quarta-feira, 18 de dezembro de 2013

Gnocchi de beterraba e pudim de morango: uma refeição cor-de-rosa

Sou a pior formadora de bolinhas de gnocchi do mundo. Fato.
Num ótimo livro do Neil Gaiman, um demônio dirigia um carro cujo toca-fitas, depois de uma semana, transformava qualquer fita em Fred Mercury. O que parecia insuportável para o demônio, para mim, não é problema nenhum. Se existe uma coisa que me deixa de bom humor infinito e instantâneo é ligar o carro e estar tocando Bohemian Rhapsody no rádio. Dirijo de vidro aberto, som alto, cantando forte e chacoalhando a cabeça, no melhor estilo Wayne's World. Ainda bem que a Castelo Branco é uma reta, e possibilita head-banging sem causar acidentes de trânsito. ;)

Bom humor instantâneo é também ser acordada com uma xícara de café. Nem Thomas me cutucando me tira tão rápido da cama quanto o cheiro de espresso recém-tirado.

Ou descobrir que meu pezinho de acelga italiana (bietola) cresce de novo toda vez que eu corto as folhas, e vira um pezão gigante e bonito, que nem as lesmas conseguem destruir, e vale uma refeição inteira a cada quatro semanas, que é o tempo que ela leva para crescer de novo. Maravilha, considerando que eu plantara um bocado delas e essa foi a única sobrevivente dos tempos de chuva.

Ou ver vizinhos recolhendo o cocô do cachorro. Acredite em mim, acho isso um evento tão raro, que quando vejo alguém no ato, não contenho um sorriso. Tenho vontade de ir até o transeunte e dar um abraço, dizer obrigado por ter consciência, por ter respeito pelos vizinhos, por impedir que nossa vizinhança seja dominada por moscas nojentas.

Ou quando Thomas diz "dagão", segurando seu dragão vermelho e laranja, presente da tia Wenddi, que conseguiu encontrar um dragão igualzinho ao desenho do quadrinho de maternidade do Thomas. Garotinho épico, que vai ganhar sua primeira espada de plástico de três reais no Natal.

Ou quando Laura sai "engatinhando" de bumbum, gorduchinha, parecendo um Pogobol de carne e osso. Tóin, tóin, tóin!

Em contrapartida, algumas coisas são capazes de transformar meu lindo dia de sol e passarinhos cantando em uma nuvem negra e pútrida de mal humor e chuva ácida, muito rapidamente. Ou, pelo menos, causar aquela irritaçãozinha que faz os pelos da sua nuca se eriçarem.

Louça empilhada no escorredor de qualquer jeito que não seja: menores e quebráveis embaixo, maiores e resistentes por cima, pratos organizados por ordem de tamanho, maiores atrás, menores na frente. Ainda vou escrever uma tese sobre análise de personalidade de acordo com o modo como as pessoas empilham a louça no escorredor.  Sei reconhecer quem lavou a louça em casa pelo modo bizarro com que a empilharam na pia. Meu marido vive perigosamente e empilha coisas quebráveis por cima de tudo. Minha mãe ignora o porta-talheres, o porta-copos e até os encaixes dos pratos e empilha os pratos encharcados na pia, como se estivessem sujos. Isso me deixa LOUCA. Meu pai é engenheiro e o escorredor para ele é peça de decoração, pois ele seca tudo e guarda depois de lavar. Isso eu acho legal, apesar de ser meio T.O.C.

Fio de cabelo grudado na parte de trás do seu braço, que você sente te fazer coceguinhas o dia todo mas não consegue encontrar pra arrancar fora, e fica feito uma louca no meio da rua, com tique de ficar batendo no próprio braço e coçando o cotovelo feito macaco.

Gente que fala "assêto balsâmico". Se é pra falar o nome original, pronuncie direito: "atchêto", como "atchim" e não como "assim". Senão, fale "vinagre balsâmico", que é o que aceto quer dizer e fica menos pretensioso. (O mesmo vale para cada vez que vou numa padaria e me oferecem "siabata". TCHiabata, pelamordedeuspai.) Eu sei que pareço esnobe falando isso, mas realmente me dá um siricotico.

Gente que coloca artigo na frente do verbo no infinitivo, em particular quando se referindo a coisas simples e inatas, tentando dar mais importância ou seriedade ao tema (ou a seu envolvimento nele). Exemplo: "O Brincar". Cada vez que alguém começa uma frase dizendo "O Brincar é..."eu tenho vontade de levantar e sair andando sem nem me explicar.

Cappuccino saído de um potinho. Errado. Simplesmente errado.

Gente que não sabe a diferença entre sarcasmo e ironia.

Quando você pede um espresso num café qualquer, moço tira o espresso com uma espuma bonita e deixa a danada da xícara ali, sentada na gradinha da máquina, esperando sabe-se deus lá o quê. Dá vontade de pular o balcão, dar um pescotapa no atendente e pegar meu café enquanto ele ainda está razoavelmente quente e com espuma decente. 

Mulher que grita histérica quando encontra uma amiga num local público. Sério. Por quê?

Aí tem daquelas coisas no meio termo. Que deixariam outras pessoas possessas, mas que eu dou de ombros e rio um pouco.

Gente que mexe na comida com as mãos. O episódio do Rodrigo Hilbert metendo a mão na massa de bolo para colocar na forma, que (parafraseando meu marido) "deixou a comunidade blogueira em polvorosa". Vai pro forno? Podia mexer a massa com o joanete que eu não me importo. Muito mais irritante é povo cozinhando com luva de cirurgia.

Quando me dizem que minha saia não combina com minha blusa. O seguinte pensamento me vêm à mente: "um de nós trabalha com artes gráficas", seguido de "quem se importa, de verdade?".

Quando minha filha deixa o cachorro morder seu pão com manteiga e volta o pão mordido à boca antes que eu consiga impedi-la. Vitamina S. Quem nunca? Eu sei o gosto que tinha a areia do tanque de areia do prédio onde cresci e que os gatos da vizinhança fatidicamente usavam de banheiro. Saúde de ferro. ;)

O fato de que a fase princesa-cor-de-rosa me parece tão ridiculamente inevitável nas meninas de hoje em dia, que eu de fato fiz uma refeição inteira cor-de-rosa e pensei que minha filha talvez adorasse isso quando mais velha.

No entanto, não importa quanto Bohemian Rhapsody, e quanto tóin-tóin-tóin de Pogobol minha filha faça por aí, o que mais me tira do sério hoje em dia é passar meu tempo assando beterraba, cozinhando batata, formando as bolinhas de gnocchi mais disformes do universo, cozinhando couve, fazendo pesto, juntando tudo, chamando pimpolho pra ajudar a botar os gnocchi na água fervente e brincar de me avisar quais já subiram à superfície, servir tudo para a família... e o Matador-de-Dragões-Catador-de-Salsinha não experimentar NENHUM. E, por isso, depois de muito drama, ficar sem comer o pudim de morango.

¬_¬

Mau humor, teu nome é birra de criança.

Não vou chamar de panna cotta, não vou.
Os gnocchi de beterraba ficaram uma delícia com o pesto de couve-manteiga, e pelo menos Madame-Bochechas-Comedora-de-Pedras adorou e raspou o prato. O pudim de morango é fácil, e no livro do Bill Granger constava como "panna cotta de morango". Não. Não e não. Pudim de morango. Panna cotta é creme cozido. Nesse pudim vai morango e iogurte. Pudim. Pronto. E não adianta rolar os olhos e me chamar de chata. Esse sim foi sucesso absoluto com o pequeno. Meu paladar que não come Danoninho há pelo menos quinze anos achou que o pudinzim ficou muito parecido com o queijinho que vale por um bifinho (para pra pensar no absurdo desse slogan. ¬_¬). 

Taí. Uma refeição cor-de-rosa e deliciosa. Para melhorar o humor em dias que não começam com Fred Mercury.

GNOCCHI DE BETERRABA COM PESTO DE COUVE-MANTEIGA
(adaptado do livro Apples for Jam, de Tessa Kyros, e da revista Donna Hay)
Tempo de preparo: 1 hora + o tempo de assar as beterrabas
Rendimento: 4 porções generosas

Ingredientes:
(gnocchi)
  • 3 batatas médias, limpas mas ainda com casca
  • 1 beterraba pequena (ou duas bem pequenas, quase baby), assada e descascada*
  • 1 2/3 xic. farinha de trigo
  • 1/2 xic. parmesão ralado
  • 1 ovo grande
  • sal
(pesto de couve)
  • meio maço pequeno de couve, talos inclusive, cortados em tiras largas
  • 1/2 xic. folhas de manjericão fresco, sem os talos (só acomodados na xícara, sem apertar)
  • 3-4 castanhas do pará
  • 1/2 xic. parmesão ralado
  • 1 dente de alho pequeno, descascado
  • suco de meio limão (ou a gosto)
  • azeite extra virgem quanto baste
  • sal e pimenta-do-reino a gosto

* Para assar a beterraba, lave-a bem, para tirar resquícios de terra, espete com uma faca algumas vezes e embrulhe em papel-alumínio. Coloque no forno pré-aquecido a 180ºC-205ºC, e asse por 1 hora ou até que a beterraba esteja extremamente macia. Deixe esfriar na bancada, ainda embrulhada no alumínio, e então abra e retire a pele facilmente, descartando. Costumo fazer isso assim que compro beterrabas, e já deixo uma porção delas na geladeira, em pote fechada, para usar no que quiser. Dura mais de uma semana sem estragar e poupa muito tempo. O que você não usar, pode transformar em purê e congelar por meses.
 
Preparo:
  1. Cozinhe as batatas inteiras em água com sal até que estejam bem macias. Escorra e volte para a panela no fogo médio por alguns segundos, para terminar de secar. Passe num passa-verdura ou amassador de batatas junto com as beterrabas enquanto ainda estão quentes e descarte qualquer casca que tiver ficado presa no amassador. 
  2. Junte ao purê ainda quente a farinha, o queijo, sal a gosto e o ovo, e misture muito bem. Vai ficar grudento, mas você tem que ser capaz de moldar alguma coisa. Caso contrário, coloque mais farinha, mas muito pouco, ou os gnocchi vão ficar pesados.
  3. Passe a massa para uma bancada ligeiramente enfarinhada, divida a massa em porções menores e role salsichas compridas com elas, de não mais que 2cm de diâmetro. Corte em pedacinhos de 0,5cm a 1cm (lembre-se que os gnocchi inflam quando cozidos, então gnocchi menores são melhores), faça uma concavidade com o dedo (ou role no garfo ou no ralador, o que for sua pegada)  e deixe-os numa assadeira enfarinhada até a hora de cozinhar. 
  4. Aqueça uma panela grande com água e bastante sal. Cozinhe a couve por alguns minutos, até que os talos fiquem um pouco macios, mas as folhas ainda tenham um verde bem vivo. Retire com uma escumadeira e reserve a panela com água para cozinhar os gnocchi.
  5. Passe a couve na água fria para parar o cozimento e esprema bem nas mãos, para retirar o excesso de água. Coloque no processador ou liquidificador junto com todos os outros ingredientes. Junte um pouco de azeite e bata bem até transformar em um molho grosseiro. Vá juntando azeite até dar consistência de molho espesso. Acerte o tempero a gosto. Coloque uma parte do molho no fundo de uma travessa grande. (Você provavelmente só vai usar metade do molho para os gnocchi. O resto pode ser congelado para uso posterior.)
  6. Cozinhe os gnocchi na água fervente em três ou quatro levas, retirando com uma escumadeira conforme eles forem subindo à superfície e espalhando sobre o molho na travessa. Quando tiver cozinhado todos, junte mais um pouco de molho e misture. Sirva polvilhado e mais parmesão.

PUDIM DE MORANGO
(do livro Bill Granger Easy)
Rendimento: 4-6 porções, dependendo do tamanho dos potinhos

Ingredientes:
  • 400g morangos frescos, bem maduros
  • 250g iogurte natural integral
  • 185ml creme de leite fresco
  • 55g açúcar
  • 4 folhas de gelatina

Preparo:
  1. Bata os morangos e o iogurte no liquidificador até ficar homogêneo e passe numa peneira fina para retirar as sementes.
  2. Coloque o creme e o açúcar numa panela e leve à fervura branda, mexendo para dissolver o açúcar. Enquanto isso, coloque a gelatina em água fria e deixe amolecer um pouco, mas não desmanchar. 
  3. Esprema a gelatina nas mãos para retirar o excesso de água e junte ao creme quente, mexendo bem para dissolver.
  4. Remova do fogo e rapidamente misture ao iogurte de morango. 
  5. Divida em potinhos e leve à geladeira por no mínimo 8 horas, até firmar. Para servir, passe uma faquinha pelas laterais e inverta num prato.
 

19 comentários:

Edu Piloni disse...

Lindo Ana... amo refeições coloridas, dão um divertimento extra :)

Marcelo disse...

É... Birra de criança é de tirar o Gandhi e o Dalai Lama do sério.

Sobre o danoninho, um palpite: o slogram refere-se possivelmente ao PREÇO e não às propriedades nutritivas :P

Marcelo disse...

Birra de criança tira o Gandhi do sério!
E um palpite jocoso quanto ao danoninho, o slogram refere-se provavelmente ao preço do pote e não ao valor nutricional :P

Toc de cuisine por Mônica C disse...

Mas seu nhoque está lindo! Eu não teria nem paciência pra preparar massa caseira. Nota 10 por tudo que você fez! Ainda mais com criança pequena. Ah, adorei o tema escorredor. Acho q maridos gostam de louça seca!

Denise disse...

Vou fazer esse menu para os meus filhos (colocando os dois pra ajudar, é claro!). Tenho certeza que eles irão adorar as cores e os sabores! Tenho um menino de 4 anos e uma menina de 2 , por isso acho que estamos em situações bem semelhantes! Um beijo!

Marcia disse...

Adoro teu blog e tuas receitas!
Passei para desejar FELIZ NATAL!!!

A refeição cor de rosa ficou linda e deve ter ficado deliciosa também :-D
Abraços!

Mari disse...

Seus dois últimos textos estão muito bons! Deliciosos de ler...
Mando o link pro meu marido e compartilhamos a leitura.
Ah! "Belas Maldições" é, com certeza, um dos meus 10 livros favoritos, de ler e reler muitas e muitas vezes.
Felizes Festas para todos aí!

Fernanda Amarante disse...

Coisa már linda do mundo esse gnocchi, Ana!

Anônimo disse...

Melhor post ever, Ana. Presente de Natal. Obrigada. Bj, Helena.

Gata de Tiara disse...

Ana, sua linda! Que gostoso ler seus textos! Feliz fim de ano pra você e sua família, com esses pimpolhos fofuchos! :)
Cris

Patricia Luck disse...

Cara Ana Elisa.
Passei para desejar um bom Natal para você e sua família e pra perguntar se você já ouviu falar do livro "Pão Nosso" do Luiz Américo Camargo, onde ele ensina a fazer o fermento natural (levain).
Me dei esse livro de Natal e estou curiosíssima para tentar fazer o pão a partir do levain.
O livro é muito bonito e trás algumas receitas interessantes de pão e aperitivos.
Um abraço
Patricia

Julia disse...

Somos gêmeas de gostos e implicâncias, fato.

Tenho uma filha q reage muito mal a cítricos (para desespero de tantas receitas saborosas). Você acha que vinagre substitui o limão no pesto? Já resolvi que essa receita vai para o cardápio das férias na praia com 4 crianças, thankyouverymuch!

Julia disse...

Comentário extra só para o Google me mandar as respostas :)

sol disse...

Como disse Machado de Assis:
-Mudou o Natal ou mudei eu?

Feliz Natal pra vc e sua família,apesar do Machado...

beijos

Julieta Abiusi disse...

Amei a receita, até pq a beterraba, para mim, é um ingrediente difícil de incluir na cozinha e na mesa. E o prato está com uma cara ótima!!!
Quanto à forma de pronunciar os nomes estrangeiros, acho esnobe e brega quem faz questão de que seja como no original... E falo isso pq sou filha de italiano com argentina e morei muuuito tempo no Brasil e aprendi que ninguém está obrigado a falar certo...

wair de paula disse...

Um excesso de morangos em casa, e fiz o "seu" pudim ontem à noite. Ficou muito bom...tks!
Abraços.

wair de paula disse...

Fiz o pudim de morangos, que vai render post lá no blog. Ficou ótimo, tks pela receita !
Forte abraço.

Anônimo disse...

Oi Ana!
Adorei suas receitas, outro dia fui me aventurar para fazer o gnocchi e como também prefiro materiais orgânicos, usei batatas, beterraba e farinha orgânica, mas não deu muito certo :( Será que teve algum problema porque usei farinha orgânica? 2- A massa ficou uma loucura de grudenta, mas muito mesmo... Se não for te incomodar e se um dia voltar a fazer essa receita, você poderia colocar umas fotos das etapas ou pelo menos da massa, por favor? beijos e mto lindo seu blog

Ana E.G. Granziera disse...

Anônimo,
também usei tudo orgânico, e uso a batata que tem, nunca a "batata para gnocchi". Essa massa é grudentinha mesmo. Por isso que o gnocchi fica leve. Mas como as medidas não são precisas, e o tamanho e umidade dos legumes e mesmo o volume de farinha pode variar, você precisa ajustar segundo seu feeling. Se achar que precisa de só um tantinho a mais de farinha para conseguir manipular, manda bala. Só não coloque demais, ou o gnocchi fica pesado.

bjs

Cozinhe isso também!

Related Posts with Thumbnails