quinta-feira, 31 de outubro de 2013

Duas coisas beges com pontinhos brancos e pretos

Uma salgada e uma doce. Uma inspirada num livro do Alain Ducasse, cuja receita não quis seguir à risca, porque envolvia rechear as berinjelas – preguiça monstro – e a outra inspirada no último post da Pat, que tinha blondies apetitosíssimas, mas que levavam biscoito comprado, coisa que quase nunca tem por aqui, o que me fez ir atrás de outra receita.

Uma que ficou uma delícia e com a qual Madame Bochechas se refestelou e outra que também ficou uma delícia e com a qual o Matador de Dragões se esbaldou. Da coisa salgada, o Matador de Dragões comeu apenas um pedaço e decidiu que preferia jantar pepinos, tomate-cereja (assim, no singular, porque foi um só) e morangos. Da coisa doce, Madame Bochechas não comeu, porque eu até cedo e lhe dou um bolo de bananas de lanche quando não há fruta madura ou ela me olha de ares pidões ao ver o irmão comendo doce; mas doce pelo doce, sem nem uma frutinha dentro, aí acho demais para seus parcos dez meses e dois dentinhos.

Pois é. Dez meses. 

Logo logo minha menina bochechas de brioche e coxinhas de marshmallow faz um ano. Um ano inteiro. Ela já fala ma-ma (o que anda animando o irmão a soltar a língua, enfim), já come sozinha e sem que eu precise amassar nada, e quer ficar de pé o tempo todo. E logo logo ela estará correndo alucinada pela casa, e eu correndo atrás, dela e do irmão ao mesmo tempo, cachorro trançando nas pernas de todo mundo. 

Logo logo ela começará a fase do não quer comer isso ou aquilo, enquanto o irmão gradativamente deixa essa fase para trás – ele tem sido curioso e no mínimo experimentado o que coloco em seu prato, apesar de nem sempre continuar comendo.

Logo logo ela vai querer vestir cor-de-rosa e querer coisas de princesa, enquanto eu tento ensiná-la nomes de armas medievais e bandas de metal melódico. 

Enquanto isso, clafoutis de berinjela e queijo de cabra e blondies de dois chocolates e castanha-do-pará.

CLAFOUTIS DE BERINJELA E QUEIJO DE CABRA
(livremente adaptado do livro Nature, de Alain Ducasse)
 
Ingredientes:
  • 3 berinjelas pequenas ou duas médias, cortada em cubos de 1cm
  • 1 cebola grande, picada
  • 2 colh. (sopa) azeite
  • 1 dente de alho grande, picado
  • alguns ramos de manjerona fresca
  • 180g queijo de cabra fresco
  • 5 ovos grandes
  • 1/2 xic. creme de leite fresco
  • 3 colh. (sopa) farinha de trigo
  • sal e pimenta-do-reino moída na hora

Preparo:
  1. Pré-aqueça o forno a 205ºC. Unte um refratário grande com manteiga. 
  2. Esquente o azeite numa frigideira grande e refogue a cebola até que fique translúcida. Junte a berinjela e metade das folhas de manjerona, tempere com sal e pimenta e refogue em fogo médio, mexendo de vez em quando, até que a berinjela esteja cozida e ligeiramente dourada. Acerte o sal e a pimenta e espalhe a berinjela na travessa untada. 
  3. Numa tigela, bata com um fouet os ovos, o creme e a farinha, até que fique bem homogêneo. Tempere com sal e pimenta. 
  4. Despeje a mistura de ovos sobre a berinjela. Esmigalhe o queijo por cima, polvilhe com o alho picado e o resto das folhas de manjerona e tempere com mais um pouco de pimenta-do-reino. Leve ao forno por quarenta minutos ou até que esteja dourado nas bordas e uma faca inserida no meio saia limpa. (O tempo pode variar de acordo com o tamanho do refratário, se a mistura estiver mais espalhada ou mais espessa, então confira após meia hora de forno.) Sirva quente, acompanhado de uma salada. serve dois adultos e duas crianças tranquilamente.

BLONDIES DE DOIS CHOCOLATES E CASTANHA-DO-PARÁ

Ingredientes:
  • 1 xic. farinha de trigo
  • 1/2 colh. (chá) fermento químico em pó
  • 1/4 colh. (chá) sal
  • 120g manteiga sem sal
  • 3/4 xic. + 2 colh. (sopa) açúcar mascavo claro
  • 1 ovo grande
  • 1/2 colh. (chá) extrato natural de baunilha
  • 1 colh. (sopa) rum escuro
  • 2/3 xic. castanha-do-pará picada
  • 30g chocolate meio amargo picado ou em gotas (53%)
  • 30g chocolate branco picado ou em gotas

Preparo:
  1. Pré-aqueça o forno a 180ºC. Se sua forma quadrada de 20cm não tiver fundo removível, forre-a com papel alumínio. 
  2. Numa tigela, misture a farinha, o sal e o fermento. Reserve.
  3. Derreta a manteiga numa panela média em fogo baixo. Remova do fogo e junte o açúcar mascavo, misturando bem com uma colher de pau. Junte o ovo, a baunilha e o rum e misture bem.
  4. Junte a farinha, misture bem com a colher e então junte metade das castanhas picadas. 
  5. Despeje na forma, espalhando de forma uniforme. Polvilhe com o restante das castanhas e os dois chocolates.
  6. Leve ao forno por 20-25 minutos, até que esteja dourado em cima e se destacando das laterais. Não asse demais. 
  7. Retire do forno e deixe esfriar ainda na forma, sobre uma grade. Remova da forma e corte em 16 quadradinhos. Pode ser mantido em pote fechado por até 4 dias.
 

7 comentários:

Patricia Scarpin disse...

Os brownies da Alice Medrich são sempre maravilhosos, preciso provar as blondies também, as suas ficaram lindas!

Também babei nesse clafoutis salgado - só provei doce, até hoje.

xx

Livia Luzete disse...

Dez meses...passa rápido...

Fernanda Amarante disse...

Parece que foi ontem que você ficou grávida do pequeno e escreveu aquele post lindo inspirado em Waitress!!! E a madame linda já tá que tá impossível!!! Agora morri de vontade de blondies, mas o plano é fazer a torta 4 leches da minha tia... Depois de mil testes com os divinos cookies de banana e aveia essa semana! VIIIIXE! Um beijo, querida, amei as duas receitas!

thatiana Bandeira disse...

Amei!!! Minha mãe só me viu começar a gostar de rosa depois de velha... Minha cor preferida era verde!!! Você é a musa do pão aqui de casa, mas amo aquelas torradas de pacote, tipo bauduco, você tem alguma sugestão???
Beijos e muito obrigada por ter mudado tanto os meus hábitos
P.S Antes de conhecer o seu blog eu achava a manteiga uma vilã!

Ana E.G. Granziera disse...

Thatiana,
Pra mim, aquelas torradas (nas quais eu também era viciada quando mais nova) têm gosto de pão ressecado. Você pode pegar o pão de forma feito em casa, fatiar na espessura das torradas e deixar as fatias numa assadeira grande, sem sobrepor as fatias, dentro do forno desligado por alguns dias. Elas vão ressecar sem mofar e vão ficar com jeito de torrada sem o gosto tostado que uma torradeira daria. Nunca tivemos torradeira na casa dos meus pais e era assim que minha mãe fazia torradas com pão francês. Na verdade, o que ela estava fazendo era ressecar o pão pra moer pra farinha de rosca, mas invariavelmente a gente acabava roubando umas torradinhas pra comer com requeijão. :)

bjs

thatiana Bandeira disse...

Fiquei com água na boca!!! Torrada com requeijão... AMO
Beijos e muito obrigada

Anônimo disse...

Oi, Ana! Sigo seu blog e gosto muito. Assim como vc sou mãe de duas meninas ( gemeas) e me preocupo muito com a alimentacao delas..... Tento fazer tudo em casa, mas trabalhando fora é bem dificl....

Amei o clafoutis de berinjela..... Já fiz uma versao com abobrinha e hortela, que ficou divina tb.....

Obrigada pelas receitas e inspiraçao!

Nivea

Cozinhe isso também!

Related Posts with Thumbnails