sexta-feira, 15 de agosto de 2008

Nada mudou, tudo ficou no lugar: cevada, abobrinha, grão-de-bico.

Estou esperando pela sensação purificadora da dieta. Aquela quando você passou uma semana comendo porcaria e resolve compensar com uma semana de saladas; aquela sensação de estar leve, limpa, renovada. No entanto, tenho me sentido... satisfeita. À parte a chateação de medir tudo milimetricamente, não tenho tido nenhuma dificuldade em seguir as novas diretrizes. Olho para meu prato e, bem, ele não parece diferente do que sempre esteve. A impressão que tenho é de que esqueci de comprar macarrão na última ida ao supermercado. Posso dizer, portanto, que estou contente. É bom perceber que o que estava errado era a quantidade, e não a qualidade do que eu preparava. Invertem-se proporções, mas no fim das contas, nada mudou: os ingredientes são os mesmos, os sabores também.

Ok, ok, tenho meio litro de creme de leite fresco na geladeira, comprado antes da dieta começar, que anda me incomodando um bocado. Não quero que estrague, mas também não posso usá-lo em nada. Tanto, que estou pensando em preparar sorvete de creme e deixar no freezer, para o marido que não está de dieta, evitando assim o desperdício.

Para não dizer que nada mudou, minha geladeira está subitamente cheia. Como as quantidades de legumes no prato aumentaram na proporção inversa às dos carboidratos, fui obrigada a comprar mais quantidade e mais variedade. Também passei a fazer algo que jamais fizera: cozinhar alguns elementos com antecedência para tê-los quando quiser, a exemplo dos grãos-de-bico e da cevada. Convenhamos, não vou ficar gastando gás e tempo para cozinhar 3 colheres de qualquer coisa. Melhor cozinhar uma xícara toda e usar durante a semana. Pois é, isso é novo para mim, uma vez que sempre gostei de preparar tudo na hora. E é por esse tipo de praticidade (e por ter ficado muito bom) que repeti hoje o almoço de ontem. E, na certeza de que não foi apenas a fome falando, deixo a receita aqui.

É difícil não chamar meu almoço de salada: tem cara de salada. Talvez apenas por estar tudo misturado. Poderia ter disposto os elementos no prato de forma organizada: um montinho de cevada, um montinho de grão-de-bico, um montinho de abobrinha. Mas deus sabe que eu detesto isso e que sou obcecada por "pratos únicos". O caso é que os sabores e texturas dessa "salada quente" de fato se complementam e se ajudam. Não é a primeira vez que uso dessa mistura de ingredientes e não será a última. E para quem quiser comprovar o fato de que apenas o tamanho do prato mudou, veja aqui a salada de cevada e beringela que já era uma de minhas favoritas há muito tempo atrás...

SALADA QUENTE DE CEVADA, ABOBRINHAS E GRÃO-DE-BICO
Tempo de preparo: 15 minutos com a cevada pronta
Rendimento: 1 porção


Ingredientes:
  • 3 colh. (sopa) de cevada em grão cozida
  • 2 colh. (sopa) de grão-de-bico cozido
  • 2 mini abobrinhas ou 1 abobrinha pequena
  • 1 dente de alho pequeno
  • 1/2 pimenta dedo-de-moça
  • 1/2 colh. (chá) de azeite
  • 1 fatia de queijo tipo Feta
  • 1 colh. (chá) de suco de limão
  • sal e pimenta-do-reino moída na hora
Preparo:
  1. Fatie as abobrinhas em rodelas finas. Pique o alho. Retire as sementes da pimenta, descartando-as, e pique-a.
  2. Aqueça 1/4 colh. (chá) de azeite em uma frigideira pequena e doure ligeiramente o alho e a pimenta. Junte a abobrinha fatiada e salgue ligeiramente. Salteie até que a abobrinha esteja suavemente dourada, mas ainda firme.
  3. Junte a cevada e o grão-de-bico e misture para que os dois aqueçam e absorvam os sabores. Desligue o fogo, tempere com sal, pimenta-do-reino, o suco de limão e o restante do azeite. Esmigalhe o queijo por cima e sirva quente sobre folhas de salada crocantes de sua preferência.

4 comentários:

Alice] disse...

oi Elisa, parabéns pela salada e pelo blog. Eu também costumo cozinhar meus grãos em quantidade e congelá-los: cevada, lentilha, trigo em grão, ervilha... tudo na mão e na quantidade que eu quiser, são meus coringas, adoro. Bjs

Dani disse...

Oi, Ana!

Concordo no ponto em que vc diz que vegetarianos esbarram um pouco nos carboidratos. Fui vegetariana durante 5 anos (por não gostar do sabor da carne, mesmo), nem peixe entrava no meu cardápio, e o que percebi foi que durante esse tempo, o ponteirinho da balança subiu um bom tanto. As massas, batata, passaram a ser presença frequente no prato e eu decidi mudar isso acrescentando aos poucos um pouco de carne (ocasionalmente, bife de patinho e peito de frango, é o que eu tolero). Bem, tudo isso pra dizer que estas saladinhas todas estão sendo uma mão na roda!

P.s.: Er... A propósito, cevada tem gosto de quê? Huahuahuahaua

Beijo!

Michel disse...

Suas fotos estão demais Ana.

abs

Ana Elisa disse...

Alice,
obrigada! DE fato, ter esses cereais à mão é muito prático...

Dani,
É muito tentador cair no macarrão, não? Era bem mais fácil ficar satisfeita e em forma quando comia um franguinho grelhado e uma salada... Agora é a maior matemática culinária! hehehe... Aliás, cevada tem a textura um pouco mais firme que arroz integral. Difícil descrever, então imagina arroz integral com um sabor um pouco mais pronunciado, lembrando alguma castanha, com algo muito, muito lá no fundo que te lembra a cerveja, mas muitíssimo sutil. EXperimenta, muié!

Michel,
obrigada! (Vergonhinha...) :D

Beijos!

Cozinhe isso também!

Related Posts with Thumbnails