quarta-feira, 13 de junho de 2007

Eu adoro feira!


Ufa! É sempre ótimo dizer que não tive tempo de escrever no blog, pois isso quer dizer que andei trabalhando um bocado, o que para um freelancer é o paraíso! Mas cá estou de volta. Desta vez tentando convencê-los a afastarem-se das estéreis geladeiras de seus supermercados e darem uma voltinha na feira semanal mais próxima de sua casa. Não, não adianta tentarem me enganar com a conversa da falta de tempo: existem feiras de domingo. A da Alameda Lorena, nos jardins, é minúscula, de um quarteirão só, mas excelente (ótimo pastel, por sinal).

Na última quarta, voltando da feira — praticamente arrastando meu sacolão vermelho até em casa — brinquei, dizendo que sou em uma feira livre como a maioria das mulheres é em uma liquidação de sapatos. Meus olhos não param quietos, tentando identificar nas barracas que parecem todas iguais, os melhores produtos da estação. Sou invasiva, quero encostar em tudo, apertar tudo, escolher cada tomate, cheirar as frutas, experimentar. Fico constantemente inebriada pela variedade de tons de verde no imenso paredão de hortaliças de minha banca favorita. Existe coisa mais linda que o rubi intenso de uma beterraba? E suas folhas, que mantém no talo o cor de vinho forte e esmaecem até um verde-bandeira lustroso. "É uma pena que eles vão para o lixo", você deve ter pensado. Ledo engano. Se você tem livros de culinária metidos a besta, deve já ter visto menção a uma folhagem deliciosa chamada "swiss chard". Tchanans: folhas de beterraba. Você as come como comeria espinafre, refogadas com alho e azeite, talos e tudo o mais, ou rapidamente cozidas (1 minuto apenas) em água fervente com sal, deixando os talos o dobro do tempo.

Outro dia fiquei em choque ao ouvir uma colega comentar que nunca vira folhagem de cenouras na vida a não ser em desenhos do Pernalonga. Bem, você pode comprar ramos maravilhosos de cenouras (com as folhas, que dão ótimos bolinhos) na feira. Assim como funcho (erva-doce), com lindos ramos de folhinhas verde-água minúsculas, com um delicioso perfume de anis. Estas folhinhas ficam ótimas em saladas, massas ou finalizando qualquer prato em que o funcho seja utilizado cozido, para evocar novamente o elemento fresco do bulbo.

Mas, e se eu não quiser comer esse monte de folha, você me pergunta, qual a vantagem? As folhagens de raízes e bulbos consomem a energia dos mesmos. Se não forem cortadas, as cenouras, por exemplo, murcharão. Mas sem os bulbos e raízes, são as folhas, por sua vez, que enfraquecem e morrem em pouco tempo. De modo que, ao comprar uma cenoura com a folhagem, você tem a garantia de estar comendo algo que foi colhido no dia anterior! Não poderia ser mais fresco do que isso! Isso também implica em uma durabilidade muito maior em sua geladeira do que a cenoura comprada no supermercado em bandejas de isopor. Sem contar toda a pataquada ecológica que eu adoro: usar as folhas das suas raízes e bulbos quer dizer maior aproveitamento do alimento e menor geração de lixo. Além do fato de que você estará levando dois vegetais pelo preço de um!!!

Vá à feira! As frutas fora da geladeira têm mais cheiro: você consegue diferenciar mais facilmente o que está bom do que não está. Pergunte ao feirante o que está na época, o que está bom, como preparar. Ele vai reponder com gosto. E se vier uma lagarta no meio da sua couve-flor, ou uma aranhinha no meio das suas uvas, comemore: o produto que você comprou tinha menos agrotóxicos (ou nenhum). Lembre-se de comprar vegetais menores: alho-poró mais fino, cenouras de no máximo 15 cm, funchos redondos e compactos; eles têm mais sabor do que seus irmãos super-crescidos. É importante também, assim que chegar em casa, separar as folhagens de suas respectivas raízes ou bulbos, e guardá-las em saquinhos. Use as folhas antes, pois o que fica embaixo da terra costuma durar mais.

Como queria adornar esse post com uma foto bonita de feira mas não tenho nenhuma local, vai aqui uma feira linda em Bolzano, na Itália. Aliás, culinária italiana é a melhor fonte de receitas de baixo orçamento para aproveitar cada pedacinho negligenciado de absolutamente qualquer vegetal.

2 comentários:

Serena disse...

Eu também adoro feira. Só compro frutas, verduras e legumes na feira. No supermercado os alimentos parecem de plástico em comparação, e nem têm o mesmo sabor. Excelente post. Gosto muito do seu blog.

Cucchiaio Pieno - Receitas de uma cozinheira amadora disse...

Faz um mes que descobri seu blog e hoje fiquei feliz da vida quando vi essa postagem falando de feira, pois foi, também, um dos primeiros assuntos que escrevi (embora so' estou iniciando). E na ultima quinta-feira (um dia depois da feira que faço minhas compras), quando abri a porta da geladeira deparei-me com tres lesmas passeando (uma ja' estava morta), foi um "Deus nos acuda", fiquei histéria e meu marido teve que sair do trabalho para recolhe-las e coloca'-las no jardim do meu condominio. Rimos muito da situaçao depois. E nao havia pensando que, como vc escreveu, que os alfaces na verdade estavam livres de agrotoxicos! Da proxima vez irei esterila'-la e nao jogar fora como fiz. Um grande abraço. Voce é incrivel!

Cozinhe isso também!

Related Posts with Thumbnails