terça-feira, 27 de maio de 2014

Cozido de painço e batata-doce para o frio que chega


Esse foi um dos pratos que foi preparado esquema panelão; virou almoço meu e das crianças e todo o restante foi congelado para outro momento. Primeiro, porque havia muitos ingredientes frescos na despensa para serem usados logo, e segundo, porque fiquei pensando quão gostoso vai ser comer uma tigelinha substanciosa dessas num dia realmente frio.

A receita original, do livro Whole Grains for a New Generation, descrevia o prato como algo magicamente colorido, uma vez que usava batatas-doces cor-de-laranja (que eu ainda hei de encontrar para comprar e plantar no quintal) e edamames verdinhos. A substituição sugerida, de grão-de-bico, ficou uma delícia, mas aliada à ausência de cor das batatas-doces brasileiras (usei as de polpa branca e casca rosa), tornou o prato ligeiramente entediante de se olhar. Daí que resolvi picar um pouco de coentro por cima, e como grande fã de coentro, considerei esse toque um sucesso. Ainda que cebolinhas funcionem igualmente bem.

Apesar dessa carinha de mingau amarelo com troço verde por cima, esse cozido é uma delícia. Adocidado das batatas, picante do gengibre, cremoso mas ao mesmo tempo com o estalar do painço tostadinho na mordida. Para ser comido bem quentinho, segurando a tigelinha para aquecer os dedos.

[Dá pra ver como a redescoberta naturebice reavivou meu prazer em dividir aqui mais coisinhas gostosas. Tantos, tantos posts na fila e eu não sei o que publicar. o_O]

COZIDO DE PAINÇO E BATATA-DOCE
(do livro Whole Grains for a New Generation)
Rendimento: 6 porções generosas

Ingredientes:

  • 1 colh. (sopa) azeite
  • 1 cebola, picada
  • sal
  • 2 colh. (sopa) gengibre picado até quase virar uma polpa
  • 1/2 colh. (chá) sementes de cominho
  • 1/2 colh. (chá) cúrcuma
  • 1 xic. (200g) painço
  • 2 batatas-doces (cerca de 455g), descascadas e cortadas em cubos
  • pitada generosa de pimenta calabresa seca
  • 1 xic. grão-de-bico cozido (ou 1 lata)
  • suco de 1/2 limão


Preparo:

  1. Em uma panela bem grande e de fundo grosso, aqueça o azeite em fogo médio-forte. Junte a cebola, uma pitada de sal e cozinhe, mexendo ocasionalmente, até que a cebola esteja macia e translúcida, cerca de 8 minutos. 
  2. Junte o gengibre, cominho, cúrcuma e painço e cozinhe, mexendo sempre, por cerca de 3 minutos, até que o painço esteja cheiroso, ligeiramente tostado. 
  3. Junte as batatas-doces, pimenta, 1 colh. (chá) sal e 4 xíc. água. Leve à fervura, abaixe o fogo e cozinhe em fervura branda até que o painço esteja cozido e as batatas, macias, cerca de 20 minutos. Fique atento ao fato de que, dependendo do tipo de batata-doce e do painço, eles podem absorver mais ou menos água, e queimar no fundo. Verifique depois de uns dez minutos, e acrescente mais água se necessário. O cozido final deve ter ainda algum caldo, não deve ficar seco. 
  4. Amasse algumas das batatas contra as paredes da panela, com a ajuda da colher de pau, para engrossar o caldo. Junte o grão-de-bico, o suco de limão, e cozinhe apenas o bastante para reaquecer. Ajuste o tempero e sirva.  


14 comentários:

Anônimo disse...

Uau! Obrigada! Estava precisando mesmo de uma série assim para chacoalhar o paladar aqui de casa. Adoro teu blog. Seria o máximo se virasse livro! Boa semana!

Amanda Scapini disse...

No Sacolão Imigrantes, na Av Professor Abraão de Morais, 1500, na Saúde.
Compro a batata doce laranja quase toda semana lá.

Juliana disse...

Ana, sou leitora do LC há tanto tempo! Raramente tenho tido tempo pra ler os blogs que gosto de verdade, daí quando sobra um tempinho de nada corro pra ler e advinha qual é o primeiro? Tenho doias filhos mais ou menos na idade dos seus (4 e 1 ano) e tanta coisa que vc escreve me descreve... Daí que to lá no meu humilde blogzinho e vejo o teu comentário, hahaha, não acreditei! Tinha que vir te dizer tudo isso. Nunca imaginei que vc lia! #aiquevergonha hahahaha. Mas de todo jeito, fiquei feliz =) Bjuuussss Ass: Juliana do blog Pitadinha

Ana Granziera disse...

Amanda,
OBRIGADA! Assim que puder vou dar um pulo lá! :D

Juliana,
hahaha! Na verdade fiquei um tempão sem fuçar em blogs brasileiros, nem sei por quê. (Tá, teve uma fase em que os que eu lia se "profissionalizaram" demais, e acho que perderam o charme, aí fui deixando de lado.) Continuei lendo acho que dois ou três estrangeiros, cuja culinária tinha a ver comigo, mas mesmo assim quase nunca conseguia acompanhar o que acontecia, era coisa só de olhar a receita mesmo e ver se me apetecia. Há um tempo atrás é que voltei a fuçar nos brasucas, e tenho tido gratas surpresas; inclusive o seu eu adorei, e tenho lido meio que de trás pra frente. :D Que coisa é essa de "crepioca" que eu nunca tinha ouvido falar e já quero fazer? ^_^

bjs

Maria Beatrix disse...

Ah! eu tenho! Tenho tanto a batata doce laranja, como a roxa (roxa mesmo, escura, mais escura que beterraba), que está quase em extinção. Qdo criança, adorava o doce de batata-roxa com coco da minha avó. Depois a batata sumiu. não sosseguei enquanto não consegui uma muda para plantar e "salvá-la", pelo menos por um período. Se quiser, assim que tiver um nº bom de batatas, posso de mandar algumas, pra que vc possa plantá-las tb!

Amanda disse...

Painço... não é comida de passarinho? Nunca comi, que curiosidade! Eu adorei o colorido do prato, deu água na boca. Vou fazer! Bjs

Ana Granziera disse...

Maria Beatrix,
se eu não achar, vou te encomendar uma! ;)

Amanda,
hahaha, cuidado pra não comprar o painço pra passarinho, que, segundo me contaram, tem outro tratamento. (Teve um leitor há muito tempo atrás que quase fez isso!) Você encontra painço em lojas de coisas naturebas, geralmente (se me lembro) vem como "painço descascado". E é uma delícia; isso de tostá-lo antes, solta um aroma que lembra milho, e faz com que ele fique al dente e soltinho depois de cozido, como arroz ou couscous marroquino. Aliás, pode substituir o couscous marroquino facilmente. :)

bjs

Camila disse...

Ana, se estiver na época da abóbora/moranga, seria uma alternativa bacana à batata doce laranja. :-)

Laura Bicas disse...

Eu tinha vontade de experimentar a batata laranja. Quando encontrei não gostei. Achei doce demais e sem sabor. Prefiro a branca. Mas, que fica bonito, fica!
Nunca achei o painço para humanos, o de passarinho é impróprio para o nosso consumo.
Abraços, Laura

Anônimo disse...

(Ana, já peço desculpas de cara por deixar uma mensagem endereçada a outra pessoa no seu blog, mas sou um tanto tapado no que diz respeito a informática e não vi outra maneira de entrar em contato com a Maria Beatriz. Novamente, me desculpe.)
Maria Beatriz, sou de Brasília e também tenho muito interesse nessas duas batatas, e gostaria de adquirir algumas para "salvá-las", quando você as tiver disponíveis.
Evidentemente pago, claro. Se a sua resposta for positiva, deixo meu e-mail para contato.

João.

(Mas se alguém aí souber onde posso encontrar essas batatas aqui no Distrito Federal também agradeço.)

Gilda disse...

Ana, vou aproveitar para perguntar a você: o painço que você usou é aquilo que se compra como "millet"? Nunca consegui tirar a dúvida. Estou amando as receitas que você tem postado e principalmente seu modo de contar seus casos. Não consigo parar de ler, inclusive de novo aquilo que já li. Um grande beijo.

Ana Granziera disse...

Gilda,
sim, é o "millet" sim! Queria muito encontrar farinha de painço, porque tenho muita receita americana que leva a danada. Ainda vou tentar moer minha própria. :)

bjs

Gilda disse...

Ana, obrigada por esclarecer minha dúvida sobre o millet. Acho que
não deve ser difícil moer, usando um moedor de grãos.

Erika Emrich disse...

Frente! Estou aqui cozinhando painço pro meu almoço, mas é o de passarinho mesmo! Hahahahaha! Poxa, ninguém em lugar nenhum disse que era "outro tipo de painço". Ah,mas não tô nem aí. Se passarinho come, tambpodemos comer.

Cozinhe isso também!

Related Posts with Thumbnails