quarta-feira, 21 de novembro de 2012

Bolinhos de cenoura, o sucesso dos pepinos e a imprevisibilidade do paladar infantil

Já escrevi aqui algumas "dicas anti-stress" para alimentar uma criança pequena (ou pelo menos a MINHA criança pequena). Mas faltou uma. Uma boa para mãe que gosta de cozinhar mas não gosta de comer todo dia a mesma coisa: nunca presumo de antemão que o pequeno caçador de formigas vai recusar a comida que estou fazendo.

Porque é fácil fazer isso. Você, com uma vontade imensa de comer ensopado francês de peixe, imagina a criança lidando com aquele creme, os pedaços do peixe e frutos do mar, as texturas e temperos diferentes, a dificuldade com a colher, e repensa o jantar. E faz macarrão com molho de tomate, que é mais fácil. No dia seguinte, querendo soba com berinjela e manga, aparecem as mesmas inseguranças, seu dia foi cansativo, não está com o menor saco de lidar com criança birrenta... macarrão com molho de tomate. Pro pimpolho, apenas. Depois que ele vai dormir, você prepara seu soba para matar vontade.

Claro que às vezes eu caio nessa. Mas ando tentando não mais entrar na pegadinha da "comida fácil de criança". Principalmente quando Thomas me surpreende ao tomar um copo inteiro de lassi com água de rosas, chá de jasmim sem açúcar nenhum ou castanhas de caju crocantes e cheias de pimenta caiena. Nessas horas me lembro de que simplesmente não dá para prever o que uma criança vai gostar de comer ou recusar.

Tanto que, querendo ainda apresentar alimentos crus ao pimpolho, preparei essa raita? tzatziki? esse... pepino com iogurte para acompanhar os bolinhos de cenoura do Bill Granger. Presumi que ele comeria os bolinhos, pois bolinhos sempre fazem sucesso, e que talvez, se eu desse sorte, se interessasse em experimentar os pepinos, uma vez que estavam envoltos em iogurte e ele adora chuchar comida em molhos de qualquer espécie.

Surpresa: nem tocou nos bolinhos; comeu todo o pepino. o_O

Vai entender.

Fica a dica: não presuma nunca que o pimpolho vai ou não vai comer xis coisa baseado em experiências prévias. Lembra o vício em bananas do pequeno? Sumiu. Anda deixando bananas pela metade. Mas experimente deixar uma caixa de morangos à disposição. Tadinho, vai sofrer quando eles pararem de aparecer na banca orgânica.

Mesmo sem pimpolhos, no entanto, esse é um almocinho leve e muito gostoso. Apesar das inúmeras receitas, acabo fazendo os pepinos meio que sempre da mesma forma: fatiando fino, salgando e deixando numa tigela por um tempo, para sorarem. Espremo e descarto o líquido e misturo os pepinos a iogurte caseiro, um dente de alho bem picadinho, menta seca, cebolinha picada, pimenta-do-reino, um fio de azeite e mais sal, se julgar necessário.

Para os bolinhos, do ótimo livro Bill's Open Kitchen, de Bill Granger, misture numa tigela:
  • 60g (1/2 xic.) farinha de trigo
  • 125ml (1/2 xic.) de água com gás ou tônica
  • 1 ovo
  • 1/4 colh. (chá) de cominho moído
  • 1/4 colh. (chá) de sementes de coentro moídas
  • 1/4 colh. (chá) de cúrcuma
  • 1 colh. (chá) açúcar
  • 1 colh. (chá) de sal
  • 1 pimenta dedo-de-moça sem sementes e picada (ou a gosto)
  • 235g (1 1/2 xic.) cenoura ralada grosso
  • 8 talos de cebolinha picados
  • 25g (1/2 xic.) de coentro fresco picado
Aqueça uns 60ml de óleo numa frigideira grande e frite os bolinhos em porções de 2 colh. (sopa) cada, sem encher demais a frigideira. Frite por uns 2 minutos cada lado, até que dourem, escorra em papel-toalha e sirva quente, com um molhinho de iogurte à sua escolha ou os pepinos. Faz cerca de 12 bolinhos.

11 comentários:

Nina disse...

O negócio é que qualquer coisa com molhinho de iogurte fica irresistível, né? Pelo menos pra mim, rs!

Mas aqui, o pepino feito assim fica mais "molinho", não? Gosto de pepinos justamente por sua textura crocante, mas é uma boa forma de experimentá-los...

Beijos pra você e pro novo fã de pepinos! (=

Cristina disse...

Nham nham!! Que bolinhos mais lindos!
Ana, morro de vontade de fazer suas receitas, mas geralmente faltam ingredientes! :( Assim as lombrigas ficam tristes.. Estou tentando viver mais no "é o que temos" way of life, mas assim fica difícil, hein?! bjs

Anônimo disse...

Ah, adoro as estórias do pimpolho.
beijo,
Rita

Patricia disse...

Ai, ai, ai... O paladar infantil é um mistério... Hehe.

Adorei a receita. Vou tentar com os meus aqui.

Ana, me rendi ao leite Leitíssimo, pois sempre usava leite fresco. E não é que faz espuma? Ele realmente tem mais gordura (7,7 gramas por 200 ml ou seja muito mais do que os 3,2 gramas dos leites frescos). Mas o que me preocupou é que ele tem bastante sódio. Mas finalmente tenho um leite que faz nata e espuma. Obrigada pela dica.

beijos
Patricia

Mafalda disse...

Pois que prever as crianças é muito difícil e elas têm a capacidade de nos surpreender todos os dias... :))) esse prato esta maravilhoso... :)
Um beijinho e bom fim de semana

Anônimo disse...

Ana, vc acha que dá para assar os bolinhos no lugar da fritura??
Beijos

wair de paula disse...

O filho de um amigo, ainda criança, adorava alicce...esse mesmo pedia no Free shop para o pai comprar Foie. As crianças surpreendem sempre mesmo.
Abraços

Cristiane disse...

OI Ana!
Conheci seu blog este ano, na verdade nem consegui ler tudo o que você já postou, mas chego lá. Tudo o que já consegui ler foi muito importante e agregou muita coisa boa a minha vida!Gostaria de partilhar contigo um pouquinha da minha vida que fez a estrada ao contrário da sua. Nasci em cidade de interior, sempre tive em casa pão sovado, queijo e iogurte com leite das vacas do pasto de casa, todos os legumes e verduras e grãos plantados e colhidos de nossa terra. Doce de leite feito com leite puro, apurado no fogão a lenha. Mas isso não era bom, pão de padaria, arroz e fubá de pacote de mercado pareciam sempre ser melhores do que aqueles que trazia do moinho fresco, moídos dos nossos grãos.Realmente compreendi a importância de tudo o que eu tinha quando mais velhas e já morando em outra cidade, via meus tios "da cidade grande" visitarem meus pais e voltarem de lá com seus carros lotados de tudo orgânico que podiam carregar.Hoje completei 29 anos, moro em uma cidade bem maior, onde ninguém olha nos olhos ou sabe dar bom dia.Tenho uma filha de 5 anos e sinto falta de ter a mão todos aqueles maravilhosos produtos orgânicos sem custos absurdos de agora.Mal tenho espeço para meus vasinhos de tempero.Ainda vou ter uma casa para encher de plantas e voltar a consumir daquilo que eu produzir, mas até lá vou ler seu blog e nos seus textos sonhar.
Obrigada pelas suas palavras sempre! Felicidades e que Deus abençõe sua família!

Ana E.G. Granziera disse...

Nina,
na verdade, você tira o excesso de líquido dos pepinos. Não acho que fiquem mais moles, mas acho que o conjunto fica melhor, pois eles não soram no iogurte.

Anônimo,
Os bolinhos crus são muito molinhos. Você pode usar só um fiozinho de oleo numa frigideira antiaderente, se quiser, mas eles não criarão aquela crostinha em volta do recheio macio, ficarão inteiros molinhos. No forno, acho que não tem o choque de temperatura e eles vão espalhar muito antes de começar a dourar. Os ingredientes são tão naturebas, no entanto, o almoço tão leve, que eu não tenho o menor problema com a fritura e acho que, a não ser que seja alguma proibição médica, você também não deveria ter. :)

bjs

Fulana disse...

oi Ana! Acho que já comentei uma vez aqui sobre isso, que as receitas que eu mais aproveito do seu blogue são os almocinhos e jantares rápidos e saudáveis, faço várias das suas receitas! E li a historinha e a receita de hoje só pensando em pedir a dica do soba com berinjela e manga...rs. Passa pra gente, vai! beijos

comprar seguidores instagram disse...

muito bom o blog, adorei!

Cozinhe isso também!

Related Posts with Thumbnails