sexta-feira, 11 de dezembro de 2009

UMA SEXTA FEIRA FRUGAL 7: conserva de ameixas em xarope de mel

Conservas em geral são coisas com as quais sempre flertei mas jamais me comprometi. O conceito é fantástico: compre o que você gosta quando está na estação e faça conservas das sobras, para ter o ano inteiro. A imagem dos vidrinhos de geleia, das compotas, dos picles e chutneys enfileirados na minha prateleira é linda em minha mente. Mas o medo de me comprometer com o processo e acabar com vidros e vidros de comida mofada era grande. Durante os últimos anos, não saí do cercadinho seguro da geleia de maçã que fica na geladeira e não precisa de esterilização nem nada disso. Apenas uma vez me aventurei a fazer uma conserva de pimentões com base em um livro emprestado. Mas o livro pulava várias partes importantes sobre o processo e não dizia se a conserva deveria ficar ou não na geladeira. Resolvi testar. Dois dias depois, meus pimentões espumavam para fora do vidro. Frustração total.

Então encontrei um blog. Um blog lindo, fantástico, sobre tudo aquilo de se comer que se guarda e conserva. Fiquei fascinada pelas receitas e pelas fotografias, e marquei nos meus favoritos. Um dia. Ah, um dia eu faço alguma receita.

Na quarta-feira, eu comprara uma Food & Wine para ler na hora do almoço, uma vez que a tv a cabo (que normalmente me faz companhia enquanto como) estava com problemas, e eu passaria o dia justamente esperando pelo técnico. Na revista havia um texto de Eugenia Bone, autora de um livro sobre conservas, contando sobre suas aventuras na cozinha no último mês do ano. O relato de todas as gostosuras saídas de sua despensa e feitas por ela, muitas vezes um ano antes, me deixou completamente encantada. E, enquanto o técnico me deixava plantada já por cinco horas, resolvi que era chegada a hora de tentar. Entrei no Food in Jars e procurei por uma receita que levasse ameixas, qualquer coisa, geleia, compota, chutney, o que fosse. Pois eu tinha uma grande tigela de ameixas orgânicas na geladeira que estavam mais azedinhas do que eu gostaria. E encontrei uma receita muito promissora de conserva de ameixas em xarope de mel.

Para não correr o risco de estragar muita comida, adaptei a receita para um vidrinho só, do tamanho de um vidro médio de palmito. E comecei a receita, na verdade muito fácil, com aquele medo absurdo do marinheiro de primeira viagem, tremendo enquanto a pinça de metal puxava para fora o vidro escorregadio e pesado de dentro da panela com água fervente. Assim que coloquei o vidro quente na tábua de corte, ele começou a soltar um barulhinho suave, quase um assobio. Aparentemente era um bom sinal, segundo o blog. Vinte e quatro horas depois, dei alguns tapinhas com a ponta do dedo na tampa. Ela estava côncava e o som era seco, ao invés de oco. Iêeeei! Isso queria dizer que o vidro estava de fato muito bem vedado.

O medo se dissipou imediatamente, e fiquei com uma vontade louca de fazer muitas outras conservas como essa. Agora fica aquele comichão... quero abrir e comer e ver como ficou... não. Tem que esperar, dar um mês, para ficar mais forte e para ver se dura, se de fato deu certo. Mas eu quero comer agora! Com iogurte! Com sorvete! Não, mas para que diabos serve uma conserva de um dia só?

Dilema cruel...
;)

PERGUNTA QUE NÃO QUER CALAR: Vocês fazem conservas? Do quê? Têm algum livro específico a respeito ou aprenderam com pai, mãe, avós?

CONSERVA DE AMEIXAS EM XAROPE DE MEL E CANELA
(adaptado daqui)
Tempo de preparo: 35 minutos
Rendimento: 1 vidro de uns 500ml de capacidade
Ingredientes:
  • ameixas suficientes para caber no vidro (depende do tamanho delas)
  • 1/4 xic. + 2 colh. (sopa) mel
  • 1 xic. água
  • 1 pedaço pequeno de canela em pau
  • 1 vidro de conserva de uns 500ml
Preparo:
  1. Coloque uma panela grande cheia de água para ferver. Limpe bem o vidro e as ameixas.
  2. Em uma panelinha menor, ferva a tampa do vidro. Em outra, misture a água e o mel e leve à fervura, até que o mel esteja dissolvido.
  3. Coloque as frutas inteiras dentro do vidro, o mais apertadinhas possível. Insira a canela em pau e despeje o xarope de mel dentro do vidro, deixando 1cm da borda. Limpe qualquer respingo da borda e com a ajuda de um pegador de metal, retire a tampa da fervura e feche bem o vidro.
  4. Coloque o vidro fechado dentro da água fervendo na panela grande. Deixe ferver por 25 minutos contando a partir do momento em que a água volta a ferver.
  5. Retire com a ajuda um pegador, com muito cuidado, e coloque na bancada, sobre um pano de prato. Deixe que esfrie completamente e não mexa nele por 24 horas. Passado esse tempo, limpe qualquer resíduo que possa ter vazado para fora (segundo a autora, às vezes acontece). A tampa deve estar côncava e firme quando pressionada. Se se movimentar ou estiver estufada, há ar dentro do pote. Ao bater com o dedo, na tampa, o som não deve ser oco, o que também indicaria ar dentro do vidro e uma vedação falha. Coloque a data e guarde a conserva num local fresco e escuro por até 1 ano.

23 comentários:

Mirella disse...

Minha nonna costumava fazer conservas de tomate pelado... ficava tudo em potes de vidro numa prateleira da garagem...lembro dessa imagem quando eu era bem menor. Mas acho q a idade foi chegando e ela meio q deu uma desanimada de fazer certas coisas, agora prepara o molho uma vez por semana e distribui pros filhos.
Mas de onde ela e minha mãe vem, fica mais pro Sul da Italia e no inverno praticamente não se pode sair das casas pois a neve obre tudo, então no verão eles fazer muitas conservas para estocar.
Mas eu não aprendi a fazer. Ainda não.

Mari Tamascia disse...

Fora as conservas comuns de pimenta que aprendi com a minha vó, faço conservas de quiabo. Lavo os qiabos mais clarinhos (se não forem tão novos dou uma branqueada) e seco cada um com um pano. Eles não podem estar quebrado pra não soltar a baba. Coloco os quiabos, uns dentes de alho e uma pimenta dedo de moça num vidro esterelizado e completo com vinagre. Deixo curtir mas 2 semanas antes de abrir. Guardo sempre em geladeira, mas não sei quanto dura porque sempre acaba rápido. Fica bom com arroz quentinho, na salada ou só ele com uma cervejinha.
Seus textos são deliciosos e suas receitas também!

alicenopais disse...

Ana,
eu também adoro conservas! Tenho dois livros bem pequenos que comprei uma vez em buenos aires. Um deles é esse aqui: http://www.livrariasaraiva.com.br/produto/171736/conservas-seleccion-culinaria/?ID=C8A07DC57D90C0A0B3B1F0062
o outro chama-se "Conservas Atrevidas para su despensa" que nao achei nenhum link...
No meu blog eu coloquei receitas de conservas de alho, pimentão e berinjela... olha lá (http://alicenopais.wordpress.com/)!
Beijos!

Patricia Scarpin disse...

Ana, eu tenho o mesmo medo, por isso nunca me atrevi a fazer nada - e morro de vontade de fazer geléia, de tudo quanto é sabor. :)

Adorei a sua compota - quem sabe eu não crio coragem? Ah, obrigada pelo link do blog, útil e bonito!

Anônimo disse...

Oi Ana,

Morei 1 ano na Hungria, e lá como em muitos países da Europa faz muito frio no inverno e usam e abusam das conservas, caseiras inclusive. Mas minha teoria, q pode estar errada é de que na Europa se tem o costume de guardar as coisas num quartinho que sempre está virado para o norte, então não há grandes alterações de temperatura e portanto não afetaria os alimentos. Por isso, acho que temos o costume de armazená-los na geladeira. Minha mãe costumava fazer conservas, mas as guardava na geladeira.

Beijos Miti

LAIS GIUSTI disse...

Confesso: senti tua falta nesses meses de comida industrializada/congelada/pronta.

LAIS GIUSTI disse...

E depois de ler o post "Direitos Autorais, coisa que ninguém mais parece saber o que é" lembrei porque senti falta daqui. Huhuhhu

LAIS GIUSTI disse...

Já haviam planos de visitar a feira de orgânicos no dia de amanhã e de enviar a colher de madeira ao lixo por causa de um buraco estranho que aparecera do nada, quando a colher de coco partiu-se, a chapa de pedra moveu-se sozinha no paneleiro e acho que a cozinha me grita de volta, como a saladenha de abóbora no congelador. Bom final de semana. Até mais.

Pat disse...

Minha avó faz uma compota INCRÍVEL de pera...(e olha que eu nunca fui muito fã de peras);e não me pergunte o porquê,mas ela fica vermelha! ahahahah,acho que leva vinho...Eu sei que tem cravo e canela também..(e que dura milênios)Isso com um sorvetinho de bauniilha,huuummmm: perdição TOTAL.

Cynthia disse...

Eu costumo fazer uma de pepinos, que aprendi com a minha avó. Não sei dizer quanto tempo pode guardar porque eles são rapidamente devorados.
Comprei uma revista portuguesa com várias receitas de compotas em um sebo, mas nunca me animo de fazer.

Patanisca disse...

Eu faço conserva de ameixa, de framboesa (óptimas no recheio de bolo de chocolate), de tomate, de marmelo, de abóbora com noz e de laranja. As receitas são da minha mãe, mas foram adaptadas às máquinas que utilizo hoje em dia: máquina de pão e bimby.
Beijinhos.

Ricardo disse...

Faço conserva de acelga que aprendi com minha "obatian" (avó em japones).
Primeiro faço o molho. Frito alho picado no azeite e acrescento vinagre, açucar, sal e agua...
O segredo ta em "prensar" bem os pedaços de acelga junto com o molho, assim ela ficara bem curtida!!!!
Tenhu uma pedra gigante aqui em casa só para fazer isso, rsrsrss
Aproveitando, eh a primeira x q deixo um comentario em seu blog Ana, mas acompanho suas aventuras e peripécias gastronomicas ja faz um bom tempo e me divirto muito lendo...

Bjaooo p vc aee...
...e como dizia nossa "amiga" Julia, Bon Appétit!!!

Lu disse...

Um livro que tem uma parte sobre conservas que eu gosto, é um do Jamie Oliver - Jamie em Casa - só tem conservas salgadas, mas é bom, é detalhado, não sei se é tão detalhado quanto você gostaria, mas esse livro é tão lindo que mesmo se não for o que você procura, acaba encontrando outra coisa interessante.

Rachel disse...

Olá, vi o nome do seu blog num post do Marcel Gussoni e vim conhecê-lo.
Gostei muito daqui e voltarei mais vezes, aproveito para te convidar a conhecer o meu, ok?!
Bjuss!!!

http://nabiroskinha.blogspot.com/

Andreia T. Farias Britez disse...

Nunca me atrevi a fazer conservas pois morro de medo!! Ano passado fiquei ensaiando para fazer uma conserva de pimentas com as que estavam no pé na minha casa e nem assim criei coragem!! Uma perguntinha básica: as ameixas são com casca ou sem? Abraços!!

Ana Elisa disse...

Andreia,
as ameixas vão inteiras, com casca, caroço e tudo! Elas perdem a cor depois de fervidas, deixando o xarope em volta vermelho desse jeito...

Pessoas,
Adorei todos os relatos! Obrigada! Me deixaram ainda com mais vontade de continuar a tentar as conservas! :D

Bjs

Olga disse...

Oi, Ana!
Essas conservas me lembram toda a minha infância, com uma bacia de 1metro de diâmetro de morangos prontinhos para virarem deliciosas geléias. Eu morava na Rússia e todo ano minha mãe fazia cerca de 300 (!) vidros das mais variadas conservas, até aqueles de 5 litros ela fechava. Tinha geléias de damascos, morangos, cerejas (minhas favoritas), blueberries, framboesas, amoras, groselhas. Também tinha algumas salgadas, como tomates, pepinos, cogumelos (delícia, delícia! tenta, q essa vale cada pedacinho), pimentões, repolho. Também fazia chás caseiros de morangos, cerejas, maçãs (frutas picadas, água e açúcar, ferver até a água ficar saborizada), q geladinhos ficavam deliciosos.
Eu até tenho revistas com técnicas, mas está em russo :( . Apesar q a técnica da mama é sempre a melhor! Iclusive tenho tomatinhos q a minha mãe fez há cerca de 10 anos atrás. Estou esperando uma data especial para abrir...imagina o sabor divino q deve estar...
Faça sem medo de ser feliz... e boa sorte!

Anônimo disse...

Ana,
Seu blog é demais, adoro!
Não consigo encontrar pinças para fazer as conservas.
Você pode me indicar um lugar para comprar?
Se preferir não publicar o comentário, meu email é indkiill@hotmail.com.

Obrigada,
Ingrid

Ana Elisa disse...

Ingrid,
não uso pinças especiais, uso as de metal mesmo, dessas de salada, de churrascaria... É só ter cuidado...

bjs

conservasmisturafina disse...

Olá Milena,
O livro biblia das conservas é do Oded schwats, o nome do livro é "conservas mesmo". Muito bom.
Trata também de embutidos.
Segue algumas dicas:

Geléia de mexerica da vovó

12 tangerinas
Casca de 6 tangerinas
1 xícara de açúcar

Lavar bem as tangerinas e deixar de molho por 30 minutos na água clorada
Retirar a casca cortando em 2 metades inteiras.
Raspar com uma colher a parte branca do interior da casca.
Ferver as cascas 3 vezes. E bater no liquidificador com o suco da tangerina coado.
Acrescentar o açúcar e deixar ferver até reduzir a metade, retirando sempre a espuma que sobe.
Colocar uma pitada de sal.
Fazer o teste do ponto pingando uma gota em um prato com água gelada. Se o pingo ficar inteiro, a geléia está pronta.


Embalagem e pasteurização

Embalagem de vidro própria para conserva com tampa metálica nova. Depois de pronta a conserva deve ser mantida em local fresco e seco. Após aberta dever ser refrigerada.

• Lavagem dos vidros com água e sabão
• Aquece-los em forno quente até estarem completamente secos - 15 minutos
• Tampas novas são lavadas e fervidas por 5 minutos (Não mais do que isto para não danificar o lacre de plástico)
• Envasamento da geléia é feito com o produto e o vidro quente
• Limpeza da borda do vidro com papel toalha molhado no álcool a 70%
• Todos os utensílios utilizados para o envasamento das conservas são esterilizados em água fervente durante 5 minutos
• Passa-se álcool 70% nas mãos e no antebraço para envazar.
• Utilizar mascara descartável durante este processo
• Banho-maria por 10 minutos (contados depois que a água voltar a ferver)
• Choque térmico com a substituição gradativa da água quente da panela por água fria, até o completo resfriamento (esta etapa não é realizada para geléias em geral, apenas para a de mexerica)
• Geléias cristalinas: virar o pote de cabeça para baixo e deixar por 2 minutos; ou colocar em uma panela com água quente (desligada) por 15 minutos e realizar o choque térmico (

• Solução de álcool para passar nas mãos e no antebraço antes de envazar as conservas.

250 ml de álcool a 90% + 50 ml de água

Esta solução serve para esterilizar as mãos, limpar a boca dos potes e passar na mesa onde a geléia será envasada.



Valeu
Marta..

lara disse...

Oi Elisa, td bem?
Lembra de mim? Nos conhecemos num evento do senac de abertura da semana mesa sp.
Adorei o texto da conserva: dá uma olhada nesse livro: http://publifolha.folha.com.br/catalogo/livros/136649/

Vc conhece?

bjos

carlinhos de lima disse...

Boa tarde!
Onde você compra estes potes de vidro?
Grande abraço

carlinhos de lima disse...

Boa tarde.
Gostaria de saber onde comprar estes podes usados.
Grande abraço.

Cozinhe isso também!

Related Posts with Thumbnails