quarta-feira, 5 de junho de 2013

Semana da gororoba e bolo de gengibre fresco


Já devo ter contado essa história antes, mas vamos lá... Há muitos anos atrás, quando comecei a me interessar por cozinha, resolvi preparar lasagne verde com berinjela. A falta de experiência fez com que calculasse errado a quantidade de ingredientes, e acabei fatiando mais berinjela do que o necessário. Fiquei atrapalhada e sem saber o que fazer com aquele excesso, quando meu pai me interrompeu: "Um bom cozinheiro não desperdiça comida", disse ele, imediatamente apanhando as berinjelas para um outro prato improvisado.

Sempre me lembro desse episódio na Semana da Gororoba.

Semana da Gororoba é como eu chamo aquela semana em que você está com o saco na lua, como diria meu pai, e lavar alface recém-comprada na feira parece trabalho demais. E então você olha para sua geladeira e sua despensa e decide que é hora de lançar mão da criatividade e dar cabo daquele queijo mofando, do sauerkraut sem destino, do feijão congelado, da lata de atum fazendo aniversário. A Semana da Gororoba tem duas regras:

1. deve usar apenas o que há em casa, de preferência a maior quantidade de ingredientes velhos e esquecidos possível;
2. deve ser fácil de preparar.

A Semana da Gororoba é ótima para colocar em uso aquele ingrediente que é tão especial que, de tanto ficar reservado para uma boa ocasião, já está vencendo – você finalmente usa porque é só o que sobrou de comestível mesmo. Ou para fazer a rapa no freezer e descongelar aquela sopa que você nunca lembra que está lá. Ou para finalmente testar aquela receita daquele livro para a qual você jamais teria comprado os ingredientes especialmente. É ótima também para testar adaptações e usar aquele queijo meia cura esquecido no lugar do cheddar que a receita pede, ou farinha integral no lugar da branca que acabou.

A Semana da Gororoba produz fritatta de spaghetti de ontem, sopa de sauerkraut, bolo sem farinha, transforma baba ganoush em molho de macarrão, pão velho em pudim, e até pega um molhinho de frutas vermelhas que sobrou da panna cotta e, acrescido de açúcar, transforma em uma geleia rapidíssima, em dez minutos, para ir ao sanduíche do pimpolho na escola. Você fica se sentindo competente e frugal. Às vezes aparecem gororobas que fazem jus ao nome e você come de pura dó, mas, com tantos livros de culinária à disposição, você sempre encontra alguma receita que use três ingredientes bizarros juntos.

O caso é que a Semana da Gororoba tem acontecido com mais frequência nesses tempos corridos. E nunca meu freezer foi tão movimentado e tão importante. Tenho aprendido como é bom fazer o dobro daquelas enchiladas que dão um trabalhão e congelar uma travessona imensa. Ou fazer muffins para o lanche do Thomas para daqui a um mês. Ou cozinhar e congelar todo o saco de feijão de uma só vez. Como alivia saber que um dia da semana você pode ficar pintando ao invés de correr para fazer o jantar.

Esse bolo de gengibre fresco é ótimo para a Semana da Gororoba pois

, além de perigosamente delicioso, usa aquele pedaço gigantesco de gengibre que você comprou na feira um dia e esqueceu, e que aquelas receitinhas asiáticas que pedem por bocadinhos de dois centímetros não deram conta. Além disso, ele é tão úmido, que o fato de eu ter usado metade de farinha integral (pois a branca acabara) não influenciou em nada na textura, e acredito mesmo que poderia tê-lo feito inteiro com ela. O bolo é perfumado, apimentado, estupidamente macio, maravilhoso com uma xícara de chá quentinha nessa friaca ou com uma compota de frutas da estação.

Enquanto o bolo vai sumindo da bancada mais rapidamente do que minhas ancas parideiras gostariam, vou vendo o fundo da geladeira e da despensa aparecendo. Nunca vou entender o prazer que me dá em esvaziar minha geladeira. Se é competência, se sinal de transtorno-obsessivo-compulsivo ou simples falta de coisa melhor com o que se preocupar.

BOLO DE GENGIBRE FRESCO
(do ótimo Ready for Dessert, de David Lebovitz)
 Rendimento: 1 bolo de 23cm, cerca de 10-12 pedaços grandes.

Ingredientes:
  • 115g gengibre fresco (um pedaço do tamanho de uma banana), descascado e picado muito miudinho, com faca ou processador
  • 1 xic (250ml) melaço de cana
  • 1 xic. (200g) açúcar cristal orgânico
  • 1 xic. (250ml) óleo vegetal
  • 2 1/2 xic. (350g) farinha de trigo branca, integral fina ou uma mistura dos dois 
  • 1 colh. (chá) canela em pó
  • 1/2 colh. (chá) cravo moído
  • 1/2 colh. (chá) pimenta-do-reino moída na hora
  • 1 xic. (250ml) água 
  • 2 colh. (chá) bicarbonato de sódio
  • 2 ovos grandes, orgânicos, em temperatura ambiente

Preparo:
  1. Pré-aqueça o forno a 180ºC. Unte com manteiga uma forma de 23cm e 5cm de altura, e forre o fundo com papel manteiga.
  2. Numa tigela grande, misture com um batedor de arame o melaço, o óleo e o açúcar. Numa tigela menor, misture a farinha, a canela, cravo e pimenta. 
  3. Numa panela, ferva a água. Misture o bicarbonato e então junte isso à tigela do melaço, misturando com o batedor de arame. Junte o gengibre picado.
  4. Gradualmente peneire a farinha sobre a tigela de melado, misturando até que esteja incorporada. Junte os ovos e misture com o batedor até que estejam bem incorporados. 
  5. Despeje a massa na forma e asse por cerca de 1 hora, ou até que um palito inserido no meio saia limpo. Tire do forno e deixe esfriar completamente antes de passar uma faca nas laterais e desenformar. O bolo se mantém bem em temperatura ambiente por vários dias, e pode ser congelado por até 1 mês.



24 comentários:

Carla Colombo disse...

Adorei o post, e sou super adepta à semana da Gororoba. Aliás, acho que toda semana em casa acaba virando a semana da gororoba, pq antes que acabe totalmente o que já tem, eu (aloka do mercado) acabo comprando mais coisas... Bom saber que não sou a única, e também concordo plenamente com seu pai que bom cozinheiro não desperdiça! Arroz vira bolinho, torta, feijão vira tutu, carne vira recheio, queijo vai pra omelete... tudo tem solução!
Beijos
:*

carol vannier disse...

Nossa, o bolo ficou escurinho! Pela foto achei que tinha chocolate...

Minha mãe tem a mesma alegria que você quando gasta as coisas velhas da geladeira! Segunda ela tava fazendo um risotto de funghi, justamente com um funghi comprado para uma ocasião especial que nunca veio, com um queijo velho da geladeira junto. Aqui em casa esses reaproveitamentos eram chamados de jantares Lavoisier, já que nada se cria, nada se perde, tudo se transforma hehehe

Livia Luzete disse...

"Se é competência, se sinal de transtorno-obsessivo-compulsivo ou simples falta de coisa melhor com o que se preocupar."
Comigo já somos duas...logo aparece mais outra pessoa.Daí vira nome de doença..rsrs

Eu tenho uma satisfação incrível de pode ver mais partes da minha geladeira do que abarrotada,como em comercial de família próspera. Perco o controle e acaba tendo que rolar mais semanas da gororoba do que gostaria. A visão e a sua descrição do bolo me deixou salivando.

Beijos a família toda, que inclui o peludo de 4 patas.

Maíra Salomão disse...

Adorei a receita! Nunca imaginei poder usar um pedaço tão grande de gengibre de uma só vez ;-) Não tenho filhos mas sempre tenho muffins e bolos congelados para levar para o trabalho. Você sabe onde eu posso encontrar melado de cana?

Julia B. Batho disse...

Oi Ana,

Nunca comentei, mas te acompanho há tempos, desde quando ainda morava no Brasil. Saí do país há cinco anos e você, sem saber, já me fez muita companhia em momentos de gororoba solitária ou de surtos ao encasquetar que faria um banquete pra 10 amigos (quase todos italianos/mega-ultra-exigentes). Assim como você, cortei o cordão umbilical com os Jardins, tenho paixão pela Toscana, faço lista dos quitutes da semana e acredito piamente no "poder da cura" de um bom prato de comida feita com amor e com ingredientes frescos e de qualidade. E de uma boa cerveja gelada! :)
Hoje resolvi comentar só para te agradecer por dividir suas peripécias culinárias e suas ótimas estórias.
E pra dizer que acabar com coisas da geladeira é bom, mas acabar com especiarias é o must! Estou de mudança pela 293848 vez e hoje acabei com um vidrinho de garam masala. Quase chorei de alegria hahaha. Louca!

Um beijo e parabéns pelos babies

Julia

Rebeca Jacuniak disse...

Oi Ana! Como sempre, ótimo texto! Estava com saudades já!
Será que nesse bolo poderíamos substituir o melaço por mel?...
Bjoo, Rebeca.

Toc de cuisine disse...

Ana, é bem parecido com um que faço. Beijos e curto muito seu blog! Acho divertido!

http://tocdecuisine.blogspot.com.br/2012/12/bolo-de-especiarias.html

Anônimo disse...

Em casa temos os Dias da Gororoba porque sim, se ficar feliz em esvaziar despensa e geladeira é comorbidade de TOC, também sofro desse mal...
Cláudia

Victória disse...

Adorei o post!

É bem isso que tenho em casa, incluindo o pedaço de gengibre esquecido!
Mas... não tenho melaço de cana. Tenho calda de agave, será que arrisco substituir?

Beijão!

Patricia Cerqueira disse...

Adorei o post.

"Vou vendo o fundo da geladeira e da despensa aparecendo. Nunca vou entender o prazer que me dá em esvaziar minha geladeira."

Estou exatamente assim essa semana. Domingo o freezer e a geladeira estavam explodindo de comida. Tive de tirar as forminhas de gelo para abrir espaço. Hoje eu retorno com elas para dentro do freezer, mas ainda preciso resolver o que faço com 18 claras congeladas todas de uma vez só!

Aqui não temos a semana da gororoba. Mas temos o mixe-maxe e o falso risoto. O primeiro é uma mistureba de ovos mexidos, feijão de trasdantonte, cebolinha, bacon ou linguiça (ou nada) tudo mexido na mesma frigideira. E o risoto falso é feito com restinho de molho de tomate, restinho de algum caldo, restinho de alguma carne, manteiga, azeite tudo na mesma panela.

E também achei que tinha chocolate no bolo.

Delicioso Equilíbrio disse...

Adoooro isso! Desperdício jamais! Outro dia fui fazer iogurte mas o leite talhou ao ferver. Como também tinha pão velho e 2 maçãs mais pra lá do que pra cá, fiz uma receita de bread pudding com maçã, do livro how to cook everything vegetarian, e ainda taquei um restinho de passas. Ficou ótimo, e sobrou só uma xic do leite coalhado, que usei para fazer panqueca, e o recheio, adivinha, foi um resto de salmão assado, cream cheese e meia lata de milho, também perdidos na geladeira...risos. Esvaziar a geladeira assim, de uma tacada só, é a glória! Abs, Samantha.

Ana E.G. Granziera disse...

Para quem tem dúvida do melado: ele costuma ser encontrado na mesma prateleira do mel nos supermercados, em vidrinhos semelhantes ou potes com mais cara de artesanal. Do que pesquisei rapidamente, aparentemente pode-se sim substituir o melado por mel. Mas o melado é mais escuro, mais doce e tem tanto um amargo do açúcar queimado que o mel não tem quanto uma acidez elevada, que combinada com o bicarbonato, age como fermento. Talvez um mel mais forte e escuro sirva.

abs

Anônimo disse...

Pra quem perguntou da substituição ao melado: acho mapple syrop perfeito...
Uso no lugar de melado em pão australiano...
O gosto do bolo "grita" gengibre ou é suave Ana?
Camila Oliveira

Anônimo disse...

Ana, vc poderia compartilhar uma receita para um cappucino?

Thais

Anônimo disse...

Oi Ana, o seu blog é maravilhoso! Parabéns!Gostaria de fazer uma pergunta sobre a panna cotta, receita de alice meldrich...eu fiz conforme os passos da receita, mas quando gelou, o creme de leite ficou separado do leite...vc tem idéia do que posso ter feito de errado? Obrigada, Marisa

Carlos disse...

Ana, oleo vegetal é oleo de soja,amendoim,girasol etc.. ?
eu usei o de girasol, achei que o bolo ficou com um gostinho meio estranho.

Anônimo disse...

Olá, Ana! A semana da Gororoba deu nome a uma série de sentimentos e momentos que eu não sei descrever... é mesmo uma felicidade não desperdiçar comida... fiquei aguada pelo bolo de gengibre... será que posso usar um pouco de gengibre seco... preciso me livrar da imensa quantidade que tenho aqui... :-) Obrigada pelos seus divertidos e esclarecedores posts! Felicidades! Silvia

Danielle disse...

Ana, tudo bom? Lembrei de vc ontem ao cozinhar em casa o jantar do dia dos namorados. O cardápio foi prático: camarão thai com ervilhas tortas, sopa de cenoura com gengibre e mangas assadas com sorvete de baunilha. Confesso que me surpreendi com os sabores, pois ficou tudo tão gostoso, e fiquei pensando por que não cozinho mais em casa. Acho que o marido pensou a mesma coisa, pois, no jantar, ele me propôs fazermos uma receita diferente a cada final de semana. Selamos o pacto e agora vamos descobrir novos sabores. Um beijo e parabéns pelo blog!

Anônimo disse...

Oi Ana!!

Fiz essa receita ontem, e servi com fondue de chocolate. Ficou obseceno de tão bom!
Minha família ficou enlouquecida, foi sucesso total!

Muuuitooooo obrigada pela receita!

bjokas

Ana

Nana disse...

17-06-2013
Hoje pensei em ti Ana. Saudades.
Beijos Nana.

thatiana Bandeira disse...

Oi Ana,
São 22:15 e eu e meu marido estamos entrando no pão de ervas que saiu do forno para o café de amanhã... Depois de conhecer seu blog nunca mais comprei pão aqui em casa!!!
Beijos e obrigada pela boa influência

Maíra Salomão disse...

Fiz a receita e ficou uma delícia! Super fofinho e o gosto do gengibre fica bem acentuado, mas sem ser enjoativo. Adorei!

simone wicca disse...

fiz e ficou genial! foi ótimo pra desencantar uma temporada de bolos solados. ele fica bem picante e úmido: delicioso! :) obrigada!

Carlos disse...

Usei manteiga derretida,ficou perfeito, acho que o oleo deixa um gosto que nao me agradou da primeira vez que fiz o bolo.
No dia seguinte fica melhor ainda.
Obrigado pela receita.

Cozinhe isso também!

Related Posts with Thumbnails