quinta-feira, 16 de outubro de 2008

Prá quê complicar quando dá para ser simples?

Costumo tomar um pouco de cuidado antes de anunciar aos quatro ventos sobre minha auto-proclamada "rotulofobia" [nome que dei à minha irritante compulsão por ler rótulos e desprezar comida que esteja muito longe de seu estado natural]. As reações alheias são sempre as mais diversas: do achar interessante e saudável que eu faça meu próprio pão, até uma desavergonhada censura de quem olha para uma louca desvairada escrava de suas obsessões. A verdade é que, muito mais do que stress por estar cercada de comida ruim, sinto prazer em produzir comida boa, e, de coração, não acho que esteja perdendo meu domingo fazendo pão. A nova maluquice, assim que a dieta chegar ao fim, será produzir minha própria manteiga, como já fez Melissa, do sensacional Traveler's Lunchbox.

Enquanto a dieta persiste, no entanto, dou o braço a torcer para um lado de minha naturebice que não estava até então bem desenvolvida. Sou obrigada a admitir que, ainda que sempre houvesse frutas em minha cozinha, elas sempre terminavam como parte integrante de algum doce. In natura, mesmo, quase não as consumia. Produzindo sorvetes, bolos, pudins e afins toda a semana, acabava sempre apanhando mais um biscoito de chocolate ao invés de uma maçã, e lá iam elas para a terra da podridão e abandono, onde apenas uma torta é a salvação.

Sem poder produzir ou consumir os docinhos que tornam a vida mais bonita, restam as frutas, estrategicamente distribuídas ao longo do dia. E, há já 3 meses, me vejo comendo ao menos 4 porções de fruta por dia, e adorando cada pedaço. Tenho comprado apenas frutas locais e da estação, sem cair na tentação da frutinha importada que não está na época e que não terá gosto nenhum. E, após os morangos melíferos e suculentos, saltitei no supermercado quando vi a bandejinha [detesto frutas em bandejas, mas vou fazer o quê?] de pêssegos orgânicos. Se há uma fruta no mundo que você quer que seja orgânica é o pêssego, pobrezinho: campeão, junto com o morango, em pesticidas.

À primeira vista, confesso ter ficado desconfiada. Dias antes, minha mãe me dera alguns pêssegos comuns que ela comprara a mais. Eles eram grandes, perfumados e estavam gostosos. Quando vi os orgânicos, pequenos como ameixas, enclausurados em sua bandeja, de modo a nos impedir de apalpá-los e cheirá-los, achei que se tratava de pura enganação: fruta mal produzida usando o selo de orgânico como desculpa para a má qualidade (como já vi acontecer com muito legume feio e minúsculo). Comprei por desencargo de consciência. E voltei logo para comprar mais.

Os pêssegos pequenos pareciam ter seu sabor muito mais concentrado. Seu perfume foi um verdadeiro bombardeio em minhas narinas quando rasguei o plástico que os cobriam. A maior diferença deles para os comuns que provara antes era a complexidade de seu gosto: eles não eram apenas incrivelmente doces, mas tinham também um toque ácido e muito agradável, que parecia trazer à tona toda a sua "pesseguês", tudo aquilo que você sempre esperou de um pêssego. Isso me remeteu imediatamente aos pêssegos de minha infância. Em comparação, foi como provar baunilha de verdade, tendo passado a vida inteira usando essência artificial.

Num momento assim você entende a maravilhosa simplicidade de uma fruta fresca. Hoje fiquei feliz apenas com dois ou três deles cortados e imersos em iogurte caseiro. Ah, o iogurte caseiro. Nunca gostara de iogurte natural até começar a fazê-lo em casa. É o único iogurte que de fato gosto de comer puro, sem açúcar, mel, nada. Para quê mascarar seu sabor intenso, deliciosamente ácido e suavemente adocicado pela gordura natural do leite?

Nunca pensei que uma tigelinha de pêssegos com iogurte pudesse trazer tanta alegria para o monstro devorador de doces que habita meu estômago. E só tenho a agradecer por isso...

[UPDATE: Atendendo a pedidos, para fazer iogurte em casa, aqueça 1 litro de leite integral de qualidade (escolha alguma marca premium com maior teor de gordura e de boa procedência) até os 43-45ºC. Ou leve o leite à fervura, desligue o fogo e deixe que amorne até que você consiga mergulhar o dedo no leite e mantê-lo ali por 10 segundos, sem se queimar. Um termômetro de doce custa 20 reais e é mais confiável. Coloque 1 colh.(sopa) de iogurte integral em uma tigela de cerâmica ou vidro e bata com um garfo ou foeut até que fique líquido. Se for sua primeira leva, ainda com iogurte comprado, procure um que tenha a menor quantidade possível de ingredientes, sem nenhum espessante. Junte o leite quente aos pouquinhos à tigela, batendo bem com o fouet a cada adição, para dissolver bem o iogurte. De outra forma, você pode terminar com uma mistura coalhada ao invés de um iogurte homogêneo. Quando já tiver misturado tudo, cubra com filme plástico, envolva com uma toalha ou pano de prato e coloque em uma bolsa térmica, para mantê-lo morno. Deixe descansar por 8 horas. Não mais do que isso, pois o iogurte pode ficar azedo demais. Leve à geladeira seu iogurte e consuma-o em não mais que uma semana. Lembre-se de sempre guardar 1 colh. (sopa) para a próxima batelada.]

19 comentários:

Anônimo disse...

Que palavras estimulantes....como muito legumes e verduras, mas frutas.....um dia chego lá! :-)

Abraços
Henri

Mari Azevedo disse...

Ana, admiro demais sua força de vontade... mudar os hábitos alimentares e seguir uma dieta rigorosa há 3 meses assim, é bastante difícil... eu nunca consegui, pois sou uma formiguinha assumida... tenho compulsão mesmo!
Acho o máximo vc fazer seus pães em casa... ficam lindos, e o sabor, acredito q seja maravilhoso! Quando vc puder fazer a manteiga caseira também, será o melhor acompanhamento que seus pães poderiam ter!
Os alimentos orgânicos podem não ser tão bonitos e robustos como os comuns... mas o sabor realmente não tem comparação! Essa foto dos pêssegos no iogurte, está espetacular!!
Bjão!!

luizalavenere disse...

Que linda sua descriçao! Encheu meus olhos d'àgua...

Karin disse...

Nham! Encheu minha boca de água!!!

Ana, vc escreve tão bem que nem precisa de receitas maravilhosa para justificar seus posts!

Obrigada e beijo!

Dricka disse...

Obááá.Ana Elisa de volta com força total.

Dricka disse...

Ana eu sou doida por fruta.Não fico sem um só dia e como várias o dia inteiro.Se acabar as refeições e não tiver uma fruta fica faltando algo, dando aquela sensação de vontade de comer algo que não sei o que é, mas no fundo sei.
bjs
a foto ficou linda!

Anônimo disse...

Ana, quem quase surtou do supermercado fui eu quando vi a tal bandeja de pêsseguinhos orgânicos. Lembrei imediatamente do seu post e tive que comprar!
Nossa... Nunca tinha comido pêssegos orgânicos e aqueles estavam deliciosos!
Bj
Lúcia

Lílian disse...

Uau, já são três meses de dieta? Como passa! E estou há três meses grávida. Acho que perdi bastante peso também, por causa do enjôo forte hehe (não tenho vontade de comer nada)
O post ficou uma delícia de se ler.
: )

Lia disse...

A manteiga artesanal é (aparentemente) fácil de fazer com um processador (vi em outro blog, em que a moça fez manteiga porque estava entediada e tinha um resto de creme de leite fresco em casa)...

Tenho que dizer que seu blog foi uma ótima descoberta :) Gosto de ler blogs de culinária , e é uma boa adição ao rol de blogs, um em português.

Luiz Leão disse...

Virei frequentador do blog. É uma delícia. Literalmente.
Hoje, especificamente, estou aqui para convidá-la a participar do projeto Contos da Cultura, da livraria homônima aqui de Sampa. É a sua cara (sic!).
Entre no site contosdacultura.com.br e avalie. Se ficar animada, mãos à obra. Obra literária, dessa vez.
Só tome cuidado com suas obCessões. Ou essa é nova?
Grande abraço!

Carolina disse...

Ana! Você é um arraso!
Descubri seu blog procurando uma receita de risotto de limão. A sua com mascarpone aguçou tanto meus sentidos que resolvi deixar seu blog na minha lista de favoritos. Voltei a te visitar hoje, e realmente seus textos são muito saborosos. Amo comer, amo cozinhar (mas não significa que seja boa nisso...), e também já fiquei de dieta. Resolvi aderir à comida made in USA, e tomei shakes da Herbalife! Funcionouuuuu! Até hoje nem acredito...
Mas concordo com você: nada como alimentos frescos!
Sou fã de frutas e sua combinação com iogurte caseiro me deixou com água na boca. Você pode me passar a receita?
Muitíssimo obrigada!
abraços,
Carol
cnstabile@uol.com.br

Luiz Leão disse...

Você tem alguma receita bacana para fazer uma boa calda de caramelo? Minhas titias sempre fazem calda de açúcar queimado e, na maior inocência, dão um sorriso e chamam aquela coisa vítrea de Calda de Caramelo. Diante de qualquer comentário meu, vão logo dando o endereço do supermercado mais próximo: compra Kibon!
Sou completamente apaixonado por sorvete de creme crocante com calda de caramelo. Help me!

Anônimo disse...

Ana, sou louca por pêssegos. Por favor me diga em que supermercado os comprou para que eu faça o mesmo.
Beijo,
Daniela Fonseca (dafsp@terra.com.br)

Ana Elisa disse...

Mari,
força de vontade nada! Vergonha de voltar na nutricionista, isso sim! :D
Acho pão caseiro uma delícia, mesmo quando ele não sai 100% como você esperava.

Henri, Luiza e Karin,
Obrigada!

Dricka,
pois é, quando morava com meus pais comia mais frutas, pois minha mãe vivia oferecendo... Prá fazer meu marido comer, só assim também: botando um prato na frente dele.

Lúcia,
que bom que vc gostou deles! :)
Independente do tamanho deles, é bom saber que eles são livres de venenos...

Lílian,
pois é, passou rápido mesmo. Pena que vc está tendo enjôos; espero que eles passem logo!

Lia,
então, e o bom de fazer manteiga em casa, para quem costuma fazer muitas receitas internacionais, é ter, de lambuja, o buttermilk, que é o soro que sobra!

Luiz,
vou dar uma olhada sim. É nisso que dá não revisar texto: já vou corrigir o obCessão. De vez em quando escapa... ninguém é perfeito... ;) Me manda um email que eu te envio a receita da calda.

Daniela,
foi no Sta. Luzia, mas acho que qualquer outro com uma seleção de orgânicos deve ter tbm.

Beijos!

Anonyma disse...

Há muito tempo que sempre que posso compro orgânico (aqui chamamos de biológico) e sem dúvida que o sabor é muito melhor.

Mas morangos e tomates só os da minha horta, realmente são os campeões em pesticidas!

Como sempre adorei o texto e também gostava de ter essa força de vontade para fazer uma dieta de, pelo menos, 3 meses. Ao fim de uma semana, já estava farta!

Julie disse...

Ana, vou testar a receita do iogurte! Agora uma pergunta, vc conhece yogoberry? Na verdade, é uma rede froze yogurt, aqui no Rio, e eu amo! Queria muito fazer em casa... A textura é maravilhosa e é a comida mais gelada que eu já comi... os sorvetes parecem quentes perto dele! Voce tem alguma receita? Já fez? beijos

Ana Elisa disse...

Julie,
já ouvi falar na marca. Já fiz frozen yogurt, e a receita está por aí no blog, provavelmente em "sorvetes". Dá uma fuçada...
Bjos.

Lia disse...

Essa reportagem da Food & Wine mostra como fazer sorvetes, frozen yogurts e sorbets de acordo com a receita da Jeni Britton, cuja sorveteria é considerada uma das melhores dos EUA:

http://www.foodandwine.com/articles/how-to-make-ice-cream-like-an-artisan

Vitor Hugo disse...

Ana, fiz manteiga em casa for esses dias (irei postar ainda). Por enquanto, fiquei na mais simples: só usei creme de leite fresco (40%). :D

Também quero fazer iogurte em casa, mas só para eu tomar é muita coisa. :S Vai que tomo gosto de comer todo dia…

Ah, a Chris da Casa da Chris deu uma dica pro iogurte: fazer dentro de uma garrafa térmica para manter a temperatura! Gostei da dica, quando resolver fazer vou testar. :)

Cozinhe isso também!

Related Posts with Thumbnails