segunda-feira, 24 de fevereiro de 2020

Acordando cedo, meditação, ayurveda e bolo mágico de chocolate


Gansos no lago congelado.
Acordo às cinco e meia da manhã com a vibração suave de meu relógio de corrida em meu pulso. Desligo o alarme antes que desperte meu marido ao meu lado, e por alguns segundos fecho os olhos, inspirando fundo e tentando me lembrar dos sonhos loucos que tive àquela noite. Preguiça de levantar. Mas levanto. Sei que é bom para mim e que a preguiça só dura até eu de fato sair do quarto, ao que ela desaparece como que apanhada num portal mágico assim que piso na sala. Em silêncio, passo por meu altarzinho onde repouso minha caixinha de yoga que tenho desde minha iniciação, meu tarô, a vela que Allex me deu no nosso primeiro encontro e que tem gravado o ideograma japonês para Amor, a joaninha de brinquedo com a palavra LOVE inscrita que meu pai me deu um dia, uma pequena estátua de Ganesha, outra de Buda, e mais tantos outros símbolos de amor e inspiração que coletei ao longo de minha vida. Demorei muito tempo para montar esse pequeno altar, que nunca tivera um espaço apropriado em outras casas nossas. Até esse dia, há umas semanas atrás, em que resolvi trocar um móvel e uns livros de lugar, e montei aquela estante-altar bem no centro geométrico do apartamento. Um pouco sem querer, a intenção era apenas reorganizar nossas coisas, mas quando olhei para a alta e estreita estante, ali estava ela, com os instrumentos musicais, os livros de Yoga, o primeiro brinquedinho que compramos para Thomas quando ele ainda estava em minha barriga, o talismã de proteção que uma amiga trouxe para Laura do Japão, os dadinhos de pelúcia vermelhos que Allex me deu e que até hoje são o símbolo, para mim, de que tenho ao meu lado alguém que de fato me ouve quando falo. Montei meu altar sem querer, e agora ali está ele, à vista de todos, e a ele dou Bom Dia sempre. (Thomas às vezes para ali em frente para esfregar a barriga do Buda.)

Assim vou à cozinha, nas pontas dos pés, imersa em escuridão, torcendo para não tropeçar em nenhum brinquedo que possa ter sido deixado no meio do caminho na noite anterior, e apanho um limão para espremer num copo d´água e matar minha sede antes de qualquer outra coisa. A acidez do limão percorre meu corpo como eletricidade, e estou enfim acordada.

Olho em volta. É noite escura, a não ser pelas luzes amarelas dos postes das ruas, que invadem atrevidas a sala pelas janelas, permitindo que eu enxergue o que estou fazendo sem precisar acender outras lâmpadas. Continuará noite ainda por muito tempo. No inverno, o sol surge tarde, preguiçoso, sem energia, bocejando e sem vontade de trabalhar.

Caminho até o tapete felpudo e branco, que continua branco apesar do cachorro e das crianças, o que em si só é prova de que milagre (mágica?) existe. Faço minha Saudação ao Sol sem sol, como quem paga a promessa antes de receber a bênção. As costas estalam ao serem alongadas, sinto os tornozelos rígidos se soltando, a respiração coordenada com os movimentos termina de me despertar. Espreguiço com prazer antes de me sentar para meditar.

Faço a prática completa de Kriya Yoga, que aprendi há tantos anos. Respirações, alongamentos, relaxamentos, meditação. Aprecio o silêncio e a escuridão da minha sala. Isso de estar desperta há mais de meia hora sem ter precisado despender uma palavra. O silêncio me acolhe e me acalma, e enquanto medito, enxergo as respostas que eu buscava.

Agradeço.

Levanto.

É noite ainda.

Se tenho sorte, vou até a mesa, ligo o abajur pequeno e apanho meu caderno e um lápis para escrever um pouco. Um sonho, um insight, uma ideia, um desabafo. Olho para a cidade lá fora, pontinhos luminosos num mar negro, meu rosto refletido em dourado na janela, o abajur ali duplicado. Tenho tempo de pensar a vida com calma, olhando os faróis de um carro ou outro lá embaixo, o som dos primeiros ônibus estacionando na estação.

Quando tenho menos sorte (ou o universo apenas tem planos diferentes dos meus), abro os olhos da meditação para imediatamente ouvir o som da maçaneta da porta, e um filho ou uma filha vindo de passinhos leves, tateando seu caminho no escuro, cabelos emaranhados em frente aos olhinhos esfregados com o dorso das mãos, dizendo Bom Dia Mamãe.

Pergunto quem quer fazer café e quem quer dar comida ao cachorro. Cada um se oferece para uma coisa, ou às vezes um só quer fazer os dois. Desde que comecei a levantar tão cedo, têm sido a vez do papai receber cappuccino na cama. Com direito à Bom Dia Começa Com Alegria, Bom Dia Começa Com Amor.

Esfrego o cachorro que vem dizer Oi. Vejo as crianças irem aos seus interesses. Às vezes estão inspirados e já saem do quarto trocados, de cama arrumada, e correm a preparar seus cafés-da-manhã, cheios de certezas. Hoje eu quero iogurte com fruta!, diz um, abrindo a geladeira. Hoje eu quero bolo e um ovo frito!, diz o outro, e cata a frigideira. Ofereço ajuda, faço o que posso, mas tento deixar que façam sozinhos, que escolham sozinhos, que se arranjem como melhor puderem e limpem a própria bagunça.

Outras vezes, os dois ficam de pijamas por muito tempo, e vão brincar ou desenhar ou conversar por bem uma hora, e se pergunto o que vão comer, a resposta é Não Sei, e deixo quieto, no ritmo deles, porque há muito tempo ainda até a escola, e não preciso apressar ninguém. Se eu tiver paciência e esperar  e confiar (e essa é a parte mais difícil, aprendizado nível profissional para mamãe-rainha-do-controle), eles virão comer e resolverão botar uma roupa quando acharem que já é hora, e o resultado será o mesmo de sempre, ainda que o processo seja diverso.

Allex acorda e coloca uma música e vem me dar um abraço. A "regra" é essa. Quem ganha café tem que dar abraço em quem fez café. ;) Tomo meu café preto, assim, sem nada. Os cappuccinos andam sumidos do meu dia, agora que estou experimentando evitar laticínios. Preparo meu pão dourado no óleo de coco, com manteiga de castanha do Pará e rodelas de banana. Sento à mesa para comer com calma, enquanto converso com quem quiser conversar. Thomas sempre quer. Ele acorda cheio de assunto, meu menino.

Preparo o almoço das crianças. Sempre o que restou de jantar, pois agora eles voltaram a querer comida quente na escola, cansados da fase do sanduíche. Um bolo ou um biscoito feito em casa. Uma fruta. Talvez um iogurte com maple syrup. Nori cortadinho. Crianças aqui no Canadá adoram comer algas. Arranjo o que tiver sem ficar pensando demais a respeito. O importante é que estejam alimentados.

Chamo os dois para empacotar as lancheiras e arrumar nas mochilas tudo o que precisarem para a escola àquele dia. É responsabilidade deles olhar seus calendários e agendas e saber quando devem levar livros ou material de natação.

São sete da manhã. Os primeiros raios de sol entram pela janela e pela primeira vez desde que levantei, consigo olhar o parque, as ruas, e averiguar as possibilidades do meu dia em relação ao estado das calçadas. Chuva, neve, sol, não importa. Não havendo gelo nas ruas, posso correr.

Meto-me na roupa velha de ginástica, protejo as mãos com luvas, a cabeça com um gorro, e saio. Não sei se as crianças vão estar prontas para a escola na hora em que eu voltar. Mas aprendi a desapegar dessa ideia. Além disso, marido está em casa pra isso, e ele continua gerenciando a bagunça enquanto eu corro. É um constante aprendizado, novamente, doutorado em desapego, isso de largar mão do controle e deixar o marido e cria se virarem.

O parque é vazio e silencioso, ainda imerso numa luz suave e difusa do nascer do sol. Os troncos das árvores são vermelhos e iridescentes nos primeiros instantes da aurora. Quando há neve, ela ganha tons suaves de lilás e cor-de-rosa que se esmaecem até a conformidade dos azuis e dos cinzas. Quase sempre há outras pessoas correndo, e nos dizemos bom-dia, membros oficiais dos corredores do começo da manhã. Se chove ou neva, minha companhia são os pássaros lá no alto e os tratores que removem a neve do meio da rua antes do trânsito aumentar.

No fim de semana, consigo correr mais longe. No inverno, às vezes as trilhas (e as ruas) estão assim: cheias de gelo puro, neve que descongelou, virou um rio, e congelou de novo, esperando pelo primeiro passante desavisado pisar, escorregar e cair de bunda no chão.
Corro tranquila. Em meia hora, dependendo da quantidade de neve na rua, posso fazer meus cinco quilômetros com calma. E quando retorno, de coração batendo forte e mente alerta, consigo lidar de bom humor com a possibilidade de ninguém ter escovado os dentes ainda nem ter guardado a lancheira.

Ou sorrir contente, com a constatação de que tudo correu bem enquanto eu estava fora. Quando isso acontece, as crianças gostam de gritar do quarto quando abro a porta: Mamãe! A gente fez tudo o que você pediu!

Coloco numa panela minha bebida ayurvédica pós-treino. Pois a corrida foi ótima para livrar meu corpo do Kapha quando eu estava letárgica, acima do peso e deprimida. Mas agora tudo o que ela faz é aumentar meu Vatta e me deixar mais aérea, esquecida, de pele mais seca, e desidratada, principalmente quando corro em temperaturas frias e com vento. Estudar mais afundo a respeito de Ayurveda tem me ajudado a cuidar melhor do meu corpo, que andava dando sérios sinais de desequilíbrio.

Vai na panela o leite de amêndoas, tâmaras, cardamomo e açafrão, que quando não tenho, substituo por uma pitada de cúrcuma. Levo à fervura, desligo, tampo e deixo lá enquanto tomo meu banho. Já são oito horas, e agora quem precisa se apressar sou eu. Pronta para sair, bato minha bebida quente no liquidificador, e bebo tranquilamente enquanto converso com o marido que se arruma para ir ao trabalho. Escovo meus dentes e saio com cão e crianças em direção à escola, depois de um beijo estalado no meu amor. E eu sei que quando voltar do passeio do cachorro, minha manhã será mais longa e produtiva, com o devido tempo para descansar a cabeça antes de buscar as crianças na escola novamente.
....


Parece estranho mais uma história sobre as rotinas da manhã, mas as coisas têm mesmo mudado ao longo dos meses. Havia um tempo que eu andava incomodada com minha letargia matinal e o fato de ser a última a levantar da cama (ainda que adorasse ser acordada por meus filhos e cappuccinos). Eu andava indo dormir tarde, e dormir tarde me fazia ter fome novamente (afinal, jantamos às seis da tarde), acabava abrindo uma cerveja enquanto batia papo com o marido, e essa combinação de late night snack e álcool me fazia ter noites mal dormidas e insônias. Um ciclo realmente vicioso, que piora no inverno. Some-se a isso a festa do frango que foram os últimos meses. O claro aumento no meu consumo de carnes em relação ao que era no Brasil (por vários fatores, mas principalmente o frio, cultura canadense, oferta de carnes orgânicas...). E o resultado, apesar da corrida e de todas as frutas e verduras, foi um quadro inflamatório no meu corpo. Manchas na pele, digestão desandada, crises de sinusite, insônia, falta de energia, irritabilidade, azia e mais tantos sintomas, entre eles essa melancolia, que eu gostava de atribuir ao inverno, Winter Blues, mas eu sabia que tinha muito mais a ver com esse processo arqueológico de escavação do meu excremento emocional. Sim, excremento emocional, é esse o nome que dou àquela lama podre e fedida que jaz no fundo, bem no fundo do seu ser. Aquela que quando você encontra, não quer nem encostar, quanto mais remexer. Mas é necessário, não é? Uma pessoa me disse outro dia que tinha cansado de ficar chafurdando nessa lama emocional, e tinha decidido deixar quieto, que do jeito que estava já era bom o suficiente. Ali eu lembrei daquela frase famosa, sobre a flor de lótus nascendo da lama, e respondi: eu quero mais é mergulhar no meu excremento emocional até encontrar o fundo. Daí eu posso apoiar meus pés no chão firme lá em baixo e dar impulso pra nadar pra fora dessa lama de uma vez por todas.

Ao fundo cheguei. Olhei em volta, remexi, cheirei, provei, compreendi. Há algo de podre no reino da Dinamarca.

E está na hora de mudar isso tudo. Apoiei os pés. Dei impulso pra (tentar) deixar isso pra trás. E cá estamos.

Com a cabeça um pouco mais no lugar, resolvi ouvir meu corpo e o que eu andava fazendo com ele. O primeiro padrão que notei foi a azia forte que sentia depois de comer carne e beber. Todas as vezes. O efeito na minha digestão era sempre o mesmo, independente de quão delicioso estivesse ou quão emocionalmente reconfortante aquele franguinho /cachorro-quente / churrasco fosse. E as manchas em meu rosto aumentavam, parecendo o processo alérgico que tenho quando tomo Schwepps. (Algo na composição do Schwepps de limão faz aparecerem placas vermelhas, quentes e piniquentas no meu corpo todo, e desde a faculdade que não chego perto disso.)

Estou querendo dar um tempo em carne, chuchu, disse a Allex. Não está me fazendo bem.
Ok, ele disse. Ele andava tendo os mesmos pensamentos.
Não para sempre, continuei. Mas deixar carne pra ocasiões realmente especiais, tipo quando vamos viajar para algum lugar e o prato típico é de carne e a gente quer muito provar, sabe?
Ele assentiu.

Isso me deixou tranquila. Sou eu quem cozinha em casa, mas não quero impor minhas escolhas ao restante da família. Expliquei às crianças que a mamãe pretendia passar um tempo sem cozinhar carne nenhuma, e eles acharam ok. Laura só não se empolgou com os hambúrgueres vegetarianos, dos quais ela nunca foi muito fã.

Naquela mesma noite, tive mais uma de minhas insônias. E, cansada de me revirar na cama, levantei às cinco da manhã e resolvi ir fuçar no celular... que estava sem bateria. Sem saber o que fazer, sem vontade de ler naquele momento, resolvi meditar. E meu dia foi tão melhor depois disso, que assim que tomei meu café da manhã, acertei meu relógio para me despertar às cinco e meia na manhã seguinte.

A primeira semana foi difícil. Acordar às cinco e meia e meditar é a parte fácil. Sinto-me tão bem depois de fazê-lo que essa mera lembrança é incentivo o bastante para sair da cama, mesmo de sábado e domingo. O problema foi a adaptação da hora de dormir. Eu tinha um sono acachapante no fim da tarde, e sabia que seria capaz de ir dormir às sete e meia da noite junto com as crianças, se não fosse o desejo de passar tempo com Allex à noite. Ele ainda tinha expectativa de que fôssemos conversar, ver uma série e ir dormir às onze, e depois de entrar na rotina dele por alguns dias, precisei bater meu pé e dizer boa noite às oito e meia, o que foi um bocado decepcionante para todos. Há alguns dias atrás, no entanto, ele resolveu começar a acordar junto comigo para meditar também (depois de lembrar que ele costumava fazer a mesma coisa há uns anos atrás no Brasil), o que faz com que nosso padrão de sono seja o mesmo, ainda que ele notoriamente precise dormir menos horas que eu. Temos ido dormir pouco depois das nove e meia e por enquanto isso tem funcionado muito bem. :) A vantagem que eu não previa era de que acabamos vendo menos TV à noite, uma vez que não dá tempo de ver nada. Filme e série fica para o fim de semana, quando dá pra ir dormir depois das dez e compensar com um delicioso cochilo à tarde. Meditar todos os dias também abaixa minha ansiedade e me faz ter menos vontade de beber qualquer coisa, não só à noite, mas nos fins de semana também. Uma coisa vai puxando a outra. Hábitos ruins puxam hábitos ruins, hábitos bons puxam outros hábitos bons.

Então num desses dias em que Allex estava em Ottawa a trabalho e as crianças haviam ido para a cama particularmente cedo, com preguiça de ler, sentei para assistir a um documentário que andava pipocando por aí: Game Changers.

Quando comecei a me preparar para a maratona do ano passado, fui atrás de informação sobre nutrição de maratonistas e ultramaratonistas, pois percebi que os treinos longos diários andavam me deixando com muito mais fome do que o normal, e eu precisava me adaptar um pouco, mas não sabia como. O fato de boa parte deles terem uma alimentação vegana me chamou a atenção, e fiquei desde aquela época com essa pulga atrás da orelha.

O documentário é bem divertido. O outro que a Netflix exibe, Forks Over Knives, também é, e dá um pouco mais de infromação científica a respeito de alimentação a base de plantas.

Eu tenho minha primeira ultra-maratona marcada para agosto. Cinquenta quilômetros. Tenho seis meses para me preparar. Aí está uma boa oportunidade de ver se meu corpo se comporta diferente (tanto em saúde quanto no desempenho nos treinos) evitando produtos animais. E depois de ir atrás de mais informação, resolvi fazer essa experiência. Assim, sem cobranças nem me enfiando em caixinhas e rótulos, porque quem fica dentro de caixa com rótulo é produto de supermercado e eu não tenho vocação pra isso. Resolvi simplesmente tentar fazer a maior quantidade de refeições veganas (plant-based) possíveis. POSSÍVEIS. Porque afinal, quem está correndo 50km sou eu, não meus filhos, nem meu marido. E não quero impor a eles mais de mim mesma do que já imponho. Eu estou tomando café preto, mas marido continua no tradicional cappuccino. Claro que se eu puder fazer um strogonofe com creme de castanha de caju ao invés de creme de leite, eles vão acabar comendo um prato vegano também e não vão nem notar (eu não faço alarde e ninguém nota). Mas se eles quiserem um ovo frito junto com o arroz, feijão preto, couve e abóbora assada (que é meu PF favorito e não intencionalmente vegano), não vou ficar surtando na batatinha.  Eles adoram ovos e iogurte. Laura não é fã de queijos, o que até facilita a vida.

O painço de ontem virou esse hamburguinho, cheio de ervas e temperos. Usei linhaça para dar liga. Laura não é fã de bolinhos nem de hambúrgueres vegetarianos, mas se ela puder colocar maionese em cima, ela come. Fazer o quê.

Por exemplo, quando fiz burritos no fim de semana, o dos meninos tinha queijo e o das meninas, não. Mas enfim, é minha experiência e não deles e a saúde deles está ótima e sem necessidade de qualquer restrição alimentar. E se eu estiver afim de comer pizza com queijo, está tudo bem. É para DIMINUIR os produtos animais tanto quanto possível, não eliminá-los completamente e me deixar miserável. Afe, a vida é muito curta pra se sentir miserável.  (E eu adoro OVO. Costumava dizer que jamais seria vegana por conta do queijo, mas hoje sei que se tem um produto animal sem o qual minha vida seria triste é ovo. Sonho da vida era ter galinhas de novo, como tinha na chácara, ciscando felizes por aí, comendo couve na minha mão. A gente nunca matou galinha para comer lá na chácara dos meus pais, eram só os ovos que a gente queria. Elas tinham uma vida bem longa e feliz no meio do mato, num galinheiro imenso (que eu abria para elas passearem na horta e comerem os bichinhos que mastigavam nossas verduras) que só servia pra elas não serem comidas por outros bichos durante a noite.) Enfim.

No fim de semana, fiz burritos de arroz, feijão preto, pico de gallo (aquele vinagrete mexicano) e abacate. Os meninos colocaram queijo nos deles, mas Laura e eu comemos sem. Mas durante a semana, fiz um para meu almoço de feijão preto, banana-da-terra grelhada, abacate e couve refogada. DELÍCIA.
Também teve o dia em que Thomas disse que queria preparar o almoço. O que você quer fazer, perguntei? E ele disse: aqueles crepes marrons que você faz, com ovos mexidos e salada.

Almoço idealizado e quase todo feito pelo Matador de Dragões.
Fiz os crepes para ele, pois eles são mesmo um pouco difíceis de preparar, e o restante ele mesmo preparou do começo ao fim, incluindo a montagem dos pratos. A couve roxa refogada foi sugestão minha, que ele acatou imediatamente. Quando meu filho faz crepes de sarraceno com ovos mexidos, couve e salada, eu vou recusar porque não estou comendo ovo e leite? DE JEITO NENHUM. Comi, e estava uma delícia, e agradeci todo o trabalho dele e disse que quero vê-lo cozinhando mais. 💓

Ainda que eu tenha preparado arroz doce com leite de amêndoas e eles tenham adorado e sequer notado a diferença. ;) Mas isso era só porque EU queria comer arroz doce.

As crianças pediram sorvete, mas eu também queria tomar. Então sorbet de manga foi uma excelente solução. Só bater manga congelada com umas colheres de água, açúcar e uma espremidinha de limão no processador até virar sorvete.

Além da experiência toda relacionada à corrida, cortar os produtos animais pode também diminuir esse meu quadro inflamatório. EM TEORIA. Veremos. Só preciso tomar cuidado com minha constituição ayurvédica. Da última vez que me enveredei em cozinha vegana, ainda no Brasil, o resultado foi meu Vatta nas alturas: pele mais seca ainda, falta de memória e atenção, sensação de estar aérea o tempo todo, mais insônia... E acabei voltando pras carnes e queijos porque na época conclui que era a ausência deles que me deixava assim. Mas hoje sei que fiz tudo errado: fiquei nas saladas leves e nos sucos verdes, que não são boa coisa pra mim. No MEU CASO (lembrando que o lindo do Ayurveda é que ele é específico para você e não genérico, então o que funciona pra mim não necessariamente funciona pra você), preciso de todos as minhas folhas verdes e amargas muito bem coizidinhas e balanceadas com coisas como batata-doce ou abóbora, por exemplo. A gente vai aprendendo, e dessa vez estou passando longe do suco verde e indo mais para os sucos de fruta mesmo. E tomando meu leite de amêndoa com tâmara depois de correr na neve. (Também porque NO MEU CASO não estou precisando perder peso, como era quando comecei a correr há anos atrás ou quando voltei à corrida aqui no Canadá, então comer mais dessas coisas cremosas, docinhas, quentinhas, vai só me fazer bem. Se você tem todos esses sintomas de vatta alto e também está acima do peso e letárgica, seu estado é completamente outro, e nada disso que eu disse serve pra você. É bom ir atrás de um profissional para fazer a anamnese correta e te ajudar com as mudanças de hábito e dieta necessárias para o SEU caso.)

Contei que minha insônia foi embora? Yaaaaaaay! Leite de amêndoas quentinho com uma pitada de noz-moscada meia hora antes de dormir foi também um remedinho ayurvédico fantástico. :D


Essa é uma sopa de brócolis e ervilha (2 xíc cada), refogados com cebola, alho e gengibre, cozidos em caldo de legumes e batido com leite de coco e algumas folhas de hortelã. A receita estava no Instagram do Green Kitchen Stories, e é uma delícia. Comi no almoço com a torrada com abacate que, antes, teria sido meu almoço apenas. Pequenos ajustes.

E para firmar esse acordo comigo mesma de não me levar excessivamente à sério, preparei esse bolo de chocolate da Alice Medrich, que leva as amêndoas que sobraram do leite, TEM ovos, açúcar e um nadinha de farinha de trigo, mas usa azeite no lugar de manteiga. Além de ficar uma delícia e acalmar meu Velho Eu radical, ainda nutriu meu Eu Verdadeiro que acredita na mágica das coisas. Porque eu não prestei atenção ao fogão e deixei a mistura de azeite e chocolate mais tempo no fogo do que a receita mandava, e assim que eu adicionei os ovos, ela talhou MISERAVELMENTE.

Cogitei jogar tudo fora e amaldiçoar os demônios da massa talhada, como eu fazia antigamente. Mas respirei fundo. Meditação é essa coisa linda que te ajuda a lidar com as intempéries da vida de uma forma mais tranquila. Dei risada daquela porcaria nadando na minha tigela de vidro, que parecia ter sido retirada do esgoto. Respirei fundo de novo. Sem me sentir nenhum pouco ridícula e munida de uma confiança saída sabe-se lá de onde, olhei para aqueles caroços de massa marrom nadando em azeite e disse: "Nossa! Nem acredito que esse bolo deu certo!" E continuei com a receita, colocando um pouco das amêndoas antes das claras em neve, e batendo bem, e o tempo todo pensando que fantástica era aquela receita, que apesar de dar tão errado no meio do caminho, ficaria perfeita no final. Despejei a massa empelotada e pouco promissora na forma e coloquei o bolo no forno feliz e confiante, mas também com um enorme nível de desapego com relação ao resultado. (Desapego, essa outra coisa linda que vem com a meditação.) Meus filhos não fazem a menor cara feia com bolo solado, porque doce é doce e para eles tudo está sempre ótimo, então o pior que poderia acontecer, era virar uma maçaroca doce de chocolate razoavelmente comestível e mais um "Desastre Culinário", parte da coleção de histórias que meu filho pede pra eu contar quase todo o jantar. "Mãe, conta de novo aquela da torta de dedão de pé?"

O timer tocou, e lá fui eu tirar meu bolo. Frio, desenformei, cortei a primeira fatia. E comecei a rir.

"NOSSA! NEM ACREDITO QUE ESSE BOLO DEU CERTO!"

O bolo mágico de chocolate, que assim como qualquer jornada psicológica e emocional que valha à pena, foi da lama do esgoto ao estado de bem-aventurança, com um pouco de adaptação e trabalho duro.

E continuemos nos cuidando com amor, observando os efeitos de nossos hábitos em nossos corpos e mentes e mudando o que for necessário mudar. Quero ser eu, só eu, sem rótulo nem caixinha, que eu não tenho vocação para produto de supermercado.

Depois de preparar o bolo de chocolate para meus filhos, tratei de fazer minha pizza. Cheia de legumes, mas com queijo. 



BOLO MÁGICO DE CHOCOLATE, AZEITE E AMENDOAS
(do livro Sinfully Easy Delicious Desserts, de Alice Medrich)

Ingredientes:
  • 1/2 xic de amêndoas com ou sem casca ou a mesma quantidade de amêndoas moídas (o resíduo do leite vegetal)
  • 2 colh. (sopa) farinha de trigo
  • 170g chocolate amargo (70 a 72%), picado
  • 1/2 xic. azeite extravirgem
  • 1/8 colh (chá) sal
  • 4 ovos grandes, separados, em temperatura ambiente
  • 3/4 xic. açúcar
  • 1/8 colh (chá) cremor tártaro (ou algumas gotas de suco de limão - o que serve de estabilizante para as claras é a acidez)

Preparo:
  1. Unte uma forma de 22cm de fundo removível com azeite. Pré-aqueça o forno a 190oC e posicione a grade na parte inferior do forno. 
  2. Se estiver usando amêndoas inteiras, bata no processador com a farinha, pulsando, até que estejam finamente moídas, tomando cuidado para não formar uma pasta. Se estiver usando as amêndoas já moídas, apenas misture-as à farinha.
  3. Coloque o chocolate, o azeite e o sal numa tigela em banho-maria (sem que a tigela toque na água quente) e mexa de vez em quando, apenas até que o chocolate esteja quase derretido. (Eu deixei derreter totalmente e provavelmente por isso talhou), 
  4. Remova a tigela e mexa o chocolate com uma espátula até que esteja derretido e incorporado no azeite. Junte 1/2 xic. do açúcar e as gemas e misture com um fouet. (Foi nesse momento que minha mistura separou.)
  5. Com uma batedeira, bata as claras e o cremor tártaro (ou suco de limão) até que forme picos suaves. Junte gradualmente o restante do açúcar, enquanto continua a bater as claras, até obter picos firmes, mas não secos (ainda devem estar brilhantes). 
  6. Use a espátula para incorporar um quarto das claras à mistura de chocolate. (Foi nessa hora que mudei o processo, pra tentar reverter a mistura talhada, incorporando as claras e as amêndoas de forma intercalada. Mas se sua mistura não talhou, siga a receita normalmente.) Coloque o resto das claras batidas sobre a mistura, e também as amêndoas, e então termine de incorporar tudo, rápida mas delicadamente, até que esteja razoavelmente homogêneo. 
  7. Transfira a massa para a forma, alisando a superfície para que fique uniforme, e leve ao forno, na grade mais baixa, por 25 minutos, ou até que um palito inserido no centro saia com migalhas ainda úmidas. 
  8. Retire do forno e coloque numa grade para esfriar. Passe uma faca nas laterias, para permitir que o bolo afunde um pouco e craquele por cima enquanto esfria. Deixe esfriar completamente antes de remover da forma.
....


PS1: claro que eu fiz de novo, e apertei o botão PUBLICAR ao invés de SALVAR. Eu escrevo umas três versões de cada texto antes de publicar, porque sou bem cricri com o que escrevo hoje em dia. Daí que alguém deve ter recebido por email a versão 2.4 (hahaha) sem nem receita nem foto ainda. Releva. Afe.


PS2: Em tempo, um aviso: ando recebendo muitos comentários em posts MUITO antigos, fazendo perguntas sobre receitas que preparei há dez anos atrás. Ainda que eu queira muito responder a todos e ajudar todo mundo, eu me perco e não dou conta, e às vezes eu nem me lembro direito da receita o bastante para responder de forma satisfatória. Então, para evitar futuros desconfortos, estou aos poucos retirando os comentários de textos antigos. Assim consigo DE FATO responder aos comentários do post atual e me organizar melhor. Ok? Grata pela compreensão. ;) 


10 comentários:

Luciana disse...

Também acordo cedo, 4:30, mas saio de casa bem mais cedo. O dia fica mais produtivo e cheio de energia. Boa indicação de Game Changers, vou assistir o outro também. Muita luz pra você!

Unknown disse...

Oi, Ana!
Mais uma texto maravilhoso... Eu também estou numa fase de revirar bastante tudo o que há dentro de mim, para me descobrir mesmo. É um processo que, há quase um ano de acompanhamento psicológico semanal, finalmente comecei a repensar muitas escolhas que fiz na última década. Tenho usado uma agenda/caderninho para anotar os melhores e piores sentimentos que tenho ao longo do dia, e também qualquer sonho revelador. E uma mandala lunar também. Esse auto cuidado é muito importante, principalmente para nós, mulheres, que estamos sempre mais preocupadas com o bem-estar alheio (mesmo quando temos relacionamentos saudáveis com homens parceiros). Este ano faço 30 anos e ando querendo chegar em outubro, neste marco, com uma outra energia.
Obrigada por tantos ensinamentos.
Um beijo grande!

Unknown disse...

(obs: agora que notei que a conta da minha irmã está logada no meu pc... Aqui é a Stéphanie e não a Nicole XD)

Dayanne Guerra disse...

É incrivel as conexões que o universo faz, estou nesse momento da minha vida, buscando a yoga e a alimentação ayurveda. Foi incrível ler seu texto. Meu marido é maratonista com pretensões de ultra, tentamos a alimentação vegetariana, mas não conseguimos suprir os nutrientes. Vc consegue pela variedade deles?

Lara disse...

Bom dia, Ana!
É um prazer imenso ler seus textos, muito obrigada! A leitura deles sempre me propicia reflexões centradas, tranquilas.
Felicidade e paz, querida!

Luciana disse...

Oi Ana!! Meu nome é Luciana, te acompanho há muitos anos, mas não sou de postar comentários, me identifico muito com você, somos da mesma geração, acabei de completar 39 anos. Tenho duas filhas, com idades próximas dos seus, uma de 8 e outra de 9 (quase 10). Passei por essas fases também de busca de perfeição culinária, alimentação natural, usei muitas receitas suas de bolos, pães, sorvetes...obrigada 😊 Também pratico yoga, não na frequência que gostaria, meditação e sigo Ayurveda também, tenho um terapeuta até rsrsrs mas confesso que já fui muito mais dedicada, ando um pouco relapsa, mas quando a coisa sai dos trilhos acabo voltando. E nestes seus últimos textos, me chamou a atenção toda sua evolução, e que escreveu muitas coisas que penso exatamente o mesmo, a busca em ser uma ancestral melhor, ser o exemplo, o seu altar, eu tb estou tentando montar um...achei muito interessante. E estou iniciando um estudo um pouco mais profundo de Vedanta, conhece? A maioria dos seus pensamentos do seus textos tem grande relação com o que tenho aprendido. Se não conhecer e tiver interesse, procure por Jonas Masetti, é o nome do meu professor. Obrigada por compartilhar, um grande abraço e sucesso aí na sua jordana!!

Ju e Júlio disse...

Fiz concurso de Ayurveda. Sou apaixonada.

camila disse...

oi Ana! Pode compartilhar a receita da massa do Crepe?
Os burritos você compra a massa pronta, ou também faz em casa?

Gata de Tiara disse...

Oi, Ana! Obrigada mais uma vez por compartilhar suas histórias. São muito gostosas de ler. Beijos! <3

Molinha disse...

Descobri agora que não tenho recebido os emails dos seus posts. Pelo menos dos últimos 4. Estou tirando o atraso ;)

Cozinhe isso também!

Related Posts with Thumbnails