quarta-feira, 9 de dezembro de 2009

Tralha nova, bolo novo

Na sexta-feira passada, Allex entrou em casa com uma mochila grande, cheia e deformada nas costas. Em tempo: ele vai e volta de moto para o trabalho, o que nesses dias em que os céus vem caindo é quase uma piada, e o pobrezinho chega em casa com cara de cachorro molhado. Bem, como ele mesmo diz, de moto ele chega molhado e de carro ele não chega.

"Feliz Natal", disse ele, abrindo a mochila no chão e retirando peças brancas e azuis embaladas individualmente em plástico.
"What the f...?!"
"Ah, comprei seu processador, mais a caixa não cabia na mochila, então ela foi para a reciclagem e o brinquedo veio em pedaços."
"E eu já posso usar? Ou é só no Natal?"
"Você vai querer fazer coisas com ele agora, não vai?"
"Vou."
"Então... e eu não vou embalar tudo isso de novo em outra caixa. Feliz Natal adiantado."

No fim das contas, baseado nos comentários de vocês e alguma pesquisa, acabei escolhendo um dos modelos mais simples dentre os nacionais mesmo. Achei tentador comprar um processador maior e cheio de tralha, mas a verdade é que eu não preciso de um processador-juicer-batedeira-corta-unha-do-pé-traz-café-na-cama. Já tenho uma bela de uma batedeira, e não sou muito de fazer sucos de frutas (prefiro comê-las), e quando os faço, uso aquele espremedorzinho manual que parece um espremedor de alho, que acho muito prático e funciona muito bem. Ah, mas aqueles cortam fatias de várias espessuras... Argh. Não, não preciso disso. Para falar a verdade, corto os meus legumes com a faca mais rápido do que o tempo que me leva para montar o processador. Para quê então eu realmente precisava de um? Para fazer todos os bolos e massas do tipo "joga tudo dentro e pulsa 30 segundos", e para emergências como o dia em que fiz uma pissaladière para 8 pessoas, e passei 45 minutos cortando quase 2kg de cebolas em meias-luas finas. Acreditem: eu nunca mais quero passar por isso

A dúvida cruel era que o cheio de tralha era de fato bem maior do que o com menos tralha. A psicopata metódica em mim apanhou todos os livros de receita da estante, procurou uma por uma as receitas que usavam processador e, baseado no manual de instruções online dos modelos de processadores e o limite de peso de farinha e número de ovos, calculou se o volume de massa de todas aquelas receitas era suportado pelo tamanho da tigela do modelo menor.

Cu-cooo! Cu-cooo! Louca de pedra.

Bem, o modelo menor era bastante.

Resolvi testar o brinquedo novo na segunda-feira, com uma receita muito, muito simples, mas que sempre foi um verdadeiro desastre aqui em casa: o bolo de cenouras de minha mãe. Ele é um bolo dummy-proof, como já escrevi aqui. É muito difícil ele dar errado, e mesmo quem nunca acertava bolo de cenoura tem ótimos resultados com ele. Por isso me considero muito talentosa: só na minha mão ele dava errado.

Primeiro, era o liquidificador maldito, que não batia direito. Ele não tinha potência e não puxava os ingredientes de cima para a parte debaixo, batendo em falso; e o que teoricamente seria uma atividade muito simples (colocar tudo no liquidificador e apertar o botão "Ligar") virava uma epopeia de abre, mexe com a colher, tira a bolota de farinha presa embaixo da inalcançável lâmina, mistura o ovo que nesse meio tempo foi absorvido pelo açúcar e virou uma papa dura... Muitas vezes tudo isso alterava a textura do produto final, e o bolo não saía como deveria, com o miolo irregular, assado num ponto, cru em outro, com buracos no meio. [É visível a diferença de textura do miolo dos dois bolos, da foto do post antigo e desta foto atual.]

Então tentei a batedeira. Mas também não dava certo. Ela demorava mais do que devia para misturar os ingredientes, incorporava ar demais à massa e o bolo crescia, crescia, transbordava e ia parar no chão do forno, espalhando pela casa um horrível cheiro de queimado e soltando fumaça escura em toda a minha cozinha.

Precisava ser essa receita. Se havia um momento de redenção do bolo de cenoura, seria aquele. Montei o bichinho na bancada, ainda pouco familiarizada e resolvi que, primeiro, claro, ralaria as cenouras nele. Eu fatio e pico coisas numa boa, mas eu detesto ter de ralar cenouras, beterrabas, e principalmente grandes quantidades de queijo, uma vez que, invariavelmente, eu vou acabar ralando os nós dos dedos.

Liguei o menino. E imediatamente comecei a rir. Talvez por ele ser de plástico, ele não tenha o peso necessário para mantê-lo tão estável quanto, por exemplo, minha batedeira, que pesa 10kg e não sai do lugar mesmo batendo as massas mais pesadas. O bichinho me lembrou o movimento daqueles bonecos de vento de postos de gasolina. Iúuuuuuuuhuuuuuu!, imaginei ele gritando, enquanto rebolava loucamente. Coloquei minha mão em cima, para mantê-lo firme e prossegui. No final, apesar do centro de gravidade deslocado, ele é menos barulhento que meu antigo liquidificador (que apesar de pouco potente parecia um ar-condicinado industrial quando ligado), e fez muito bem seu trabalho, ralando as cenouras rapidinho sem ralar meus dedos junto. ;)

O bolo.

Quando terminei de colocar todos os ingredientes na tigela que anunciava ter 2,5l (e tem), mas que na verdade sugere um limite de 1,5l, achei que tinha feito bobagem, que teria sido melhor comprar um modelo maior, mesmo com toda a tralha que viria junto. Os ingredientes ultrapassavam em 1cm o tal do limite proposto. Isso vai explodir para todo lado, pensei, imaginando ovos, farinha e cenouras pelas paredes. Arrisquei. E, para minha felicidade, em 30 segundos o bolo estava batido. E pela primeira vez em quatro anos, o bolo assou maravilhosamente bem, e finalmente ficou com a textura fofa e uniforme dos bolos de minha infância.

Felicidade total.

Levei o bolo para o café da manhã da corrida, na manhã seguinte, e fiquei o tempo todo torcendo para que meus amigos acabassem com ele. Se não houver mais bolo, vou "ser obrigada" a fazer outro. Puxa... ;)

13 comentários:

Patricia Scarpin disse...

Eba!!! Estreou o danado em grande estilo, Ana - bolo de cenoura é uma delícia, também me leva de volta à infância. Aquela fatia está tentadora - tão fofinha!

Rita disse...

Que legal, parabens pelo processor! Voce vai curtir muito, tenho certeza. Eu tb ganhei o meu de Natal, ha alguns anos e e uma mao na roda.

Bigode de chocolade disse...

Também tenho histórias para contar sobre meu processador. Quando ele chegou na minha cozinha, ficava escondidinho no armário, pois não queria perder a fama daquele que faz tudo à mão, artesanalmente. Depois fui perdendo a vergonha e o bichinho ganhou lugar de destaque na cozinha. O meu também é de plástico; para massas mais pesadas, tem que segurar, não tem jeito. Do contrário, acaba indo passear como minha máquina de lavar roupa, eheh.

Dani - Paladar disse...

Nada melhor que presente adiantado de natal. Que bom que conseguiu um modelo adequado sem muitos acessórios, qq cozinha pequena agradece.

Faça bom proveito de seu novo brinquedo...rs

Bjs

Nani disse...

Oi Ana!
Faltou a foto da sua mais nova quinquilharia pra gente poder admirar ela tb!!
Beijinhos!
Tudo de Bom!
E muitas outras quinquilharias para você neste e nos próximos natais!

Anônimo disse...

tenho um igualzinho ao seu, tb fiquei tentada a comprar o modelo maior mas não me arrependo! Td o q fiz até hj na "tralha" deu certo!! E uso bastante para massas tb (pão, pizza), já que não posso sovar por conta de uma tendinite...
Aproveite, sei q vc vai gostar cada vez mais!
Lala

raquel disse...

Ah, esse bolo de cenoura da sua mãe....nunca errei, e faço no liqui mesmo! AMO!!!

Lílian disse...

Ri demais com o estilo do seu marido de dar o presente. Bem alemão. O lado materno da minha família é todo alemão, então consigo até imaginar o Alex te dando o presente,

Coisinhasdalili disse...

Adorei conhecer seu blog! Tomara que tudo dê certo com o seu processador novo!

Letícia disse...

Oi Ana!
Encontrei seu site por acaso, procurando uma receita. E adorei!! O seu estilo de contar as coisas é muito interessante e divertido. Abraços!

moranguita disse...

muitos parabens pelo presente antecipiado

tyambem temos um la em casa a pouco tempo

beijocas

Anônimo disse...

olá Ana, processador é tudo de bom mesmo! também ganhei nesse fim de ano e uso muito. beijão, leila santos

Cecília disse...

Olá, Ana, td bem?
Qual a marca do seu processador? Preciso de um e existem tantos no mercado...

Obrigada!

Cecília

Cozinhe isso também!

Related Posts with Thumbnails