segunda-feira, 23 de julho de 2007

Panela véia da vovó

Um dos elementos que com certeza influenciavam positivamente no sucesso culinário de minha avó eram as panelas. Panela velha é que faz comida boa? Com certeza, se elas forem tão pesadas e de fundo tão grosso quanto as da vovó. É praticamente impossível fazer uma boa sopa de cebolas em uma panela leve e de fundo fino. Ao invés de cebolas caramelizadas, você terá cebolas queimadas. Por isso é imprescindível comprar panelas com cuidado, encarando-as como um investimento em sua alimentação. Eu espero que minhas panelas sejam herdadas por meus filhos, assim como minha mãe surrupiou as de minha avó, enormes e de ferro muito grosso, perfeitas para cozimentos longos.

Você pode escolher suas panelas por todo o aspecto técnico, qual material transfere calor de que maneira. Particularmente, eu me guio pelo aspecto prático, pois afinal conviverei com minhas panelas (imagino) por toda a minha vida, ao menos duas vezes por dia. Panelas de alumínio são excelentes condutoras de calor, mas por serem feitas de um metal “macio”, se não anodizadas ou tratadas, podem soltar partículas na comida quando uma colher raspá-la ao mexer a comida, e esta, por sua vez, pode adquirir uma coloração acinzentada. Panelas de ferro seguram bem o calor e o espalham uniformemente, mas exigem maiores cuidados para prevenir ferrugem, por exemplo. As de cobre são lindíssimas, transferem o calor muito rapidamente e por igual. São perfeitas para geléias, chocolates, ou preparados com grande quantidade de açúcar, mas para outros alimentos são preferíveis as revestidas internamente de outro metal macio, pois o contato direto com o cobre altera cor e consistência dos preparados. Estas, entretanto, requerem grande cuidado para que não se risque o revestimento. Como o cobre também perde a cor muito rapidamente, panelas desse material requerem mais esforço e tempo para serem preservadas.

As mais escolhidas ultimamente são aço inox e as não aderentes. Aço inox é sempre uma escolha prática, por sua durabilidade e fácil manutenção; mas a verdade é que ele é um condutor de calor comparativamente ruim. No entanto, por não reagir com a comida, ele garante que seu molho branco ou sua Vichyssoise continuem absolutamente brancas. Se você, no entanto, costuma ficar horrorizado com as quantidades de óleo ou manteiga que algumas receitas pedem, provavelmente se dará melhor com as antiaderentes, que requerem menos gordura para frituras e cozimentos. No entanto, é necessário muito cuidado em seu uso e limpeza para não riscar o revestimento, e exigem um pré-aquecimento a temperaturas muito altas para que de fato o alimento não grude, o que pode prejudicar determinadas receitas. Panelas de cerâmica ou pedra são excelentes para se ter apenas uma, para aqueles dias inspirados.

É ideal que se escolha o material pelo tipo de comida que você costuma fazer. Se não tem medo de gordura, talvez seja melhor que apenas uma ou duas frigideiras sejam antiaderentes. Caso a cozinha faça parte de sua rotina tanto quanto a minha, é preferível escolher praticidade em detrimento da condução de calor e ficar com as panelas de inox, com uma ou duas de ferro fundido (esmaltado ou não), e uma pequena de cobre para doces.

Tudo bem, mas quantas panelas são suficientes para começar a brincadeira? Depende do que você gosta de cozinhar, do tamanho de sua cozinha e do tamanho de seus eventos. Um amigo que mora sozinho e não costuma cozinhar muito tem um conjunto pequeno de panelas e uma única frigideira de cerca de 12 cm, com a qual eu provavelmente enlouqueceria. Para o básico, e para não perceber de última hora que nenhuma de suas panelas acomoda os ingredientes para seu jantar, tenha:
  • uma frigideira grande e funda,
  • uma média e uma pequena rasas(antiaderentes),
  • uma caçarola pequena e uma média, de borda não muito baixa (podem ser de ferro),
  • um caldeirão de mais ou menos 4 litros (ou você não conseguirá fazer spaghetti para mais de 5 pessoas),
  • uma grelha (de ferro fundido ou antiaderente, mas se ela estiver muito quente, nada grudará, independente do material),
  • uma panela pequena com cabo, para molhos, e uma igual de cobre, se você quiser, para doces.
Além dessas, você pode, dependendo de suas ambições, comprar panelas para paella, woks, especiais para peixes, para omeletes, para banho-maria ou para massas. Mas, com o básico, eu garanto que você se virará muito bem.

Lembre-se sempre do uso que fará delas no momento de escolhê-las e não compre nunca panelas leves demais. Boas panelas tem fundos grossos e pesados, que espalham melhor o calor e não queimam os alimentos. A única panela que recomendo que seja o mais porcaria possível, absolutamente leve, é um grande caldeirão para cozinhar massa para muita gente, para que não haja acidentes ao tentar erguer uma panela pesada demais e repleta de água fervente. Fora isso, não tenha medo de investir em qualidade, e boas compras!

Um comentário:

Ana Pavin disse...

Parabéns! De tudo um pouco senti: saudade, nostalgia, alegria e porque não dizer fome, mas principalmente me identifiquei e muito com esse gosto inimaginável que é a arte de cozinhar.

Cozinhe isso também!

Related Posts with Thumbnails