segunda-feira, 24 de março de 2008

Um pouco de paz, sossego e comida em boa companhia na Páscoa






Confesso ter me exaltado no último post. Às vezes falho em controlar meus impulsos de atear fogo no circo. Quem me conhece sabe que não hesito em iniciar uma discussão, principalmente quando encontro pelo caminho alguém que não apenas tenha boa disposição para argumentar, mas também — e mais importante — tenha inteligência para não levar para o lado pessoal e, depois de ninguém ter convencido ninguém de coisa nenhuma, após horas de discussão acalorada, que consiga sorrir e combinar a próxima cerveja. Adoro quando encontro gente assim. Houve mesmo uma vez que fiquei num bar discutindo política com uma amiga de um amigo que tinha uma visão diametralmente oposta à minha, e mesmo depois de alguns pontos delicados muito bem esmiuçados, terminamos a noite com um "Ótima conversa! Quando vai ser a próxima?".

No entanto, família não funciona assim. Não sei por quê; em algum momento os cientistas vão descobrir porque parecemos absolutamente incapazes de manter uma conversação de base lógica com pessoas com quem compartilhamos o mesmo sangue. Por isso mesmo, pendurei as armas atrás da porta e me preparei para uma tarde inteira de paz. Ainda que muito do meu autocontrole tenha sido fruto do cansaço, confesso, pois autocontrole não é, normalmente, uma de minhas virtudes.

Esse almoço de Páscoa foi especial, pois pela primeira vez conseguimos unir os dois lados da família. Claro que só foi uma possibilidade porque havia pouca gente. Nosso pequeno "apertamento" não comporta uma grande festa de família com todos os avós, tios e apêndices de cada lado. Convidamos então os pais dele, minha mãe e minha irmã, pois a cunhada voltou para a Itália e meu pai continua em Fortaleza. Éramos seis [não resisti...]. Recusamos qualquer ajuda, e minha mãe ficou logo preocupada, pedindo para que não fosse louca como minha avó, que começava a preparar o almoço de domingo na sexta-feira, ao que eu respondi: "E não é essa a graça??"

No sábado de manhã comecei a maratona. Primeiro de tudo, o prato mais arriscado: uma torta siciliana de Páscoa, do livro Sabores da Sicília, do SENAC. Recomendo o livro: receitas deliciosas. Foi arriscado porque havia muita coisa que poderia dar errada, e era o único prato que eu jamais fizera. Eram quatro bolinhas minúsculas de massa que deveriam ser abertas em círculos finos como papel, translúcidos, e intercalados com azeite, duas camadas embaixo, duas em cima, recheio no meio. Este, de ricotta fresca, espinafre e queijo pecorino, deveria comportar em buracos muito bem estruturados quatro ovos inteiros, assim crus, para cozinharem como pequenos ovos pochés dentro do recheio verde enquanto a torta assava. Ainda bem, apesar do ligeiro stress para abrir a massa do tamanho certo sem rasgá-la, tudo deu certo e a torta ficou excelente. Não fosse o fato de a camada de cima ter-se descolado, inflado e entortado, a torta teria ficado perfeita.

Depois da torta, a massa. A receita é ipsis literis do livro Jamie´s Italy, de orecchiete al forno. Eu já preparara a receita usando conchiglie (na falta de orecchiete) e tomates frescos. Desta vez, encontrei um pacote de orecchiete de semolina da marca Granarolo, a mesma da farinha italiana que costumo comprar, e tomates em lata Raiola, meus favoritos. Intercala-se camadas de massa com molho, punhados generosos de parmesão ralado na hora e mozzarella de búfala em pedaços, e leva-se tudo ao forno. Ao contrário da torta, entretanto, deixei o prato apenas pré-montado. Para evitar que o macarrão continuasse cozinhando em seu próprio calor e ficasse empapado e sem textura (scotto, come dicono gli italiani), deixei que o molho esfriasse completamente antes de utilizá-lo, e cozinhei a massa por 1 minuto menos que o indicado no pacote, escorrendo-o e passando-o pela água fria, até que não restasse mais qualquer calor emanando dele. Montei o prato na minha panelona vermelha, que comportou confortavelmente os 500g de orecchiette, e foi, no dia seguinte, do forno para a mesa combinando bonitinho com minha toalha-cliché de trattoria.

Afe. Feito isso, hora do sorvete de creme. Depois de preparar a mistura e deixá-la na geladeira, saí para almoçar na Osteria del Petirosso, um lugar que adorei, apesar de ser meio salgado, e que me deu muita dó, por estar vazio, vazio. Melhor tiramisù de São Paulo, e único tortelli di zucca que comi fora da Itália em que se podia sentir o tempero sutil mas marcante da Mostarda di Cremona. No fim de tudo, depois do cafézinho, foi-nos servido um licor de amêndoas por conta da casa; uma delicadeza por parte dos donos que é difícil de se encontrar nos restaurantes por aqui, mesmo os mais caros.

Voltando do almoço, retorno à maratona. Asso os pimentões sob o grill, retiro-lhes a pele, fatio, refogo na cebola, com uma colherinha do molho de tomates reservado da massa. Vinagre. Sal. Pimenta. Pepperonata pronta.

Enquanto isso, cozinho as ervilhas com menta seca, escorro-as, tempero-as e misturo-as a azeite extra-virgem. Cubro-as e deixo marinando na geladeira.

Hora do único toque de chocolate do almoço: um bolo cremoso muito fácil que eu já fizera diversas vezes na casa de minha mãe, mas nunca aqui. Derrete chocolate com manteiga, mistura gemas, açúcar, sal e baunilha. Bate as claras em neve com o resto do açúcar, incorpora as claras na meleca de chocolate, coloca na forma forrada e untada e leva ao forno MÉDIO por 40 minutos. Até onde eu sei, forno médio é 180ºC. Pelo menos é o que diz na Dona Benta e em um monte de outros livros clássicos e imprecisos. Olho o meu termômetro e ele está marcando 180ºC exatamente, nem um milímetro para lá ou para cá. Lembro-me de que na casa de minha mãe o bolo sempre dava certinho, então coloco o timer para 40 minutos e vou descansar a coluna deitando no sofá um pouco, pois depois de 8 horas de pé, picando, cortando e misturando, eu mereço. Trinta minutos depois, aquele cheiro. É, aquele que eu detesto: queimado.

Corro para a cozinha, testo com o palito e, apesar de continuar a 180ºC, o bolo ficou pronto antes da hora. Tinha as beiradinhas das placas quebradas por cima chamuscadas e, ao desenformá-lo, via-se claramente o fundo enegrecido.

Insira imprecações aqui.

"Vai assim mesmo", pensei. Já estava cansada, e como o objetivo era comer o bolo com sorvete, mandei um "dane-se, todo mundo vai comer bolo queimado". Eu que não ia jogar tudo fora e começar de novo. Então me lembrei de que o forno de minha mãe é também desregulado como o meu, e a razão pela qual o bolo demorava 40 minut0s para ficar pronto era que a temperatura era 30ºC mais baixa.

Hunf.

No dia seguinte, todos chegaram ao mesmo tempo, exatamente na hora marcada, o que é sempre uma bênção para qualquer anfitrião: isso quer dizer que todos terão o mesmo tempo para se entupir de aperitivos, e que não é preciso esperar mais tempo para servir o almoço. Quando eles entraram, já estavam distribuídos pela "imensa" sala potinhos com castanhas de caju, azeitonas Kalamata (menos amargas que as comuns Azapa, e por isso ótimas para serem comidas puras), queijo Feta marinado em azeite e orégano (como me ensinou uma amiga grega de minha irmã), pepperonata e uma pasta de grão-de-bico que acabei aprontando no pilão cerca de 5 minutos antes de os convidados entrarem pela porta, com medo de que não houvesse comida suficiente. Para acompanhar a pasta e a pepperonata, fatias de pão ciabatta.

Reaqueci a torta, aqueci e gratinei a massa, e servi ambos acompanhados das ervilhas com menta e da salada Cole Slaw, feita no dia, com repolho branco, cenouras e cebolas roxas, maionese e mostarda de Dijon.

Tudo correu muito mais suavemente do que eu esperava. Todos os pratos deram certo e agradaram, até mesmo o pobre bolo queimado que, no fim, por milagre talvez, não pegara gosto de queimado. O único erro foi ter calculado mal a quantidade de bebidas, razão pela qual Allex teve de sair de fininho para comprar mais.

Quem mais gostou da festança foi o cachorro, que não sabia no colo de quem pular. O fato de ter feito muito mais comida do que seis pessoas poderiam comer (e repetir e repetir de novo), prova de uma vez por todas que carrego em mim os genes da fartura de minha avó Lydia. Espero tê-la deixado orgulhosa, onde quer que a véia tenha reencarnado.

10 comentários:

Andreia T. Farias Britez disse...

Ai ai, Ana!! Quando eu crescer quero ser igual a vc!! RSrs!! Delícia de depoimento, como sempre, mas faltaram as receitas!!! Posta aí pra gente!!

Flávia J. F. Solís disse...

Olá! Fiz um comentário que soou meio ríspido sobre Sexta-Feira Santa. No fim, acho que estamos de acordo quanto a se preservar o significado de certas datas, e o pq dela ser celebrada de determinada maneira. Quanto ao catolicisco, desculpe a incontinência verbal! Acho que é trauma por já ter ouvido coisas demais de muita gente que falava coisas sem saber. Eu me coloquei meio mal, mas gosto do seu blog justamente por ele misturar família, receita, histórias e queixas, hehe.
Até mais!

Flávio Farias disse...

Oi Elisa,

Vc está de parabéns pelo seu blog, acompanho ele já e foi o maior incentivo para que eu tirasse meu projeto de Blog da gaveta... Qd puder passa lá e me diz oq achou..

http://bemtemperado.wordpress.com/

Abraços.

Gourmandise disse...

Teu dog é lindo! o meu não pára quieto para tirar foto...
bjo,
Nina.

lindalacava disse...

Adoro como vc escreve, sem a arrogancia que vem acompanhando alguns pretensos candidatos a "chefs". Deu certo, otimo, comemora-se, a receita deu errada? Vc coloca a foto, conta que nao deu certo, enfim, se mostra, sem querer parecer o mago das panelas, onde tudo acontece perfeitamente. Bjs

Ana Elisa disse...

Andreia,
Meu pepino é que a torta, a massa, a pasta de grão-de-bico, a pepperonata... foram todos feitos exatamente como no livro. Então não gosto de colocar a receita (pelo menos ando tentando não colocar). Como o bolo era um recorte de revista véia que nem sei mais qual era, vou ver se coloco aqui a receita depois.

Flávia,
relaxa, porque, a não ser que você xingue alguém da minha família (e ainda assim depende de quem), eu não me ofendo fácil não. Isso é um espaço aberto. Assim como eu escrevo as barbaridades que me vierem à mente, todo mundo têm direito a discordar e se fazer ouvir.

Flávio,
Muito obrigada! Podexá que passo sim por lá!

Nina,
note bem que há uma mão enorme agarrando o pescoço do bicho para ele ficar quieto. Ele pode estar dormindo; se me ouvir pegando a máquina, adeus foto adorável. Precisa de fato vir bem de fininho e pegar o cão de surpresa! hehehe... Vale a pena também ensinar o comando "Fique!" para ele... ;)

"Lindalacava" (Seu nome é Linda? Nunca dá para saber pelos apelidos...),
Muito obrigada! De fato, tento ser honesta. Comecei o blog quando nem sabia que existiam outros blogs de culinária — era crente que o meu era o primeiro! — com o intuito de mostrar a meus amigos que cozinha não era um bicho de 7 cabeças. E enquanto eles acreditavam que eu era a perfeição na cozinha, eles não se animavam a tentar, com medo de errarem e se decepcionarem. Fico contente que você goste de ler também sobre os desastres! São taaantos...

Bjos!

lindalacava disse...

Meu nome, por incrivel que pareça (coisa de mae), é Linda sim! O sobrenome italino La Cava do marido, o meu como é alemao é impronunciavel rs!Mandei um email pra vc, mas acho que nao foi, o meu é lindalacava@hotmail.com.Acho legal essa interaçao, ja fiz algumas amizades e tenho ate trocado presentes culinarios.Mto legal! bjs

Vitor Hugo disse...

"Espero tê-la deixado orgulhosa, onde quer que a véia tenha reencarnado." -- Morri de rir da frase, com todo respeito! heheheh

Mesmo tendo essa cara de 100% Made in Japan, 25% de meus genes tbm são italianos! hahahah O que leva as vezes ter reações mais emocionais do que lógicas (como seria esperado), o que não vem ao caso. Mas sim a parte da fartura! =D Putz, também gosto de uma discussão construtiva, mas sempre acabo fazendo o papel do 'advogado do diabo', do contra mesmo, uheuehue.

Em casa de orientais (pelo menos todos que conheci da colônia) pode faltar tudoo, menos comida! Sempre sobra, mas faltar? Jamais!! heheheh

rodrigo disse...

Oi Ana

Ha varias coisas que podem dar errado c/ o forno. Se vc usa um forno a gas em vez de eletrico c/ termostato, a temperatura ambiente de fora do forno afeta a temperatura interna do forno, ja que o fluxo de gas eh constante. Ha "vazamentos" de calor em certos fornos, de maneira assimetrica, que pode levar aos "hot spots", por isso alguns gostam de girar carnes ou bolos de tempos em tempos.

Quando fui ao Brasil no verao entendi a dificuldade de cozinhar- a temperatura da cozinha eh de matar. Quem vai conseguir relaxar na cozinha com tanto calor? A variacao de temperatura dentro de uma cozinha pode facilmente chegar a 25 graus celsius.

Cozinhar algo em forno a gas no verao e no inverno dara resultados diferentes. Se vc cozinha seus bolos em temperatura alta p/ obter uma crosta mais crocante, eh quase como saltear na panela: uma olhada para o lado e algo pode comecar a queimar.

Enfim, eu costumo checar a temperatura interna dos meus bolos e cheesecakes. Costumo tirar o cheesecake em 150 graus Fahrenheit, e deixo a diferenca de temperatura de fora p/ dentro do cake cozinhar o resto por 1 hora. Os ovos tomam presa a 160.

Dependendo do resultado que deseja e do teor de gordura da receita (mais mole ou mais duro), bolos terao uma temperatura final de 150 ate 190. Eh mais logico, ja que vc nao desperdica energia pre-aquecendo o forno, por exemplo, e evita os problemas mencionados anteriormente. Apos duas medidas com o termometro vc consegue extrapolar fazendo uma regressao linear aproximadamente quando o bolo ficara pronto.

r.

Fernanda disse...

oi ana!..

conheci seu blog hj por indicação de um outro blog que acompanho e estou encantada com a sua arte!..

vc tem todo um estilo para falar da comida que prepara que é de se admirar!..

parabéns!..

Cozinhe isso também!

Related Posts with Thumbnails