões, mas fico feliz em saber que ele está bem =)
Adorei demais as indicações de livros, porque eles são extamente o que eu estou procurando, já que a responsável pela cozinha sou eu, e tenho 5 pessoas em casa pra alimentar (comecei a gostar de cozinhar e acostumei mal a mãe, o pai, a tia e as irmãs...).
Tenho certeza que também só levaria o meu Senhor dos Anéis se eu precisasse escolher um romance(aquela edição com os livros juntos, com a lombada toda ferrada de tanto que foi lido, relido, levado pra viagens...).
A receita do peixe vou fazer assim que passar no mercado de peixes, parece muito gostosa!!
beijinhos!

Giselle disse...

Nossa, pensei nisso de mudar ou não mudar, quais livros levar, por milhares de vezes. Umas tantas neste ano. O marido foi uma vez sozinho, ficou um ano e voltou. Aí decidimos que nunca mais ele vai sozinho. Se tiver que ir, tem que levar mulher, cachorro e livros junto. Já fiz seleção de quais eu levaria diversas vezes. Mas o fato é que eu gosto de ver a estante cheia. Eles (os livros) me fazem sentir em casa. Mais que qualquer outra coisa. O Kindle foi uma ótima aquisição, agora os livros importados "não extraviam" mais.. Mas alguns eu preciso ter, preciso ver, preciso tocar. Marley and Me foi companheiro na época de faculdade, não poderia deixa-lo. As coleções "O senhor dos anéis", "O guia do mochileiro das galáxias "," A fundação " de Azimov, os mangás DragonBall.. São items constantemente relidos aqui em casa. Com certeza seria triste ter que deixa-los.

norma disse...

Se tiver 100 entradas no meu e-mail, La Cucinetta será uma das primeiras a ser lida. Gosto demais do estilo ÍNTEGRO como você apresenta os teus textos, com tanta elegância, que me desperta ao mesmo tempo a minha sensibilidade (que bom que o caçador de dragões está OK!)quanto a minha curiosidade por sabores. Parabéns, Norma

Paula disse...

Que bom lê-la! Porque não publica um livro?... Beijinhos

Paula.

Patricia disse...

Ana,
Estou essa classe média mequetrefe que junto com outros amigos já soltou a frase: Gostaria de ir morar em outro país, menos corrupto e onde as obras de infra-estrutura públicas andem na mesma velocidade das particulares! Moraria em Montevidéu se pudesse e eu conseguiria levar meus livros de culinária, pois são pouquinhos. Mas, se um dia você for embora, faz bazar dos seus livros, eu compro, tá?!
Beijos,
Patricia

Anônimo disse...

Oi Ana!

sou leitora antiga e preguiçosa, gostaria de tomar um capuccino com vc sabe?
essa coisa de provar que eu não sou um robô já me fez perder alguns comentários looongos e...
ai que frustração!
Mas eu super entendi o que vc quis dizer...
Uma certa inquietação não é?
Antes de ter filhos, eu iria prá qualquer lugar a qualquer hora, sem levar nada.MESMO.
Mas com eles...
suas vidinhas estruturadas, as amizades que estão construindo...
será que eu tenho o direito de privá-los da própria experiencia por causa dos meus anseios?
Ah, um capuccino com bolo...
bjs,
Dadi

Amanda disse...

Concordo com você: eu classe média mequetrefe brasileira sempre me pego pensando num êxodo familiar, meu marido e eu, imagino as facilidades sociais que outros países oferecem, a qualidade de vida e, também, as belezuras dos produtos que são distribuídos nos mercados e feiras dos países mais organizados, mas e o que fica? Os bens materiais, a carreira, os amigos, a família... É difícil! Por enquanto é dar o melhor de mim e ir levando...

Gigi disse...

Hummm, parece ter ficado uma delícia! Vou testar!
Mas desculpe, sei que pode parecer tolice minha, mas não compreendi o que você quis dizer com derivativos...seria mais do mesmo?
Parabéns pelo blog! =)

Camila disse...

o linguado parece ótimo mesmo e aproveitei a inspiração para adaptar o jantar daqui de casa ontem com um molho de tomate com espinafre. Meus pequenos gêmeos adoraram.
e no momento eu sou mais uma que morre de vontade de juntar as tralhas e ir embora. já fiz esse exercício do que levar também... e descobri que só preciso mesmo é do marido e dos filhos.

Anônimo disse...

Oi, pois eh, voltei.
já viu esse blog?
http://notasobreumaescolha.wordpress.com/
Acho que vc vai gostar!
bjs,
Dadi

Anônimo disse...

Ana,já pensou em experimentar ler as notícias do Brasil na mídia alternativa,saber do Brasil real e não do Brasil que a grande mídia descontrói todo dia?Experimenta,vai!
(*vc vai descobrir outro país,outras idéias,outra gente,outro Brasil..)

patricia disse...

Acabei de fazer esta travessia, literalmente cruzando oceanos e chegando do outro lado do mundo.
Sendo casada com um estrangeiro, sabíamos que em algum momento iríamos nos mudar, até que demorou bem.
Não tive o desprendimento de deixar meus livros, trouxe eles, quase todos... E os dos filhos, que agora já tem sua própria coleção e não abrem mão (nem das revistinhas quiseram se desfazer).
Não é fácil não, via muita gente falando de mudar de país e eu por anos adiei. depois de ter passado um ano morando fora, demorou outros 15 para sair de novo.
Adorei as indicações de livros, tenho me esbaldado nas bibliotecas daqui e é bom ter referência de autores para não se perder demais!

Tertúlia da Susy disse...

Gostei desta sugestão!

maria disse...

Adoro seu blog vejo todos os dias . E como encontra-la e ouvir sua voz. E as receitas sao maravilhosas! bjs maria

Cozinhe isso também!

Related Posts with Thumbnails