terça-feira, 22 de abril de 2014

Pão de centeio do Thomas. Ou cozinhando com crianças. De verdade.

Pãozim de centeio do Thomas
Levanta a mão quem está grávida agora e suspirando pelos dias em que ficará na cozinha com o futuro pimpolho ao lado, decorando biscoitos caseiros, na maior aura comercial de margarina. Agora levanta a mão quem já tem filho e saiu aos berros cozinha afora, mandando a criança voltar com o pote de farinha, ou pelamordedeus lava essa mão de chocolate antes de subir no sofá, peste dos infernos!

Não há mentira mais bem contada internet afora do que aquela que conta o conto da criança que cozinha fofa com você. Com dedinhos delicados, segurando pequenas framboesas e depositando-as com precisão no centro de panquequinhas redondas e uniformemente douradas. Ou roupinhas lindas e incólumes durante o processo de decorar um cupcake com glacê, e apenas aquela charmosa marquinha de chocolate na ponta do nariz, enquanto a criança lambe o dedão com um sorrisinho satisfeito para a mãe.

Agora, chega aqui prum dedo de prosa, que eu vou te contar que a vida não é bem assim.

Estou certa de que há por aí um punhadinho de criancinhas extremamente focadas e comportadas, que medem colheres de chá de coisas voláteis como cacau em pó sem derramar um grãozinho na mesa. (Ou sem fazer a mãe derramar uma lágrima de raiva.) Mas a maior parte das crianças de dois anos, quando vêem um pote de farinha e uma garrafa de leite, pensam... BAGUNÇA!!!!

¬_¬

É lógico que eu sempre quis que meus filhos interagissem com o preparo da comida desde cedo. Eles sempre ficaram comigo na cozinha, e lhes dava os ingredientes para cheirar, experimentar, manipular. Deixava que colocassem a mão na porta do forno para que sentissem o que queria dizer "quente", e aí nunca mais fazê-lo. Pegava-os no colo para que vissem o que estava acontecendo na panela. O interesse de ambos era visível, mas com certeza volúvel e limitado.

Quando Thomas tinha pouco mais de um ano e meio, comecei a tentar trazê-lo para me ajudar na cozinha. Ah, um muffin de banana deve ser simples o bastante. Veio correndo quando o chamei para ajudar a fazer bolinhos, e adorou tirar farinha dum pote e colocá-la na tigela. Adorou tanto, que não queria parar. Nunca. E quando tirei a colher dele e tentei explicar que já bastava de farinha, ele abriu o berreiro. Mamãe malvada tirou minha colher e não me deixa brincar.

Foram váaaarias tentativas totalmente frustradas da minha parte. Era uma bagunça infernal, uma birra imensa, o doce dava invariavelmente errado e ninguém se divertia. NINGUÉM.

Aí resolvi começar a chamá-lo só na hora de misturar. Deixa que eu meço tudo direitinho e deixo à disposição dele só o que está lá, na ordem certa. E as coisas melhoraram. Ele misturava lá do jeito dele, mas ainda voava massa de bolo para todos os lados, para as roupas, para o cabelo, e ele queria lamber a colher, e queria misturar com a mão, e o cotovelo ia junto. Eu berrava um pouco, respirava fundo, ele fazia birra porque mamãe malvada não deixava enfiar o cotovelo na massa de bolo. Respirava fundo, dava aquela arrumadinha na massa antes de botar na forma, e dava tudo certo. Ele ficava feliz com os treze segundos de ajuda na cozinha, ia brincar lá fora e o jantar não era totalmente arruinado.

Daí ele descobriu as alegrias de abrir massa de torta. E queria ficar comendo as rebarbas. E queria amassar com o rolo do jeito dele. E enfiando o dedo no meio para fazer buracos. E, eventualmente, eu dei de ombros se a massa de torta ficaria perfeita ou não (afinal, éramos nós que comeríamos), e deixei que ele abrisse tudo torto, e colocasse na forma tudo torto, e assasse a torta dele do jeito dele. Não que ele comesse: comia as bordas feito biscoito, mas do recheio, necas. (Daí que comecei a enfiar farinha de quinua, de amaranto, trigo sarraceno, centeio, na massa da torta. Há!)

Uma vez tendo me desapegado completamente do resultado (e da ordem, da higiene, das regras gerais da civilização), foi mais fácil trazê-lo para ajudar na cozinha. E a primeira receita que deixei que ele fizesse quase que sozinho foi panqueca. Porque panqueca não leva tanto ingrediente cujo desperdício dá raiva, e é fácil de consertar. Mas agora, aos três anos, ele de fato me ouve quando digo que basta de farinha, ou que não pode derrubar na mesa. Ele derruba. Mas é sem querer. E eu tenho que ficar medindo a farinha no olho e fazendo contas mirabolantes na cabeça conforme ele vai acrescentando a farinha em 1/4 xic. + 3/8xic. + 19/27 xic... No fim, como eu sei que consistência a meleca tem que ter, eu acerto com mais leite ou mais farinha no final.

A novidade para ele tem sido a atividade no fogão. Sobe na cadeira e deixo que mexa a panela do molho, bote o tempero, quebre o ovo (com ajuda), coloque macarrão na água fervendo – assim, bem de pertinho e devagar, sem medo da água, porque quando a gente tem medo de se queimar e joga de longe e de qualquer jeito, a água espirra em você e você se queima. E a faca. Faca de manteiga. Pra picar banana. E tomate. Do jeito dele. Mamãe conserta depois. Ou a faca de chef, afiada, pra ele saber que as facas são diferentes, e que não pode sair pegando sem a mamãe. Mando que ele coloque a mãozinha solta pra trás do corpo, e eu seguro o legume com  a mão esquerda, enquanto guio com a direita a faca pesada na mãozinha dele. Demora horrores. Mas ele fica contentíssimo. E presta atenção. E aprende o nome das coisas. E o cheiro. E às vezes come. Às vezes não.

Tem sido um aprendizado constante para mim e para ele. Entender até onde vai a atenção da criança e sua capacidade de obedecer ordens e seguir uma receita. Há um ano atrás, era impossível. Principalmente se eu quisesse roupas incólumes e receitas perfeitas. Desapegando do resultado, começa a ficar divertido. Chamando para algumas etapas apenas, melhor ainda. Aí, de repente, o bichinho começa a se interessar e querer fazer direitinho. E fica contente de misturar a aveia com o mel para fazer granola. Ou ficar de olho no termômetro pra fazer iogurte. E fala orgulhoso pra irmã que foi ele quem fez. E aí sim dá um gosto danado, uma alegriazinha de ver aquele pimpolho querendo virar panqueca com a espátula. (Mas não conseguindo, claro.) Rasgar salada, no entanto, ele não quer. Acho que sabe que quero que ele coma alface.

Não dá pra ser assim todo dia. Mas deixar que ele ajude em coisas bestas como colocar o leite na xícara, ou o pão na torradeira, acabou com algumas chateações de manhã cedo, com ele não querendo tomar café e fazendo birra pra sentar na mesa.

Esse pãozinho de centeio veio da revista Menu desse mês, e eu achei o processo ótimo para deixá-lo bagunçar um pouco. A massa é bem molenga, e recomendam que não se sove muito. Então deixei que ele brincasse com a meleca e só dei uma mexidinha nela pra ficar homogênea. Ajudei-o a formar as bolas e a cortar em cima. E ficou muito gostoso. :) Apesar de eu ter sim saído aos berros "volta aqui e lava essa mão de massa antes de subir no sofá, ô peste dos infernos!"

PÃO DE CENTEIO
(da revista Menu, receita de Rogério Shimura, da Levain)
Rendimento: dois pãezinhos pequenos, de 400g cada

Ingredientes:

  • 250g farinha de trigo (preferencialmente orgânica, mas usei a comum)
  • 125g farinha de centeio
  • 125g farinha integral
  • 300g água morna
  • 15g fermento biológico fresco (usei 5g do seco instantâneo)
  • 10g sal
  • 25g manteiga


Preparo:

  1. Em uma tigela grande, misture todas as farinhas. Acrescente a água e o fermento e misture até formar uma massa homogênea. 
  2. Adicione o sal e a manteiga e misture apenas até que a massa fique homogênea novamente. Evite sovar demais, para que a massa não fique pesada. 
  3. Cubra a tigela com filme plástico e deixe descansar por 30 minutos (um pouco mais, se o dia estiver muito frio). 
  4. Divida a massa em 2 partes iguais e forme bolas com elas. Coloque-as numa assadeira grande, ligeiramente enfarinhada. Coloque a assadeira dentro de um saco plástico grande, com cuidado para que o plástico não grude na massa, e deixe fermentar até que as bolas dobrem de volume (cerca de 1 hora). 
  5. Retire a assadeira do plástico, polvilhe as bolas com farinha, faça cortes com 1-2cm de profundidade na superfície (com o desenho que quiser) e leve ao forno pré-aquecido a 180ºC por 15-20 minutos, até que um toque com os nós dos dedos na parte debaixo dos pães soe oco. Deixe esfriar completamente sobre uma grade antes de comê-los. 




18 comentários:

Anna disse...

Uma das minhas frustrações é o quão pouco a Alicia cozinhou comigo até os 5 anos. Foi um alívio ver que a dificuldade não foi só minha :) A primeira atividade na qual fui beneficiada do trabalho infantil foi descascar batatas, ela adorava. Mais tarde aprendeu a fazer risotto. Agora que está adolescente a empolgação em cozinhar diminuiu, espero que logo ela volte às panelas.

Aline disse...

As crianças de casa já têm 8 anos (gêmeas)e ainda fazem bagunça. Não tem jeito. Meu sonho é que elas fossem como a Rino, uma japonesinha super comportada que come de tudo e ajuda a mãe na cozinha. Não tem tanta destreza assim, é verdade. Mas dá gosto de ver a menina na cozinha. Esse é o vídeo mais recente e tem legenda em inglês: https://www.youtube.com/watch?v=vlnZ6Nrlgfg

Tertúlia da Susy disse...

Adoro pão, principalmente escuro.

Anônimo disse...

aah, que delícia! o bom de ver essas estórias fofas de cozinha é que a gente aprende com os erros e acertos dos outros. :) Eu antes achava que a idade do Thomas seria cedo demais para ensinar a fazer comida, ou algo perto disso, mas vejo que me enganei. que bom! acho que na verdade é assim com tudo, se você quer que seus filhos façam algo ou aprendam alguma coisa, ou até gostem daquilo, o melhor é começar desde bem cedo. pra acostumar. Ana, obrigada por compartilhar suas experiências conosco, sua linda! beijo!

Cris

Luciana Betenson disse...

Ai que delícia :-) Os meus já fazem coisas sozinhos! Brigadeiro, claro, mas também brownie, choc chip cookies. O de 15 anos já fez bomba de chocolate sozinho e deu certo. Só que a cozinha fica imprestável :-) Ainda preciso ensinar a limpar!! Beijos,

Lucineide disse...

kkkk Que comédia!
Mais um texto maravilhoso
:)
Também procuro levar o meu (de quase 3 anos) para feira e sacolão. Adora apertar, cheirar frutas/ legumes, e aprender nomes. E depois, em casa, acaba comendo de tudo - até jiló, quando o compro! (Isso corrobora a sua ideia de que não é do alimento em si que a pessoa não gosta, é da maneira de prepará-lo... [e olha que não sou ninguém na cozinha...rs] )
Mas, menina-doida, deixá-lo se aproximar do fogão? Da faca? rsrs É... cada um conhece sua prole e cria um jeito próprio de lidar com ela...rs
Mas vou pensar nessa sua experiência e ver se dá para (tentar) aplicar alguma coisa com o meu (essa lição tão concreta sobre calor e facas...). É um bom raciocínio, o seu; verei se o meu compreende.
Abraços!
Lucineide

Patricia disse...

Oi, Ana.
Também passei por todas essas fases. Deus, como eu ficava irritada com a desatenção deles com a farinha. Só que descobri que não era desatenção, era que a coordenação motora fina ainda não estava finíssima! Bastava ver como Miguel pegava no lápis para desenhar: parecia um filhote de Neanderthal com um graveto na mão. Hoje, com 9 anos, Miguel, principalmente, ama estar na cozinha comigo, fazer bolos, temperar feijão, arroz. Descobriu, por exemplo, as ervas! Como eu sempre digo, no final, tudo dá certo. O duro é chegar no final.
Adorei o texto, como sempre, e a receita do pão.
Beijo,
Patricia

lili disse...

Meus filhos são adultos e me arrependo de nunca ter permitido que eles cozinhassem comigo, por medo e também por comodismo.

clarice perrone disse...

Anna
A-do-ro ler os seus textos. Te acho inteligente, ligada e bem humorada. Quer mistura melhor?
Obrigada por compartilhar as sua experiências com seu jeito realista e engraçado.
Ah, as receitas também são legais.
A primeira que fiz foi o bolinho de abobrinha. bjão

Anônimo disse...

Sonho com o dia que a Gabizinha (que está aqui crescendo na barriga) poderá brincar comigo na cozinha também. E vou tentar lembrar das boas dicas e da realidade das coisas quando começar a voar farinha, e outras coisas mais pela cozinha. hahah

Sil disse...

Ana, adorei o post!! É sempre uma delícia ler tuas aventuras e desventuras!... Voce tá certa, insista (na boa, sem neuras) com os pimpolhos pra curtirem a cozinha, eles vão gostar!! Quando eu era pequena, ajudava minha mãe a fazer bolos e doces. Cheguei até a escrever 2 cadernos de receitas pra ela, um de doces e outro de salgados. Voce não imagina a saudade que senti quando os peguei pra mim, depois que minha mãe faleceu... E hoje sinto um grande prazer em ver minha filhota, de 26 anos, cozinhar de vez em quando, reproduzindo o que aprendeu comigo... É uma grande alegria. Por isso, aproveite bem estes momentos, mais tarde voce se lembrará deles com muita saudade!...
Bjs,
Sil

Julia disse...

Muito bom! Aqui também participam sempre que podem e agora (5 anos) descascam e ralam cenoura, cortam vagem, estão treinando abrir ovos, apertam o botão do liquidificador e metem a mão na massa...mas entre 1 e 2 anos, eu só "pedia" para descascar alho e cebola (cascas voando pela casa e provavelmente pela vizinhança toda), "lavar" legumes, separar as cascas e jogar no lixo, sempre tarefas parciais e que elas pudessem largar pela metade ou fazer até cansar sem grandes prejuízos.

O duro de duas ao mesmo tempo é quando os erros (massa que voa pelos ares, pra testa ou pro cabelo) viram motivo de piada, ataques de riso, vontade de fazer de novo. Disso para chiliques multilaterais, é um pulinho.

Mallu disse...

Ana.... eu amo seu blog... principalmente quando fala sobre seu pequeno matador de dragões e o que cozinha para/com ele....
Vejo algumas mães que só dão batatas amassadas para seus pimpolhos.... to me inspirando mt para compartilhar isso com minha pequena que vem em agosto!! Sucesso!! Bjão

Anônimo disse...

Ana, quanto mais o tempo passa, mais fácil fica!
Lembro-me de fazer biscoito com as minhas meninas e dizer, a cada três segundos, "Sophia, não come a massa crua". Ela dizia, a cada três segundo "tá bom", para em seguida colocar a bolinha de massa crua na boca. Vinte vezes por minuto. Sabe o que ela adorava fazer desde pequeninhinha? untar a forma do bolo com manteiga. Esfregava com seus dedidnho miudos cada cantinho da forma, não ficava um pedacinho sequer sem manteiga.
Bj
Vanessa

Dani disse...

Ana, te amo! Vc colocou no papel toda a volúpia e a frustração de cozinhar com crianças...
Aqui em casa o maior (3 anos) deve ser a única pessoa na sala dele que fala "mexer até ficar homogêneo" e ele mistura direitinho. Agora, tem que desapegar da limpeza da cozinha, mesmo... O mais novo (1 ano e meio) também quer participar, mas ainda tá na fase da birra porque não deixam ele tacar farinha. Os dois são ótimos ajudantes de abrir forminha pra colocar na assadeira de muffin (e adoram comer bolinhos pequenos, o que é ótimo pra mandar pra escola), só que brigam pelas cores ;)
Eu acho que o melhor que podemos fazer pelos nossos filhos é ensiná-los a fazer e comer comida de verdade. Já que comer é algo que fazemos todos os dias, a vida inteira, temos mesmo que dedicar mais atenção a isso.

BTW, nunca lembro de agradecer, então antes tarde que mais tarde: a sua receita de panquecas de legumes (com shoyo, com shoyo, grita a meninada) virou a preferida aqui de casa, e tem que ter toda semana. E a receita dos cupcakes de chocolate muito fáceis e muito bons (além de muito fácil e muito boa) é ótima pra fazer com crianças. OBRIGADA!

Dani disse...

Ah, e pra desespero do marido: cortar com faca já!! (eu tb concordo que tem que ensinar pro menino, pra não acontecer acidente, mas ainda não tinha colocado faca afiada na mão do pequeno não - ainda!)
Senão fica igual o marido, que até hoje não sabe descascar laranja direito (vergonha alheia).

LiviaLuzete disse...

"...peste dos infernos!"

Adorei essa parte...tão eu,quando as crianças saiam dos (meus) eixos!!..rsrsr

Olha ,achoque o lance é desapegar da cozinha impecável do momento que começou o "job" de cozinhar e ter em mente que as crianças podem abandonar a missão a qualquer momento.
Meu filho mais velho, nao teve interesse em fazer nada,mas ficava esperando por cada quitute,cada cheiro diferente que sai da forno e panelas e ainda dizia ao sentir o aroma: "- Hummm,deve estar gostoso!"

Já a pequena adorava mexer a massa do bolo. E o bolo, contrariando todas as teorias da minha mãe de que a massa deve ser sempre mexida em um sentido para nao desandar... sempre dava certo ...rsrs

Cresceram, o mais velho ainda continua adorando tudo o que se faz na minha cozinha. A caçula com 15 anos, só aparece para comer mesmo.E como foi praticamente criada pela a avó, troca um cookie de cacau com amendoim por biscoito recheado industrializado!! eca!

Andressa disse...

Acabei de fazer!! Muito gostoso

Cozinhe isso também!

Related Posts with Thumbnails