terça-feira, 14 de janeiro de 2014

Grissini, controle, expectativas

Tenho boas lembranças de um reveillon numa Era Pré-Filhos em que meu marido e eu passamos sozinhos, no sofá, vendo desenhos japoneses e bebendo espumante. Um reveillon em que nos livráramos dessa estranha pressão social de "se divertir horrores como se não houvesse amanhã" na passagem de ano e simplesmente descansamos. Foi um dos melhores até hoje, pois passamos tempo juntos, tranquilos, e rimos um bocado.

Na tentativa de reviver aquele momento, decidi que não faria ceia nem coisa nenhuma. Quer dizer... alguma coisa. Comprei alguns embutidos italianos, uns queijinhos, uvas, e resolvi que prepararia apenas duas coisas: grissini (para acompanhar o prosciutto, enroladinho) e focaccia col formaggio, receita que me fora enviada por minha cunhada, há meses, e que eu ainda não tivera o momento perfeito para testar.

A ideia era ficar nos petiscos a noite toda, esperando o momento fatídico dos fogos dos vizinhos, que acordariam as crianças e assustariam os cachorros.

As crianças eram a usual Unidade de Caos pela casa, enquanto eu rolava os palitinhos de massa sob as palmas, na cozinha, o mais longos possível, criando em minha mente uma imagem de um centro de mesa impressionante, de grissini esguios, retos, muito altos. Na minha mente, eu já me orgulhava daquele resultado distante.

Antes disso, a massa da focaccia descansava, esperando para ser aberta. Eu, que acho que sei muita coisa sobre um monte de assuntos, fiquei surpresa quando vi que a focaccia não levava fermento. Criara em minha cabeça toda uma concepção daquela receita que eu lera na diagonal meses antes, achando que produziria uma focaccia tradicional, fofinha, recheada de queijo, e de repente me encontrava à deriva culinária, sem saber exatamente como a coisa toda se desenvolveria.

Nisso, Allex entra na cozinha, ao telefone, e me anuncia que um amigo nosso passará o reveillon conosco. Fiquei contente, mas me perdi um pouco, pensando se haveria comida o bastante, e se eu poderia preparar mais alguma coisa. Então, ele emendou: "E ele vai fazer risotto de frutos do mar." Aquilo que tirou do centro por um instante. Não estou acostumada a ter pessoas cozinhando para mim [constatação, aliás, que me deixou triste por um lado, pois queria que as pessoas cozinhassem para mim às vezes; e por outro, com um sentimento de gratidão que se desenvolveu ainda mais depois de provar o risotto, que ficou delicioso]. Isso quer dizer: não sei como agir quando alguém diz que vai fazer jantar pra mim na minha casa. Também não sei receber presente nem elogio. Dá pra ver um problema bom para discutir com minha terapeuta imaginária. [Por que diabos minha terapeuta imaginária seria especificamente uma mulher também é bom pra discutir com minha terapeuta imaginária. Louca de pedra.]

Enquanto procuro meu marido para espezinhá-lo a respeito da limpeza da casa, percebo que a Unidade de Caos rapidamente tornou-se a Liga da Birra, e me vi berrando com Thomas para parar de correr alucinadamente com a espada atrás dos cachorros, e tentando manter Laura afastada do forno quente enquanto tentava colocar os grissini no forno. Seguro um palito longuíssimo de massa com as pontas dos dedos e imediatamente percebo que fui megalomaníaca em minhas pretensões, uma vez que os grissini são definitivamente maiores que meu forno.
¬_¬

Com a massa nas duas mãos, porta do forno aberta, e meu pé mantendo minha filha cheia de determinação a apenas quinze centímetros de uma queimadura grave, berrei três palvrões de boca cheia e joguei a massa ali dentro como consegui. Uma vez o primeiro palito jogado torto, os outros não tinham como caber retos, e, emburrada, saí acomodando os grissini de qualquer jeito. Alguns em L, alguns como galhos, alguns como serpentes.

Pronto, estava arruinada minha visão perfeita de um centro de mesa imponente e grissini profissionais. A Martha Stewart dentro de mim me olhou com desdém e desaprovação.

Resetei a criança. ["Resetar a criança" é como Allex e eu chamamos o ato de colocar Laura de volta no cercadinho aberto, pois aquele é o marco zero do qual ela partirá, determinada, em sua viagem engatinhenta de volta ao lugar de onde a tiramos em primeiro lugar. Um bebê com uma missão.]

Hora de fazer a focaccia. Thomas continua correndo atrás dos cachorros com a espada, até a hora em que decidimos tirá-la dele, o que causa toda uma onda de birras alucinantes.

A massa da focaccia é aberta como massa de strudel. Familiar, mas estranho. Não há menção do tamanho da assadeira, então apanho uma que acho apropriada, mas sobra muita massa nas laterais. Guardo o excedente para tentar abrir novamente no dia seguinte (funciona, aliás), já que a massa que eu estendi já rasgou e não pode ser transferida para uma assadeira maior. Distribuo o queijo stracchino, pensando como teria sido fácil simplesmente usar catupiry no lugar, estendo a massa por cima, pincelo com azeite, sal, e vai para o forno.

Birras e berros.

Thomas apanha uma cadeira, se empoleira sobre a mesa e começa a servir-se sozinho de tudo, e precisamos controlá-lo antes que coma todo o queijo sem que a visita sequer tenha visto tudo arrumadinho. Meu cenho está franzido há tanto tempo, que desenvolvo uma dor de cabeça pontual no centro da testa. Enquanto Allex cuida da Laura e dou banho no Thomas, a focaccia queima no forno.

Aquela visão do que eu chamara de "focaccia-queijo-quente" em minha mente se desvanece dolorosamente. Tia Martha na minha cabeça, agora, já nem me considera digna de sua atenção, e desaparece para assombrar outra pessoa control-freak.
O cozinheiro. :)
Quando finalmente consigo colocar as crianças para dormir, entro na cozinha e encontro gente limpando camarões, picando cebola, aquecendo caldo, contando anedotas, rindo. Os acepipes foram retirados da mesa da sala e levados à cozinha, e eu respiro fundo, preparo um Negroni com uma das únicas duas doses de Campari restantes na garrafa [porque eu planejei tanto aquele drink, que comprei o Gin e o Vermute, e esqueci de verificar se havia Campari em casa]. Provo um pedaço da focaccia mequetrefe, e ficou gostosinha, apesar de tostada. Olho para aqueles grissini tortos como decoração moderna de floricultura e lembro que Thomas adorou comê-los. Por dias eu veria o moleque com grissini roubados na mão, a qualquer hora do dia.
Focaccia tostada ali na esquerda, cortada em quadradinhos. Tão tostada, coitada, que usei de torrada para os outros queijos.
Pensei no prazer do lado mais Joselito do Universo em subverter todos os planos da pessoa controladora. E em como planejamento engessa sua vida e impede que você aproveite justamente os imprevistos, as decisões de última hora, o acaso.
Um Negroni, um Americano e uma cerveja do Iron Maden depois.

Foi delicioso ter outra pessoa cozinhando para mim, e melhor ainda comer o resultado da empreitada. A noite foi melhor do que eu havia planejado, e os fogos, surpreendentemente, não acordaram as crianças.
Risotto de frutos do mar.

Para esse ano, menos controle, menos expectativas. Mais amigos. Mais grissini tortos.

Xô, Martha. Hello, Nigella.


GRISSINI TORINESI
(do ótimo The Italian Baker, de Carol Field.)
Faz 20-22 grissini muito compridos, ou mais, menores.

Ingredientes:
  • 1 3/4 colh. (chá) / (5g) fermento biológico seco
  • 1 colh. (sopa) / (21g) extrato de malte (vendido em lojas de produtos naturais
  • 1 1/4 xic. / (300g) água morna
  • 2 colh. (sopa) / (30g) azeite de oliva (e mais para pincelar)
  • 3 3/4 xic. / (500g) farinha de trigo, de preferência orgânica
  • 1 1/2 colh. (chá) / (7,5g) sal
  • 1/2 xic. / (85g) semolina

Preparo:
  1. Misture o fermento, o malte e a água numa tigela e deixe descansar por 10 minutos, até espumar.
  2. Misture o azeite. Junte a farinha e o sal e misture até formar uma massa.
  3. Despeje na bancada e sove até que fique elástica, aveludada e macia, por cerca de 8-10 minutos.
  4. Achate a massa em formato retangular (cerca de 35x10cm) em uma bancada levemente enfarinhada. Pincele ligeiramente com azeite, cubra com filme plástico e deixe fermentar até dobrar de volume, cerca de 1 hora.
  5. Polvilhe a massa com um pouco de semolina. Com uma faca ou cortador, corte a massa em 4 porções iguais, mantendo todas com 10cm de comprimento. E então, cada pedaço em 5, ainda mantendo os 10cm, cada uma com a largura aproximada de um dedo gordo.
  6. Você pode rolar a massa como cobrinhas (não enfarinhe a bancada) para alongá-la ou simplesmente apanhar as pontas e esticá-las até o tamanho de sua assadeira ou pedra de forno. Coloque os palitos de massa numa assadeira untada, vários centímetros distantes uns dos outros, enquanto prossegue com os outros grissini.
  7. Não há necessidade de uma segunda fermentação. Se estiver usando uma pedra no forno, pré-aqueça o forno a 230ºC cerca de 30 minutos antes de assar os grissini. Senão, asse na própria assadeira em que estão. Asse-os por cerca de 20 minutos. 
  8. Os grissini se mantém crocantes por dias.


12 comentários:

Oderlane Carvalho disse...

Oi!! Adoro sempre seus textos e sempre dou risada sozinha em frente ao computador tentando imaginar toda a situação acontecendo...
Espero que tenha um feliz 2014 e que consiga cumprir suas metas. Beijinhos!!!

Bruna Betamin disse...

Puxa vida, guria!
Quase nunca comento, mas dessa vez fiquei tão feliz com a tua resolução de 'tchau Martha' que precisei comentar!
Parabéns pela tua resolução! Espero que tu consiga seguir forte nela.
Feliz dois mil & catorze.
:)

Gata de Tiara disse...

Ana, sei que receber elogios de estranhos na internet não é nem de longe tão legal quanto aqueles ao vivo, mas a gente se esforça! Você ficou uma linda com o cabelo curto, e os grissini ficaram estilosos e únicos. :D
Meu namorado e eu compartilhamos totalmente da sua visão de ano novo sem farras a la hangover... Já até passamos o ano novo assistindo anime também, hehe
Enfim, feliz ano novo já não tão novo, e que suas resoluções sejam cumpridas.
Beijo!
Cris

Gata de Tiara disse...

Ana, sei que receber elogios de estranhos na internet não é nem de longe tão legal quanto aqueles ao vivo, mas a gente se esforça! Você ficou uma linda com o cabelo curto, e os grissini ficaram estilosos e únicos. :D
Meu namorado e eu compartilhamos totalmente da sua visão de ano novo sem farras a la hangover... Já até passamos o ano novo assistindo anime também, hehe
Enfim, feliz ano novo já não tão novo, e que suas resoluções sejam cumpridas.
Beijo!
Cris

lili disse...

Nada deixa uma controlfreak mais p%*a que tomarem o controle das suas mãos.Adorei o texto, como sempre.

thatiana Bandeira disse...

Como sempre amei!!! Agora descobri que você não gosta de presentes e nem de elogios... Mas você foi um presente na nossa cozinha. Estou ensaiando uma pergunta... Achei que seria muito pessoal, depois pensei que fugiria ao tema... Mas agora acho que realmente tem haver com a sua cozinha e com o seu blog!!! Você deu aquelas formulas de leite em pó para os seus filhos??? Meu baby ainda não nasceu, mas já estou surtando!!!
Beijos e um excelente 2014

Mariana Simões Pimentel Gomes disse...

Adorei o modelo arrojado do grissini, fiquei curiosa pela receita da focaccia...Obrigada por dividir suas aventuras, um abraço da dona mamute (9 meses grávida, salivando pela focaccia crocante)

Laura Bicas disse...

Oi Ana,
Seu texto, ótimo como sempre! Parabéns e obrigada por nos divertir tanto. A minha filha de um ano e meio acordou com os fogos e só consegui dormir de novo depois das 3:00! Estou morando temporariamente na Holanda e aproveitando para abastecer minha cozinha. No momento estou procurando panelas e gostei desta vinho da foto, você poderia me dizer a marca. Vi que você usa WMF, mas deles não achei panelas antiaderentes, só inox. Não me dou bem com inox. Por enquanto a que mais gostei foi Le Creuset, mas gostaria de explorar outras opções.

Um ótimo 2014 para você!
Laura

Sil disse...

Olá Ana,
obrigada pela delícia de post, mais uma vez!!
Só uma coisa, se vc me permite (como psicóloga, não resisto a comentar algo que salta à minha percepção): nossos filhos são resultado da criação que damos a eles. Se puder te dar uma sugestão, gostaria de te dizer que procure evitar de gritar/ berrar com o Thomas, porque o único modelo que está sendo dado a ele é que, berrando, vc consegue o que quiser. Ele crescerá, então, usando os berros como forma de conseguir o que deseja. Já imaginou então quando o seu garotinho estiver na adolescência?
Bjs, e que vc e sua família tenham um Ano Novo com muitas realizações e sucesso!!!

Anônimo disse...

Adoro seu blog, e ja estou tentando algumas receitas (sem claras em neve, ainda)! No entanto, a receita de fogaccia do natal esta en italiano no link! To morrendo de vontade e, apesar de tentar me aventurar na lingua, n rolou! Vc a teria em portugues? :)

Anônimo disse...

Muuuuuito boa sua história HAUhauheua!!!

És uma inspiração pra mim tanto na cozinha como no querer ter uma família!

Beijo e tudo de ótimo pra vocês!

Jack

Luciana Betenson disse...

Ana, hahaha! I love you :-) Também dou férias de vez em quando da internet e estou agora lendo seus três últimos posts e rindo muuuito! Queria te encontrar este ano. Vou te escrever. Beijos!

Cozinhe isso também!

Related Posts with Thumbnails