quarta-feira, 22 de outubro de 2014

Um "ratatouille" italiano com coucous marroquino de ervas para um novo jeito de me complicar


Existe sempre um jeito de estragar o que está funcionando. Certo?

No meu caso, a rotina que funcionava bem, de colocar Madame Bochechas para dormir às 9h da manhã (lembrando que ela acorda às 6h e se acaba de brincar) para poder trabalhar, foi atropelada pela decisão de transformar o berço da pequena em mini-cama no fim de semana. Pois, afinal, fizemos o mesmo com Thomas por volta dessa idade, e ela já vinha pedindo por isso.

Foi felicidade total ver a mini-cama montada, e, assim como o irmão, na primeira noite ela foi dormir sozinha, sem nem precisar mandar.

"Olha só", disse meu marido, orgulhoso. "Ela não vai dar trabalho nenhum. Até a soneca da tarde ela foi tirar sozinha."
"Você não lembra de como foi com o Thomas, né? Ele fez a mesma coisa, e na noite seguinte já não queria mais ir pra cama."
"Ah, não, mas ela não vai ser assim, porque ela vê o irmão, tem o exemplo do mais velho."
"Tô te falando..."

Deveria ter apostado dinheiro. ¬_¬

Dia seguinte, coloco a mocinha na cama para o cochilo da manhã. Eu com três aquarelas atrasadas para entregar, emails de cliente para resolver e um projeto pessoal pro dia 8 de novembro que eu nem comecei a esboçar. Ela esperneia e sai da cama. Eu boto na cama de novo. Ela esperneia e sai. Eu boto. Ela sai. E assim sucessivamente até que já era tão tarde, quase na hora de buscar o Thomas na escola, e eu já estava tão cansada, que desisti e não consegui fazer nada a não ser resolver três emails enquanto ela brincava no quarto.

À noite, mesma coisa. Bota na cama, sai. Bota na cama, sai. O que parecia uma infinidade de vezes, mas que eu contei e foram 23, até ela enfim cansar e dormir.

Sempre em mente todos os milhares de episódios da Super Nanny que eu vi antes de ter filhos. Fofa e carinhosa pedindo pra ir pra cama. Só carinhosa botando na cama. Botando na cama sem falar nada. Eventualmente eu só me colocava à sua frente de braços cruzados e ela voltava para a cama, vencida por alguns 15 segundos, até eu dar as costas e ela achar que estava livre novamente.

Exercício de paciência infinita.

Rotina simples complicada por uma decisão simples e inevitável. Porque criança é assim mesmo. Tudo bem até incorporar uma nova variável na equação. Aí... fué. Dá-lhe se adaptar tudo de novo. E de novo. E outra vez. Ad infinitum.

Aí você tem aquela pilha de legumes na gaveta. Resolve que quer um cozido de todos eles, abobrinha, berinjela e tomates. Mas não quer tudo maçarocado com gosto de coisa nenhuma. Quer textura, e quer sentir o gosto de tudo individualmente. Aí você pega algo simples e complica. Mas há complicações que valem a pena.

Aprendi com o livro de Suzanne Goin, um que usava loucamente antes de ter filhos, que às vezes é bom cozinhar os elementos separadamente e juntá-los depois. Você respeita o tempo de cozimento de cada um e eles mantém sua textura e sabor individuais mesmo misturados. Pensei primeiro num ratatouille, mas quis usar manjericão no lugar do tomilho. Engraçado isso de perfil de sabor, como são exatamente os mesmos ingredientes e mesmo processo: com tomilho é francês, com manjericão, italiano. Depois que o cozido estava pronto, descobri, num livro da Rachel Khoo recentemente comprado (parte da leva de aniversário), que se você mistura as fatias desses legumes artisticamente numa travessa e assa tudo de uma vez, é tian de legumes; se você cozinha todos separadamente e junta tudo no final, num cozido, é ratatouille. Eu achando que ratatouille se cozinhava tudo junto e descubro que antes de mim os franceses já complicavam as coisas.

Para absorver o caldinho do cozido, preparei um couscous marroquino. Mas queria que ele tivesse alguma personalidade também, então juntei a ele ervas e castanhas, para textura. O conjunto da obra fez sucesso, especialmente com Madame Bochechas, que bem sabe quando convém complicar minha vida ou deixar mamãe feliz.

RATATOUILLE ITALIANO COM COUSCOUS MARROQUINO DE ERVAS
Rendimento: 4 porções adultas

Ingredientes:

  • azeite
  • 1 cebola grande, picada
  • 3 dentes de alho, picados
  • 2 abobrinhas grandes ou 4 bem pequenas
  • 2 berinjelas grandes ou 4 bem pequenas
  • 4 tomates grandes, pelados (ou 1 lata de tomates pelados)
  • 1 punhado de salsinha, talos separados das folhas e reservados
  • 1 punhado generoso de folhas de manjericão
  • 1 1/2 xic. couscous marroquino
  • 1/3 xic. castanha de caju torrada, picada
  • sal e pimenta-do-reino


Preparo:

  1. Corte a berinjela em cubos de cerca de 2cm, com a casca. Coloque em um escorredor, polvilhe com sal e deixe sorar por meia hora. Enquanto isso, corte a abobrinha em quartos no sentido do comprimento e então em triângulos de 1cm de espessura. Se estiver usando abobrinhas menores, corte apenas ao meio e então meias-luas. Pique os talos da salsinha bem miudinho para usar no cozido. Pique os tomates (se estiverem na lata, pode apenas cortá-los com uma tesoura, sem precisar retirar da lata). Quando terminada a meia hora, passe a berinjela sob um pouco de água corrente para retirar o excesso de sal e esprema bem entre os dedos. 
  2. Numa frigideira grande,  aqueça um fio de azeite e 1/3 do alho picado. Junte a abobrinha antes do alho dourar, tempere com sal e pimenta e cozinhe em fogo médio-alto, mexendo de vez em quando, até que a abobrinha esteja dourada e macia. Retire da frigideira e reserve em uma tigela.
  3. Na mesma frigideira, coloque um pouco mais de azeite (umas três colheres) e junte a berinjela e mais 1/3 do alho. Tempere com pimenta e pouco sal (experimente para ver se a berinjela já não estava salgada o bastante) e cozinhe em fogo médio-alto, mexendo com certa frequência, até dourar e ficar macia. Coloque na tigela junto com a abobrinha.
  4. Ainda na mesma frigideira, aqueça mais um fiozinho de azeite e junte a cebola e o restante do alho. Cozinhe em fogo BAIXO, mexendo de vez em quando, para que a cebola e o alho amaciem bem devagar, cerca de 10 minutos.
  5. Quando começarem a dourar, junte os talos de salsinha e o tomate picado. Misture bem, cozinhe por dois minutos, e então junte os legumes reservados e 1/2 xic. água. Leve à fervura, então abaixe o fogo e cozinhe por cerca de 10 minutos, ou até que o caldo engrosse um pouco. Corrija o sal e pimenta. Rasgue metade das folhas de manjericão e junte ao cozido. Desligue o fogo.
  6. Coloque o couscous numa tigela resistente ao calor. Ferva 1 1/2 xic. de água. e derrame sobre o couscous. Tampe com um prato e deixe descansar 5 minutos.
  7. Pique a salsinha e o restante do manjericão e junte numa tigelinha com as castanhas, sal, pimenta e 2 colh. (sopa) azeite. Junte ao couscous já inflado, misturando com um garfo para não empelotar. Corrija o sal e a pimenta. 
  8. Sirva o cozido sobre o couscous, com mais um generoso fio de azeite por cima. 






7 comentários:

Carolina disse...

Oi Ana, eu tb me confundo toda com esses nomes diferentes para pratos parecidos! A minha versão favorita e bem simplificada de preparar esses legumes é picar tudo em cubos, temperar com sal, pimenta, um pouco de vinagre e muito azeite e deixar no forno. Eu gosto como tudo fica mais firme e mantém a personalidade. Eu tb sempre coloco pimentão colorido e tomate fresco, de preferência cereja.
Me sinto meio boba te dando sugestões de como fazer um prato, mas vai que te ajuda na rotina com a pimpolhada? ;)

Anônimo disse...

Adorei a receita, vou testar em breve! E sobre as mudanças de rotina, quer ver então quando param de tirar a soneca, e vc cheia de planos....mas é assim mesmo com crianças, e vale a pena demais!

Edu Piloni disse...

Belo prato! Amo couscous, seja ele turco, marroquino, francês ou italiano com manjericão heheh... simples ou mais elaborado, a versatilidade que ele proporciona para acompanhar pratos é sem igual :) Me deu água na boca, e tenho tudo isso em casa, já me programando pra quando vou fazer. Esse post valeu dimais xxx

Roberta Tavares disse...

Oi Ana! exatamente agora cheguei a este post, pois desde ontem, qdo conheci o blog,não parei mais! Simplesmente não consegui! Em "first place" meus parabéns, menina! Pelo saco de elefante que vc tem, mantendo este blog há tanto tempo,administrando comentários por muitas vezes sem noção e ofensivos. Te admiro, eu não tenho filhos, mas não teria a menor paciência com desconhecidos dando pitaco na minha forma de criá-los, na verdade tenho dificuldade em aceitar esta imposição de que, qdo nos manifestamos virtualmente, somos obrigados a engolir qq coisa, pois não vejo ninguém batendo na porta de algum escritor e proferindo impropérios, apenas por não concordar com o que leu...Enfim..Acho que foi muita informação de uma vez só..rsrsrs. Mas o que importa mesmo é que quero lhe dizer: GRATIDÃO! Pela generosidade em compartilhar tanto conhecimento, pela sua verdade escancarada e até mesmo pelo seu perfeccionismo, pois, formada em gastronomia e trabalhando na área há anos, aprendi preciosidades aqui. Daqui ninguém me tira! hahaha Beijos na família linda, q conheci desde ontem, qdo era apenas vc, o marido e o dog gostoso...e hj vejo essas belezuras que vc fez com capricho!

Toc de cuisine por Mônica C disse...

Ana, couscous com legumes e frango também é um dos meus pratos-relâmpago preferidos. Sim, também cozinho separado para dar a cada legume seu gosto, e a wok sempre me ajuda nessa tarefa porque dou uma grelhada neles antes de botar o pingo de água. Por último, frito os cubos de frango lá mesmo, com Has el Hanout como tempero, que os deixa dourado escuro e muito saborosos! Parabéns pela linda receita e foto!

Victória disse...

Adorei que você comprou o livro da Rachel Khoo! Estou ansiosa para ver você preparar alguma receita dela :)

Nathalia Oliveira disse...

Fiz a receita, adaptando um pouquinho com as ervas que eu tinha em casa e ficou uma delícia! Obrigada

Cozinhe isso também!

Related Posts with Thumbnails