sexta-feira, 16 de agosto de 2013

Wraps de verdade e criança que come... alguma coisa, tipo o wrap de verdade

E o pequeno matador de dragões continuava empurrando o prato para longe. Incomodou-se ao ver a irmã sentada em seu cadeirão, e ficou curioso a respeito da papinha, e seu ciúme funcionou meras duas vezes como artifício, apenas tempo bastante para que enjoasse da textura da comida de bebê. A hora da refeição era infernal, com a alternância das crianças no cadeirão e o ciúme, e a correria em volta, e a recusa em comer aquele prato que mamãe tivera tanto trabalho e cuidado em preparar.

Então resolvi fazer um quebra-cabeça na cozinha e encaixar de volta a mesa que andara perdida na varanda e depois vagando pelo meu atelier. E aquela mesa foi uma mão na roda para mim, pois eu bem sentia falta daquele apoio extra para cozinhar. E num ímpeto curioso, em manhã de waffles com maçã caramelizada, Thomas subiu numa cadeira e quis ajudar a mexer a colher na tigela, e me dei conta de que aquela mesa era mais baixa do que a da sala, e que o pequeno guerreiro ítalo-germânico não era mais assim tão pequeno, e conseguia sentar-se em uma cadeira comum e comer àquela mesa sem problemas.

E Thomas cedeu seu cadeirão definitivamente à pequena-justiceira-bochechas-de-brioche. E consegui sentar os dois filhos ao mesmo tempo para comer e dar atenção a ambos simultaneamente. Desde que eu não estressasse com o fato de ele não comer, a hora da refeição galgara mais um degrau em direção ao "momento feliz". 

Então li um texto que falava sobre as expectativas dos pais em relação à alimentação da criança, e como aos dois anos os pequenos simplesmente não crescem tanto, não tem tanta fome e têm coisas mais interessantes a fazer além de comer. E como elas querem algum controle, e algum poder de escolha.

Como o texto sugeria, tentei, ao menos na hora do almoço, começar a colocar mais de um prato na mesa. Não como opções, substituindo o que ele negara, no pior jogo de "adivinha o que eu quero comer", mas como "partes de uma refeição completa". Quinua, couve refogada, cenoura glaceada, ovos cozidos. Num dia, Thomas é o grande-devorador-de-ovos-de-codorna. No outro, o abominável-catador-de-arroz-branco. Às vezes apanha dois ou três elementos para compor seu prato, às vezes come muito de uma coisa só. Mas come. Come contente. Comporta-se. Limpa a boca com o guardanapo. Pede água. Interage com a irmã que tenta falar "a-da-bu-brrrrrrrphsh..." enquanto come papinha, cuspindo brócolis moído na blusa branca da mamãe. Momento feliz.

A quinua, couve e cenoura que não quis num dia viram bolinho no dia seguinte, e, assim douradinhos, ele os come de bom grado, mergulhados no ketchup, sem saber que está sendo secretamente nutrido. E, sem o stress habitual, dou-me conta de que ele não tem mais separado os verdinhos da comida, quando antes a mera visão de uma micro-salsinha era o bastante para que rejeitasse o prato todo. Talvez o problema não fosse ele, mas a mãe neurótica que ficava bufando na orelha dele toda vez que ele começava a remexer a comida. A regra continua a mesma: tem que experimentar. Tem que comer ALGUMA coisa que está na mesa. Qualquer coisa e o quanto quiser. Senão não tem sobremesa. Mas de repente não há mais berros, não há mais mãe estressada e, principalmente, não há mais criança estressada.

Assim, fico mais tranquila para preparar o que eu quiser, e desde que haja um pedaço de queijo na mesa, não fico mais quebrando a cabeça para combinar o que eu quero comer, o que Laura pode comer e o que Thomas talvez, quem sabe, por ventura, venha a querer comer. Também me pego menos nutricionalmente histérica, e aceitando que pão com queijo é um jantar muito digno. Principalmente se o pão for feito em casa.

Claro, ainda tem o berro do "não brinca com a comida", o do "pára de correr em volta da mesa e senta essa busanfa na cadeira" e o do "não, só ganha sobremesa quando TODO MUNDO terminar de jantar". Mas, ainda assim, é menos berro.

Esse wrap parece pesado na foto, mas na verdade é fino, leve e maleável, além de delicioso. É chatinho pensar em abrir com rolo e depois passar na frigideira todos os pãezinhos, mas é algo que vale a pena ser feito em quantidade num dia de paciência, pois o pão pronto congela maravilhosamente bem, e descongela em segundos na frigideira quente, mantendo-se tão gostoso e macio quanto no dia em que foi feito. Perfeito para uma quarta-feira cansativa de pão com queijo.

A dica-master-blaster é não tentar abrir com rolo até os 20cm. Dez centímetros com o rolo são fáceis, e depois basta segurar delicadamente o disco de massa entre os dedos e ir girando, como quem segura uma direção de carro, deixando que o próprio peso da massa termine de abri-la até o tamanho apropriado, ficando mais massudinha nas bordas e praticamente transparente no centro. Outra dica é sobre o tempo de fermentação: Paul Hollywood sempre menciona um tempo mínimo e um máximo e já percebi que seus pães ficam infinitamente melhores se deixados fermentando pelo tempo máximo, principalmente se o dia estiver muito frio. Nesses casos, também tenho usado água morna, ao invés da fria que ele sugere, pois nesses dias em que a cozinha está a 13ºC, o fermento pode ficar praticamente inativo se mantido frio.

WRAPS
(do excelente How to Bake, de Paul Hollywood)
Tempo de preparo: 1-2 horas + 3 minutos de frigideira por wrap
Rendimento: 15-20, dependendo do tamanho

Ingredientes:
  • 500g farinha de trigo (de preferência orgânica, ou para pães)
  • 10g sal
  • 30g açúcar cristal orgânico
  • 10g fermento biológico seco instantâneo
  • 30g manteiga sem sal, amolecida
  • 320ml água (fria se o dia estiver quente, morna se o dia estiver com temperatura muito abaixo dos 21ºC)
  • um pouco de óleo para cozinhar

Preparo:
  1. Coloque a farinha numa tigela grande e deposite o sal e o açúcar num canto da tigela e o fermento no outro. Junte a manteiga e 3/4 da água e misture com as pontas dos dedos.Vá juntando o restante da água aos poucos, até que toda a farinha esteja úmida. Pode ser que você precise de um pouco mais de água ou que não use toda ela. O que você quer é uma massa úmida e macia, quase grudenta, mas não pegajosa.  
  2. Unte uma superfície com um pouco de óleo e despeje sua massa ali. Unte as mãos e sove a massa por 5-10 minutos, até que ela esteja bem macia, lisa e elástica (gosto de pensar na textura de uma bexiga cheia de água).  (Na receita original, Paul usa farinha na superfície, mas a massa estava numa textura tão boa, que achei melhor não correr o risco de ela ficar seca com a farinha extra. Então use farinha caso a massa esteja mais difícil de manipular.)
  3. Forme uma bola e coloque numa tigela untada com óleo. Cubra com filme plástico e deixe fermentar por pelo menos 1 hora (pode deixar por até 3 horas), até que a massa tenha dobrado de tamanho. 
  4. Despeje a massa numa superfície ligeiramente enfarinhada, amasse para tirar o ar e divida em bolinhas de mais ou menos 60g (um nada maiores que bolas de ping-pong).
  5. Abra cada bolinha com um rolo de madeira enfarinhado, sempre partindo do meio do círculo para as bordas, até obter um círculo de 20cm de diâmetro. 
  6. Aqueça uma frigideira grande (23-25cm) em fogo alto e derrame uma colh. (sopa) de óleo vegetal. Quando começar a sair fumaça, coloque um círculo de massa na frigideira e cozinhe por 2 minutos. Vire e cozinhe por mais 1 minuto. Você verá a massa inflando e depois desinflando, e terá pontos pretos por toda ela. Não deixe tempo demais, ou esses pontos pretos ficarão quebradiços ao invés de macios. Retire da frigideira e vá empilhando os pães num prato. O fato de ficarem empilhados faz com que o vapor e o calor os mantenha maleáveis quando esfriarem. (Coloque mais óleo na frigideira conforme necessário.)
  7. Use-os imediatamente ou embale-os em filme plástico, usando por até 24 horas. Também pode embalá-los colocando papel-manteiga entre os pães, para que não grudem uns nos outros, e congelá-los. Para descongelá-los, basta retirar do freezer e colocar alguns segundos na frigideira quente.




9 comentários:

CRISTIANE LARA disse...

Bom dia Ana, tudo bem ? Que delícia esse Wrap ! E é uma refeição mesmo ! Não vejo a hora de fazê-lo. Fiquei curiosa para saber o recheio...rs. Será tomate, abobrinha, milho ? rss Bjs e um sábado feliz para todos !

clarice perrone disse...

Querida, Ana.
Sempre leio seus posts , não tanto pelas receitas que adoro, mas pelo seu texto leve, consistente, cheio de graça.
Só não sei como você consegue cuidar dos pequenos, textos, leituras e todo o restante, que não é pouco.
Obrigada por não se deixar engolir pelos afazeres e compartilhar seus dons com a gente.
bjs
clarice

Cynthia Nogueira disse...

E esse recheio suculento?

Carolina Frîncu disse...

Ana!!! Que delícia de wrap!! Acho que é uma das massas mais fáceis que já fiz na vida. Salvou meu jantar hoje. Num momento de ânimo inexperado, apanhei minha farinha e preparei a massa antes de sair com a família e amigos que estão hospedados em casa para almoçarmos. Ao voltar a massa já havia fermentado o suficiente. Foi super fácil e rápido abrir os discos (usei somente o rolo) e a textura é perfeita! Obrigada por compartilhar! Quanto ao filho come-não-come, é isso mesmo, opções à mesa - não pratos diferentes à mesa - sempre ajudam. Esse já era nosso hábito antes das crianças e ajudou a evitar muito estresse. Os filhos que andavam seletivos após viagens, estão atacando tudo. Só o mais velho que é potencialmente vegetariano e tem rejeitado quase toda carne servida. Bom prá ele. Bjo!

Camila disse...

Ana, aqui em casa não somos vegetarianos, mas o consumo de carne é bem pequeno. Adoro comidinhas vegetarianas (uma hora eu consigo virar ovo-lacto de vez, mas o marido já disse que nunca vai ser adepto). Eu já acompanhava seu blog antes, mas agora que tenho os gêmeos de 9 meses, eu fiquei mais curiosa ainda com a alimentação que você oferece para sua pequena. Você usa as mesmas receitas da alimentação diária, de forma adaptada? Os pequenos daqui ainda não ficaram seletivos e abrem a boca para qualquer coisa que eu ofereça, principalmente minha menina, que, pelo visto, tal como a sua, também tem um belo par de bochechas, hahaha. Já meu menino dá sinais de um pouco de "enjoadices", mas ainda come. Um beijão

Ana E.G. Granziera disse...

Cristiane,
no caso era mero tomate e queijo. :)

Camila,
sim, a pequena come o que comemos, a não ser que ela ainda não consiga mastigar algo, como uma folha ou um legume mais duro. Se a textura for muito difícil, faço um purê grosseiro. Senão, deixo ela tentar mastigar do jeito dela. Dá umas engasgadas de vez em quando, mas pra mim isso faz parte do aprendizado. Como ela não tem nenhuma restrição a não ser textura, a vida fica mais fácil e faço uma refeição só para a família toda. E sempre deixo umas porções extras de coisas que ela gostou, para os dias em que o jantar da família é sanduíche. :)

bj

Grazi disse...

olá Ana, amei o post e a dedicação em descrever até o modo de abrir a massa, vc sempre muito geneorosa! Procurei na sua aba sobre substituições e não encontrei, se fosse usar farinha integral, qual a quantidade que vc aconselha? ou que trigo vc usaria para deixá-la integral? será que sarraceno por exemplo se adaptaria bem, ou somente a farinha integral mesmo? muito obrigada. bjos

Viviane disse...

Ana, fiz os wraps e ficaram incríveis! Adorei. Também gostei da ideia das opções a mesa. Por aqui, a hora da comida é uma pequena guerra, mas o guri de 2 anos, sempre come algo.

Anônimo disse...

Adorei os wraps. Já fazem parte do menu cá de casa :)
Inês

Cozinhe isso também!

Related Posts with Thumbnails