segunda-feira, 17 de janeiro de 2011

Grandes mudanças. De verdade.

Esse dia tinha de chegar, eventualmente. Afinal, uma mesa de desenho, um cachorro e um bebê não podem ocupar o mesmo lugar no espaço. Logo, estamos nos mudando.

O que era para serem férias tornou-se uma maratona de contratação de serviços de mudança e reforma, compra de materiais e todos aqueles extras que surgem quando se muda de casa, e muito, muito empacotamento. Começamos pelos livros, que pareciam ser – e foi confirmado – a maior quantidade de itens do apartamento. Mesmo mandando 84 livros para doação, ainda conseguimos empacotar 10 caixas, sendo 4 só de culinária. Não vou nem dizer que há mais dois livros a caminho via Amazon nesse mesmo instante... vício maldito. Mas, como eu sempre digo, poderia ser pior: poderiam ser sapatos.
Enquanto tiro as coisas de seus lugares, avalio, separo em "fica" e "vai" e empacoto, ainda é preciso fazer um esforço para terminar com toda a comida da geladeira. Para dar fim às 9 claras congeladas, sobras dos sorvetes feitos no Natal, preparei um Angel Food Cake. Assá-lo pela segunda vez [agora confiando no palito limpo e sem a paranóia de querer dourá-lo além da conta] só fez confirmar meu veredito original: esse bolo é delicioso. E fácil, o danado! 

Os mirtilos congelados não são o suficiente para uma sobremesa, mas amanhã pontilharão de azul minhas panquecas. Hoje à noite, o caldo de legumes caseiro congelado se misturará ao restante do arroz arbóreo e virará um risotto de legumes de verão, com vagens, tomates e milho verde. O almoço agora foi o último pezinho de alface americana misturado a tomates, croûtons de ciabatta, mozzarella de búfala e manjericão. E um copão de chá vermelho gelado, que é uma delícia. A partir de hoje, tudo será preparado na única panela e frigideira não empacotadas e consumido nos únicos dois copos e duas tigelas deixadas de fora. E de volta ao empacotamento e ao trabalho, pois as "férias" terminaram. 

Nisso, resolvo empacotar meu armário. Apesar de só me mudar daqui a uma semana, não faz sentido para mim deixar isso para a última hora, se apenas 1/5 do meu guarda-roupa serve no meu momentâneo e crescente barrigão. Melhor que vá para a caixa de uma vez.

Todo mundo que se muda sabe como é: retirar suas coisas dos armários faz você ficar se perguntando por que diabos guardou aquela xícara lascada que ninguém usa, aquela sandália de tira estourada que você nunca mandou consertar, etc... Mais do que mandar embora itens quebrados e sem serventia, estou tentando aplicar alguns conselhos aprendidos no Zero Waste Home e no Apartment Therapy:
  • Não ter nada que você não ame. Se você gosta mais ou menos, mande embora.
  • Se tem valor sentimental, deixe à mostra; se for para guardar numa caixa no fundo de um armário, não faz sentido: jogue fora.
  • Só manter aquilo que você de fato usa regularmente.
Tem sido fácil e interessante exercitar o desapego. Estendemos um lençol na sala e estabelecemos aquele espaço como o "out box" [que acabou virando "UT box", depois que comecei a brincar de falar com um sotaque nórdico inventado].  Viraram "UT" livros de culinária ruins, literatura mequetrefe ou que não pretendemos ler de novo, repetidos, séries de quadrinhos incompletas, livros de referência ou técnicos ultrapassados e mesmo minhas gramáticas de Latim e Grego Antigo, compradas quando eu era nova e tinha tempo para aprender idiomas sozinha, mas que ficarão ainda mais abandonadas depois que meu filho nascer. É preciso ser realista: se eu não tenho tempo agora, terei menos ainda depois.

Também foram pro "UT" canecas sem uso, copos chatos de lavar, TODOS os potes e utensílios de plástico (que já foram ou serão substituídos por vidro e inox), cd's que não ouvimos mais, suas versões "pirata", toalhas velhas, e uma miríade de objetos sem nenhuma utilidade que vinham apenas ocupando o escasso espaço de nosso pequeno apartamento. Minha regra mental é não levar nada que precise ser guardado "lá atrás", no depósito: se não tiver espaço em seu respectivo cômodo é UT.

Quando o cão resolveu tirar um cochilo sobre o lençol, corremos para tirá-lo de lá. "O Gnocchi não é UT! Ele vai com a gente!" ;)

É catártico e um alívio pensar que só estamos levando para o apartamento novo aquilo que é de fato útil. Principalmente pensando que daqui a dois meses e meio teremos um novo membro da família acumulador de tranqueiras.

Mas voltando ao armário. Tenho plena consciência de que faz muitos parágrafos que parei de falar de comida, e eu juro que o próximo post será exclusivamente a respeito de feitos culinários. Mas eu precisava dividir meu espanto com alguém.

Separei as roupas que me servem e que serão usadas pelos próximos sete dias, e comecei a retirar o restante do armário. Conforme fui redobrando as peças, aproveitei para, mais uma vez, separar o que eu não queria mais. Olha, separa, dobra, empilha. Levei minhas poucas malhas para a caixa de papelão e voltei para o quarto. Observei as pilhas de blusas, saias, vestidos e calças. E me parabenizei mentalmente. Parecia pouco, considerando a gaveta de pijama e roupas de ginástica no armário e os poucos casacos de inverno ainda nos cabides. 

Então, só por curiosidade, resolvi contar. 

Eu desafio todo mundo que, como eu, acha que não tem um guarda-roupa imenso, a contar o número exato de peças que tem no armário. Você diria que nessa foto há 54 blusas, 15 vestidos, 8 saias e 7 calças?? O que mais me incomodou foi o número de blusas. No volume parece pouco, pois mulheres usam tecidos fininhos que não ocupam espaço. Mas elas estão lá. Todas elas. E fiquei me perguntando: por que diabos uso todo dia a mesma coisa se tenho 54 opções? Ou pra que demônios tenho 54 blusas se uso sempre as mesmas três ou quatro favoritas? Ou ainda pior: 90% do que está aí já não me serve há 3 meses e não tenho sentido falta de usar quase nada.   

 Choque total.

Se eu, que compro uma roupa nova por ano, tenho tão mais do que preciso, fiquei imaginando o pessoal que não consegue ver liquidação sem entrar. O que me deixou ressabiada foi me dar conta de que eu ando por aí de blusa furada e reclamando, enquanto tenho várias peças bonitinhas guardadas "para uma ocasião especial". :P
Tudo o que está na foto vai para o armário novo. Mas com uma missão: assim que eu voltar a ter cintura [o que eu espero que volte a acontecer, e acho que vai, porque engordei só 1kg por mês até o momento], vou me dar um prazo de 6 meses para usar essa roupaiada. O que não sair do cabide, virará UT.

Engraçado foi ver o guarda-roupa inteiro cabendo em uma única caixa, enquanto há mais três de mesmo tamanho para itens de cozinha, sendo uma APENAS de formas e assadeiras. Dá pra ver bem qual é minha prioridade na vida.

Enquanto eu me livro das tralhas e encaixoto cinco anos da minha vida, resta esperar ansiosa pela cozinha nova, bem maior, finalmente, com espaço para muitas futuras desventuras culinárias. :)

42 comentários:

Simone Arrais disse...

Há muito não comentava mas um post como esse não pode passar impune... lol Bonito. Inspirador. Congrats.

Fernanda disse...

Boa sorte com sua mudança!
É sempre bom ter uma cozinha maior *_____* Mais espaço para novos utensílios, mais espaço para amigos, mais espaço para a movimentação...

Sobre as roupas, é realmente impressionante! O volume não condiz com a quantidade u.u.... e as vezes penso que a logística das gavetas nunca são muito eficazes pq vc usa aquelas favoritas, deixa as outras no fundo da gaveta, lava as favoritas e coloca por cima.... e como elas estão por cima e já são as favoritas...sabe como é neh?! Por isso, de tempos em tempos retiro tudo do guarda roupa e separo as coisas que não uso e as dôo. Eu fico feliz com um armário mais clean e outras pessoas também ficam felizes com roupas novas!

=) Boa sorte com as mudanças e parabéns pelo bebê!

Liv Baum disse...

Querida Ana, vim aqui parabeniza-lapor esse post simplesmente delicioso de ler. E sim, faz um BEM danado se livrar de coisas velhas, roupas velhas e tralhas acumuladas. Isso eu não tenho do q reclamar, pois desde q era adolescente e chegava as férias do colégio, aquela era a semana em q eu passava todos os dias arrumando o quarto. E dava embora tudo o q não prestava, hábito q trouxe comigo agora casada e já desde o Natal me livrei de todas as calças, blusas q não uso ou não servem mais. Muda o estado civil, assim muda tb o estilo de vida e prioridades. Acumular coisas não é uma delas. Deixei algumas coisas na casa da mãe, mas o q não caberia aqui num apartamento, mas não são muitas. Tb uso outro sistema de q comprei algo novo, dôo algo velho. E assim o guarda roupa se transforma!
um beijo e boa sorte na mudança! Morri de rir com o Gnocchi não é UT, ele não é msm, ele é lindo!

Livia Luzete disse...

Êêêê um sonho realizado! Fico feliz por ter acompanhado sua saga e ver vc agora conquistando um espaço maior como vc sempre pontuou ao longo desses anos de La Cucinetta.
É Ana...nós acumulamos muitas coisas que ficam sempre para "um dia mais especial", eu me ví nesse post, ando bem maltrapilha quando tenho roupa novinha esperando ser usada. Affff em compensação...meus utensílios de cozinha,TODOS, são sempre usados!!!.rsrsrsr
Boa sorte com a mudança, não se esgote, pare para aquela sonequinha boa no meio de tudo e com o sono renovado volte as caixas!
Beijão.

Gabitus disse...

Ana,

acho que só sentirá falta de ter um supermercado cheio de opções tão perto, não é?

Estou tentando introduzir o mantra do The Zero Waste Home aqui em casa... moro com minha irmã, e meu namorado é um assíduo frequentador... e por mais que eles achem "bonitinho" (sim, quero morrer!!) essa minha mania de recusar, reduzir, reutilizar, reciclar e por último jogar fora (ainda não tenho um espaço para compostagem!), volta e meia me aparece um com sacolas de plástico, mil embalagens e afins...

Também sentiu essa resistência do marido, ou ele tem os mesmos valores que você?

Beijos e boa sorte!

Vanessa disse...

Olá!
Esse post, que eu adoro e pratico, tem a ver com o seu de hoje: http://diadefolga.com/eu-tenho-muita-coisa/
Beijocas!
Vanessa

raquel disse...

Esse post foi óóótemo!
Daqui a um tempo serei eu a passar por tudo isso e vou voltar aqui para me inspirar com as providências! Que a sua próxima moradia traga muitas alegrias e mais conforto!

Karina Barros Goya disse...

Oi Ana!
Estou sempre por aqui, mas acho que nunca deixei comentários.
Me mudei recentemente de um apartamento de 70m² para uma casa três vezes maior. Mesmo assim dispensei muita tralha. Minha casa nova tá uma leveza só! rs
Quanto ao guarda roupas, nunca fui muito apegada e sempre me livrei do que não usava, mas tenho que confessar que as vezes me lembro de alguma roupa e vem aquela sensação de que não deveria ter me desfeito. Dã!
A cozinha... bom, essa está sempre lotada, mas eu uso tudo e como você só dispensei os plásticos, que eu sempre odiei!
O Gnocci é lindíssimo, esse pelo brilhante e liso, um charme!
Qual a raça dele?
Um beijo, boa sorte com o apê novo!

Sabrina disse...

Delícia de texto, Ana! Na revista da Folha de domingo passado tinha uma reportagem sobre acúmulo de coisas e uma moça disse que simplificou a sua vida; se tem um fogão de 4 bocas, tem apenas 4 panelas... Rs... Boa mudança!

Carolina Rosa disse...

Oi Ana...
Feliz Ano novo, casa nova e vida nova com seu bebê chegando!
Me identifiquei muito com o texto, pois acabo de me mudar novamente, são seis anos de casado e cinco mudanças em virtude do trabalho do meu marido.
Como você tenho caixas de livros e utensilios de cozinha e apenas uma caixa de roupas, rsrsr.
Ainda estou colocando a casa em ordem, pois como comentei em outro post meu bebê já nasceu e tem agora seis meses, então tudo fica mais lento e complicado, pois a prioridade é o Samuel.
Beijos para você e tudo de bom!!

Patricia Scarpin disse...

Ana, DELÍCIA de post! Menina, li duas vezes de tanto que gostei.

Eu fiz mais ou menos isso que vc está fazendo quando compramos o apê, e tentei levar apenas o que usamos mesmo, pra valer. Até deu certo, mas depois de 2 anos e meio está na hora de fazer uma nova revolução.

Boa sorte com a mudança!

Beijo!

Eliane - Casinha Encantada disse...

Oi não pude deixar passar sem comentar, adorei seu post, verdades e verdades foram ditas e acontecem com todas nós.
Suvesso na nova casa, com o filhote que esta por chegar.
Bj

DricaPeixoto disse...

Parabéns pela casa nova e pela meta depois do nascimento do baby.
Eu pratico o desapego e não fico com nada no armário (tirando roupa de festa e inverno) que não use dentro de 6 meses. Se não usei, vai para doação.

Beijos e boa mudança!

Pedro disse...

Olá Ana

Já me mudei algumas vezes (vou me mudar em breve de novo), e sempre exercito o desapego das tralhas :) Caderno de colégio? Camiseta velha? Roupa que não usa? Revista velha?Nada!

Mas mesmo me desfazendo de alguns livros que não me interessavam mais, os livros são sempre uma mudança à parte. E como pesam!

Abraços e boa sorte na vida nova.

Renato S. Alves disse...

Ana
Eu sei bem o que é isso. No meu caso fui "obrigado" a me desfazer de muitas coisas quando me mudei para os EUA. Meu apto de 7 anos foi reduzido a 2 malas de roupas e uma de tranqueiras (CDs preferidos, livros, objetos de valor emocional, albuns de fotografia). Praticar o desapego é bom, mas é difícil. Mas sempre é preciso "criar" espaço para o novo.
Boa sorte na nova casa. Casa nova, vida nova, que delícia!

Abs

A caixa de pandora disse...

Pôxa, Ana! Que coisa mais boa!
Mudanças são cansativas, mas também são tão positivas... Fico muito feliz por vocês todos e ser for uma casa vai ser mais legal ainda.
Um beijão e tudo de maravilhoso neste ano tão "novo"!
Ana Paula

A caixa de pandora disse...

o Gnocci vai amar...

Monalisa disse...

Que delícia ler seus textos, muito bem escritos! =) Muita sorte no novo lar! Bjos! (E finalmente, uma fotinho do gnocci fofoooo! rsrs)

Luciana disse...

Vão com Deus, sejam muito felizes!

.jenni disse...

Ana!
Boa sorte com a mudança. Lembrando: amamentar ajuda a emagrecer. Portanto, amamente o máximo de tempo que puder. O pequeno agradece. ;)
Beijos

Beta, a mãe disse...

Lendo seus tuites, eu estava curiosa por um relato de mudança pra alguém tão metódica como você. Quando me mudei, eu dei no total 10 caixas de coisas que eu não queria, usava ou tal e coisa. E me senti tão leve e volta e meia eu vou fazendo isso. acredtia que em 2 anos morando aqui, eu já consegui entulhar o apartamento? São coisas que são difíceis de jogar fora não porque eu me apeguei, mas não sei onde jogar. Onde jogar por exemplo uma chaleira elétrica? No lixo comum? Com a lixarada que existe por aí? Não me parece certo. Você descobriu alguma coisa sobre isso?
Vai ser bom pra vocês se mudarem sem esse peso negativo e vai ser bom pro pequeno também. Muita sorte nessa mudança, que nada de mais aconteça (porque mudanças são chatas) e muita saúde nesse finzinho de gravidez.
Beijos

Lorena Bezerra* disse...

Boa sorte com a mudança e felicidades na nova casa!!! ;)!
Tenha uma ótima quarta-feira!!
=D

Odessa disse...

Acompanho seu blog silenciosamente. Mas, este post foi tao util pelo periodo da minha vida que nao pude deixar de comentar. Estou preparando uma mudança em que so devo levar estritamente o necessario porque saio da Italia para voltar ao Brasil. Isso inclui deixar as minhas panelas, louças, travessas, utensilios de cozinha... :(
Mas, os tres conselhos estao anotados e ja expostos na geladeira para que possamos carregar conosco somente o que nos é realmente util!!
Obrigada e muito boa sorte. Parabens pela chegada da luz mais importante em sua vida, um filho.

miosotiis disse...

Gosto sempre de passar por aqui. Na verdade, quando me dou conta de que actualizaste o blog, fico, de imediato, com vontade de ler! :)

E gosto, sobretudo, por duas razões: pelo que me apresentas, e que até aí não conhecia (como é o caso do Zero Waste Home) e pelo que encontro de parecido comigo. É que, sem saber explicar muito bem porquê, sinto um certo conforto por saber que alguém compreende as minhas escolhas, porque também as faz. Alguém que percebe a minha alegria quando recebo um tacho no Natal(um Le Creuset que o meu marido me ofereceu!! ;D), ou um livro ou uma forma para chocolates. Alguém que percebe se eu disser "Hoje acordei cedíssimo, não conseguia dormir...fui para a cozinha!" :D

E, Ana, mesmo que raramente faça comentários, leio sempre o que vais escrevendo, com a atenção que se deve dar a quem quer partilhar connosco o que vai descobrindo. Porque partilhar é uma forma de amar, de dividir o que sobra em nós. :)

Quem sabe um dia não bebemos uma chávena de chá?... :)

Abraço e tudo de bom. As mudanças arrastam sempre coisas boas.*

Doisnacozinha disse...

Ana,
Me identifiquei muito com a sua história. Também me mudei faz 7 meses e minhas tranqueiras de cozinha são infinitamente maiores que a minha quantidade de roupas e afins (apesar de gostar muito delas tb).
Boa sorte na nova casa!
Beijos
Marcela

Paulo Werneck disse...

Prezada Ana,

Sempre achei que as mulheres juntam muita roupa. Aí resolvi arrumar meu armário: dei duas caixas de roupa que "encolheu" ou que eu gostava menos, e fiquei com apenas 50 camisas de tecido, mais meia duzia de malha, oito calças e 4 ternos.
Há uma dica, que pretendo usar: colocar os cabides ao contrário. Depois de x meses, as roupas cujos cabides continuaram invertidos não foram usadas, daí devem ser passadas adiante.

leila disse...

o cão é lindooooooo!!!!

Dani disse...

Primeiramente boa chegada e inicio na casa nova, é uma fase bagunçada mas muito boa.

Praticar o desapego é sempre importante, mas lendo seu post eu lembrei de um episódio de "Os Normais" q ela abria o armário lotado de roupas e falava "30 anos de compra e eu não tenho nada".

Acho q é mal de mulher, compramos umas blusinhas e ficamos usando sempre as mesmas e muito fica para um uso especial. Melhor usar tudo desgastar as roupas com bom uso não de tanto lavar as mesmas.

Espero os futuros preparos na cozinha nova.

Boa mudança.

Ps. seu cachorro tem uma carinha muito fofa, e espero que ele não fique ciumento na chegada do baby.

Drianis disse...

Tudo de bom na sua nova realidade! Tb me mudei durante essas férias e o processo de jogar coisa inútil fora é libertador!

Ótimo post sobre isso, realmente faz a gente refletir...

leila disse...

Sei q todo mundo já deve ter falado, mas como mãe recém-parida preciso reforçar: não carregue peso e procure não cansar nem se estressar demais. Aliás, a mudança inteira deveria ficar a cargo do marido...

Anônimo disse...

Olá Ana,
Achei o blog faz uns três meses pesquisando sobra panna cotta e já estou viciada. Acabei de me mudar e sou solidária ao seu martírio =)
Estou louca pra achar a mozzarella de búfala e o manjericão desde que li sobra a salada caprisse mas até alface está difícil de achar esses dias.
Antes mesmo de começar a ler o post bati o olho nesse copão de chá e já fiquei seca de sede. Pesquisei sobre o chá vermelho e li que ele faz parte de uma dieta mas não sei se o seu é o mesmo. Se puder quando tiver um tempinho (difíl, né?) me confirma se é o mesmo e se não for me passa a "receita" (chá tem receita?)se puder.
Beijos, e boa sorte com o restante da mudança.

Ana Paula Angelini disse...

Leio seu blog, mas acho que nunca comentei! Acho inspiradora a forma como você escreve! Sem contar que seu blog é lindo e muito caprichado! Boa sorte nesta nova fase, que ela seja recheada de momentos bons! Um beijo!

Fúlvia e Suzie disse...

Ana, este post tem tudo a ver comigo!

Estamos nos mudando também, de apto p/ um lugar maior, de cidade tb. Também terei uma cozinha maior, coisa que sempre quis, para poder fazer minhas maluquices culinárias!

E também estou neste processo de separar todas as tralhas que não uso / não sinto falta / não sabia que existiam e doá-las (o que prestar) ou jogá-las no lixo. É bem cansativo, mas é recompensador vermos que chegaremos na casa nova com coisas que realmente nos são úteis, que usamos.

Só uma grande diferença: vocês têm data certa para mudar, nós estamos ainda no limbo... risos. Só sabemos que vamos mudar, porque, na verdade, não estamos no apto nem na cidade. O resto, é limbo mesmo.

Boa sorte com sua mudança!!!! Aguardo ansiosa os próximos posts!
Beijos,
Ful

Dani Etoile disse...

Ana que delícia... Livrar-se do inútil é sempre prazeroso, quer seja no guarda roupas, na estante dos livros, ou na lavanderia. Aprendi uma coisa com a minha mãe: todo começo de ano temos o momento UT (rs) e se a pilha for grande, mau sinal, devemos consumir menos no ano seguinte!!!
Parabéns pela mudança e força! (rs)
bj
Dani

Zezé disse...

Ana, esse post tem tudo a ver comigo. Guardar coisa que não se usa, até mesmo canequinhas lindas e afins não é salutar. Se não ficarmos alertas vamos acumulando, acumulando... Parabéns pela iniciativa e que esse bebê venha muito saudável e vc continue a nos mostrar suas experiências edificantes, não só na gastronomia. Bjs.

Natalie Argolo disse...

Ana, seus blogs são uma delícia de leitura. Comecei a me aventurar na cozinha depois do casamento (há dois anos) e não paro de ler seus posts antigos vendo quanta coisa ainda tenho a aprender. Parabéns!

Roberta Lito disse...

Mudança é sempre bom.
Amei seu blog!!!!
E as receitinhas também.

Bjs

Roberta Lito
www.chocolitos.com.br

Louise disse...

Encontrei o seu blog depois de uma pesquisa de Baggels.
Fiquei completamente enamorada dele e vasculhei-o de uma ponta à outra.
F.A.B.U.L.O.S.O!!!

Os meus parabéns.

Dê Ayume disse...

Olá Ana! Acompanho a algum tempo seu blog e adoro de verdade! Ele serviu de incentivo pra criar o meu essa semana mesmo! hehe
Nada mais gostoso do que mudar e levar apenas o necessário. O problema é manter assim... hehehe
Parabéns pela mudança e principalmente pelo pezinho de bisnaguinha que vem por aí!

Leila disse...

Ana... volte logo... com uma salada fatouch, por favor!... estamos com saudade! Queremos saber se está tudo bem!
Se vc estiver dormindo mal, com falta de ar, por causa do peso da barriga, experimente respiração de yoga, viu!!! eu fazia 3 exercícios simples, 14 vezes cada um, e dormia feito anjo a noite toda.
Para a vontade de fazer xixi: exercícios de Kegel.
beijos

Angela Machado disse...

Passei por isso a 6 meses e te garanto, daqui a 2 mese vai valer a pena todo esse sacrificio vc vai ver rsrsrs
E vja pelo lado bom, a mudança despertou em você o desapego e muita criatividade na hora de comer! já valeu a pena!

Bjos

Anônimo disse...

Esse é o problema Honey, Honey - Mamma Mia, Zero Waste Home e tu .. coisas tão longes e tãooo perto ... e tão familiares e queridas ... te queremos por aqui
just it

J (mãe da V nascida em casa, com 4 anos sem nunca tomar alopatia na V )

Cozinhe isso também!

Related Posts with Thumbnails