domingo, 26 de julho de 2020

De um pé e de um muffin




Meus pés me sabotam. Ou me ensinam. Muito provavelmente os dois ao mesmo tempo, num movimento entrelaçado e interdependente.

Naquela manhã acordara tensa, sentindo a dor na planta do pé irradiando pela parte de trás da perna até o meio das costas, transformando o espaço de energia livre entre minhas omoplatas em um vale duro e seco, constrito e crispado, feito chão de deserto. Um som agudo atravessava minhas têmporas de um lado ao outro. O ar de verão grudava na pele. Bebi meu café sem vontade enquanto acalmava os ânimos exaltados das crianças, que discutiam sobre coisa nenhuma, exaustos do confinamento em si mesmos.

Minha mente tentava, como fizera nos últimos meses, desde o fatídico dia de março em que anunciaram a quarentena, montar as peças de nossa rotina. Quero passar o dia todo fora de casa, pedira minha filha. Como fizemos no ano passado. Suspiro. Ano passado eu tirara férias com eles. Ano passado eu usara seu tempo de escola para pintar e montar exposições e vender minhas pinturas pela cidade. Usara seu tempo na escola para trabalhar e então poder relaxar com eles no verão, criá-los, minhas criaturas, durante esses dias longos e quentes, tão preciosos numa terra onde se têm oito meses de inverno. Mas este ano não tivera o seu tempo de escola. O tempo fora quebrado e truncado, os projetos adiados, os cafés e galerias onde exibiria meu trabalho foram fechados, as horas de que precisava desapareceram pelos dedos feito areia fina.

Mas ainda podia correr. Correr era meu tempo. Meus pés em movimento pela terra, sentindo o mato e  o vento, a mente desperta e alerta na recriação da Vida Tranquila que eu construíra ao longo dos anos e que agora andava escondida por entre os becos do labirinto da Pandemia.

Quebrar o pé teria sido um desastre, não fosse a mente forte que andava no fluxo. Adapta-se. E montada na bicicleta, levei meus filhos em pequenas aventuras por essa cidade-mato-e-água. Os dias tinham aquele gosto de verão. Mas era um gosto temporário, um gosto ansioso de quem não vê a hora de meter os pés na terra novamente e correr longe.

E eles puderam correr. Por uma semana. E então a musculatura cansada fraquejou numa tarde quente e um minúsculo acidente da calçada torceu meu tornozelo. Não me soava grave o pulsar daquela dor, ignorável comparada aos roxos graves dos ossos quebrados. E depois de poucos dias, os pés voavam no mato outra vez.

Mas a dor que girava no tornozelo caminhava. Girava por cima do pé, dançava até o joelho. Passeava como quem não quer nada até o meio das costas e descansava, às vezes, nos ombros, trazendo ao pescoço  lembrança das pequenas frustrações. Quando as lições da escola acabaram e as crianças eram férias de verão, aquela dor resolvera fincar raízes na planta do meu pé. E cada dia de corrida somava ao corpo as dores de uma dúvida.

Queria correr. Mas a corrida truncava o dia. Cansava. Doía. Queria terminar meus projetos. Rápido. Mas isso excluía meus filhos de mim. Cansava. Doía.

Pensava naquelas três semanas de pé quebrado, nas aventuras de bicicleta, e o fantasma dos verões passados me acenava, ansioso, desejoso de voltar e fazer parte. Mas eu precisava abrir mão.

Naquele dia sentei-me à beira do lago, e, num esforço mitológico, olhei meu rosto na água. Cenho franzido,como se pudesse espremer pela testa a tensão suprema que se formara. Tensão de elástico velho, um segundo antes de romper. Quero ser essa pessoa produtiva. Quero fingir que não existe pandemia, que não há quarentena, que o meu tempo é meu e que é possível viver ao mesmo tempo essa vida linear e a vida múltipla. Quero fingir que priorizar não significa escolher um só, e que é possível que todos os seus fragmentos tenham igual importância.

Mas isso é infantil.

Há que se escolher.

Quando a água tremula meu reflexo, levanto o rosto, e enxergo aquela pata deslizando sobre o lago, trazendo consigo nove patinhos de brinquedo, pequenas esferas de uma penugem castanha e rajada de amarelo. Eles confiam todos na mãe e a seguem na minha direção. Surpreendo-me ao vê-los aos meus pés, a menos de um braço de distância. Fosse menos respeitosa, poderia apanhar um deles nas mãos para sentir nos dedos o bater forte de seus coraçõezinhos sob as peninhas. Ali eles ficaram por um tempo, numa observação curiosa de quem tenta entender uma aparição. E tão graciosa e casualmente como vieram, foram.

Sorrio.Talvez seja hora de parar de lutar contra. Parar de me agarrar a uma rotina que não serve mais. Parar de maltratar esses pés que buscam descanso dessa corrida infinita na roda. Parar, sair da roda e enxergar a gaiola. Abrir a porta e sair.

Enquanto caminho de volta para casa, avisto um tronco de árvore, onde alguém cortou a frase do primeiro livro que li para meus filhos: I LOVE YOU TO THE MOON AND BACK.

O universo tem enviado sinais claros demais para serem ignorados.

Na manhã seguinte, chamei as crianças para preparar muffins. Havia bananas maduras e coco ralado. Meti num pote alguns bolinhos ainda mornos e saímos de bicicleta. Para onde vamos? Não sei.Só vamos. Meu jeito favorito de ser mãe deles. Só vamos sem pressa e sem planos. Preciso sair da roda para ensiná-los a nunca entrar nela.

Paramos onde eles querem parar, explorando os matos e os lagos e as praias. Vendo esquilos e pássaros, e uma marmota, até. Paramos para brincar com pedras e colher flores,e comer muffins e melancia. Eles recolhem penas e conchas. Falamos do mundo. Passamos o dia do lado de fora, saboreando o verão fugidio e passageiro como se fosse o último dia de nossas vidas.

Quando vou ao médico, ele diz o que eu já sabia. Fascite plantar. Uma inflamação na pele que recobre o músculo da planta do pé. Você pode andar de bicicleta, mas não pode correr nem andar muito. Tudo bem. Eu já sabia. Minha ultramaratona foi cancelada. E eu já tinha escolhido parar. Parar por um tempo. Fechar os olhos e curtir criar minhas criaturas nesse verão, como nos outros anos. Criar seres humanos. Do resto dou conta depois. De outro jeito. De alguma forma. Eu dou um jeito. A prioridade agora é criar essa Vida Tranquila com eles, para que eles possam criá-la para si mesmos depois.

Está tudo bem.

Meus pés me sabotam. E me ensinam. Como filhos. Fazendo você rever seus planos, suas ideias, seu mundo. Tropeçando seu ego e pisando firme no chão para se reerguer melhor. Sou uma mãe melhor sendo feliz com eles.

Voltamos para casa e, enquanto eles leem um livro, apanho o computador, os papéis, os pincéis, o caderno, e o trabalho flui, livre, produz frutos inesperados e pequenas alegrias que eu não via antes. Criar nossa Vida Tranquila fertiliza o solo onde meus pés descansam. Largo o mato para crescer livre e ele produz flores inesperadas.

A Vida Tranquila flui. Flui como água de degelo na primavera, irrigando os vales secos e relaxando os músculos. Respiro. O ar do verão traz uma brisa refrescante de olhos fechados sorrindo sob o sol.

Esse homem que eu amo me traz um espresso "com civilidade", como ele chama o pires e o pequeno chocolate que acompanha o café quente. Um beijo e um sorriso. Amor. Cuida do teu pé. Pode deixar, eu vou.

....

MUFFINS DE BANANA COM COCO
(quase nada adaptado do site Epicurious)

Ingredientes:
  • 1 1/4 xic farinha de trigo
  • 1 colh (chá) fermento químico em pó
  • 1/4 colh (chá) sal
  • 2 bananas grandes, bem maduras, amassadas (cerca de 3/4 xic)
  • 100g (1/2 xic) manteiga se sal, derretida
  • 2/3 xic. açucar + 1 colh. (chá) para polvilhar
  • 1 ovo grande
  • 1/2 colh (chá) extrato de baunilha
  • 3/4 xic. coco ralado sem açúcar

Preparo:
  1. Forre uma forma de muffins comum com 12 cavidades com forminhas de papel, ou unte e enfarinhe as cavidades. Pré-aqueça o forno a 190oC.
  2. Numa tigela grande, misture com um fouet a banana, o ovo, a manteiga derretida e a baunilha.
  3. Acrescente os 2/3 xic. açúcar e misture até que o açúcar pareça dissolvido.
  4. Junte 1/2 xic. do coco ralado e misture.
  5. Acrescente a farinha, o fermento e o sal e misture apenas até que a farinha desapareça.
  6. Distribua a massa entre as formas. Polvilhe o restante do coco ralado por cima da massa e o açúcar.
  7. Leve ao forno por 20 a 25 minutos, até que estejam dourados e um palito saia limpo quando inserido em um dos muffins.
  8. Deixe esfriar sobre uma grade um pouco.

4 comentários:

Stéphanie disse...

Oi, Ana! Sempre bom saber que, apesar dos contratempos, vocês estão todos bem.
Acompanhei os últimos posts mas não tinha nada para comentar.
E o que tenho agora parece chato, já que você está longe da corrida... Hoje eu completei 5 semanas correndo. Sempre penso em você quando saio, sobre esse "tempo pra mim" que eu não tinha antes da Pandemia (com P maiúsculo, mesmo, de tanto que essa situação mudou a vida de todo mundo!) e nem após ela. Você me inspira, como sempre, dentro e fora da cozinha.

Inclusive agora quando, não podendo correr, já encontrou respostas (bicicleta, verão sem planejamento rígido - porque né, não conseguimos planejar a vida e isso a Pandemia tem nos ensinado bem - memórias doces como muffins assados em conjunto).
Se eu conseguir ser só um tiquinho parecida contigo quando "crescer" (eu já devia ter crescido, né, mas estamos nos esforçando nisso tb XD), serei muito satisfeita.
Um beijo grande pra vocês. E obrigada pela receita dos muffins! Estava doida para fazê-los desde que os vi no seu instagram =D

Roberta Vasconcelos disse...

... me sabotam. E me ensinam. Como filhos... precisava lee isso hoje. Gratidão.

Cris Murachco disse...

Oi Ana, é sempre gostoso receber logo de manhã, pelo email, uma nova postagem. Quando li seu post, me identifiquei novamente - como ocorre tantas vezes. Também tive fascite plantar. Bem ruim, eu sei. No momento da crise e da inflamação, não tem muito o que fazer. É tratar da inflamação e cuidar. Mas meu médico me passou um exercício de alongamento muito simples que me ajudou muito, e continua ajudando, sempre que o pé resolve voltar a reclamar. Logo quando vc acordar, ainda na cama, sente-se e estenda as pernas (pode ser uma e depois a outra). Faça hiper-extensão da perna com o pé em angulo reto. Conte 10 segundos. Relaxe e faça de novo. Demora menos de um minuto e mudou minha vida. Espero que funcione para você.
Um beijo e fique bem!
Ah! Vou testar a receita de muffins...

Maria - Plantas e Poesia - disse...

Maravilhoso texto. Prosa poética que escorrega suave pelos nossos olhos e ao final deixa um gosto de quero mais... Parabéns pelo belo texto!

Cozinhe isso também!

Related Posts with Thumbnails