sexta-feira, 26 de dezembro de 2008

Meu primeiro almoço de Natal!

Primeiro, gostaria de agradecer o carinho de todos e os votos de um bom Natal. Com certeza eles surtiram efeito! Espero que todos tenham tido uma magnífica ceia e deliciosos momentos!

Estou absolutamente feliz. O almoço do dia 25 não poderia ter dado mais certo. Mantendo ainda o espírito da simplicidade, e sabendo que todos estariam empapuçados ainda da ceia da noite anterior, preparei poucos pratos, complementados por outros trazidos por minha mãe. Aliás, perfeito isso de almoço colaborativo.

A verdade é que minha família nunca foi muito de se empanturrar com prato principal: somos petisqueiros natos, e não foram poucas as noites em que abdicamos de jantar em nome de alguns pedaços de queijos, frutas e um bom vinho. Pensando nisso, economizei na quantidade de pratos e tamanho de porções. Dispus na tábua, no centro da mesa, alguns queijos como Brie, Gorgonzola, Grana Padano e Pecorino Romano [praticamente cada queijo era o favorito de um dos presentes], para serem petiscados sobre torradinhas de pita integrais ou crostini ainda quentinhos do forno. Especificamente para ser combinada ao Pecorino, preparei uma espécie de geléia de figos secos e avelãs, de um livro de Giada di Laurentiis. A geléia é tão fácil e tão deliciosa, que sei que figurará em outras reuniõezinhas aqui em casa. Havia também um potinho com castanhas de caju, uma tigelinha de cerejas e algumas uvas Thompson para serem comidas puras ou com o queijo Brie.

Quando nos cansamos de petiscar, fui à cozinha reaquecer o arroz selvagem que eu fizera mais cedo. Cozinhara o arroz como informado na embalagem, juntando, depois de pronto, algumas castanhas de caju picadas, uma cebolinha e o que restara das cramberries secas. Enquanto o arroz reaquecia, apanhei as couves-de-bruxelas cortadas ao meio e, como sugerido no livro de Heidi, besuntei-as em azeite e grelhei-as na frigideira, tampando e deixando que cozinhassem apenas com sal, até que ficassem al dente. Quando prontas, rolei-as em um generoso punhado de parmesão. Por fim, cozinhei rapidamente os tortelli di zucca que preparara no dia anterior e congelara.

Já fiz tortelli di zucca várias vezes, e nunca sigo receita nenhuma, usando cada vez o que tenho na geladeira: às vezes com amaretti, às vezes com passas, às vezes com mostarda di Cremona. Dessa vez, assei meia abóbora japonesa fatiada grosso, temperada com azeite, sal e pimenta, até que ficasse macia. Transformei em purê e misturei a parmesão ralado na hora, amêndoas moídas, noz moscada, sal e pimenta, até ficar exatamente do jeito que eu queria. Usei o purê para rechear a massa que sempre faço. Depois de cozidos, despejei os tortelli na travessa e misturei-os a muita manteiga derretida, onde dourara folhas de sálvia frescas.

Minha mãe trouxera tender e farofa, e arrumei-os cada um em uma travessa, levando à mesa. Não tenho como descrever a satisfação que senti em ver a mesa posta e todos comendo. Uma pena não comer mais carne, ainda que o perfume do tender tenha sido suficiente para reavivar centenas de lembranças de infância e tornar ainda mais especial o primeiro almoço de Natal em minha casa.

Trocamos alguns presentes e servi a sobremesa. Coloquei sobre a mesa os panettoni e os sorvetes e fui à cozinha preparar rapidamente a calda de chocolate, muito fácil: aqueci meia xícara de creme de leite fresco e despejei sobre 100g de chocolate amargo picado, um pouquinho de baunilha e um naco de manteiga, misturando até que estivesse homogêneo. Para os de paladar mais adulto, a calda foi sobre uma fatia de panettone e uma bola de sorvete de nozes. Para os que não sabem o que estão perdendo [hihihi...], preparara um "chocottone", substituindo as frutas marinadas pelo mesmo peso em gotas de chocolate amargo e aromatizando a massa com raspas de 1 laranja bahia, noz moscada e 1/2 colh.(sopa) de baunilha. Junto do "chocottone", o sorvete de baunilha mais fácil e econômico do mundo (mas delicioso!), retirado do novo livro de Heidi Swanson. Ele é excelente para quem tem aflição de gastar 8 gemas cada vez que quiser um litro de sorvete de creme; sem contar as 8 claras que sobram. Para fazer o sorvete, basta 1 litro de leite, 1 xíc. açúcar (uso o cristal orgânico entuxado de favas de baunilha), 3 colh. (sopa) maizena e essência de baunilha. Você o prepara como faria a um pudinzinho cremoso, deixa esfriar e coloca na sorveteira, e ele fica sensacional.

O melhor de tudo foram meus dois presentes culinários: um ferro de waffles (que trouxe lembranças de infância a meu marido, que costumava comer waffles com manteiga na casa da Oma), e um enorme pedaço de granito que minha irmã (arquiteta) arranjou para mim; ele foi cortado para caber exatamente em meu forno, e agora minhas pizzas nunca mais sairão com textura de biscoito... espero!

17 comentários:

espressa-mente! disse...

bela ceiat!
belas fotos!
belos presentes!

Silvia Focheaato disse...

Olá Ana , que delicia de almoço de Natal ! As fotos estão dando fome , muito bacanas como sempre !
Agora um perguntinha ! Quanto ao granito que vc diz ter ganho de sua irmã , é granito mesmo? como esses de pia de cozinha ? e funciona legal para cozinhar pizzas ? Pq eu também estou em busca de pizzas crocantes no forno a gás se é que isso é possivel !
Beijo .

Dricka disse...

Ana que lindo seu post.Você pode até não acreditar mas senti uma imensa alegria ao ler que sua felicidade sobre tudo dar certo.Não é um prenuncio que 2009 será maravilhoso?Amém
Bjs

Leo disse...

Tudo lindo. e suas fotos me lembraram que preciso com urgência de um termômetro de forno. bj e feliz natal procês 3.

Robson,Marianne & theo Barcellos rogatto disse...

Ana, P-A-R-A-B-É-N-S!
Tudo muito simples e lindo, até parece fácil, olhando daqui! rsrsrs
Eu amo tudo relacionado a cozinha, mas ainda estou engatinhando, o meu sonho é poder fazer deliciosos almoços e jantares para as pessoas que eu amo, mas ainda não tenho coragem!
Você me inspira...
Feliz 2009!
Marianne

Loisiana disse...

Ana!

Lindo mesmo como sempre!

Tava fussando no seu blog pq lembrei da sua paixão por sorvetes! Agora com o verão...EU TB QUERO, fazer em casa ou ao menos tentar...Hihi

Qual é a sua sorveteira? Tem alguma dica? Uma dúvida (perdão pela preguiça de pesquisar no google), qual a diferença entre sorbet e sorvete afinal!!

Beijocas MIL!
E TUDO de bom e melhor pra vc e todos os seus queridos em 2009!!

carladuc disse...

Oi Ana,

Pareceu tudo delicioso! :) E que bela mesa! Esse ano foi também minha primeira ceia de Natal aqui em casa. Foi muito legal, muito gratificante! :)

Fiquei com algumas dúvidas. Qual é o novo livro da Heidi? E a receita deste panettone é esta aqui? http://www.lacucinetta.com.br/2006/12/panettone.html

Obrigada!

Abraços,

Simone Izumi disse...

Que mesa linda e que belos presentes!!
Adorei a dica do sorvete de baunilha, pois fiz na semana passada um com muitas gemas do lebovitz e não foi o meu preferido...
esse é bem simplezinho, mas tenho certeza que ficará mais saboroso!!!
bitocas

Loisiana disse...

Ana!

Já achei a sua sorveteira no quiquilarias!
Este blog é tudo de bom mesmo!
Agora é quebrar o porquinho!

Beijocas!

Eduardo Luz disse...

Ana, passando pra desejar um Feliz Ano Novo e que em 2009 as nossas cozinhas transformen-se todas em "cucinettas" ! Prego !
Abs a todos e grato por aceitar participar dos Inter Blogs.

Julia Valsecchi disse...

Olá Ana passo por aqui todos os dias leio seus texto amo saber as histórias de seu lindo e saborosos pratos...
Passei para lhe desejar um feliz 2009 ...

Beijos

Bella disse...

Ficou lindo o seu almoco! :D

Ana Elisa disse...

Silvia,
É só uma peça de granito cinza polido, como de pia, como se piso... Funciona para pizza, para pão... Você bota a massa diretamente na pedra já quente, que retém MUITO o calor por muitas horas, ao invés da forma de metal que vai esquentando JUNTO com a massa. TEORICAMENTE (eu nunca testei) isso faz com que as pizzas assem com a textura das de forno a lenha, que também assam diretamente sobre pedra ou tijolo. Só não tem o cheirinho da lenha... hehehe... Você pode usar também uma lajota de terracota, desde que não tenha nenhum verniz...

Dricka,
espero que sim! :)

Leo,
não sei fazer mais nada sem meu termômetro...! :)

Marianne,
coragem, mulher! A gente erra muito no começo, vai aprendendo, e depois continua errando só um pouco... hehehe...

Carla,
a receita de panettone é aquela que está junto com o sorvete de nozes. A segunda que eu fiz. O segundo livro da Heidi é o Cook 1.0. Bem legal, basicão mas com boas idéias.

Simone,
esse fica bem saboroso, branquinho, cremoso... Só aquecer 3 xíc. do leite, e misturar a outra xícara com maizena e o açúcar. Quando o primeiro ferver, mistura tudo e cozinha mexendo com uma colher até que fique com textura de milkshake derretido (segundo a Heidi). Mistura com a baunilha e leva prá esfriar durante a noite. Sorveteira e pronto.

Loisiana,
a sorveteira é uma das coisas mais legais que tenho. Se vc se propuser a usá-la de fato, vale totalmente a pena.

Espressa-mente, Eduardo, Julia e Bella,
obrigada e feliz 2009 para vcs também!!

Beijos!

Anônimo disse...

Olá

Gostei muito do seu blog.
Receitas e extos deliciosos....

Vc poderia me enviar a receita de sorvete de creme que leva 8 gemas?
liana_goulart@hotmail.com

Abraços

Maria disse...

Olá, gostaria de saber, se possível, onde foi comprado seu ferro para waffle. Estou em busca de um já faz um tempo e não consigo encontrar.

Adriana disse...

Ola Ana, sei que ja faz tempo este post, mas gostaria de saber de onde 'e este seu ferro de waffles.
Obrigada, Adriana

Juh Girardi disse...

Nhaiii... eu sou louca por um ferro desses... mas aqui na minha cidade não encontro de jeito nenhum.. =(
Sabe onde eu poderia conseguir??
Muito orbigada!
Seu blog é lindo!
Beijos
Juh

Cozinhe isso também!

Related Posts with Thumbnails