sexta-feira, 16 de novembro de 2018

O que eu como em um dia (quer dizer, uma semana, mais ou menos...), muitos reaproveitamentos, um bolo simples e um sorvete de baunilha

As frutas sao da Laura, eu nao sou tao saudavel assim.

CAFÉ-DA-MANHÃ

O dia amanhece tarde. O sol não dá as caras antes das sete da manhã. Ainda são seis e alguma coisa, uma preguiça-monstro impera, e não fosse o fato do marido acordar dez para seis para correr ou meditar, acho que jamais acordaria. Está frio lá fora, chove, e não me animo para a rotina-loucura matinal com as crianças. Mas o cão vem batendo o rabo entre a parede e a cama, panc, panc, panc, panc, feliz e contente pedir por comida e carinho, e seu bafo quente e suas lambidas em meu nariz escapando para fora das cobertas me convencem.

Levanto.

Há mais de meia hora as crianças já estão de pé, brincando no quarto ou desenhando na sala. Já saio do quarto vestida de roupa de corrida e de cama feita, para não me animar a voltar ao travesseiro. O ruído da cafeteira moendo grãos de café e ligando a caldeira é confortável. Acendo as luzes da sala e da cozinha conforme caminho pelo pequenino apartamento. Ainda é noite fechada lá fora.

Thomas dá comida ao cão e pergunta o que há de café. Tem pão, tem cereal, tem waffles de ontem. Quer uma torrada? Laura apanha as frutas do prato azul da bancada, uma faca pequena e começa a preparar seu prato. Ela sempre come frutas no café da manhã. Um bocado delas. Naquela manhã, kiwi e romã. Faço torradas para o resto da família, douradas com manteiga na frigideira. Thomas come várias com mel ou geleia, Allex come duas. Uma torrada basta para mim, pois nunca tenho fome assim que acordo. Uma torrada solitária, com uma passadela extra de manteiga e uma pitada de sal para acompanhar meu cappuccino de todo dia. Nessa semana, no entanto, minha torrada vem sempre com esse estranho queijo-que-não-é-queijo que minha cunhada trouxe da Noruega. Pense um doce de leite. Mas sem açúcar nenhum. Estranhíssimo e delicioso.

Como assim, de pé, sobre a tábua de corte onde já saio preparando o almoço das crianças. Allex sempre leva restô-dontém, mas as crianças raramente têm tempo para uma refeição decente, o que sempre me entristece. Mas bola para frente. Ando sempre buscando alternativas para enfiar mais legumes nos lanches.

Naquele dia, resolvo fazer um rolinho de ovo com legumes, uma espécie de omelete de forno para usar as nove claras que eu tinha no freezer, e que eu não queria transformar DE NOVO em Angel Food Cake. Ossos do ofício de quem faz sorvete em casa - arrumar novos modos de usar as claras que sobram. Encontrei essa receita internet afora, preparara na noite anterior e deixara já pronta na geladeira para a manhã seguibte  Os adultos adoraram. As crianças, no entanto, não se animaram. Thomas achou que tinha queijo demais e ficou muito salgado, mas a verdade é que usei a quantidade de sal pedida na receita, sem me dar conta de que o sal que compro é bastante salgado (tem disso, sal que é mais salgado, sal que é menos salgado). Ovos salgados mais queijo cheddar, realmente ficou meio além da conta. Então, se for fazer a receita, lembre-se de salgar a gosto e com cuidado. Já Laura não gostou foi da textura, e é sempre disso que ela reclama quando dou algo essencialmente macio para ela comer: frittata, gnocchi, Spaetzle, omelete, e até crepioca são sempre sumariamente reprovados por ela por conta da textura.




Olha que fofura! Dá pra acreditar que eles não gostaram? Eu adorei, mesmo muito salgado.

Enquanto todos terminam de se arrumar e colocar nas lancheiras seus almoços, coloco roupas para lavar, louças na lava-louças, passo um pano na mesa e na bancada da cozinha (quando uma das crianças não se anima a fazer essa limpeza), alimento meu fermento, e verifico minha lista de coisas a fazer do dia.

Allex já saiu correndo para o trabalho que fica longe.

Quando todos estão prontos, saímos para a escola. Eles de casacos de inverno, eu tilintando de frio num agasalho leve de corrida, puxando o cão comigo e pedindo para que os dois acelerem o passo para mamãe não congelar até chegar na escola. É o primeiro dia de sensação térmica negativa do Outono. Chove leve.

Beijinhos, recomendações, abraços, jogo a criançada para dentro da escola e imediatamente começo a correr, puxando o cachorro para o parque, buscando me esquentar com a movimentação.

LANCHE DA MANHÃ

Quando chego em casa, depois de alguns quilômetros corridos (as vezes três, às vezes sete, às vezes nenhum, depende do que tenho para fazer no dia e da colaboração do cão), a fome bate. São nove e quarenta e cinco. Dez da manhã quando a corrida foi longa. Tomo um banho rápido, dou mais comida e água ao cão e preparo o que considero meu segundo café da manhã, desta vez apreciado em silêncio, com calma, sentada à mesa. Simples e, assim como a torrada com manteiga, todo dia tudo igual: meia xícara de iogurte natural, a fruta que houver, uma colher de manteiga de amendoim (sem açúcar, apenas amendoim, e quando tenho na geladeira, substituo por nozes picadas) e um fio de mel. Acompanha uma xícara de chá, que, assim como meu café, tomo sem açúcar -  acho que açúcar estraga o gosto das bebidas.

Ok, sou saudável sim. Mas minhas frutas vem sempre aqui, com iogurte.
A partir daí, o dia começa. Pintar, desenhar, escrever, resolver pepinos, responder emails, terminar um trabalho, prospectar clientes, costurar joelho de TODAS as calças das crianças e passar aspirador na casa (coisa que leva cinco minutos - vantagem do apartamento pequeno) para recolher toda a areia que se solta dos pelos do cachorro quando a lama do parque seca. 

ALMOÇO

Às dez para meio dia já tenho fome e começo a preparar minha torrada, que gosto de chamar carinhosamente de Tartine, pois isso me faz sentir mais inclinada a caprichar na preparação. 

Uma de minhas favoritas: abacate e grapefruit, azeite, sal e pimenta-do-reino. O pãozinho da vez é aquele integral de aveia do post passado.
Quase toda semana compro ingredientes específicos para meus almoços, pois sei com quê meu apetite se anima nesse horário e o que me satisfaz sem precisar de grandes malabarismos culinários. Abacate é um item praticamente obrigatório na minha cozinha. Pepinos apareceram durante todo o verão, mas agora que esfriou estão custando um rim. Tahini é uma pastinha que passo no meu pão com frequência, e sempre tenho potinhos de hommus que preparo de batelada e congelo para quando precisar. Agora no frio, o grapefruit é minha primeira escolha para acompanhar o abacate.
Nesta semana, no entanto, havia apenas um avocadozinho na geladeira e, por algum motivo, acabei não comprando mais. Às vezes me divirto NÃO indo às compras e me desafiando a criar refeições com tudo o que sobrou na geladeira, no freezer e na despensa. Doida de pedra.
Num dia, havia sobrado do jantar anterior uma Salada Siciliana de Erva-doce e Laranja (na qual usara azeitonas ao invés das nozes, para o marido e a filha não reclamarem). Pensei naquela erva-doce que passara a noite marinando em suco de laranja e limão, e pesquisei na internet: o que fazer com picles de erva-doce. Acabei caindo Neste Site que sugeria, veja só, uma torrada, e adaptei como bem entendi. Havia sour cream na geladeira (que aqui é grosso como um iogurte grego), que misturei a salsinha picada, sal e pimenta-do-reino e passei a colheradas generosas na minha torrada grelhada em azeite. Cobri com dois filezinhos de anchova cada, e então a salada de erva-doce. Corrigi a acidez da salada com mais um pouco de suco de limão, polvilhei com as folhas da erva-doce e o que restara da salsinha, um fio de azeite e NHAC!
Inventando com os restos: sour cream, anchovas e um "picles" falso de erva-doce.
Num almoço, eu apanhara um tantinho de maionese que sobrara da batelada do sábado anterior e misturei a ovos cozidos, cenoura ralada, salsão picadinho, cebolinha e salsinha, um nada de mostarda, sal e pimenta, e recheei sanduíches de pão integral de aveia para o almoço das crianças. O que restou no potinho, virou meu almoço também. Boa e velha salada de ovo.



No dia seguinte, eu tinha uma baguette grelhada no azeite, hommus de edamame (que eu preparara num dia em que me deu um siricotico e eu não tinha grão-de-bico), cenoura ralada, queijo feta, cebolinhas, sal, pimenta-do-reino e azeite como almoço. Uma versão aberta do wrapp de tortilla que eu mandara de lanche para as crianças. (Que Thomas amou e Laura odiou, porque ela detesta edamame.)  E chá. Quando não bebo água durante o almoço, bebo chá. A água, aliás, na minha garrafa azul, está sempre comigo.

Hommus de edamame, cenoura ralada, queijo feta e cebolinhas picadas.

Purê de abóboras com lentilhas, queijo feta, salsinha, cebolinha, limão e azeite.
 Mais um dia, mais um aproveitamento de restô-dontém. As abóboras com lentilha do jantar foram amassadas com um garfo até quase virarem purê, e ligeiramente aquecidas. Cobriram a baguete douradinha, e ganharam mais feta, ervas, limão e azeite. Esse almoço acabou me deixando mais satisfeita do que eu pretendia, e pensei que era melhor ter preparado uma torrada só. Detesto sensação de barriga cheia depois do almoço, pois fico letárgica e pouco produtiva. Mas estava uma delícia, de qualquer forma.
Por último, repeti para mim o almoço que mandara para as crianças: wrapp de tortilla com hommus, cenoura ralada, as beterrabas assadas que haviam sobrado de outro dia, salsinha, cebolinha, queijo feta, umas gotinhas de limão, azeite, sal e pimenta-do-reino, tudo enroladinho e pronto pra comer. Adivinha! Adivinha! Thomas adorou. Laura detestou. Por quê, Laura? Por quê? Por causa da textura do queijo, mamãe. >_<
Wrapp de tortilla de trigo com hommus, beterrabas assadas, cenoura ralada, queijo feta, salsinha, cebolinha, limão e azeite.

De barriga cheia, levo o cão para um passeio, aproveito para ir a mercado ou biblioteca ou onde precisar ir com o bichinho junto, e volto para trabalhar mais um pouco e adiantar, de repente, algum processo do jantar. (Aliás, peraí, que enquanto escrevo isso, deixei minha cevadinha cozinhando, e acho que ela começou a queimar. Nãaaaaaao!)

SNACK

São quase três horas e preciso buscar as crianças. Em dias chuvosos como hoje, sei que voltaremos para casa assim que eles saírem da aula, e então apenas tomo mais uma xícara de chá e saio. (Quando está muito frio, o chá vai comigo numa caneca térmica.) Em dias sem chuva, em que sei que eles quererão brincar meia hora ou mais e que demoraremos para voltar para casa e fazer o jantar, belisco algo com minha xícara de chá. Uma banana, uma metade de maçã que ficou na geladeira são habituais opções. Às vezes cato um talo de salsão ou uma cenoura que sobrou de algum lanche deles de outro dia e dou uma passadela rápida no pote de hommus. O normal, no entanto, é só o chá mesmo, pois não tenho fome nesse horário.

Naquela manhã mais tranquila, eu preparara rapidamente um bolo simples para que as crianças levassem de lanche durante a semana. E o motivo para ter usado as claras nos rolinhos de ovo ao invés de um bolo, foi que eu tinha intenção de usar a calda das peras cozidas do post anterior para molhar o bolo. Reduzi a calda um pouco e reguei todo o bolo pronto com ela.

E como houvesse bolo pronto ali pedindo para ser experimentado, naquela tarde meu snack foi uma fatia de bolo ainda morna.

Pound cake de azeite de oliva, regado com a calda das peras cozidas.
Como eu queria uma base bem neutra para a calda de pera, usei óleo de semente de uva, que é bem suave, no lugar do azeite. Você pode também usar um óleo vegetal neutro, se quiser.

POUND CAKE DE AZEITE DE OLIVA
(Do livro Sinfully Easy Delicious Deserts, da Alice Medrich)
Rendimento: 2 bolos ingleses ou 1 bolo de furo no meio (forma de 10-12 xic. de capacidade)

Ingredientes:
  • 3 xic. farinha de trigo
  • 2 colh (chá) fermento químico em pó
  • 2 xic. açúcar
  • 1/4 colh. (chá) sal
  • 1 xic. azeite de oliva
  • 1 colh. (chá) extrato de baunilha
  • 5 ovos ainda gelados da geladeira
  • 1 xic. de leite integral

Preparo:
  1. Posicione a grade do forno na parte inferior e pré-aqueça o forno a 180oC. Unte e enfarinhe a(s) forma(s) ou forre o interior com papel-manteiga, se estiver usando as formas de bolo inglês.
  2. Numa tigela, misture a farinha e o fermento. Reserve.
  3. Na tigela da batedeira, bata o açúcar, sal, óleo e baunilha até que esteja tudo bem misturado. 
  4. Junte os ovos, um a um, batendo bem a cada adição, e então continue batendo até que fique aumente o volume e fique pálido, entre 3 a 5 minutos. 
  5. Junte 1/3 da farinha, e bata em velocidade baixa apenas até que se misture. Junte metade do leite, misturando, então prossiga alternando a farinha e o leite até que tudo esteja incorporado. 
  6. Transfira a massa para a(s) forma(s). Asse por 1 hora ou 1 hora e 10 minutos, até que um palito inserido no meio saia limpo.
  7. Esfrie na forma, sobre uma grade, por 15 minutos. Desenforme e deixe que esfrie completamente antes de servir. Os bolos, frios e embalados, podem ser congelados por até 3 meses. 
  8. (Esse bolo é bem compacto, e por isso se presta bem a ser furadinho e banhado em caldas e xaropes ainda na forma. Banhe ainda quente do forno e deixe que esfrie completamente e absorva toda a calda antes de desenformar. Ele também é um ótimo bolo base para toda sorte de variações, com raspas de cítricos, por exemplo.)



JANTAR

Quando voltamos para casa, a criançada desempacota almoço e mochila. O que sobrou é consumido como lanche da tarde enquanto Thomas faz lição. Ele senta no sofá e lê seu livro em voz alta (todo dia a professora manda um livro diferente), e eu preparo o jantar enquanto Laura vai para o banho ou senta para incomodar ouvir a história lida pelo irmão.

Eu ando pegando livros de cozinha na biblioteca, mas não sei muito bem por quê. Fico animada ao ter o livro nas mãos, mas no fim, ao folheá-los, tenho sempre essa sensação estranha de o autor estar tentando com força demais reinventar a roda. Tive essa impressão principalmente com o livro novo do Ottolenghi, o Simple. Folheei, folheei, mas só de pensar em começar de novo a colecionar temperos que eu não uso todos os dias, bateu uma preguiça gigante. A bem da verdade, depois de tanto tempo experimentando e cozinhando de diferentes fontes, acabo gravitando em torno da cozinha italiana e francesa (com breves incursões em modinhas naturebas), onde ingredientes têm os gostos deles mesmos. Não é a toa que a sopa favorita dos meus filhos é a sopa francesa de abóbora que se faz com abóbora, água e leite. Ela é maravilhosa e tem gosto de... abóbora. (Sempre faço a receita inteira, para 8 porções, para ter congelada para dias apressados. As crianças adoram e assim que o Outrono chegou, já vieram pedir por ela.)

Além da parte do sabor, onde parece que quero abobrinha com gosto de abobrinha e berinjela com gosto de berinjela, com temperos simples que realcem o sabor natural dos ingredientes, também, entrando no reino da auto-análise, me dou conta de que sempre saio à caça de livros de cozinha quando me sinto atrapalhada na vida. Como se buscasse em receitas de comida as fórmulas mágicas para aplacar minha ansiedade e encontrar direção. Mas o que isso faz, quase sempre, é complicar ainda mais meu dia-a-dia, quando me pego passando mais tempo do que gostaria na frente do fogão, ligeiramente alvoroçada por processos menos familiares, e usando ingredientes que não fazem parte de verdade da minha vida. Quando minha cabeça está bem, toda a minha cozinha é simples e direta ao ponto. É couve-flor com azeite. É bolo de iogurte. Na hora em que me meto a fazer saladas que levam vinte e sete elementos e começo a me preocupar que o bolo de beterraba não leva nenhuma farinha de grãos antigos, eu sei que é hora de parar, abrir um vinho, botar o pé pra cima e pedir uma pizza. Liga pruma amiga pra conversar e bota as ideias em ordem.  

Enfim. Preguiça. A maior parte dos livros que andei pegando, devolvi no mesmo dia.

No caso desse livro do Ottolenghi, resolvi preparar algumas receitas antes.

Na segunda-feira, preparei de jantar esse alho-poró e espinafre braseado com ovos e queijo feta. Lembra do feta que apareceu aí em cima em todos os almoços? Veio daqui, pois eu comprara um enorme para fazer pão de queijo, mas desisti e resolvi usar em todas essas receitas. Para acompanhar, fiz aquela salada de funcho lá em cima, cujas sobras viraram torrada. Na hora em que fui servir, no entanto, dei-me conta de que esquecera de preparar o arroz que eu pensara para acompanhar essa profusão de legumes. Na pressa, servi tudo com uma fatia de pão dourado no azeite e todo mundo gostou.

O veredito do prato do Ottolenghi? Bom, acabou que não usei o zatar, e mantive os sabores clássicos, usando tomilho no cozimento dos legumes. Ficou muito saboroso, mas foi um consenso de que é simplesmente alho-poró demais para se comer assim, sozinho. Em termos de verduras com ovos, a versão do outro livro dele, de espinafre, e cuja pimenta-diferente-específica-difícil-de-achar eu também nunca uso, ainda é mais apetitosa em termos de TEXTURA. Laura concordou comigo. Hahah! ;)

Um ovo de gema mole para cada um sobre os legumes.

Jantar.

Em outro dia, eu lembrei de fazer o arroz. Há! ;) 

Ele acompanhou as Abóboras Assadas com Cebolas, Lentilhas, Queijo (que era para ser gorgonzola mas usei o feta) e o molhinho de ervas. Eu adorei esse prato, ainda que não houvesse nada de inovador nele. Enquanto preparava e comia, tinha a impressão de já ter feito diversas versões daquele mesmo prato durante os últimos quinze anos. Leguminosas + vegetal caramelizado no forno + queijo salgado e picante + ervas refrescantes. Fórmula imbatível. De qualquer forma, a refeição foi um sucesso com todos a não ser com o marido, que fez cara de "eu só estou comendo abóbora por educação porque as crianças estão me olhando" durante todo o jantar. No dia seguinte, ele fez a marmita dele apenas com as lentilhas e o arroz, deixando todas as abóboras para trás na geladeira com uma colherada minúscula de lentilhas. E foi esse resto abandonado que virou meu almoço ali em cima.

Amo essas cores.

Comeria esse prato todo dia. Tá bom, toda semana, que não gosto de comer todo dia a mesma coisa.
No dia seguinte, resolvi fazer bom uso das folhas de alho-poró que eu tinha guardado. Eu usara um bocado de alho-poró na receita da segunda-feira, mas os que eu comprara no mercado tinham partes verdes bojudas e muito logas, com pelo menos 15cm de comprimento cada, o que resultou numa pequena bacia de folhas de alho-poró. Meu primeiro instinto foi usar para caldo, mas me dei conta de que era simplesmente demais. O caldo teria apenas gosto de alho-poró e me deu preguiça de ter aquilo tudo de folha no freezer para a eventual necessidade de precisar aromatizar alguma coisa. Fiquei encafifada. Aquilo É comestível! Porque a gente não usa? Porque a gente obedece esse monte de chefs mandando a gente descartar partes boas dos alimentos? Se eu estivesse numa guerra, eu jogaria aquilo fora?

NÃO.

Lavei bem as folhas, fatiei todas elas bem BEM fininho, e refoguei no azeite, manteiga e tomilho exatamente como teria feito com as partes brancas do alho-poró. Mexi bem, temperei com sal, cobri com tampa e deixei ali cozinhando por bem uns dez minutos, fogo baixo, até amaciarem. Abri a tampa, juntei um pouquinho de água e uma colherinha de vinagre (teria usado meia xícara de vinho branco se tivesse, mas no caso só queria acidez), misturei bem e continuei cozinhando sem tampa, até o líquido reduzir. Fui experimentando as folhas. Queria quebrar todas as fibras dela e amaciá-las por completo. Juntei mais um tantinho de água e continuei cozinhando até que estivessem tão macias quanto as partes brancas do alho-poró, e foi isso o que aconteceu. As folhas ficaram macias e quase cremosas.

Preparei minha massa de torta de sempre usando farinha integral, pois acabara a farinha branca, e fiz um quiche usando as partes verdes do alho-poró, e um creme feito com 3 ovos, 1 xícara de sour cream, noz moscada, sal, pimenta-do-reino e queijo cheddar branco ralado grosso. Preparei o quiche normalmente.

A torta ficou tão boa, mas tão boa, que as crianças pediram para levarem de almoço na escola no dia seguinte. E assim foi. Aprendemos mais uma, amiguinhos: nunca descarte as partes verdes do alho-poró.

Para acompanhar, preparei uma salada de espinafre (o espinafre daqui é diferente do brasileiro, com textura de rúcula, bem suave), beterrabas assadas (que eu assara no forno no dia anterior, em outra grade, ao mesmo tempo das abóboras, com intenção de fazer um pão do livro do Ottolenghi, mas do qual desisti depois), queijo feta, cenoura fatiada fininho, e um vinaigrette com mostarda, cebolinha, salsinha e estragão.


Na quarta-feira, resolvi aproveitar outra apara de vegetal que geralmente vai para o lixo: os talos verdes e fibrosos da erva-doce. Como eu trouxera aquele funcho imenso da fazenda do passeio escolar das crianças, com todos os talos de meio metro junto, precisava dar cabo deles. Separara as folhas para pesto, e picara todos os talos e congelara, primeiro com intenção de fazer uma sopa. Mas então me veio a ideia de fazer um risotto de funcho usando apenas as partes descartadas. 

Comecei refogando cebola em meias-luas finas e o funcho em manteiga e azeite, devagar, em fogo médio, até começar a dourar. Quando isso acontecia, juntava uma colher de água e misturava energicamente, raspando o fundo da panela com a colher de pau e então largando para dourar de novo e repetindo o processo até os legumes ficarem macios a ponto de desmancharem e deliciosamente caramelizados. Nesse ponto, adicionei mais azeite e e então entrei com o arroz arbóreo para começar o processo normal do risotto, usando caldo caseiro. (Meu caldo tem cascas de cebola, então ele tinge tudo de um âmbar intenso.) Risotto pronto, com manteiga e queijo, polvilhei folhas de erva-doce e salsinha e servi. Delicioso. 

O que aprendemos de novo, amiguinhos? Não descarte os talos da erva-doce.(Aliás, li também que os talos de erva-doce podem ser usados exatamente com o salsão. Andei fazendo essa troca em receitas que pedem salsão, e o resultado é excelente e nem se sente a diferença. Fica a dica.)


Na quinta-feira eu planejara fazer ragù, pois não havia nada a não ser o cachorro para me tirar de casa, e ragù bolognese é um compromisso de dia todo aqui em casa. A receita que uso é a de Marcella Hazan, que sempre faço em dobro para congelar e sempre faço a versão que também leva carne de porco (ela diz pra substituir até 1/3 da carne por porco, mas já usei até meio a meio e fica ÓTIMO). O cozimento lento e extenso torna o molho de carne cremoso e sensacional.

É uma lindeza esse ragù.
Na sexta é sempre dia de pizza, e aqui andei voltando para minha massa tradicional, substituindo metade da farinha branca por farinha integral. Ninguém em casa notou a farinha integral na massa, mas todos preferiram essa versão, que ficou mais saborosa.

Eu tinha um pacote de linguiças do fim de semana anterior, e resolvi abri-lo e usar uma delas para essa pizza de... erva doce. Dá pra ver que tinha erva doce pra burro em casa, não? A massa foi com molho de tomate, linguiça sem a pele, esmilgalhada, e fatias finas de funcho temperadas com sal e azeite para o forno alto por doze minutos, então coberta de mozzarela e assada por mais oito minutos até o queijo derreter e a massa dourar. Um absurdo de bom!


Um outro momento de reaproveitamento foi quando resolvi pegar as cascas de todas as abóboras que usara durante o mês de outubro (menos as do Halloween, que apodrecem), e que deixara congeladas, e cozinhar em água até amolecerem. Escorri bem, reservando a água cor-de-laranja, e bati as cascas macias no processador até obter um purê liso e espesso. Esse purê usei para preparar um bolo de abóbora que as crianças levaram de lanche da escola a semana toda. Não gostei muito da receita que escolhi, no entanto. O bolo não assou no tempo certo e as especiarias ficaram muito tímidas. Mas sempre dá pra pegar uma fatia de bolo sem graça e dourar na manteiga na frigideira, caramelizando seus açúcares e trazendo à tona uma textura mais interessante. Nham!

A água do cozimento das cascas usei para preparar um simples arroz, cujas cebolas também refoguei com sálvia. O arroz ficou ligeiramente alaranjado, adocicado e delicioso. Terminei com o funcho e com as beterrabas nessa salada simples com laranja, e, como eu tivesse ainda um pouco de maionese que eu preparara aquela semana, resolvi fazer um clássico simplérrimo: Oeuf Mayo. Ovos cozidos com maionese. Só isso.


SNACK DA NOITE

Lembra que eu disse que eu janto cedo? As fotos ali em cima foram tiradas entre 5h30 e 6h30, dependendo do ritmo pós-escola. Dá bem pra ver como nossos jantares antes eram feitos com luz do sol entrando pela janela e agora apenas com a luz do abajur, pois o sol agora, às 5 da tarde, já foi embora e é noite fechada. 

O que acontece quando você janta às seis da tarde e vai dormir às dez da noite? Você tem fome. E é por saber disso que eu SEMPRE deixo para comer sobremesa no fim do dia, de snack. Sempre que tem alguma sobremesa, as crianças comem logo em seguida ao jantar e já correm para escovar os dentes e brincar ou encerrar o dia, pois vão para a cama entre 7h30 e 8h. Eu nunca como doce junto com eles, pois sei que mesmo que esteja satisfeita, o hábito vai me fazer buscar comida lá pelas nove da noite. Nove da noite é minha hora do doce. 

A abóbora de Halloween que Thomas trouxe da fazenda no passeio da escola virou torta a pedido dele. Deliciosa. Receita de Dorie Greenspan.

O miolo dessa abóbora virou recheio da torta aí embaixo.

 

Mas quase sempre a sobremesa por aqui é sorvete. Por causa das crianças? Não, por causa do marido, que pergunta toda noite depois do jantar: "tem sorvete?" Esse de baunilha que é o grande favorito da casa e o grande responsável pelo meu estoque sem fim de claras de ovos (ainda que essa receita use poucas gemas, comparada a outros).  Acompanhou um frozen yogurt de café de David Lebovitz, maravilhoso, mas a pior sobremesa do mundo para se comer às nove da noite, pois leva uma quantidade avassaladora de espresso. Também não recomendo sorvete de cafè para duas crianças. Tá? Só não. Experiência própria. De qualquer forma, me refestelei de sorvete de baunilha e sorvete de café, polvilhado com cacau em pó, quase lembrando um tiramisù. (Aliás, se você for comprar uma máquina de sorvete, recomendo a da Cuisinart. A mais barata das novas versões dela, só com botão de liga e desliga. Achei que os sorvetes ficam imensamente mais cremosos do que com minha antiga da Hamilton Beach.)

MEU SORVETE DE BAUNILHA PREFERIDO, que eu acho que já postei aqui, mas não custa colocar de novo.
(ligeiramente adaptado do livro Twelve, de Tessa Kiros)

Ingredientes:
  • 750ml de leite integral
  • 250ml creme de leite fresco
  • 4 gemas grandes
  • 200g açúcar
  • 1 colh. (chá) extrato de baunilha
  • 1 pitada de sal

Preparo:
  1. Numa tigela, misture com um fouet as gemas e o açúcar até que fiquem claras e fofas. Enquanto isso, aqueça o leite e o creme até quase o ponto de fervura. 
  2. Junte uma concha do leite quente às gemas, mexendo rapidamente para que as gemas não cozinhem. Repita o processo mais duas vezes e então junte o restante do leite quente, misturando bem com o fouet. 
  3. Transfira de volta para a panela e leve ao fogo médio-baixo, mexendo sempre com uma colher de pau ou espátula, fazendo um 8 no fundo da panela, até que a mistura engrosse o bastante para que você passe o dedo nas costas da colher e o rastro se mantenha, sem que o creme escorra. NÃO DEIXE QUE FERVA EM MOMENTO NENHUM, ou o creme vai talhar e arruinar a textura do sorvete. O processo pode demorar até uns dez minutos, dependendo da panela e da intensidade do fogo. 
  4. Remova imediatamente do fogo, e passe por uma peneira para uma tigela limpa, para remover qualquer pedaço de ovo que possa ter coagulado. Num mundo ideal, a peneira não vai pegar nada. 
  5. Junte o sal e a baunilha e continue mexendo a mistura na tigela até que o vapor pare de sair. Alternativamente, você pode colocar a tigela sobre uma maior com água e gelo para resfriar mais rápido, mas como minhas tigelas são de vidro, tenho medo que trinquem, então não faço isso. 
  6. Leve o creme à geladeira, sem nenhuma tampa (você não quer nenhum vapor condensando e pingando de volta no creme, para virar gelo depois). Resfrie durante a noite e coloque na sorveteira no dia seguinte, seguindo as instruções do fabricante. 


Quando não tem sobremesa nenhuma na casa, o que às vezes acontece, normalmente apelo para uma maçã com manteiga de amendoim, algum legume cru com hommus, ou, se é para ser brutalmente honesta, algum salgadinho que o marido abriu para acompanhar uma cerveja de fim de dia. Porque eu adoro salsão com hommus, só que cerveja pede porcaria. Quando ainda quero parecer virtuosa, abro um avocado e preparo um guacamole rapidinho para acompanhar tortilla chips. Senão, um punhadinho de Cheezes (pense um Cheetos canadense BEM crocante e feito com cheddar, mas que não deixa pózinho radioativo grudado no dedo) vai muito bem com a cervejinha, que via de regra é consumida só de fim de semana. Mas regras foram feitas para serem quebradas, né? 

E esse é o fim de uma semana e uns quebrados de refeições razoavelmente típicas aqui de casa. Vou dormir lá pelas dez e meia da noite, depois de um último passeio com o cão, e começa um novo dia de torradas e iogurtes com fruta e cappcuccino, e chás e jantares repletos de legumes e partes estranhas de vegetais. :)

14 comentários:

jack disse...

Nossa ! Adorei saber sua rotina de comidas! Como sempre a escrita é maravilhosa, gostoso de ler e de ver! Vou tentar fazer algumas coisas, vc me inspira!

pedagogia2008.fortium disse...

Exatamente como disse Jack, vc tb me inspira!
É uma alegria imensa abrir minha caixa de mensagens e ver que tem texto seu.
Sempre me delicio com sua escrita e com seus quitutes. E degusto, calmamente. Sento na varanda, com uma xícara de café ou um copo de chá gelado, pq aqui é Rio de Janeiro e o frio é item de luxo e só depois de me colocar confortavelmente saboreio cada parte de sua crônica. Devagar, para que demore a chegar ao final,pq quando ele chega a sensação é a mesma de quando vc avista o avião que acaba de levantar voo levando seu melhor amigo para uma lonfa temporada no Japão... É saudade imediata. Essa é a sensação. Só que, assim cono a amizade que vai pra longe mas não acaba, a espera pelo próximo email avisando que tem texto novo tb continua, firme e forte. Agradecida pelo conforto dos seus textos, querida. Retorno em boas vibrações e muita luz pra vc e sua linda família. Grande abraço, @chrisfribeiro

carine disse...

Amo teus textos e a tua cozinha prática usando o que tem em casa. Tento (tento) fazer isso aqui em casa, ainda mais porque não tenho filhos e moro sozinha. Nada vai fora. E eu gosto e sei cozinhar, o que facilita tudo. Essa receita de ragu da marcella hazan usando parte boi parte porco é a que eu sempr faço, uso muito pro molho da lasanha. Divino.

Jô Bibas disse...

Descobri porque você foi para o Canadá: tem feta!
A vida é muito mais bela com feta. :)
Adorei o post.
E tenho uma pergunta bem fora do contexto, mas como ando lidando com uma palestra sobre incentivo à leitura (Freguesia do Livro): você sabe por que a escola pede para o Thomas fazer a leitura em voz alta?
BJô

Ana Elisa Granziera disse...

oi, Jô.
A alfabetização aqui é diferente do que acontece no Brasil, tanto na época em que eu era criança quanto o que vi com Thomas, no Infantil I e no primeiro ano lá na escola brasileira.
Aqui eles trabalham os sons da letras como fonemas. Primeiro as consoantes, depois as vogais, porque as vogais são mais difíceis em inglês, têm muitas variações e exceções. Desde o primeiro dia do primeiro ano, cada criança leva um livro todo dia para casa, e essa é sua lição: ler o livro. Ninguém traz tarefa de matemática ou de ciências. Apesar de eles terem várias matérias diferentes, a prioridade é leitura fluente, escrita coerente e, principalmente, interpretação de texto. Os livros são fininhos e categorizados em níveis: A sendo o mais fácil, tipo "O peixe é vermelho. O peixe é amarelo. O peixe é azul.", bem repetitivo e usando palavras do dia-a-dia da criança (que eles chamam de palavras de alta frequência), e Z sendo o último, já complexo, com MUITO texto e poucas imagens, às vezes técnico. Conforme os níveis passam, as palavras vão ficando mais difíceis, são usados mais tempos verbais e orações mais complexas e as tramas das histórias ou os assuntos exigem mais da criança. Qual é a parte legal disso? Cada criança entra na escola num estágio de alfabetização diferente, e elas têm ritmos de aprendizagem diferentes. Então ao ler em voz alta para a professora, para a assistente voluntária (que era eu no ano passado), o professor pode avaliar melhor o nível e a evolução da criança. A do Thomas disse pra ele que se ele pega o livro e consegue ler todas as palavras, o livro tá fácil demais. Duas ou três palavras que ele não consegue ler é o ideal para desaafiá-lo e mais do que isso é demais para o nível dele. Avaliando, CADA ALUNO leva um livro diferente, adequado para seu estágio. Thomas, que não lia em inglês, começou no A em setembro do ano passado. Hoje está no I, mas vira e mexe traz livros J, K e L pra casa. Ele está no segundo ano. Eu gosto muito desse sistema, não só porque ele parece promover leitura como um hábito, mas porque estimula mais a criança. Na escola brasileira do Thomas, eles trabalhavam dois ou três livros POR ANO, e era o mesmo livro para trinta alunos. Se o tema não é interessante para a criança, meio que lascou, né? Aqui os livros têm temas muito variados, desde batalhas de dinossauros, a explicações sobre o corpo humano, histórias de detetive, de aventura, de cozinha... a professora pede pra ele pegar o livro do dia, ele vai na cesta de livros do seu nível (e geralmente tem uns vinte livros em cada cesta, e cada sala de aula tem todas as cestas de todos os níveis com uma pancada de livros, MAiS os livros de lazer, que eles podem pegar pra ler quando terminaram uma tarefa) e escolhe o que quiser. Uma vez por semana eles também têm biblioteca, e podem escolher o livro que quiserem (independente do nível) para trazerem para casa durante uma semana. Já veio de tudo aqui pra casa. Eu ficava muito fula lá na escola brasileira porque a professora fazia uma pré-seleção do que os alunos podiam levar pra casa. De novo, e se nada daquilo for interessante?
Enfim. A leitura em voz alta serve para isso, para que a professora (e os pais) tenha certeza de que as palavras estão sendo lidas com a pronúncia correta, que a frase esteja sendo lida com a INFLEXÃO correta, que a criança esteja compreendendo de fato o que está lendo... Depois de toda a leitura, é preciso perguntar quem são os personagens, qual é o cenário, qual era o problema e qual foi a solução. Para ter certeza de que a criança entendeu o que leu, e não só decorou a aparência da palavra. Afinal, é muito comum a criança pegar o livro e ficar folheando, você acha que ela está lendo, e ela só está olhando as figuras... :P
Enfim. A escola aqui não é perfeita, tem várias coisas que me incomodam, como qualquer uma incomodaria. Mas essa parte da alfabetização e da leitura eu acho MUITO MUITO legal e EFICIENTE.

Acho que é isso.
Mas se quiser conversar mais a respeito, me manda um email depois.

Bjs

Fulana disse...

Pra variar, amei e já deixei aqui separadinhas várias ideias para as minhas próprias refeições!

Engraçado que sempre me animei mais com as refeições improvisadas. A diferença é que para ti são almoços simples, mas já servi diversas vezes para as visitas e elas ficaram impactadas!

Seu blogue me inspira há pelo menos 10 anos :)

Beijos (e se aceitar uma sugestão de "pauta", queria conhecer a expectativa de Natal, se fazem aquelas lindas feiras aí também!) - e se quiser me matar do coração, andei fazendo um blogue também...

http://melhorqueperfeito.com.br

la doña sombra disse...

Ana, há alguns anos eu uso várias partes de legumes que costumam ser descartadas, em parte incentivada pelas tuas experiências. Pesto de folha de cenoura é um clássico aqui em casa (by the way, fica ótimo para refogar frango). Mas qual a minha surpresa em descobrir que você nunca tinha tentado usar a folha do alho-poró! Eu uso de várias formas (além do clássico perfume de caldo): já fiz panqueca recheada com ricota e as folhas verdes bem cozidas, já processei para fazer pesto (maravilhoso para Inhoque), já usei para incrementar massas de pão e de pãozinho de batata doce (aquela versão vegana de "pão de queijo"), já fiz risoto (só com as folhas do alho-poró, com abóbora). Quis contar porque vai que te dá ideias, rsrs. Porque tenho uma vida corrida, tenho preguiça e gosto de comer, venho cada vez mais gostando de como cozinhas.
Espero ainda ver muitas coisas gostosas com todas as partes dos legumes aqui.
Beijos!!!

karla dani disse...

Como assim vai correr antes de amanhecer?? super me inspirei nas suas corridas e comecei certinha, mas o frio do outono me pegou e troquei pela bicicleta ergométrica do prédio (um tédio). engraçado que em recife, onde morava, as crianças madrugavam, mas aqui esticam até depois das 8h se deixar. Talvez seja pq o quarto deles é bem escurinho, um convite ao sono. suas refeições como sempre são inspiradoras, mas por aqui a quantidade tem que ser maior =O

peguei o 2o livro da tamar adler na biblioteca, uma delícia de leitura. Estou também in love com Alice Munro e começando Chimamanda Adichie. Abre o baú da biblioteca, dá umas dicas, que tal?
bjs

Eloisa Vidal Rosas disse...

Oiê... passando para avisar que o link para sopa de abóbora também está indo para a receita do hummus de edamame... beijo. Amando seguir vc no insta.

Roberta Vasconcelos disse...

Que interessante Ana! Esse método tem um nome? Vou divulgar por aqui.
Cliquei na sopa de abóbora, mas o link vai para o humus de edamame. Seria uma sopa que você já publicou no blog? Povo aqui não come sopa, mas eu adoro e faço só para mim mesma ;-)

Ana Elisa Granziera disse...

Oi, gente.
Obrigada pelos comentários, pelo carinho e por avisarem que o link da sopa não funcionava. Está funcionando agora. :)

Karla,
dos livros de cozinha, ainda não achei nenhum que tenha me dado aquela vontade de comprar, sabe? Como disse, pego duas ou três receitas que me interessam, às vezes nem isso, e devolvo o livro. Ando voltando sempre para aqueles meus que trouxe na mala e quando quero algo diferente acabo procurando rapidinho internet afora. :) Dos outros livros que ando lendo, de repente posso comentar sim, se vocês acharem interessante. ;)

Jô, aqui tem queijo Feta num preço baratinho porque... é de vaca. Feta de ovelha é DIFICILIMO de achar. O Feta de vaca é só salgado, não tem aquele sabor do de ovelha. :( Queijo bom aqui é uma coisa meio difícil... Os laticinios em geral são muito cheios de porcaria. Tem que procurar bem e ler muito bem o rótulo. Ainda não encontrei um Mascarpone que não tenha gosto de cream chesse. :P Vou ter que fazer o meu. E ando com MUITA vontade de comprar rennet pra fazer queijo minas fresco. Não tem NENHUM tipo de queijo fresco aqui do jeitão do minas.

Ana Elisa Granziera disse...

La Doña Sombra,
pois é, sempre que eu comprava alho-poró, vinha com tão pouca parte verde, que ia direto para o caldo e eu nem pensava duas vezes. Nunca foi para o lixo. Mas foi a primeira vez em que de fato tinha tanta folha que precisei cozinhar como elemento principal. Adorei as ideias! :)

Bjs

Laís disse...

Ana, conta mais da vida no Canadá! Como foi a adaptação das crianças, as maiores surpresas, decepções, etc
Vc só fala com as crianças em português? Fica com receio de que isso atrapalhe a alfabetização e aquisição de vocabulário em inglês? Pretende alfabetizá-las em português tb?
Sei q não tem nada a ver com a temática do blog, mas se vc puder responder...
Bjs!

Carol Mancini disse...

Acho que poucos - aliás, bem poucos - blogs me deixam tão animada e entusiasmada quanto o seu. Já anotei as receitas, já vou descobrir como importar favas de baunilha (caríssimas por aqui) e comecei a pesquisar onde que eu acho ingredientes melhores para fazer minhas refeições com mais qualidade e com mais cara de "comida de verdade". Quero achar a erva doce (funcho, que palavra mais gostosa), nunca fiz nada além de usar seca para o chá e agora quero fazer várias coisas hahaha. Obrigada por me inspirar tanto. Esse bolo já já vai sair também, eu amei a receita, é muito fácil.

Cozinhe isso também!

Related Posts with Thumbnails