Mostrando postagens com marcador frutas. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador frutas. Mostrar todas as postagens

segunda-feira, 11 de junho de 2018

O que trouxe Maio




Quando meus pais chegaram, as temperaturas ensaiavam uma primavera tímida. Alguns passeios no parque de casacos leves e cachecóis, outros de camisetas. Era difícil não pensar nos céus azuis de Maio em São Paulo, mas apesar do cobalto intenso entre nuvens, a sensação era outra: a alegria de dedos livres de luvas, do sol ameno acariciando os braços, dos cabelos soltos no vento. Havia um anseio primordial pelo calor, pelo ar fresco na pele, pela luz. Essa luz que veio rápida, tornando os dias mais longos, essa luz que chama para fora.

Sentei-me sobre a grama pela primeira vez em meses. Vi as crianças correrem descalças pelo parque. Os caminhões de sorvete mequetrefe voltaram. Os carrinhos de cachorros-quentes nos parques. Os Robins, meus Sabiás honorários. E os Chipmunks, aos montes, fugindo do som de meus passos com gritinhos agudos e se escondendo em seus buraquinhos no chão.

Antes que digam, essa não é uma cerejeira. Apenas uma árvore de flores muito cor-de-rosa.
As cerejeiras estavam em flor. Tão tarde esse ano, disseram. Mas como se elas dessem o sinal de comando, a natureza explodiu em flor e verde e pólem e sons e cheiros junto com aqueles buquês cor-de-rosa e brancos. Hávia tulipas iridescentes de todas as cores, atravessando a terra escura com força e em riste em direção ao sol como lanças ali fincadas. E arbustos de flores pequeninas cor-de-leite-fresco, tão delicadas, que o vento arrancava suas pétalas circulares e as carregava pelos ares, dançando e brilhando como confete perfumado. Dentes-de-leão forravam de amarelo-ouro a grama macia por toda e qualquer parte. Havia flores em chapéus e cestos de bicicletas.

Houve também vendavais e telhados levados e árvores partidas. Árvores por toda a parte, arrancadas pelas raízes, galhos imensos despencados duma altura infinita. A festa da natureza nunca termina sem alguns feridos.

Houve patinete. Laura olhou o patinete de duas rodas, e choramingou, um, dois, três dias. No quarto, descia morro, ia na frente, acelerada, sumindo pela rua.



Maio foi mês de muito vinho, muita conversa, muito abraço, muita brincadeira de avós, muita contação de história, muito desenho, muita costura, muitos planos. Foi um mês de uma visita tranquila, duas semanas simplesmente juntos, levando e trazendo da escola, passeando cachorro nos parques, comendo ramen e hambúrguer. Aquele calor que vinha de meus pais, no fim, por ele eu também ansiava. E vê-los aqui contentes, sem mais dúvidas das decisões que havíamos tomado para nossas vidas, trouxe-me uma paz imensa.


Eles se foram um dia depois do aniversário de meu pai e um dia antes do dia das mães.


Foi providencial o convite que tivemos de amigos para passarmos o dia das mães em sua casa no lago, fora de Toronto, e o acordar muito cedo, o road-trip, a ansiedade pelo passeio e pela brincadeira, apaziguou o vazio da partida no coração de todos.


Lá, a dona da casa mostrou-me a horta que preparava, e uma profusão fantástica de ruibarbo plantado pelo antigo dono e com o qual ela já não sabia o que fazer. As crianças ajudaram a colher tudo o que pudemos, e carreguei para casa comigo algumas picadas de inseto, braços queimados de sol, e ruibarbo o bastante para bolo, geleia e o que mais quizesse. 

Com ele, preparei primeiro um bolo simples, receita como sempre apanhada no Smitten Kitchen.  Em seguida uma geleia de ruibarbo simplíssima da dona Martha Stewart, que fica azedinho-doce, e que as crianças adoraram. Um pote foi imediatamente de presente aos donos originais do ruibarbo, como agradecimento. E o restante dos talos tenros, cortei e congelei, e no fim do mês, uma parte deles virou muffins deliciosos que as crianças mesmas fizeram. Novamente, aquela receita perfeita da tia Martha. Receita esta, aliás, que transcrevi numa linguagem mais simples em dois post-its cor-de-rosa e colei à geladeira, para ter sempre à mão. Também porque, com as férias de verão chegando, pensei numa boa estratégia para manter Thomas praticando a leitura em inglês sem parecer lição-de-casa. E resolvi testar minha ideia já com antecedência: Thomas leu os ingredientes e os processos, e Laura mediu tudo e misturou. Trabalho em conjunto, pouca ajuda minha, e os muffins saíram perfeitos. 
Vemos filhotes de todos os bichos pór aí. De gansos a guaxinins, como este.

Então Allex entrou em férias, e tivemos uma semana inteira de almoços nós dois enquanto as crianças estavam na escola. E os dois adoraram pai levando e trazendo da escola, e brincando depois da lição, e jogando Trouble e Zombie Dice, e preparando milk-shake e comprando picolé, e indo levar ao parque para andar de bicicleta. 

E Allex, que nunca havia corrido na vida, e que começara no fim do Inverno, calhou de começar a correr 5km por dia e se inscreveu em provas de Trail Running, influenciado por um amigo querido no Brasil que junta grupos de gente para correr no mato e nas montanhas. E assim como todo mundo que encontra saúde, lá veio ele me cutucar e querer me levar junto: corre de novo, dizia ele; você costumava correr, é só comprar um tênis, vai lá, vamos lá. Mas Allex, não tenho tempo. Eu finalmente estou fazendo o que você sempre me disse: para largar as coisas da casa um pouco e usar meu tempo sem as crianças para fazer os meus trabalhos, e é isso que estou fazendo; já tenho trabalho, passeio do cão, cuidar da casa... se eu começar a correr, vou trabalhar menos, e ter menos chance ainda de voltar a ganhar algum dinheiro. Ana, eu prefiro você saudável e feliz comigo até os cem anos do que ganhando dinheiro; eu fico com as crianças de manhã e você sai para correr; eu posso correr depois do trabalho, não tem problema.

Ok. O amor dos pequenos gestos.

E saímos os dois, e me comprei o tênis mais baratinho da promoção do outlet, e saímos para correr no mato. E corri 5km feliz. E corri 5km todo dia. Até pisar torto uma semana depois ao arrumar a cama e ter de ficar duas semanas sem correr coisa nenhuma. Tudo bem. Esperei sete anos para voltar a correr, posso esperar mais duas semanas.

Durante as semanas em que meus pais estiveram aqui, cozinhei muito pouco, é verdade. Fiz-lhes um Berry Cobbler da Alice Medrich, aproveitando um saco imenso de frutas vermelhas congeladas, que traziam amoras, framboesas, cerejas, morangos e blueberries, com a massinha com fubá que fica deliciosa. Não fotografei coisa alguma, mas encontrei a receita aqui e vale repeti-la à exaustão e servir quente com chantilly ou iogurte. Fica pronto no tempo que se demora para comer o jantar, e é uma sobremesa simples e fantástica.

Também reparei um bolo invertido de cranberries (usando das congeladas), cujo uso não me animou quando era outono, mas achei interessante servir a meus pais, já que não se encontra desta fruta super azeda no Brasil. A receita é daquela revisitinha Everyday Food que trouxe comigo, e está aqui. Super fácil e fica de fato delicioso. 

Depois, com Allex de férias, saímos algumas vezes para comer e em outras fomos simples e frugais, e houve poucas refeições que merecessem um comentário por aqui. Boas de fato, mas não exatamente receitas.

Esta foi uma das poucas. Um arroz simples feito com a água do cozimento do brócolis, que o deixa assim amareladinho mas bem saboroso, e salsichas de porco (encontrei das orgânicas, apenas carne e temperos) com batatas-doces. Esta batata-doce cor-de-laranja, que procurei à exaustão no Brasil sem nunca encontrar, é um dos ingredientes favoritos meus e de Thomas. Allex e Laura ainda torcem o nariz, pois parece demais com abóbora, e com certeza pode ser substituído por ela. Refoguei cebola em meias luas em azeite e manteiga até quase caramelizarem, e alho e alecrim e uma pitada de páprica picante e as batatas-doces em cubos, e fui refogando devagar e devagar, com sal e pimenta-do-reino, até amaciarem e pegarem cor. Então entraram as salsichas já cozidas e cortadas em rodelas grossas, que foram douradas rapidamente, e um nada de vinagre e água, para raspar o fundo queimadinho com a colher de pau e terminar de cozinhar as batatas, criando uma liga mais cremosa entre os ingredientes. Água evaporada, muita salsinha fresca, sal acertado e sentar-se à mesa.

Tenho feito muito o mesmo prato substituindo as salsichas por ervilhas congeladas, e deixando um pouco mais de molho na panela. Um pouco de queijo feta esmigalhado, ou lascas de parmesão, ou queijo haloumi (ou coalho, no Brasil) douradinho, ou mesmo ovos cozidos, completam a mistura sempre. E daí que uma batata-doce grande alimenta quatro pessoas. Cozinha inteligente e econômica, para contrabalançar os dias de comer fora.

 

Por último, veio a alegria das frutas. Ontario e sua primavera tardia ainda tem pouca coisa a mostrar, e as frutas da estação vêm todas da California e do México. Passei todo o inverno com duas crianças pedindo por melancia, e desde que elas surgiram no mercado orgânico, tenho comprado assim, pequenas, de duas em duas, e feito um bocado de exercício ao carregar no braço por 2km duas melancias e dois melões e mais toda a compra da semana nas práticas mas desconfortáveis sacolas de 1 dólar da Ikea. E os melões são doces e chamam as abelhas nos parques. E eles tem gosto dos dias que não terminam e da grama entre os dedos dos pés, e do ar quente por dentro da blusa. 

E com os granulados que restaram dos brigadeiros que as crianças fizeram para o aniversário do vovô, Laura me ajudou a fazer um bolo formigueiro. E comemos bolo formigueiro e melão no nosso café da manhã de pousada de praia, inventando em nossas mentes as manhãs de férias mesmo em dias de escola. 

O bolo é o tal bolo de iogurte da Laura, que continua sendo um de meus bolos favoritos, não só por ser fácil o bastante para uma criança de 5 anos preparar sozinha, mas porque a textura é sempre ótima e é infinitamente adaptável. Ontem Laura o fez de novo, mas substituindo 1/3 de xícara de farinha por cacau em pó e o transformando num bolo de chocolate delicioso e macio.

Maio trouxe meus pais, trouxe o calor da primavera, o verde intenso e as flores, trouxe a sombra das árvores sobre as calçadas, trouxe de volta a alegria da rua e os piqueniques, trouxe frutas que não são maçã, trouxes dias que só acabam às nove da noite, trouxe a corrida de volta à minha vida, trouxe merecidas férias para um marido que trabalhara dois anos sem pausa, e trouxe de volta dois livros que eu deixara com minha irmã, acreditando não mais precisar deles. Folhear os dois livros da Marcella Hazan de novo me proporcionou um conforto maravilhoso e inesperado, a lembrança de uma cozinha italiana simples e boa e direta ao ponto. E numa conversa com uma amiga, desabafei: sempre que me pego procurando receitas muito complicadas e ingredientes difíceis, preciso parar e prestar atenção ao que anda acontecendo comigo; pois parece que minha mente é muito ligada à minha cozinha, e a cozinha simples do arroz com ovo, do bolo de iogurte e do muffin básico de sempre, parecem só existir quando minha mente é também simples. E quando a confusão se instala e eu me perco na floresta escura da insegurança, pareço buscar mais intensamente os caminhos mais tortuosos para me tirar dali, caminhos que são sempre dos outros e não meus. E me pego mais cansada, mais confusa, mais frustrada, por não conseguir trilhar com leveza aquele caminho empedregulhado que pareceu tão fácil para meu vizinho, para meu colega, para aquela moça do Instagram que eu sigo. 

E Maio terminou com uma série de reflexões. Maio começou e terminou com o livro Walden, de Henry Thoureau, meu primeiro clássico americano do século XIX lido em inglês. Leitura lenta. Mas leitura boa. Um texto rebuscado para exaltar uma vida simples. Uma vida com o necessário. Uma vez supridas as suas necessidades básicas, diz Thoureau, vá viver uma aventura. Não se perca com o supérfluo. Não acumule coisas. Dinheiro supérfluo só compra coisas supérfluas. Tudo o que você tem e do qual não precisa, custa-lhe mais trabalho e tempo para manter. 


É simples a vida simples. É simples a vida. Mas manter a mente nessa estado de águas calmas para se enxergar o fundo do lago é um exercício de atenção constante. Atenção aos insetos na grama, atenção à música a que seus filhos dançam, ao modo como a melancia se dissolve sobre a língua, ao vento quente que traz o cheiro do mato, ao abraço tão longo na mãe antes de partir, ao olhar de amor do marido, ao pedido por carinho do cão, aos anseios do próprio peito que precisam ser mais ouvidos do que as racionalizações da mente maculada pela sociedade. 

Maio terminou com a necessidade de encontrar meu próprio caminho, minha trilha no mato, minha aventura. O caminho para o lago turvo. O silêncio da espera, o olhar calmo até o dissipar das ondas.  A vida é simples se a vemos simples. Minha vida só é simples quando não me deixo complicá-la. Atenção! Aqui e Agora!, dizem os pássaros de Aldous Huxley. 

"Why should we be in such desperate haste to suceed, and in such desperate enterprises? If a man does not keep pace with his companions, perhaps it is because he hears a different drummer. Let him step to the music which he hears, however measured or far way." (Walden, Henry Thoureau).

("Por que deveríamos ter tanta pressa desesperada em atingir o sucesso, e em tão desesperados empreendimentos? Se um homem não acompanha os passos de seus companheiros, talvez seja porque ele ouve um ritmo* diferente. Deixe-o dançar à música que ele ouve, não importa quão medida ou distante.")
* no texto original, "drummer" é "baterista".















quarta-feira, 7 de março de 2018

Fevereiro, vida tranquila, um post em duas partes


Cerca de um ano antes de virmos para Toronto, minha cunhada me emprestou um livro pequenininho em italiano chamado Novecento, de Alessandro Baricco. No livro, esse homem que nasceu num barco e nunca saiu dele, um dia diz que quer descer para a terra. Por quê?, perguntam. Para ver o mar onde ele vivera a vida toda de outro ponto de vista.

Aquilo ficou gravado dentro de mim. Porque é preciso sair da ilha para ver a ilha, segundo Saramago, e percebi que confortavelmente inserida no contexto da minha existência no Brasil, eu jamais conseguiria enxergar a ilha, ver minha vida de outro ponto de vista. E eu vinha tentando, havia muito tempo, com todos esses processos de auto-ajuda encaixotados que peguei para mim, da naturebice, no minimalismo, do moda parisiense, dos livros de parenting, sem perceber que usar os óculos dos outros para enxergar pode ajudar mas não é a solução.

Em fevereiro fizeram seis meses que mudamos de país.

Durante esse tempo houve uma dezena, uma centena de desastres miniaturas dentro de mim, quebrando-me inteira por dentro, obrigando-me a reorganizar os pedaços e montá-los de um jeito novo, de novo e de novo. Demorei para me dar conta de que aquele quebra-cabeça emocional era tão difícil porque continuava forçando as peças dentro de um molde velho, gasto e torto.

Estava na hora de jogar o molde fora e montar aquelas peças livres no ar. Olhar para cada uma delas e decidir se elas ainda combinavam com as outras, se ainda tinham lugar. Muito como desentulhar uma garagem cheia de tralha, mas ao invés de olhar para os objetos em volta, você olha para aquele imenso espelho de cristal dentro de si. E abdicar de um pedaço do que você achava que queria ser, ou um pedaço da pessoa que você queria que os outros acreditassem que você era, é bem mais difícil do que jogar fora um abajur.

Mas quando você sai da ilha e se encontra à deriva nesse mar sem referências, você se dá conta de que todas aquelas pecinhas que formavam o que você acreditava ser sua identidade não passavam de bagagens externas. Eu sou uma pessoa que faz. Eu sou uma pessoa que tem. Eu sou uma pessoa que usa. Eu sou a pessoa que é filha de... Sou a pessoa que é mãe de... Eu sou uma pessoa que gosta de... coisas, pessoas, ações fora de mim. Todas essas malas pesadas que a gente carrega com a gente para fora da ilha e não nos permitem nadar para longe. E ali você está, na marolinha, achando que é alto-mar.

Fui nadando para longe e largando um baú medieval repleto de tralha emocional a cada braçada, e agora sento aqui nesse meu barquinho simples, olhando a ilha. O balanço do mar me conforta e meus olhos divisam as formas da terra firme claras sob o sol. E o que eu vejo não é bom nem ruim, apenas é.

Tudo mudou em mim.

Dou-me conta de que cada mudança de casa na minha vida foi o passinho que eu aguentava para longe da ilha que eu sabia que teria de deixar definitivamente um dia para me conhecer de verdade. Coisa louca, que muita gente não precisa fazer, mas que para mim era imprescindível. Não é que eu não me sentisse confortável no Brasil. Eu não me sentia confortável em mim mesma.

Agora o barco navega tranquilo. Tempestades ocasionais aqui e ali, mas a diferença crucial entre o antes e o agora é essa recém-descoberta calma frente ao conflito. Isso que tenho tentado ensinar aos meus filhos, isso de aprender a identificar suas emoções, ainda que abruptas e explosivas, e lidar com elas de forma tranquila. Isso de resolver os problemas sem perder a cabeça. Isso que eu não sabia fazer mas vi os professores canadenses ensinando às crianças. Oi, tia. Pode me ensinar isso também? Essa coisa linda de não perder a calma? De ficar zen? De se respeitar e respeitar o outro e exigir respeito? Adorei isso, quero tentar também.

E tudo flui. Essa vida tranquila que eu sempre busquei e que estava dentro de mim, escondida atrás de uma muralha de coisas que não eram eu, uma floresta de vitimismo, um mar inteiro de infantilidade e um deserto de ausência de responsabilidade pela minha própria vida.

E a gente se resolve um pouco e as coisas se resolvem em torno por osmose, porque a natureza assim funciona. E as crianças imitam o adulto, seja ele descompensado ou feliz. Que me imitem feliz então, que aprendam a respirar fundo e enfrentar seus medos, e tentar coisas novas, e resolver pepinos, e amar, e pedir desculpas, e dar a vez ao outro mas também exigir respeito.

As crianças vão aos pouquinhos nadando também para longe da ilha e entendendo que o mundo é grande e que as pessoas são incrivelmente diferentes e interessantes, e que todo mundo pode ser amigo desde que haja conversa. E conversando eles vão, aprendendo inglês em ritmo de trem-bala, contando histórias e aprendendo histórias, e Laura quer viajar para outros países e Thomas diz que vai morar no Japão um dia. E eu vejo esses dois seres imensos, desde quando a mão deles é tão grande?, fazendo lição-de-casa sozinhos e preparando o café de manhã, e recortando papéis coloridos e desenhos em folhas sulfite para criar seus próprios jogos de tabuleiros, e brincando metade em inglês, metade em português, e me dá uma tranquilidade imensa vê-los apanhar os livros da estante para folheá-los no sofá, em silêncio, por muito tempo, enquanto ouço uma música e preparo o jantar.

Passei fevereiro todo refazendo meu portfolio. Entra lá: www.anaelisagranziera.com

A vida anda mais devagar, ainda que bastante ocupada.

Numa quinta-feira corrida, voltamos da escola para a rotina de sempre: banho, lição, brincar, jantar, cama. Está um fim de tarde lindo, no entanto, um céu azul claro brilhante diferente da noite que caía cedo no auge do inverno e a sala inteira se ilumina e refresca como havia meses não acontecia. Acabáramos de assar biscoitos, e enquanto Thomas roubava um ainda quente da última fornada, pergunto se querem ir ao parque estrear os patins de gelo que apanhara usados na escola. Pensei que o jantar sairia atrasado, que era uma "school night", que Thomas não fizera a lição ainda. Mandei as favas as preocupações, o controle da rotina, e fomos. E as crianças patinaram pela primeira vez na vida, e Laura não parava de dizer o quanto AMAVA aquilo, e eu, ainda sem meus patins, sentei e vi o por-do-sol cor-de-laranja deitando sobre o rinque branco, e éramos praticamente só nós ali quando a noite caiu e continuei ouvindo seus risos e o raspar das lâminas no gelo sob a lâmpadas amarelas do parque.

Voltamos para casa no escuro, jantamos pipoca e Thomas disse para que eu não me preocupasse, pois ele faria a lição de manhã antes de ir à escola. Na manhã seguinte, ao invés de mandar consertar meu celular quebrado, comprei-me um par de patins para poder acompanhá-los no rinque. Prioridades.

O celular quebrou enquanto eu tirava essa foto, quando tropecei no cachorro e caí em cima do celular.
Senti-me estúpida e peguei birra do Instagram por alguns dias.

Patinei pela primeira vez na primeira festa de aniversário para a qual Thomas fora convidado. Os pais haviam reservado um espaço para fogueira num parque ali perto, do lado do rinque público de patinação. Havia smores e cachorros-quentes feitos na fogueira, e pipoca. Eram apenas meia-dúzia de crianças e os respectivos pais. Nossos pés chafurdavam na lama criada pela neve que se derretera nos dias anteriores. As crianças ajudavam os adultos a alimentar o fogo e saíam correndo para patinar mais um pouco. Era tudo simples e bom. O som dos pássaros, do fogo, das crianças.

Deslizar no gelo foi aterrorizante e maravilhoso. Fazer algo novo. Vencer meu medo de quebrar um braço ao cair. Eu já escorregara no gelo ao correr com o cão num parque e já sabia quão doloroso isso podia ser. As crianças estavam em êxtase ao me ver fazendo algo pela primeira vez, como eles. Mamãe não sabe tudo. Mamãe também está aprendendo. Se mamãe cair, tudo bem. Então se a gente cair, tudo bem também. Depois é a vez do papai. A gente quer ver o papai tentar também. 

Fevereiro se foi e levou com ele muito de quem eu achava que precisava mostrar para os outros que eu queria ser. E o que sobrou foi apenas eu. Eu que só quero uma vida tranquila.

Já estou com saudades da neve, pode?


.....

Agora vamos às praticidades da vida. Era preciso que entendessem isso aí em cima para entenderem isso aqui embaixo.

Em fevereiro minha cozinha começou a se aventurar de novo. Janeiro foi o mês em que Thomas decidiu que não queria mais levar fruta para a escola. E que tinha vergonha de comer salada na frente dos amigos. Pudera, bastou uma olhadela no almoço dos coleguinhas, num dia em que ajudava a professora, para entender. Era um tal de pão branco sem nada e sucrilhos de almoço que me deixou de cabelo em pé. Além disso, ele veio me explicar que não tinha lá muito tempo para comer, que os amigos engoliam a comida meio de qualquer jeito e saíam correndo para brincar ou jogar Ball Hockey, atividade gratuita que a escola oferece nos intervalos de almoço umas duas vezes por semana durante o inverno - e na qual Thomas se inscreveu assim, sozinho; fui descobrir que ele estava jogando um mês depois.

Janeiro eu passei preocupada tentando convencer a criança a comer fruta e verdura, e fiquei me enfiando em sites natureba-vegan-gluten-free-vida-sem-queijo para tentar inventar novas formas de enfiar coisas verdes na lancheira dele. Fiquei lá passando sabão no coitado, discursando à mesa cada vez que o lanche voltava, e vi logo que um sinal de que eu precisava mudar alguma coisa era o fato do meu filho levar as mãos às orelhas e fazer cara de exausto enquanto a ladainha prosseguia. 

Nisso, caí de gaiata no canal relaxante da Lu Azevedo, coleguinha ilustradora e brasileira que mora em Vancouver. Mais ou menos de gaiata, pois eu já conhecia o canal antigo, o Fala Maluca, cujos videos eu assistia para tentar me situar nesse futuro incerto que seria mudar para o Canadá com filhos. Mas o que eu não sabia era que ela havia partido em "carreira solo" e tinha criado esse canal que para mim é a versão em video da maternidade-sussa da Maria, do Seis Mais Dois. Quando ela fez um video mostrando o que mandava de almoço para os filhos na escola, logo caí em mim que eu andava complicando demais as coisas. (Aliás, sempre me deixa contente assistir a seus videos, pois parece que estamos sempre mais ou menos alinhadas em algumas coisas da vida - andava falando para uma amiga sobre comon mudara meu relacionamento com as crianças nos últimos meses, e vai lá a Lu e faz um video sobre disciplina positiva que é praticamente um resumão do que eu tentava explicar.)

Larguei mão geral e se meu filho diz que não dá pra comer mais que um sanduíche, então sanduíche será. Sanduichinho, macarrão, nori, cenoura, mini-pretzel e passas cobertas de iogurte, os dois últimos comprados a granel na loja de orgânico. E bolo e muffin e cookie feitos pela mamãe, porque a maior graça é poder fazer essas coisas toda semana. E aí que vem o pulo do gato: as frutas que Thomas não come em natura na escola, ele come nos doces que eu faço.


Como esse bolo de banana com chocolate do livro da Magnolia Bakery. Muito bom. Era para ter amendoins, mas como na escola não pode, omiti, e não fez falta.

CHOCOLATE CHIP BANANA LOAF
(do livro The Magnolia Bakery CookBook)

Ingredientes:
  • 1/3xic. manteiga sem sal, amolecida
  • 1/2 xic. açúcar
  • 2 ovos grandes, em temperatura ambiente
  • 1 1/2 xic. bananas maduras, amassadas
  • 1/3 xic. leite
  • 2 xic. farinha de trigo com fermento (eu usei farinha comum, adicionei 1 colh (chá) de fermento e uma pitada de sal)
  • 3/4xic. chocolate chips
  • (se quiser usar os amendoins, é só acrescentar 1/2 xic. de amendoins sem sal e sem pele, picados

Preparo:
  1. Pré-aqueça o forno a 180oC. Unte e enfarinhe uma forma de bolo inglês de cerca de 21cm.
  2. Na batedeira, bata a manteiga e o açúcar até que fique clara e fofa. 
  3. Junte os ovos, um a um, batendo bem. Junte a banana e o leite e misture.
  4. Adicione a farinha e misture apenas até que esteja tudo incorporado. 
  5. Junte os chips com a ajuda de uma espátula e passe a mistura para a forma.
  6. Asse por 45-55 minutos, até que um palito inserido saia limpo. 
  7. Deixe que esfrie na forma por uns 20 minutos antes de desenformar,.


PORÉM... é claro que a nutricionista esquizofrênica dentro da gente começa a achar que a criança está comendo muito açúcar, muita farinha branca e aquela coisa toda. (Se for comparar com criança-padrão canadenses e brasileiras, meus filhos não comem quase nada de aç[ucar, mas a nossa cabeça adora achar problema com o qual se preocupar e fica tentando resolver o que já está resolvido, simplesmente pelo prazer de resolver alguma coisa. - Tivesse resolvido os problemas de verdade dentro de mim, não ficaria enchendo tanto o saco dos meus filhos.)

E daí que eu catei todas as receitas da Kim Boyce (do livro Whole to the Grain) que eu tinha anotado e saí tentando encontrar um denominador comum entre elas, um template para criar outros muffins com outras farinhas integrais e outras frutas, pois sempre gostei dos muffins altos, massudinhos e pouco doces dela. E assim fiz. E nasceu o Muffin de Salada de Frutas. Com todas as frutas que Thomas se recusou a levar para a escola naquela semana. E ficou ótimo, principalmente quentinho com manteiga. E Thomas amou. E eu achei que meus problemas estavam resolvidos.



MUFFIN DE SALADA DE FRUTAS
(Rendimento: 12 muffins)

Ingredientes:
  • 1 1/2 xic. de farinha de trigo
  • 1 xic. farinha de trigo integral 
  • 1/2 xic açúcar mascavo (eu tentaria 3/4 xic também, para algo mais doce)
  • 1 colh (chá) fermento
  • 1 colh. (chá) bicarbonato de sódio
  • 1/2 colh. (chá) canela
  • 3/4 xic. manteiga derretida (150g, aproximadamente)
  • 2 ovos grandes
  • 1 (colh) chá extrato de baunilha
  • 1 xic. iogurte natural
  • 1/2 xic. leite
  • 2 xic. de frutas picadas grosseiramente, como maçãs, peras, bananas, caquis, abacaxi.

Preparo:
  1. Pré-aqueça o forno a 180oC. Forre a forma de muffins com forminhas de papel.
  2. Misture com um fouet todos os ingredientes secos numa tigela. Em outra, misture a manteiga derretida, os ovos, a baunilha e o iogurte e o leite, até que fique homogêneo. A massa não pode ficar líquida. Ela precisa fazer um montinho e ficar ali quietinha, sem espalhar. Isso garante aqueles muffins altos com domos grandes.
  3. Junte os líquidos aos secos e misture com uma espátula apenas até que a farinha suma. Junte as frutas.
  4. Divida a massa entre as formas. A massa VAI FICAR PARA FORA, mais alta que as formas. Desde que esteja firme, está tudo bem, ela não vai vazar. Vai inflar e firmar bonitinho sem virar aquela gororoba de quando tudo espalha, achata e afunda. Asse por cerca de 25 minutos, ou até que um palito inserido no meio de um deles saia limpo. 
  5. Retire do forno e deixe esfriar cinco minutos antes de comer. 

Mas Laura não comeu.

Porque aqui a grande diversão dos dois parece ser me deixar culinariamente louca.

Thomas ama nozes e castanhas e sementes e qualquer coisa crocante. Laura detesta. DETESTA.
Laura pede e devora qualquer fruta. Thomas diz que só gosta de melancia.
Thomas me pede para fazer mingau pelo menos uma vez por semana. Laura reclama sempre que eu faço mingau.
Ela adora tomate cereja. Ele nem encosta.
Ele adora edamame. Ela faz cara de nojo.
Ele adora sanduíche de almoço. Ela só quer prato quente.

Não tem saída.

Parece que eles só têm pontos em comum no que se refere às porcarias. Eu queria dizer que eles concordam na pizza, mas Thomas gosta de massa fina e Laura gosta de massa grossa.

Em fevereiro eu larguei mão de me preocupar demais com isso, virei para os dois, e disse: vocês vão levar o que tiver em casa e o que eu tiver tempo de preparar. Comeu, comeu, não comeu, traz de volta. E é isso aí.

E é isso aí.

E uma coisa puxa a outra. Se eu não fico aflita com o almoço deles, posso relaxar e me divertir mais nas outras refeições. E me deu vontade de fazer pão de novo, para variar um pouco o pão do sanduíche, e porque o pão integral das padarias daqui meio que não têm gosto de coisa nenhuma.

Catei um livro na biblioteca e achei essa receita aqui. Fiquei meio ressabiada com a quantidade absurda de fermento e cortei pela metade. Mas deixo aqui a quantidade original e, você conhecendo o fermento que usa, pensa bem o que fazer a respeito. O pão ficou fofo e delicioso, e eu faria de novo várias e várias vezes.

Thomas amou as sementes no pão.
Laura destestou e comeu só o queijo. >_<



BIRDSEED BREAD
(receita de um livro de baking de uma autora canadense. Preciso pegar o nome. Não curti muito o livro mas esse pão ficou muito bom. Fotografei a receita mas esqueci de anotar o nome do livro.) 
Rendimento: 2 pães

Ingredientes:
  •  2 xic. água morna
  • 5 colh (chá) fermento ativo seco (usei metade)
  • 3 colh (sopa) óleo vegetal (usei azeite)
  • 1 colh (sopa) suco de limão
  • 2 colh (sopa) mel
  • 2 colh (sopa) açúcar mascavo
  • 1 colh (sopa) melado ou extrato de malte
  • 1 colh (sopa) sal
  • 1/4 xic farinha de centeio
  • 1 xic. farinha de trigo integral
  • 1/2 xic. sementes de girassol
  • 2 colh. (sopa) de farelo de trigo (omiti pois não tinha)
  • 2 colh (sopa) de linhaça (depois vi que era moída, mas usei inteiras)
  • 2 colh (sopa) de sementes de gergelim
  • 3 a 4 xic. farinha de trigo branca 
  • mais sementes para polvilhar

Preparo:
  1. Unte duas formas de pão e posicione sobre uma assadeira.
  2. Na tigela da batedeira planetária, misture a água morna, o fermento, o óleo, mel, açúcar e melado, até que tudo esteja dissolvido. Se o fermento não for do tipo instantâneo, deixe uns cinco minutos ativando antes de prosseguir. (Fermento instantâneo dissolve rápido na água - o meu aqui não é, e se eu não der uns minutos, as bolinhas de fermento continuam inteiras na massa do pão.)
  3. Junte todos os ingredientes menos a farinha branca e misture. 
  4. JUnte 2 xicaras da farinha branca e misture por alguns minutos. 
  5. Vá misturando na batedeira com o gancho aos poucos o restante da farinha branca, até obter uma massa grudenta mas que pareça razoavelmente manipulável. Talvez você não precise de toda a farinha.
  6. Cubra a tigela com filme plástico e deixe fermentando por 1 hora ou até dobrar de tamanho.
  7. Divida a massa em duas partes, e deixe descansar por 15 minutos. Molde como dois cilindros do comprimento da forma. Espalhe as sementes pela bancada e role os pães sobre elas para que grudem na superfície. Coloque-os dentro da forma, cubra e deixe que fermentem novamente até que estejam ultrapassando a borda da forma. Enquanto isso, aqueça o forno a 190oC.
  8. Coloque os pães no forno e imediatamente abaixe o forno para 180oC. Asse até que estejam com a crosta dura e dourada, cerca de 35-40 minutos. Esfrie nas formas sobre grades.




Pode ter sido minha maratona de The Great British Bake Off  seguido do The Great Canadian Baking Show que me transformou na louca da padaria novamente. Pode ter sido o fato de eu ter encontrado um lugar para comprar farinha de trigo orgânica em sacos imensos e mais baratos - pensa a pessoa que usa um saco de 11kg de farinha em um mês. Sei que devo a isso o fato de ter encontrado ESSA RECEITA PERFEITA DE CINNAMON BUNS, sucesso absoluto com 100% da família. Catei a receita do Smitten Kitchen mas omiti tudo o que não pertencia a um Cinnamon Bun, e é isso aí. Pense macio. Úmido. Doce. Delicioso. E PRÀTICO. Você faz ele todo num fim de tarde, começo de noite e deixa fermentando durante a noite na geladeira para ir direto para o forno. Vinte minutos depois, eis o melhor café-da-manhã de sábado do mundo. :D A massa é feita na batedeira, e é uma delicinha de abrir e enrolar e cortar.

 
Daí que as crianças pediram bolo de chocolate e eu, que andava feliz e tranquila, catei o tal livro do Birdseed Bread e resolvi fazer um bolo dele com sour cream que parecia muito bom e muito simples. Havia um mês eu encontrara cacau Valhrona numa loja de importados e andava enrolando para abrir, usando o baratinho da Hersheys até então. Lá fui eu. Três quartos de xícara de cacau Valhrona. TRÊS QUARTOS DE XÍCARA.
E o bolo ficou assim:


Falei que foram 3/4 de xícara de cacau Valhrona? Pois é. No mesmo dia, a máquina de lavar e secar roupa quebrara, com todas as toalhas de casa, sujas e molhadas, dentro. E eu tinha queimado consideravelmente meu braço na tampa de uma das panelas ao preparar o jantar (a bolha se foi, a cicatriz ficou.) Laura resolveu virar no Jiraia e fazer as birras mais escalafobéticas do mundo. Daquelas que você se surpreende pelos vizinhos não terem chamado a polícia. Daquelas que te dão vontade de levantar, ir embora e não voltar mais. Daquelas que fazem você pensar por que diabos resolveu ter filhos mesmo. E quando meu marido me mandou um recado perguntando como estavam as coisas e eu expliquei, ele perguntou se eu queria que ele voltasse mais cedo, pois eu deveria estar um caco.

Foi aí que me dei conta de que não, eu não estava um caco. Eu estava tranquila. Já ligara para a administradora do condomínio requisitando o reparo da máquina (que, diga-se de passagem, ainda não foi consertada até o momento em que eu escrevo - toda uma epopéia). Lidara com a queimadura feia no braço com a mesma calma com que lidara com a vez em que chanfrei a ponta do dedo cortando salsinha, ou quando rasguei o outro dedo na lâmina serrilhada do processador: cuidei e segui a vida. Mantive-me zen-budista frente à reencarnação de Cthulhu que era minha filha e resolvi sem castigo nem escândalos adicionais, e terminamos o dia tranquilos ouvindo música. E quando o Gólgota emergiu da minha forma de bolo, eu soltei um palavrão cabeludo, tirei a porcaria do forno, suspirei e disse a mim mesma: Meh. É só um bolo. o_O Isso foi inédito. As crianças roubaram uns pedaços cozidos de bolo da beirada da forma, eu deixei tudo esfriar para jogar fora e limpar o piso do forno, catei um livro mais confiável e... fiz outro bolo.


 CHOCOLATE SOUR CREAM CAKE WITH CHOCOLATE CHIPS
(Do livro The Magnolia Bakery Cookbook)

Ingredientes:
  • 3 xic. + 2 colh (sopa) farinha de trigo
  • 1 1/2colh (chá) bicarbonato
  • 1/4 colh (chá) sal
  •  85g chocolate 100% cacau (unsweetened chocolate, difícil de achar no Brasil, mas que eu substituía com sucesso por chocolate 85% ou 90% cacau)
  • 1 1/2 xic. café forte ainda fervendo
  • 3/4 xic (150g) manteiga sem sal, amolecida
  • 2 2/3 xic açúcar mascavo
  • 2 ovos grandes, em temperatura ambiente
  • 1 1/2 colh (chá) extrato de baunilha
  • 3/4 xic. sour cream (se não tiver, deixe o creme de leite fresco com uma colher de vinagre fora da geladeira por algumas horas e use)
  • 2/3 xic. chocolate chips

Preparo:
  1. Pré-aqueça o forno a 160oC. Unte e enfarinhe uma forma bundt ou de tubo com capacidade para 12 xícaras.
  2. Numa tigela, peneire a farinha, bicarbonato e sal.
  3. Em outra, coloque o chocolate 100%. Adicione o café fervendoe misture até derreter o chocolate. Deixe esfriar por uns 10 minutos.
  4. Na batedeira, bata a manteiga e o açúcar até que fique fofo. Junte os ovos, um a um, batendo bem. Junte a baunilha. 
  5. Adicione os ingredientes secos aos poucos, batendo apenas até incorporar, em velocidade baixa. Junte o sour cream. Junte o chocolate derretido em três partes.Incorpore os chips. 
  6. Passe a mistura para a forma e asse por 70-80 minutos, até que um palito inserido no meio saia limpo. DEixe esfriar por 20 minutos pelo menos na forma antes de desenformar.

A vida não é horrível. O universo não está te perseguindo. O mundo não está contra você. É só um bolo de 14 xicaras que você meteu numa forma onde só cabiam 12. É só uma birra de criança porque a criança tem f*cking 5 anos e está aprendendo a controlar as emoções. É só uma máquina de lavar que tem conserto e o prédio tem lavanderia. E é só uma bolha no braço para acompanhar as dúzias de marcas de guerra que você adquiriu na cozinha durante sua vida.

Finito. Caput. No more drama. Porque a vida no fim é isso: tem muito mais birra de criança, machucado e máquina quebrada do que dia de piquenique, todo mundo fofo e céu azul com borboletas. E se você for deixar um bolo afundado estragar seu dia... bom... você está lascado, pois está destinado a uma vida de miséria e frustração. Vida tranquila não é vida de comercial de margarina. É aceitar que a vida tem uns momentinhos mequetrefes e desastres estrambólicos mas não deixar isso te destruir. A gente é melhor que isso. A vida é muito curta pra chorar por bolo explodido no forno. Limpa tudo e segue a vida. É só um bolo.

Quando estou alegre, quero que a cozinha reflita isso. Saio buscando muito mais cores e mais vida para a mesa combinar com meu humor. Daí que catei o livro Plenty More na biblioteca, que me trouxe belíssimas surpresas, como um COZIDO DE ERVILHAS E ALFACE ROMANA maravilhoso (no qual usei edamames ao invés de favas, pois era o que tinha e Laura comeu sem saber o que eram) e esse BOLO DE COUVE-FLOR sensacional, que preparei acompanhado de uma salada de alface romana, abacates e watermelon-radish, esse rabanete grandalhão que quando cortado parece uma melancia, lindo e delicioso. Esse foi um jantar tão bom que as crianças pediram repeteco para a escola, até com o tal rabanete e alface acompanhando, e a lancheira voltou vazia, vazia.



Acabei estendendo meu empréstimo do livro por mais 20 dias para poder fazer outras receitas.
E outra coisa que valeu muito a pena fazer e que rendeu igualmente almoços escolares bem sucedidos foi essa TORTA SALGADA do blog Smitten Kitchen. Aliás, tenho cozinhado tanto dessa fonte que sinto que preciso ir até Nova York e dar um abraço na Deb por isso, mas acho que ela acharia esquisito esse abraço de uma completa desconhecida. ;)

A receita original era com batatas e espinafre, mas substituí por brocolis branqueado e puxado no alho, e algumas fatias de bacon douradas e picadas. O restante do recheio de ovos e queijo, mantive igual. Também arrisquei estender a massa mais fina para conbrir minha assadeira, um pouco maior que a dela, e o risco compensou, pois a torta ficou um desbunde de boa. Fria, dava para comer os quadrados com a mão, o que facilitou no almoço da escola. De novo, torta acompanhada de salada de alface, watermelon radish, cenouras e sementes de abóbora.



 E é isso aí. Vida tranquila.


quarta-feira, 15 de novembro de 2017

Frio, mexilhões, minhas tralhas, minha cozinha

Mexilhões com tomate. Simples, bom e barato. Morri de orgulho da criançada pedindo mais e mais.
Numa manhã, tomávamos café à mesa sob a janela, e fomos surpreendidos por uma mancha escura no céu, sobrevoando o prédio e se afastando em direção ao sul. De todos os lados, vimos pontos negros surgindo de trás das árvores, dos prédios, das casas, e se unindo àquela massa de pássaros.

"Os gansos foram embora", eu disse, em mono tom, anestesiada por aquela visão.

Houve um momento de empolgação por aquela demonstração da natureza. Mas o que restou, conforme terminávamos nossas panquecas e sentíamos o café esfriando no fundo da xícara, foi uma estranha sensação de abandono. Como o silêncio antes da tempestade.

Alguns dias depois, os corvos chegaram.

Dois anos antes, em nossa visita a Vancouver, eu havia ficado impressionada pela quantidade de corvos na cidade, na mesma proporção de pombas em São Paulo, e surpreendi-me ao chegar a Toronto durante o fim do verão e não encontrar nenhum deles.

E ei-los aqui agora. Pretos, imensos, empoleirados sobre os semáforos, sobrevoando os parques de árvores desfolhadas, grasnando alto seu chamado metálico como o cinza das nuvens que acobertam o céu, buscando naqueles que não fugiram do inverno seu alimento.

Veio a primeira neve e um frio inesperadamente intenso, recorde de temperaturas baixas para esta época do ano, e lá fomos nós para a rua, empacotados como presentes, sentindo o vento cortante no rosto, em direção à escola.

-17oC.

Frio.


O vento. Havia ouvido falar do vento, mas você só entende quando o sente, como uma parede gelada a ser transposta. Ou, como brinquei com amigos, como se alguém espancasse você constantemente com um bacalhau da noruega congelado.

Thomas escorrega no chão gelado e aterrissa em cheio sobre o bumbum. Ainda bem, a calça de neve é fofinha e ninguém se machuca. Eu patino um pouco sobre a mistura de folhas e gelo na calçada perto da escola. Gnocchi tenta me puxar para o lado, derrapa e espatifa o focinho na neve.

Quando chegamos à escola, sou surpreendida pelo clima alegre. Não se vê ninguém amuado nos cantos, encolhido, tremelicando. Todas as crianças correm pelo pátio, fazem bolas de neve, divertem-se com a fina cobertura branca no playground. Olho para o lado, e Laura está deitada, rindo, agitando braços e pernas, fazendo um anjinho naquele um centímetro de neve que jaz sobre o chão de cimento.

Quando as crianças entram na escola quentinha, Gnocchi me puxa para o parque em frente, alucinado. Solto sua guia e ele corre feliz sobre a neve, calda em riste de alegria, latindo e me chamando para correr atrás dele; e ao fazer isso, aqueço um pouco mais meu corpo e me dou conta de que aquele cão, descalço e desagasalhado, está sequer tremendo sob a sensação térmica de -17oC. Evoluída sou eu, certo? que tenho de gastar os tubos em casacos e botas e luvas e camadas de blusas e calças térmicas para não congelar, e lá vai o Gnocchi, rolando no gelo contente. Ok, então.

Volto para casa e preparo um Chai bem quente, aquele chá preto com especiarias, leite e açúcar mascavo. Uma xícara imensa, que ganhei de presente de aniversário do marido junto de chás especiais, um kettle e o livro novo do Neil Gaiman.

O kettle é um apetrecho muito útil por aqui. É vantajoso ter algo que esquente água mais rápido e usando menos energia, uma vez que o fogão é elétrico. Além do kettle, repus também rapidamente meu processador de alimentos e minha batedeira. Como disse no post anterior, foi muito bonito isso de tentar viver uma vida simples com uma tigela e uma colher de pau, mas quando o assunto é facilitar minha vida para prover as refeições da família em casa, na escola e no trabalho, não tive dúvidas e corri atrás dos meus queridos eletrodomésticos.

No restante da cozinha entretanto, as coisas de mantiveram mais acomodadas no reino da simplicidade. Como agora tenho poucos livros de cozinha, foi possível sentar e folheá-los e ter uma noção mais exata do que eu de fato precisava. Basta de ter uma forma especial para uma receita só.

Compramos louça na Ikea apenas para o realmente necessário.

E para o baking em geral, apanhei numa loja:

  • UMA assadeira bem grande de bordas baixas, onde asso legumes e faço minha pizza retangular toda sexta-feira.
  • UMA forma retangular de 23x33x5cm, onde faço bolo, lasanha, barrinhas, o que for; ou seja, faz as vezes de travessa também.
  • DUAS formas de pão de 23x13x8cm, que fazem pão de forma grande o bastante para bons sanduíches.
  • DUAS formas de bolo inglês de 22x10x8cm, porque quase todas as receitas de bolo inglês que tenho fazem dois bolos, e congelar um para outro dia é sempre esperto.
  • UMA forma redonda de aro com mola de 23cm, para bolos e cheesecakes.
  • UMA forma de 22x5cm para bolos em geral (dava para usar a de mola para tudo, mas bolos de massas muito líquidas correm o risco de vazarem).
  • UMA forma de muffins com 12 cavidades.
  • UM refratário de vidro quadrado de 20cm, para brownies e qualquer outra coisa, na verdade.
  • UM prato refratário de vidro para tortas de 23cm, que pretendo usar para quiches também.
  • E a forma de furo no meio, com capacidade para 12 xícaras, velha, riscada e amassada, roubada da minha mãe; essa forma que fez todos os bolos de cenoura da minha infância.


Também me arranjei um jogo de 8 tigelas de vidro refratário que se encaixam uma na outra, economizando espaço no armário: a maior sendo perfeita para fermentar receita dupla de pão, e a menorzinha, sinceramente... não imagino ela servindo para nada além de separar algum ingrediente delicado em pequena quantidade - é tão pequena, na verdade, que virou piada aqui em casa, a mini-mini-mini-mini-mini-tigelinha. Mas todas as outras entre esses extremos têm sido diariamente usadas para misturar ingredientes, separar ovos, derreter manteiga, ou simplesmente guardar restos na geladeira.

Comprei-me aqui um raspador de massa, colheres e xícaras medidoras, uma jarra de vidro medidora, duas espátulas de silicone, um descascador de legumes, e um único fouet, pois meu antigo ficou com minha mãe. Mas trouxe duas colheres de pau, as únicas que sobraram da minha coleção: uma pequena, presente de minha cunhada, e uma grande, boa para mexer polenta e panelões cheios. Fora isso, na viagem para apanhar o Gnocchi, trouxe na mala minha máquina de macarrão, presente de minha mãe quando casei, a máquina alemã de Spaetzle, presente da minha sogra, e meu passa-verdura, que uso para fazer desde geleia de maçã até purê de batatas.

Só que de todos os utensílios de cozinha comprados aqui, o que mais gostei foi meu rolo de massa: inteiriço, bem comprido, com extremidades que afunilam. É o melhor rolo que já tive, infinitamente mais fácil de usar do que aqueles que giram sobre um eixo.

É lógico que estar num ambiente novo, numa cidade nova, num país novo, deixa você desnorteado. E minha cozinha com certeza passou por esse processo. Primeiro, encantada com os ingredientes à disposição que eu sempre cobiçara lá no Brasil, saí metendo os pés pelas mãos e comprando mais do que o necessário, tentando fazer todas as receitas de uma só vez. Animei-me com a biblioteca do bairro e saí retirando livro de cozinha atrás de livro de cozinha, acreditando que prepararia mil pratos de cada um. Sem saber o que era mais barato e onde, perdi dias incontáveis indo a todos os mercados do bairro, várias vezes por semana e saindo de cada um deles mais perdida.

O que aconteceu, no entanto, quando voltei da viagem do Gnocchi, foi que fiquei doente. Um bocado doente. Todo o stress dos meses anteriores parecia ter finalmente atingido seu ápice naquelas duas viagens internacionais em menos de cinco dias, e na tensão de embarcar meu melhor amigo numa gaiola. Meu sistema imunológico explodiu enfim, quando pus os pés em casa, e passei quase vinte dias me sentindo um lixo.

E esses vinte dias me fizeram pensar mais um bocado.

E eu olhei para aqueles livros emprestados da biblioteca e concluí que essa fase havia passado. Que eu não queria fazer nada complicado, que eu não queria correr até o outro lado da cidade para um ingrediente especial, e que eu não tinha mais paciência para comida que não tivesse gosto de comida de pai e mãe. Devolvi todos os livros.

E cansei dessa correria por preço baixo em supermercado longe. Noutro dia, encontrei um casal conhecido no metrô. Eles estavam indo até um mercado umas duas estações para leste, pois o frango lá era muito mais barato. Fiquei pensando que eles estavam gastando pelo menos 12 dólares indo e voltando de metrô os dois juntos, e que provavelmente isso cobriria a diferença de preço entre o frango do mercado lá longe e o daqui da vizinhança. Fora o tempo. Tempo é precioso.

Resolvi que iria apenas uma vez por semana ao mercado. Porque qualquer mercado aqui é a quinze minutos à pé de casa. Levo o cão comigo, passeamos juntos, e resolvo a compra da semana no mercado orgânico, comprando apenas o que está em promoção, e o que falta, no mercado barato, vinte minutos na outra direção, onde também tem a padaria de que gosto, a biblioteca, a farmácia, a loja a granel e a loja de bebidas.

Tudo resolvido num dia só. A gente cozinha com o que tem. Se os ingredientes não se encaixam em nenhuma receita, a gente inventa. E se faltar alguma coisa, ok, eu pego na semana que vem. Basta de pulinhos no mercado, que eu perco tempo e gasto dinheiro.

A gente se vira com o que tem: conchiglie com broccoli salteado no alho, azeite e pimenta calabresa. O parmesão tinha acabado, então fiz o que os italianos pobres do sul faziam: dourei farinha de rosca caseira em azeite, alho e salsinha (usei um filé de anchova amassadinho junto para trazer o umami do queijo), e polvilhei por cima no lugar do parmesão. 

Isso começou a me dar mais tempo para respirar, e um norte na cozinha. E percebi que fico empolgada com coisas bestas como receber por email o flyer com as promoções do mercado orgânico  para a semana. Sento no domingo, analiso o flyer, e escolho umas duas ou três receitas-chave para preparar na semana seguinte. Há sempre uma carne e um peixe interessante em promoção. E tenho me aproveitado disso, pois como aconteceu nos últimos anos, meu vegetarianismo parece hibernar durante o tempo frio, e meu lado carnívoro aflora.

Quem quer comer salada enquanto faz -5oC lá fora? Eu não.

Pense num almoço bom. :)
Comecei a trocar as saladas dos meus almoços solitários por torradas com verduras refogadas ou variações sobre o tema. Num dia em que achei inhame no mercado, descasquei-os, ralei-os na parte grossa do ralador, e apertei-os em forma de panquequinhas na frigideira bem quente com manteiga, até que as panquequinhas dourassem. Assim, um inhame virou uma panqueca. Num dia, cobri com folhas de beterraba refogadas em alho, azeite, uma folha de louro e uvas passas. Polvilhei com salsinha e hortelã, nozes e queijo feta esmigalhado. Sensacional, e durante a semana toda repeti a receita apenas para mim, até que os ingredientes acabassem.

Numa semana, fiz o dobro da receita de cozido de carne com cenoura da Tessa Kiros, cuja metade congelei. E comprei Vermelho para preparar no forno com tomates e servir com arroz, e seis filés renderam bastante para o jantar e para levar de almoço no dia seguinte. Faço o dobro de molho de tomate para a pizza de sexta, pois o o molho que resta cobre macarrão cozido de manhã para o almoço da segunda.

Já tinha preparado isso antes no Brasil, mas a carne aqui me pareceu mais marmorizada e mais maturada, então ela dourou mais fácil e ficou extremamente macia. Melhor picadinho que já fiz. As batatas, bem cerosas e de polpa clarinha, produziram um purê branquinho e delicioso.
Há sempre um saco de 3 libras de maçãs diferentes em promoção no mercado, e levo quase que um por semana para casa. As abóboras do Halloween renderam não só decoração, mas uma Pumpkin Pie devorada em dois dias, e meia receita extra de massa de torta no meu freezer. No mesmo dia do cozido de carne, descongelei a massa, abri, e recheei com as maçãs, poquíssimo açúcar (as maçãs Gala estavam bem doces), canela, noz moscada e manteiga, e fiz uma galette para a sobremesa, bem rústica e de improviso.

O novo saco de maçãs, Golden Delicious, está virando barrinhas de maçã e aveia, receita de um dos livros do Magnolia Bakery. Claro que a receita pedia uma lata de apple pie filling, e claro que eu fiz meu próprio recheio (4 xícaras cheias de maçãs descascadas e fatiadas + 1 colh (chá) canela + 1/3 açúcar + 3 colh (sopa) amido de milho cozinhando na panela em fogo baixo apenas até a maçã soltar um pouco de líquido, a maçã amaciar e o amido engrossar - deixe esfriar completamente antes de usar). Thomas anda numa fase em que se recusa a comer frutas no lanche da escola, então saio metendo frutas nos snacks que posso produzir em casa.

O que sobrou de purê de abóbora virou Pumpkin Spice Muffins para levar para a escola, que Thomas me ajudou a fazer, empoleirado no banquinho da cozinha. Nenhuma receita que achei na internet me agradou, e acabei inventando em cima daquela mesma receita básica de muffin da Martha Stewart do post anterior.

Cavoquei a abóbora, as crianças desenharam as caretas com canetinhas, e eu cortei com uma faquinha.

Depois de cavocar com uma colher e separar as sementes, cozinhei a polpa no vapor até conseguir transformá-la num purê com o passa verdura. Depois coloquei sobre uma peneira grande e fininha, sem apertar, e deixei pingando o excesso de água durante a noite na geladeira. No dia seguinte o purê estava bem sequinho, pronto para usar na torta.

Esta semana, os mexilhões estavam em promoção. Mexilhões lindos assim, em suas conchas negras como os bicos dos corvos, como eu nunca encontrava em São Paulo. Não sei porque, eles vinham sempre fora de suas conchas, sufocados em sacos plásticos. E eu perguntava aos peixeiros como diabos saberia se estavam bons, se estavam fora de suas conchas. E eles nunca sabiam me responder. Esses vieram fresquíssimos. De 4kg, acho que 4 conchinhas foram para o lixo, quebradas. Os outros moluscos espiavam por dentro das conchas abertas, e quando lhes tamborilava os dedos, toc-toc-toc, eles se fechavam rapidamente. Um truque que fez sucesso com a pimpolhada.

Da próxima vez vou fazer assim para as crianças. :)

O jantar foi um panelão de mexilhões com tomate e fatias de pão. Thomas passou o alho sobre as fatias e as colocou sobre a grelha, e depois me ajudou a colocar os mexilhões cuidadosamente na panela. As crianças se refestelaram. Tanto, que tive medo de que tivessem dor de barriga. Afinal, comemos em três uma porção para seis pessoas. Allex preparou um miojo, pois durante quinze anos juntos, eu não sabia que ele não podia nem com o cheiro dos mexilhões. Uma pena, pois estava delicioso. Guardei uma porção extra de mexilhões ainda vivos para meu almoço no dia seguinte, e os preparei gratinados, e ficaram ainda melhores.

E assim as coisas vão caminhando e se encaixando, e eu vou reencontrando o simples na minha cozinha, e o conforto, e a rotina, lembrando de não estressar demais com nutricionismos, e simplesmente relaxar e preparar comida gostosa de comer. Agora que toda a burocracia da mudança está resolvida, basta deixar a vida terminar de se assentar em seu novo local.

Depois daquele dia gelado, as temperaturas subiram de novo. Peguei-me passeando o cão à noite na chuva fininha, a 8oC, e falando para o marido que "estava uma noite gostosa para passear". Ou comentando de manhã com as crianças, ao ver os 3oC marcados no aplicativo do celular, que "não precisa botar muito agasalho porque o dia está mais quente". Referência é tudo na vida.

Que venha o inverno gelado. Que eu sei que assim que estivermos confortáveis, vem toda uma nova adaptação ao frio mais intenso, à neve que não derrete nunca, ao vento absurdo. Mas tudo bem. Respira fundo e encara a bucha. Vou continuar caminhando até o mercado, Gnocchi ao meu lado, contente em apanhar meu cream cheese sem gomas, as maçãs de um tipo que nunca provei, a carne de boizinho sem antibiótico em promoção. O bom do frio é que o sorvete não derrete no caminho. Só fico com um olho no céu para os corvos à espreita. Esse bife é meu, sai prá lá. Opa, um olho no chão também para não escorregar no gelo de bunda no chão. 

ZUPPA DI COZZE (Mexilhões em caldo de tomate)
Do livro Twelve - A Tuscan Cook Book, de Tessa Kiros).
Rendimento: 6 porções

Ingredientes:

  • 1,5kg mexilhões em suas conchas
  • 3 colh. (sopa) azeite de oliva
  • 3 dentes de alho, descascados e picados, + 1 dente extra para esfregar no pão
  • pimenta calabresa à gosto
  • 1 maço pequeno de salsinha, picado
  • 1 lata de 200g de tomate pelado, com seu suco, transformado em purê
  • pelo menos 6 fatias grossas de pão italiano ou de casca grossa e crocante


Preparo:

  1. Lave cuidadosamente em água fria corrente os mexilhões, tirando qualquer sujeira grudada nas conchas. Se houver barba, segure, e com movimentos para cima e para baixo, arranque-as. Jogue fora qualquer mexilhão que esteja aberto e não feche sua concha ao ser cutucado. Os outros, coloque numa tigela, cubra com um pano úmido e deixe na geladeira até a hora de usar. 
  2. Aqueça o azeite numa panela grande. Junte o alho, a pimenta e metade da salsinha.
  3. Quando o alho perfumar, junte os tomates e cozinhe por 5-10 minutos, até apurar um pouco. Tempere com sal e pimenta do reino
  4. Junte os mexilhões, misture bem, aumente o fogo e tampe. Cozinhe por cerca de 6 minutos, ou até que os mexilhões tenham aberto suas conchas. Descarte qualquer um que tenha permanecido completamente fechado. 
  5. Polvilhe o resto da salsinha. 
  6. Grelhe o pão e esfregue o alho em sua superfície quente e dourada. Sirva o pão acompanhando os mexilhões e seu caldo, imediatamente.   


COZZE GRATINATE (mexilhões gratinados - lembrando que gratinar não quer dizer derreter queijo por cima, ao contrário do que o povo acha)
Do livro Twelve - A Tuscan Cook Book, de Tessa Kiros.
Rendimento: 6 porções - fiz uma porção só para meu almoço, mas vale a pena ter a receita inteira para fazer

Ingredientes:

  • 1kg mexilhões em suas conchas
  • 1 maço médio de salsinha, picado
  • 4 dentes de alho, descascados e picados
  • 100g (1xic) farinha de rosca caseira
  • 4 colh (sopa) de azeite + extra para regar
  • Fatias de limão


  1. Preparo:
  2. Lave cuidadosamente em água fria corrente os mexilhões, tirando qualquer sujeira grudada nas conchas. Se houver barba, segure, e com movimentos para cima e para baixo, arranque-as. Jogue fora qualquer mexilhão que esteja aberto e não feche sua concha ao ser cutucado. Os outros, coloque numa tigela, cubra com um pano úmido e deixe na geladeira até a hora de usar. 
  3. Pré-aqueça o grill do forno ou ligue o forno na temperatura máxima.
  4. Coloque os mexilhões numa panela grande, ligue o fogo alto, tampe e cozinhe por alguns minutinhos apenas até que abram. Remova do fogo. Descarte qualquer um que permaneça completamente fechado.
  5. Abra os mexilhões e descarte a concha vazia, mantendo só as metades com os moluscos. Volte-os para a panela, ou para uma travessa refratária se eles não couberem numa camada só na panela.
  6. Misture bem o alho, salsinha, azeite e farinha de rosca numa tigela. Com uma colherinha, distribua a mistura sobre os mexilhões. Tempere com sal e pimenta-do-reino. Regue com mais um fio de azeite e leve ao forno por 5-10 minutos, até que a mistura de farinha de rosca esteja dourada. 
  7. Sirva imediatamente com as fatias de limão.





terça-feira, 17 de outubro de 2017

Um post imenso para o mês de Setembro e reaprendendo a cozinhar e ser


Almoço solitário: Salada de abobrinha amarela, rabanetes, alface romana, ovo cozido e pão de centeio, com azeite, limão e cebolinha. Iogurte com mel e frutas de sobremesa.

Na segunda-feira após meu aniversário, acordei decidida a não me deixar mais abater pelas pequenas coisas. Talvez por ter conhecido outros imigrantes brasileiros passando por apuros bem mais significativos, o que sempre coloca seus problemas em perspectiva; ou talvez por efeito daquele ótimo artigo, "The subtle art of not giving a f*ck", de Mark Mason.  Finalmente me senti pronta para "stop distributing f*cks everywhere".

A manhã fora como todas as outras, mas diferente. Acordamos no mesmo horário, fizemos as mesmas coisas. Andei com as crianças até a escola como sempre. Esperei que entrassem e saí para dar conta dos afazeres e pepinos a resolver.

Andei vinte minutos para norte até o mercado orgânico, buscando bons tomates em lata, creme de leite de verdade, e grãos e castanhas a granel. Voltei com duas sacolas da Ikea cheias de boa comida, sentindo o peso delas machucar um pouco as dobras dos dedos. Parei por um instante naquela avenida residencial, endireitei os ombros, respirei fundo e olhei em volta. O céu estava de um azul de Maio, e pensar nisso foi imediatamente estranho. Esta referência perder-se-ia com o tempo, e meu céu de Maio estava fadado a se tornar um céu de Outubro. Os dezoito graus vinham mornos com o sol das onze e meia, e o vento agradável levava meus cabelos soltos e pilhas de folhas alaranjadas, avermelhadas, amareladas, em espirais pela rua a se chocarem contra os carros estacionados. Eu ouvia o som do trânsito na rua de trás quase abafado pelo cantar insistente de dois ou três pássaros. Nesses dois meses tive como meta tentar conhecer os passarinhos da cidade, com saudades do meu Bem-te-vi, e pesquisei cantos e cores e bicos e penas, até descobrir os nomes dos meus cantores cotidianos. Eu sabia que aqueles cantos breves e em coro caótico vinham do Finch, esse pardalzinho que aqui anda em enormes bandos, e não solitário como no Brasil. Aquele outro distante era de uma gaivota que pairava acima dos prédios no fim do quarteirão. E o último, meu favorito, era do Blue Jay, pássaro símbolo da província.

Fora no primeiro dia de escola das crianças, na mesma semana em que nos mudamos para este apartamento, que ouvi o Blue Jay pela primeira vez. Thomas achara que aquele canto muito alto e metálico fosse de um gavião. Laura, de uma gaivota. Eu olhava para cima, buscando nos galhos o emissor do canto, e me dando conta da impossibilidade de se encontrar algo cuja aparência você não conhece. Um passante se aproximou, percebendo nossa curiosidade, e explicou: esse canto é do Blue Jay.

Todas as manhãs, no caminhar para a escola e de volta, ouvíamos o Blue Jay cantar. As crianças gritavam seu nome para os galhos altos, na esperança de que ele respondesse ao chamado; mas ele, que é tido como um pássaro tão cara-de-pau, tinha decidido esconder-se de nós.

Um dos passarinhos que consegui avistar, o White-breasted Nuthatch
E foi assim durante todo o mês de Setembro. Eu me agarrava à possibilidade de enxergar o pássaro em meio à folhagem, como quem espera um sinal de bom agouro. Às vezes outros passarinhos surgiam para me animar, lindos, interessantes, de cantos bonitos. Mas o Blue Jay continuava a brincar com meus sentimentos.

E meus sentimentos não estavam para brincadeira.

O mês de Agosto se fora, aquele mês de aventura, de exploração, de férias de verão, de piqueniques e parquinhos, de brincar na água, de imaginar como seria quando tivéssemos nosso próprio lar. Depois de tanto tempo de incertezas, de malas pelo caminho, de nos sentirmos deslocados e desconfortáveis, parecia óbvio que depositássemos toda a nossa futura paz de espírito no novo apartamento. Em nossas mentes, ter um espaço nosso seria ter de volta nossa rotina, nossa vida, nosso conforto.

Contudo, não é isso o que acontece quando você muda permanentemente para um país novo com meia dúzia de malas e duas crianças. Com Allex trabalhando desde o primeiro dia em Toronto, a mudança do AirBnb para o apartamento novo foi no mínimo atabalhoada, com direito a sair da Ikea em horário de fechamento, com Allex levando no carro os três colchões e lençóis de que precisávamos para dormir àquela noite e eu voltando com as crianças de metrô às dez da noite, pois não cabíamos junto no carro e o Uber não nos aceitaria sem os booster-seats das crianças. Foi bom acordarmos em nosso próprio apartamento, mas logo percebemos que sem cabides ou uma mesa onde comer, continuávamos vivendo num eterno acampamento.

Tentamos manter tudo simples e comprar apenas conforme a necessidade fosse aparecendo, o que parecia e é de fato mais sensato se você não quer correr o risco de viver entulhado de tralhas outra vez. Acredite, o processo de expurgar tudo o que havia em nossa casa no Brasil foi traumático a ponto de eu proibir meu marido, que é doido por eletrônicos, de ter qualquer cabo em casa que não esteja conectado a alguma coisa. Desafiei-me a analisar as coisas com calma e não sair simplesmente comprando de novo tudo o que tinha no Brasil. Eram já dois meses sem batedeira, sem liquidificador, sem processador, sem computador, sem televisão. A casa tinha uma mesa com bancos e um sofá. Nossas coisas pequenas couberam todas nos armários embutidos, então a sensação era de muito espaço livre.

Uma amiga, vendo o tour pelo celular, comentou: "nossa! parece uma casa sueca! super minimalista!" Ao que eu suspirei e respondi com uma sinceridade acachapante: "Minimalismo é uma m*rda."

Ela riu, e eu expliquei: é lindo o espaço vazio, os tons neutros, e funciona super bem no Pinterest; mas sem as MINHAS coisas desordenando esse exceço de ordem, eu me sinto perpetuamente morando num quarto de hotel. Depois de um dia inteiro de perrengue, voltar para "casa" não trazia aquele conforto emocional que se esperava.

Além dessa dificuldade de reconhecer o espaço como lar, havia a ainda constante ausência da rotina invisível. Lembra dela? Pule uns três posts para trás e você vai entender do que estou falando. 

As coisas estavam todas em armários, mas ninguém sabia onde nada estava. Alguém ligava, e eu me dava conta de que eu não tinha uma Bic e um Post-it para anotar o recado. Todo dia faltava alguma coisa em casa que todo ser humano tem sempre em casa mas a gente não tinha.  Você passa o dia andando 9km indo a diversos lugares diferentes para tentar resolver o mesmo problema, e ao fechar a porta atrás de si, descobre que continua entrando na sala feito uma barata tonta, SEM TER ONDE APOIAR A BOLSA. E quando larga a bolsa no chão e apanha dentro dela o item que finalmente encontrou depois de toda aquela maratona, descobre que veio faltando uma peça e que você vai ter que ir lá onde Judas perdeu as botas no dia seguinte de novo para trocar o maldito. E isso se repete uma, duas, cinco, sete vezes.

Cometemos muitos erros. Os banais, os imbecis, aqueles por falta de atenção, por cansaço, por falta de conhecimento, e isso nos faz sentir incapazes boa parte do tempo.
Algumas coisas que vieram comigo e me trazem conforto: minha panela, o pano de pão, minhas facas, meu pilãozinho italiano.
E não é apenas a rotina invisível que se demora para entrar nos eixos: a própria rotina principal da casa, aquela que acreditávamos que teríamos de volta uma vez que nos mudássemos e todas as roupas estivessem nos cabides... essa foi a bolha ilusória mais difícil de romper. No Brasil, tínhamos uma rotina matinal muito gostosa. Pelo fato de Allex trabalhar perto de casa, ter horário flexível e a escola ser a cinco minutos de carro. Eu não sabia como estava confortável nos nossos hábitos e horários até vê-los modificados em sua integralidade. Agora Allex trabalha longe e entra mais cedo na empresa. As crianças entram mais tarde, em horários diferentes, e saem só bem depois do almoço, também em horários diferentes. Com tudo ainda meio atrapalhado de manhã, nunca consigo tirar as crianças de casa no mesmo horário. A escola fica a dez minutos a pé, mas cada dia as crianças vão numa velocidade, e às vezes me pego irritada porque estamos nos atrasando, e  quando deixo que eles venham em seu ritmo, enfrento toda uma birra porque o sinal tocou e eles não tiveram tempo de brincar no pátio antes de entrar na sala de aula. Quando vou buscá-los, eles nunca querem vir direto para casa. Brincam no parque até o fim da tarde, e eu vou ficando aflita, sabendo que ainda vai demorar uma hora para fazer o jantar, e eu não quero que eles durmam tarde porque acordamos às 5h30 na manhã seguinte, e quando voltamos para casa, é banho, jantar e cama, tudo na correria, e quase que não dá tempo de fazer a lição de casa do Thomas, que no primeiro ano, é simplesmente ler um livrinho de história escolhido pela professora.

O cachorro ainda não está aqui, então uma vez que todos foram para o trabalho e para a escola, eu fico completamente sozinha. Não desgosto disso, sou meio eremita mesmo, mas não ficava tanto tempo sozinha assim desde antes das crianças nascerem, desde antes de adotarmos o Gnocchi.

Quando parece que conseguiremos ter um dia de calma e começar a estabelecer uma rotina, calha que precisamos sair correndo de novo para ir a Ikea comprar o sofá e o beliche das crianças, procurar um aspirador de pó em promoção na Canadian Tire ou correr atrás de documentação. Foi um mês intenso em que, se não nos sentíamos em casa, era porque não conseguíamos parar tempo suficiente dentro dela para observar essa transformação do espaço.



Não me leve a mal. Quando de fato conseguimos parar tudo e passearmos, foi maravilhoso. Ir ao parque, à praia do lago, colher maçãs. Momentos tão bons que compensaram toda a ansiedade dos outros dias. Um suspiro relaxado, um oásis na ventania, nos dando a certeza de estarmos no lugar certo.



Com certeza foi uma vitória pessoal e fonte de alegria usar as maçãs colhidas para produzir essa torta, sem medidores, sem balança, sem receita, só sentindo a textura, tendo uma vaga ideia de quanta farinha eu havia posto na tigela ou quantas maçãs eu precisava para preencher a torta. O resultado me deu a sensação de poder conquistar o mundo, e fiquei com a sensação de que minhas avós teriam ficado orgulhosas. :)

Mas no fim do dia você volta à sua casa com cara de quarto de hotel vazio, e não reconhecer as coisas à sua volta, não entender os códigos sociais ou as coisas mais simples, como onde eu me registro para receber minha conta de luz, são o bastante para fazer você se sentir a deriva, tentando se manter de pé no convés de um barco em plena tempestade, sem ter onde se segurar. Sua mente e seu coração ficam frágeis, e você se pega de olhos marejados e coração apertado por coisas que em outras épocas teriam sido banais.

Mas além de se deixar perturbar pelas pequenas coisas, por todos os erros cometidos, todos os tropeços, todas as pequenas dificuldades, Setembro foi um mês de muita preocupação. Quero buscar meu cachorro. Minha passagem fora comprada com antecedência, pois você precisa reservar o espaço do cachorro no avião e marcar no Vigiagro a produção do documento de viagem. Tudo muito bem calculadinho e planejado. Chegando aqui, descobrimos que precisamos esperar o recebimento de nosso PR Card, o Green Card canadense, para poder sair do país. Sem esse documento, você não pode entrar de volta. E é claro, o prazo para receber o documento ultrapassa a data da viagem. Remarco tudo. Duas vezes. Um baita perrengue. A companhia aérea erra o dia do cachorro. Tenho que reorganizar tudo, e Allex, que vai perder dia de trabalho para ficar com as crianças, se lasca mais ainda. No meio do caminho, descobrimos que a imigração ainda tem o endereço do AirBnb, e o site do governo não reconhece nossa identificação para que consigamos atualizar o endereço. Esperas telefônicas de 45 minutos para falar com a imigração. Emails sem resposta. A data da viagem chegando de novo e eu sem saber se um turista qualquer vai receber na casa antiga os documentos mais importantes de nossas vidas. Tento falar com a hostess do AirBnb mas sou ignorada. Cogito a possibilidade de ir todos os dias à casa velha fuçar na correspondência, mas sei que isso é crime.

Eu quero meu cachorro.

No fim das contas, a tensão causada pelas semanas sem resolução do problema do PR Card e da viagem foram fazendo com que os pequenos perrengues normais da adaptação a um novo país mudassem de proporção. Tudo parecia infinitamente mais difícil. Eu me sentia o tempo todo burra, incompetente, perdida e, principalmente, sozinha. Cantou Fred Mercury: I´m naked and I´m far from home. Quando minha tia me disse que eu choraria muito na banheira depois de imigrar, achei que fosse exagero. Não era não. Aquela sena ridícula de chorar no metrô por trás dos óculos escuros, porque o consulado estava fechado no único dia em que você podia ir lá aquela semana, aconteceu. E a constatação triste de que eu não corria o risco de encontrar ninguém conhecido no caminho que me visse chorando pirou tudo.

Busquei refúgio na cozinha. Preparar minha comida parecia a receita ideal para voltar a estabelecer uma rotina e encontrar um porto seguro em meio à tempestade.

A primeira surpresa é, depois de quinze anos levando meus temperos de uma casa para a outra, é difícil improvisar naturalmente uma refeição quando você não têm seus molhos e especiarias favoritos à mão. Fiz um esforço para lembrar dos essenciais e novamente não cair na pegadinha de sair estocando coisas que eu não usaria com frequência.

A segunda surpresa é que eu de fato gostava dos meus eletrodomésticos: como é frustrante querer transformar a couve num pesto e não ter um processador, como é irritante querer fazer uma vitamina de manhã e não ter um liquidificador. Rapidamente as crianças começaram a perguntar quando eu faria waffles ou sorvete, e eu percebi que ter a batedeira realmente me ajudava a produzir tantos pães por semana lá no Brasil.

Mas eu não queria gastar dinheiro e queria provar para mim mesma que podia ter uma vida simples sem tralhas. Certo?

Hmmm....

Outra coisa que entrou no caminho da rotina na cozinha foi essa novidade de ter de preparar o almoço da escola e o do Allex. As crianças têm dois momentos de snack e o almoço. Mas elas não podem levar NADA com castanhas por questões de alergias. É lei. Parece estúpido, uma vez que as crianças também são proibidas de dividir o lanche com o colega. E isso logo me aborrece. Eu adoro castanhas. Thomas ama nozes e amêndoas, e frequentemente levava um punhado delas para lanche da escola. Dois terços das minhas receitas de biscoito levam alguma espécie de castanha. Acabo ficando mais irritada com isso do que deveria, e mais um pouco pelo fato de não conseguir me organizar o bastante para dar conta dos almoços. Allex tem microondas no escritório. As crianças não: se a refeição veio fria, ela é comida fria mesmo. As crianças comem pratos frios, como rice noodles, saladas e sanduíches frios no almoço sem o menor problema, foram acostumadas assim quando almoçavam comigo. Allex, por sua vez, detesta comer almoço frio. Então tenho de pensar em refeições sem castanhas, que possam ser comidas frias ou requentadas, que se mantenham bem na térmica ou requentem bem no microondas sem virar uma gosma, que não fermentem dentro da térmica, que não vaze, que seja apetitoso e que sustente todo mundo até o jantar. Mas que também seja natural. E tenho que montar tudo, com dois lanchinhos diferentes, nutritivos e fáceis de comer, às 6 da manhã todo dia, enquanto preparo também o café da manhã, mando criança escovar dente e botar a roupa.

O engraçado é que foi tanto tempo sem rotina de verdade, que minha sensação é der apagado completamente da memória o meu jeito de fazer as coisas, de cozinhar, de me organizar. Estou reaprendendo tudo de novo. E claro que, num momento em que você busca familiaridade e conforto, encarar mudanças e reaprendizagem termina de puxar seu tapete.

Sentia-me sem nenhum norte, sem saber onde me apoiar e sem saber para onde ir a partir de então. Setembro foi um mês difícil.

Num momento mais crítico, converso com duas grandes amigas, separadamente, e não consigo disfarçar a exaustão na voz. Divido com elas meus perrengues, minhas frustrações, minha ansiedade. Uma delas, muito sensata, tendo passado pela mesma experiência dois anos antes, diz, quando pergunto se ela já se sente em casa num país estrangeiro: "você precisa saber o que está buscando, para saber se as suas decisões estão aproximando você desse objetivo ou afastando; se você muda de país sem saber o que você quer disso, você só mudou o cenário."

Ficou dolorosamente claro que eu andava buscando nas árvores um pássaro cuja cor eu não sabia.

E então, esta outra amiga exasperou-se com um outro relato meu, dizendo que eu fora atrás de qualidade de vida, e que não fazia o menor sentido tomar decisões que tivessem o resultado oposto.Você está tornando tudo mais difícil para você, e não há nenhuma necessidade disso, ela disse. Tentando fazer mais do que se pode, tentando provar um ponto sabe-se lá para quem - se um processador vai facilitar sua vida e melhorar seu humor em casa, vai lá e compre o processador de uma vez, foi pra isso que você vendeu suas coisas, para poder recomprar o que fosse importante. 

Ter isso no freezer com certeza me remete ao lar.
E as duas, uma depois da outra, disseram que era preciso se perdoar por todas as burradas e pés metidos pelas mãos que havíamos cometido e ainda cometeríamos, e, sem dúvida, nessa situação em que quase todas as nossas referências são jogadas para o alto, buscar sim algum conforto que seja familiar. Admitir cansaço, e apenas descansar.

Aqueles conselhos ressoaram durante dias na minha mente, mas foi preciso todo um episódio específico de excesso de preocupação com coisas estúpidas, gasto desnecessário de tempo e energia, e obtenção de resultados medíocres, para que as palavras se arraigassem em meu cérebro e eu de fato entendesse que aquele recomeço não significava apenas uma mudança de endereço, mas a oportunidade de parar de cometer os mesmos erros de sempre.

Foi doloroso como um tijolo baiano no pé ler, àquela noite, o artigo de Mason, e encontrar uma frase mais ou menos como"se você se importa com muitas coisas pequenas, talvez você não tenha algo realmente significativo com o que se importar".

Com o que eu me importo, então?

O que eu quero?


EU QUERO UMA VIDA TRANQUILA. Repeti isso à exaustão nesse blog nos últimos anos, e sempre me surpreendo quando percebo que esqueci o que quero. Eu quero uma vida tranquila.

Começo a desenhar em linhas suaves na minha mente o que uma vida tranquila representa para mim. E me dou conta de que já tenho todo o desenho completo realizado. Só preciso respirar fundo e parar de puxar meu próprio tapete. Simplesmente aceitar as mudanças que vieram e tornar minha vida tranquila dentro dessa nova rotina contra a qual eu parecia estar lutando. Parar de dar importância ao que parece diferente e difícil, e simplesmente "don't give a f*ck anymore". Dar importância com mais parcimônia.

Respiro fundo, e naquela segunda-feira, decido que quero minha vida tranquila AGORA. Não só depois que tudo estiver resolvido. O PR Card não chegou a a viagem é em cinco dias? Fazer o quê? Eu tenho até 24 horas para alterar a data outra vez, e nada mais está nas minhas mãos. Logo, me preocupar com isso é inútil.

Acordo cedo sem pensar se estou cansada ou não, sem pensar se dormi mal ou não. Allex, que levanta cinco minutos antes, traz um cappuccino quentinho para mim. Dou-me conta de que ele tem feito isso todos os dias há já mais de uma semana, e ver o primeiro hábito instaurado na nossa nova rotina me faz sorrir. Acordo cedo pensando que terei muito tempo para fazer várias coisas até o horário de sair para a escola. Para garantir que não haverá mais correria atradasada no meio da rua, coloco um despertador no celular para a hora limite de nossa saída, ainda dando tempo de as crianças brincarem antes da aula.


 Deixo as crianças ajudarem como podem e como querem durante o café. Enquanto elas comem e fazem uma dose mínima de sujeira com a geleia sem que eu esteja olhando (e se eu não estiver olhando, eu não me irrito), preparo o almoço de todos, dando prioridade para o do Allex, que sai mais cedo. Minha linha de produção de marmitas vai funcionando bem, e Allex pega sua marmita pronta, dá-me um beijo e sai, e as crianças vêm ver o que há para comer e fecham as tampas e guardam tudo em suas respectivas lancheiras. Deixo que brinquem enquanto faço um pouco de exercício. Só um pouco. Não precisa ser um treino inteiro. Um exerciciozinho só para lembrar meu corpo de como ele funciona. Visto-me com calma, coloco maquiagem, e enquanto as crianças colocam a roupa que lhes dá na telha, sento-me para aí sim comer uma fatia de pão, pois nunca tenho fome às 5h30 da manhã. Quando saímos, saímos sem pressa. As crianças entenderam que chegando cedo, têm mais tempo de brincar antes da aula, e deixo que decidam por elas e arquem com as próprias consequências. Basta dizer que não terão tempo de brincar para que saiam correndo vinte metros à frente em direção à escola.

Eu fora então ao mercado de orgânicos decidida a comprar a MINHA comida, com todas as naturebices a que eu tinha direito. Passara dois meses de adaptações e frustrações, com a ideia fixa de que era prudente economizar em tudo, sem exceções. Mas o mercado barato tem um sortimento limitado, e muita coisa que vem dos Estados Unidos é mais lixo do aquilo que eu já considerava porcaria no Brasil. Não encontrar bom tomate em lata sem bizarrices dentro, por besta que soe, havia me deixado deprimida por dias. É um problema estúpido. Mas comida é uma parte muito importante da minha vida, e eu havia vindo para cá acreditando que encontraria variedade e produtos de qualidade. EU ME IMPORTO COM COMIDA. E só estou me importando com outras coisas idiotas, por não estar respeitando aquilo que é de fato importante para mim.

E no mercado de orgânicos encontrei meu tomate em lata. E meus legumes, e bacon de porco feliz, e as nozes e castanhas que, apesar de não poder botar no almoço das crianças, eu posso botar no meu. E comprei snacks, bolachas de arroz, chips de banana da terra, cenouras baby coloridas, para facilitar de manhã cedo o preparo dos almoços, e passei na Staples para comprar canetas e um bloco colorido de post-it, para voltar a criar a lista de ingredientes da despensa e a lista de refeições da semana, que sempre foi a melhor coisa do mundo para me organizar. E sim, até catei minha carteira e comprei meu processador, pois não poder fazer um pesto de brócolis ou transformar as sobras do arroz em bolinhos, ou transformar o pão amanhecido em farinha de rosca, andava quebrando minha cabeça e tornando minha rotina na cozinha consideravelmente mais difícil. Minha amiga tinha razão, e ela ficou felicíssima quando mandei a foto do processador desembalado.
Almoço solitário: pão sourdough torrado com uma colherada de tahini, cavolo nero refogado em alho, tomates e queijo feta esmigalhado.
É bom ter gente próxima que bota a gente nos eixos quando começamos a tropeçar por aí. Mesmo que esteja cada uma de um lado do mundo. Essas duas mulheres fortes que me fazem pensar mais devagar, olhar as coisas com outros olhos e simplesmente don´t give a f*ck. Relaxar. Tirar o peso dos ombros.

Almoço solitário: bolinhos de arroz e lentilha com tomates heirloom, pepinos, abacate, alface, cebola roxa e uma colher gorda de iogurte.
E naquele dia de Outubro, voltando do mercado, olhei em volta, para a luz do sol passando através das folhas das inúmeras árvores de Maple plantadas na cidade, e percebi que pela primeira vez desde que cheguei aqui, estava me sentindo em casa, que meu dia estava sendo tranquilo, e que eu estava feliz. Estava fazendo aquele caminho pela enésima vez sem pensar, reconhecendo as casas, o cheiro das plantas, até mesmo o Pepe, o esquilo preto com a ponta do rabo branca, que está sempre no meu quarteirão, e que me faz lembrar da gatinha do desenho do Pepe Le Pew.

A consciência daquela sensação encheu meu peito de uma alegria quente. E porque às vezes a vida é poética assim, quando ouvi o canto do Blue Jay e levantei os olhos para procurá-lo, avistei aquele pássaro grande como um Bem-te-vi, azul, azul como nunca imaginei, cantando empoleirado no galho acima de minha cabeça.

A partir daquele dia o aperto no coração e a ansiedade se foram. As coisas começaram a parecer mais naturais e os contratempos, menos ameaçadores. A casa começou a ficar com cara de casa, os dias começaram a ficar mais parecidos. Entro em casa, tiro os sapatos, penduro minha bolsa no armário. Tenho um lugar para jogar as chaves. Faço um chá, sento no sofá, abro um livro. I´m finally home. 

Depois daquele dia, tive a primeira noite bem dormida em terras canadenses. Dois bons dias depois, meu cartão de residente permanente chegou, me dando a certeza de que agora posso fazer a viagem para buscar o Gnocchi e tornar nossa mudança completa.

Setembro foi um mês difícil mas necessário.

                                                                                   ....... 



Outubro é o mês em que fiz 38 anos, em que meu marido cumpriu sua promessa, feita há dois anos, de comemorarmos esse aniversário comendo hambúrguer em Toronto, e foi a primeira vez em que meus filhos de fato se lembraram sozinhos de que eu fazia anos. O bolo foi o de sempre, de chocolate da Alice Medrich com a cobertura de sempre, uma camada só, simples, que eu deixei as crianças lambuzarem de cobertura e cobrirem de velinhas coloridas. Passei o dia ouvindo Thomas cantando Happy Birthday To You. 
 

Tivesse mantido tudo o tempo todo simples como aquele bolo e essas receitas, talvez não tivesse me estressado tanto. É claro que me encantei com a variedade de couves, de abobrinhas, a possibilidade de comprar porco orgânico e salmão selvagem. Mas no fim o melhor a se fazer é se manter naquilo que é familiar e confortável. Por isso, todas as sextas-feiras tenho feito A PIZZA RETANGULAR. Depois de três semanas, todos já chegam em casa sabendo que sexta tem pizza, e isso é muito bom. Rotina, sabe? ;) Primeiro apenas mozzarella, depois com gorgonzola, e então comecei a usar outros toppings, distribuídos junto com o queijo, como o que sobrou da linguiça de ontem, pimentões fatiados, brócolis cozidos, couve, o que houver. 


Não dá para esquecer nunca da torta de liquidificador da minha mãe, que eu faço numa tigela com um fouet: quase não sobrou para levar de almoço no dia seguinte, e já sei que vale a pena fazer uma simplesmente com esse fim. 

Esse era de framboesa e chocolate. :)
Engraçado que no Brasil as crianças não pareciam ligar muito para muffins, mas aqui eles andam absolutamente entusiasmados, e preparar muffins de qualquer coisa que seja é fácil e prático para o lanche das crianças. Busquei na internet uma receita básica que eu pudesse alterar como quisesse, pois tinha apenas duas tigelas, farinha, ovos, manteiga leite e açúcar, e encontrei ESTA AQUI da Martha Stewart que fica deliciosa. Buttermilk no lugar de leite e uma pitada extra de bicarbonato os deixaram ainda melhores, e eu tenho brincado loucamente com a receita, fazendo-os com framboesas e chocolate, trocando o açúcar por mascavo e carregando a mão nas especiarias, usando sementes e frutas diversas, sempre com sucesso. Depois de prontos e frios, coloco-os num saco no freezer e tiro só os necessários para o lanche do dia seguinte. Eles descongelam durante a noite e parecem fresquinhos na hora do lanche. 

Outra descoberta do reino da simplicidade foi ESSE BOLO DE BANANA do The Kitchn. Ao procurar banana bread no blog, fiquei besta ao descobrir que não tinha nenhuma receita simples como eu queria. E a da Tessa Kiros que eu tinha no livro eu trouxe, apesar de simples, usava a batedeira que eu não tinha. Esta receita foi uma deliciosa surpresa. É perfeita e as crianças fizeram sozinha. Fica úmido, macio, compacto, com aquela casquinha brilhante e resistente à mordida de bolos da infância. 

Kedgeree de cenoura e couve-flor da Bela Gil, com coentro e amêndoas por cima. Amêndoas só no meu, que as crianças não podem levar na escola.

Tenho usado muito como inspiração o site Green Kitchen Stories, e até voltando a algumas receitas da Bela Gil. (O kedgeree de cenoura e couve-flor, que eu fiz com arroz branco orgânico, ficou um desbunde, as crianças levaram de almoço e rasparam o pote.) A ideia de simplesmente ter vários grãos e leguminosas cozidos e prontos para usar e apenas combinar isso com um punhado de vegetais e folhas, uma colher de iogurte, um queijo ou um ovo, tem facilitado a montagem dos almoços.  Sem contar que tirar a carne da jogada facilita e barateia as compras. Nisso, lembrando da época sem filhos em que eu almoçava sozinha, tenho voltado aos meus almoços leves de saladas, bruschetta ou uma sopa simples. Isso aliado ao fato de andar TANTO por aí me fez perder TODO o peso extra adquirido nos meses anteriores à viagem. 
 
Batatas previamente cozidas, pimentões, tomates, cebolas, alho e alecrim assados em azeite até caramelizarem. Juntei ervilhas congeladas apenas para cozinharem no calor do forno, queijo feta que aqueceu deliciosamente, polvilhado de salsinha picada e acompanhado de fatias de pão desse lindo pão de centeio marmorizado da padaria.

Uma das saídas mais brilhantes que tenho usado do Green Kitchen é isso de simplesmente jogar a refeição toda numa assadeira. SE você não sabe o que fazer de jantar, jogue os legumes na assadeira com azeite e temperos básicos e asse até dourarem. Jogue folhas por cima, e frutas, e queijos e o que houver, e você tem uma refeição. Achou que é pouco? Uma fatia de pão completa. Ou uma fruta de sobremesa. Ou uma salada. Enfim. No-brainer.

Uma adaptação da sopa de grão de bico e repolho da Marcella Hazan.
Voltar a fazer minhas listas nos post-its na geladeira foi maravilhoso. Uso tudo o que tenho em casa, preparo tudo o que posso com antecedência no fim de semana ou na segunda, e vou apenas finalizando ou montando durante a semana. Tenho feito cada receita em porções gigantes, para sobrar para o dia seguinte ou poder congelar. Sempre que preparo um molho de tomates, preparo o dobro. Sempre que cozinho feijões, cozinho tudo. Vai tudo congelado e eu tenho refeições emergenciais para as semanas subsequentes. Tenho no meu freezer no momento:
  • cenouras picadas
  • salsão picado
  • ervilhas congeladas
  • massa folhada
  • sopa de grão de bico e repolho
  • grão de bico cozido
  • feijão preto cozido
  • arroz branco cozido
  • molho de tomate
  • guanciale
  • miolos de maçã para fazer geleia
  • aparas de legumes para fazer caldo
  • bolinhos de arroz e lentilha para irem direto para o forno
  • cozido marroquino de berinjela

 Estou mantendo sempre um estoque mínimo de opções de snack que não precisem de preparo:
  • chips de mandioca ou de banana da terra (que no momento estou comprando mas depois vou começar a fazer)
  • diferentes tipos de bolhacha de arroz (aqui você encontra uns que vem com trigo sarraceno, com quinoa, com cevada...)
  • cenouras baby orgânicas (eles adoram as coloridas)
  • tomates cereja
  • frutas para serem levadas inteiras (as crianças estão pirando na variedade enorme de maçãs que há aqui)
  • pepinos
  • pimentões
  • queijos


Vida tranquila também quer dizer acordar tarde de sábado e comer panquecas com maple de almoço. Também quer dizer jantar pipoca na terça-feira. Também quer dizer muito spaghetti caccio e peppe e fusilli com molho de tomate. Também quer dizer não fazer pão e ir até a padaria do bairro, onde você compra pão do dia anterior pela metade do preço.

Agora só falta o Gnocchi aqui para me acompanhar nas idas ao mercado e nos passeios de metrô. 

Não vejo a hora de por minhas mãos naquele cãozinho peludo delícia que me espera. ^_^




 



Cozinhe isso também!

Related Posts with Thumbnails