domingo, 5 de abril de 2020

Segunda semana de quarentena, sorte e bolo de aniversário


Ando pelo parque com o cachorro no domingo de manhã, dando bom dia à distância para as pessoas que, meio tímidas, passam por mim com seus cães, enfiando-se no mato para dar passagem "socialmente distante" na trilha estreita. E penso.

Penso como tenho sorte.  E isso parece um repeteco do texto anterior, mas é essa frase - TENHO SORTE - que tem mais me ajudado. O tempo todo, todos os dias, enquanto ando ouvindo os sons da primavera que enfim chegou, a cada passo, acrescento um item à lista: tenho sorte porque...

Tenho sorte de estar aqui. De o governo ter dado a proporção correta à crise e de termos um certo senso de segurança conforme essa estranha distopia se desenrola.

Tenho sorte por ter imigrado há quase três anos e já ter aprendido a manter próximas de mim as pessoas que estão distantes. Skype e Whatsapp são velhos amigos.



Tenho sorte de morar num apartamento perto de um parque onde ainda posso passear com meu cachorro e onde ainda posso levar as crianças para andarem de bicicleta sem me aproximar de ninguém, dando alô aos policiais que agora povoam as ruas e os gramados, fazendo valer as regras da quarentena.  (Foi a primeira vez que vi um policial canadense gritando - deu medo; ele mandava duas pessoas levantarem da mesa de piquenique e manterem distância.)

Tenho sorte, veja bem, de morar. Mesmo que seja um apartamento, e não uma casa com quintal. Mesmo que seja alugado e não meu. Tenho sorte de poder pagar o aluguel e ter um teto confortável. Um apartamento de 70m2, pequeno o bastante para ser fácil de limpar.

Tenho sorte de nunca ter tido empregada e ficar tranquila em limpar minha própria bagunça. Ou de ter aprendido a fazer a própria unha e cortar o próprio cabelo. Sorte de depender pouco do serviço dos outros.

Tenho sorte por me sentir bonita sem maquiagem e sem esmalte. 

O apartamento, de novo, que tenho sorte. Sorte de ele ser grande o bastante para seus cinco moradores (quatro seres humanos e um ser canino) conviverem sem nenhum arranca-rabo. Tenho sorte por esses cinco moradores, eu inclusa, nos amarmos um bocado. Sorte de gostarmos de passar tempo juntos.

Tenho sorte por estarmos todos saudáveis. 

Tenho sorte por sermos cinco moradores introspectivos, cachorro incluso, que, ainda que precisem mexer os corpos para liberar energia, não surtam na batatinha por terem de passar um tempo do lado de dentro.

Tenho sorte por sermos cinco moradores, cachorro incluso, que não precisam de momentos grandiosos para se divertirem. Temos sorte de gostarmos de catar galhos no caminho e de parar para olhar os patos.  

Tenho sorte por sermos quatro moradores (desta vez o cachorro está de fora) que gostam de criar. Criar desenhos, pinturas, histórias, músicas, danças, jogos, esculturas, poemas, brincadeiras. Porque criar processa as caraminholas internas, criar desestressa, criar transforma o impossível em possível, um sentimento incômodo numa ideia tangível, e ajuda a comunicar tudo isso que borbulha disforme na gente e poderia virar intriga, briga e picuinha.

Tenho sorte de podermos criar também para nos entreter, assim não dependendo tanto da tela para isso. 

Tenho sorte por ter crianças independentes que se viram e sabem inventar os próprios projetos.

Tenho sorte porque meus filhos não faziam nenhum curso nem aula nem nada depois da escola, então não sentem falta de atividade extra nem acham estranho encontrar no próprio quarto algo novo para fazer. Tem sempre algo novo para fazer. 

Tenho sorte por ter crianças GRANDES, porque se eles tivessem um e três anos, ao invés de sete e nove, esse texto se desenrolaria de um jeito bem diferente. 

Tenho sorte de ter um marido com quem posso "delargar" a cria para poder me concentrar num projeto meu por um dia inteiro.

Tenho MUITA sorte por meu marido não ter perdido o emprego. 

Tenho sorte por ter trabalhado de casa a vida toda, e por ter aprendido assim a gerenciar meu tempo e a estar só.

Tenho sorte por ter aprendido a cozinhar qualquer coisa que tenha na geladeira, por ter lido tantos livros sobre economia doméstica em tempos de guerra, por ter aprendido a fazer pão e bolo e biscoito e iogurte e por saber inventar e improvisar na falta de literalmente qualquer coisa.

Tenho sorte por poder comprar comida. Sorte de ter poder aquisitivo suficiente para fazer a compra a cada duas semanas, evitando assim ir ao mercado o tempo todo (e o mercado é o ÚNICO lugar fechado a que vou, assim, de duas em duas semanas), e sorte por ter uma sobra no orçamento que me possibilitou fazer um estoque de comida para um mês no caso de interrupção de fornecimento. Um mês, sem exageros, um mês realista, porque eu tenho sorte, mas tem gente (MUITA GENTE) que não tem, e vai ter de comprar comida aos pouquinhos, indo no mercado o tempo todo, e se eu comprar mais do que preciso, quem não tem sorte tem azar, e ao invés de arroz e feijão, vai encontrar uma prateleira vazia.

Tenho sorte de ter aprendido a meditar, a respirar devagar, a não entrar em pânico.

Tenho sorte de ter um cachorro velho, que não vai aprender aos treze anos a mijar dentro de casa, e que me obriga, no sol, na chuva, no vento, na neve, a sair de casa quatro vezes por dia, nem que seja só para descer até a porta do prédio e voltar. Tenho sorte de saber aproveitar esses cento e cinquenta e dois segundos de ar livre e saber olhar para cima, procurando as gaivotas que cruzam o céu em bando, barulhentas, em direção ao lago.

Tenho sorte de ter passado por toda uma jornada de auto-conhecimento que me deixou suficientemente centrada, ainda que capengando às vezes, para entender e aceitar que sou o pilar emocional da casa, e que se eu ruir, a família toda desmorona em volta.

Tenho sorte de ter entendido que, sem me cuidar, não posso cuidar de ninguém. Que para passarmos por esses dias, semanas, meses estranhos mantendo a sanidade, é preciso ser leve dentro de suas circunstâncias. Pois se formos leves, a casa será leve, as crianças acompanham sua dança, o marido segue tranquilo, e a vida flui ainda que limitada.

Tenho sorte de ter aprendido a dar proporções corretas às coisas. A não gritar quando minha filha quebrou sem querer minha xícara favorita, ou quando ela, distraída, derrubou o pote inteiro de iogurte da mesa, fazendo voar aquela coisa branca por todo o chão da sala, parede, embaixo da mesa, sofá. Que adianta gritar, espernear, ficar brava, lutar contra, achar culpado? Derrubou, quebrou, sujou. Aconteceu. Como é que a gente limpa isso junto agora? 

Tenho sorte. Tenho sorte por tanta coisa. Tenho sorte por ter tido tanto privilégio na vida, e por esses privilégios terem me trazido até aqui. Tenho consciência da minha sorte. Lembro dela todos os dias. E é por isso que a quarentena tem sido... ok. Quando o prefeito disse que as pessoas só poderiam sair de casa para ir ao mercado e à farmácia uma vez por semana e para se exercitarem mantendo-se distantes uns dos outros, brinquei com Allex: o prefeito basicamente descreveu a minha vida antes da quarentena.

Sim, eu tenho rido muito de mim. Temos rido muito de nós mesmos aqui em casa. Tenho fingido que isso é para sempre e buscado o melhor de mim nessa situação. Tenho colocado Blondie para tocar enquanto estou no chuveiro, para dançar embaixo da água, chacoalhando a cabeleira molhada no melhor estilo Flash Dance. Tenho colocado a trilha sonora do Frozen II no repeat para as crianças, pois isso as deixa imensamente felizes, cantando alto e rodopiando em cima do sofá. Tenho baixado a guarda, largado um pouco, dito mais sim do que não, mas com limites.

Tenho recriado meus rituais. As pequenas coisas que, como hora de almoço e jantar, marcam as fases do dia, como sino de igreja, como fita amarrada em árvore na beira da trilha. Pequenas coisas que guiam você e quem mora com você pelo tempo.

Correr de manhã. As crianças brincam livres enquanto Allex se preparar para se enfurnar no computador e suas reuniões. Enquanto isso, corro. Corro enquanto me permitem. Todos os dias. Pelos caminhos mais ermos, bem cedo, que é para não esbarrar com alma viva. A luz lá fora ainda um lusco-fusco azulado e frio.

Volto e tomo meu banho. No banho, Blondie. Banda boa de dançar as cadeiras de quem pariu dois filhos, de olho fechado, cantando e sentindo o peso da água escorrer no cabelo.

Hora do chá. São nove da manhã. Beberico ele com calma, ouvindo a voz abafada do marido em sua primeira reunião do dia vinda do quarto de porta fechada. Checo meu celular, notícias do dia, pessoas que me deixam de bom humor. Tomo meu chá sentada. Preciso sempre lembrar de sentar, ou então passo o dia todo de pé, fazendo três coisas ao mesmo tempo. Senta pro chá, p*rra.

É meu ritual, o chá depois da corrida. Preciso dele para marcar o início do dia de verdade. E parando nesse momento foi que me veio essa ideia de tirar as crianças de casa enquanto a gente ainda pode. 

Chamo as crianças para sua dose diária de exercício. Esse é um ponto crítico, e quando o prefeito disse que os parques seriam fechados, foi por conta desse ponto que chorei. Chorei quietinha, e quando Allex me disse que eu tinha entendido errado, que eu ainda podia ir ao parque, ri de mim mesma, ali chorando pelas árvores e pelos patos que me fariam falta.

EU PRECISO DE MATO.

E meus filhos também. Não importa o quão estressada eu esteja com a bagunça das crianças - basta levá-las ao mato e tudo se resolve. Eu lido MUITO BEM com eles do lado de fora. Eles podem estar histéricos ou o que for. Do lado de fora tá tudo bem. Do lado de dentro eu surto junto.

Que sorte que eu tenho de poder tira-los de casa. Que sorte por termos mato perto.

Antes estava chamando para andar nas trilhas. Mas quando fecharam o Off-Leash Park (a área em que se solta cachorro da coleira), os donos começaram a levar os cães pelas trilhas, e, de repente, a trilha vazia encheu. Logo, comecei a levá-las para andar de bicicleta. Por terem de segurar as bicicletas, eles não encostam em mais nada, e, em alta velocidade na ciclovia, não passam perto de ninguém. (Para todos os efeitos, digo a eles que as paredes são lava e as pessoas são zumbis, o que funciona muito bem.) Na maioria das vezes pedalam 6km. Eu levo o cão e eles se comprometem a ir parando nas faixas de pedestre, sumindo na distância mas sempre esperando por mim.

Quando voltamos, cansados e contentes, é hora do almoço. Pronto, outro marco do dia, e não tive nem de pensar muito. Mãos muito bem lavadas, e eles ou vão brincar mais ou vêm me ajudar com o preparo.

Depois do almoço, cada um tem sua hora de tela, que pode ser desenho ou video-game. Eles se resolvem. Enquanto isso, me enfio no quarto ao lado do marido para pintar, desenhar, escrever ou o que quer que eu precise fazer. Definir o horário de começo e fim do uso de telas aliviou nosso relacionamento: eles sabem que terão a tela e não ficam perguntando o tempo todo, e eu sei que vou ter tempo pra mim, então consigo de fato ESTAR com eles sem me sentir ansiosa por aquele tempo sozinha que não vem.

Terminado o tempo de tela, antes mesmo que eles peçam por mais, vou até eles e sugiro um jogo de tabuleiro. Isso evita o "efeito rebote". Não sei se é com todo mundo, mas meus filhos ficam histéricos quando a gente desliga a tv. Não porque fiquem bravos ou algo assim. Parece que absorveram tanta informação de uma vez sem mexerem o corpo, que tudo fica acumulado querendo sair numa explosão.

Para evitar que eles comecem a correr pela casa num movimento caótico, comecei isso de sugerir o jogo de tabuleiro. Isso parece ajudá-los a focar de novo e os mantém calmos. Uma ou duas partidas depois de algum jogo (temos muitos), mando os dois para o banho e começo o jantar. Nessa hora entra outro ritual, começado há meses atrás, e que chamo de "A música acalma as feras". É hora de Enya, hora de Debussy, Eric Satie, Chopin, Madeleine Peyroux, hora de bossa nova, tango, chançon frainçaise... músicas que acalmem. Músicas que avisem os cérebros infantis que é hora de desacelerar. Quando não tomam banho juntos, acabam indo desenhar, ler, brincar tranquilos enquanto o outro está no chuveiro, ou mesmo me ajudam a picar legumes ou abrir o pacote de macarrão.


Terminado o jantar, que é sempre cedo, é é o momento de escovar os dentes e ler histórias. Estamos lendo As Crônicas de Nárnia, um capítulo por dia. Se ainda é cedo, Allex terminou de trabalhar e vem tocar guitarra ou violão, fazer alguma bagunça com os dois enquanto eu me recolho por uns minutinhos, vou responder uns emails, fuçar no Instagram, ler um capítulo de livro meu.

Crianças na cama, é hora de adulto.

Rinse and repeat.



Daí que quando a escola mandou emails avisando que segunda-feira agora começariam as aulas online, tive um pequeno siricotico. Minha família está funcionando lindamente, caramba! Por que diabos você me joga essa bola curva assim de repente? E sim, eu fiquei uns dois dias incomodada tentando cavocar meu cérebro em busca da expressão idiomática brasileira equivalente à essa metáfora de baseball que se usa na América do Norte: "throw me a curveball" (quando vem algo inesperado). Eu não lembrei de nenhuma. Se você lembrar, me fala, porque estou aqui arrancando os cabelos de nervoso.

Enfim.

Comida simples. Batata doce e aspargo assado, cevadinha cozida com salsão e cenoura e ervilhas refogadas com cebola.
Que Laura resolveu servir assim no prato dela. Árvores, terra, pedras.
Fiquei uns dias tentando criar o quebra-cabeça da nova rotina com criança tendo aula no computador  e eu tomando lição (eu odeio lição de casa e odeio cobrar lição de casa de criança), ao mesmo tempo mantendo o tempo de brincar, tempo de exercício lá fora e tempo de tela necessário para que EU possa trabalhar duas horas por dia.

Respirei no saquinho e entendi que esse podia ser o momento em que eu entraria em pânico. Então não deixei. Concluí que eu não fazia ideia de como seriam as aulas, e que não adiantava eu tentar fazer quebra-cabeça com peças que eu ainda não tinha.

E, ainda que continue ansiosa sem saber como vai ser a primeira aula amanhã, decidi parar de pensar nisso e me concentrar em coisa melhor: o aniversário do meu Matador de Dragões.

Ele fez nove anos (NOVE ANOS) na sexta-feira. Filho meu que é, claro que quis escolher todas as comidas do seu aniversário. Panquecas com bacon de manhã, hamburguer no almoço e pizza de gorgonzola no jantar. Não me pergunte para onde vai tanta comida naquele corpinho magrelo.

Ele obviamente não teve festa, mas pendurei as bandeirinhas e decorações que guardara do aniversário da Laura e Allex passara a noite anterior enchendo o imenso pacote de balões que eu comprara. Thomas passou o dia todo usando minha coroa de Rainha do Universo e Imperatriz de Tudo o que Importa. (Ele disse que era o Rei do aniversário, aí brinquei que a Rainha era eu e ele era só o Príncipe Regente.)  Ficou feliz por conversar ao telefone com seu melhor amigo, combinando play dates e sleep overs para quando tudo isso acabar.

Comemos bolo e fomos dar, nós cinco (cachorro incluso) um longo passeio no parque vazio. Quando voltamos, ele quis comer pizza assistindo ao seu filme de dinossauros favorito.

Foi um bom aniversário. Temos muita sorte.



Thomas pedira um bolo de três camadas de tamanhos diferentes, de baunilha, com recheio de baunilha e morango, cobertura de chocolate e gelatina de morango por cima. Foi preciso todo um esforço de comunicação para convencer o menino de que não, eu não ia fazer um bolo de CASAMENTO para ele, que três camadas de tamanhos diferentes não iam rolar, e que não dava para botar gelatina de morango em cima do bolo. Ele ficou contente com apenas morangos e duas camadas iguais. E estava uma delícia.

O bolo é mais do mesmo. O bolo de baunilha da Alice Medrich que se faz no processador (mas que quero testar fazer na mão ou na batedeira um dia), o Chocolate Fudge Frosting também dela, e o creme de confeiteiro do mesmo livro. Acho que todos esses componentes eu já postei aqui de uma forma ou de outra, mas para não deixar ninguém louco procurando, vou colocar tudo aqui de uma vez. Fiz a cobertura de chocolate de memória, no entanto, e errei o chocolate: era para usar chocolate 100% e usei 70%. Fiquei feliz em saber que, ainda que fique mais doce, a cobertura funciona da mesma forma. 

BOLO DE ANIVERSÁRIO DO MATADOR DE DRAGÕES
(receitas separadas tiradas do livro Sinfully Easy Delicious Desserts, da Alice Medrich)

Ingredientes:
(bolo)
  • 1 xic farinha de trigo (125)
  • 3/4 xic + 2 colh (sopa) açúcar (175g)
  • 1 1/4 colh (chá) fermento químico em pó
  • 1/4 colh (chá) sal
  • 3 ovos grandes
  • 1/3 xic creme de leite fresco
  • 3 colh (sopa) manteiga (45g), derretida e ainda quente
  • 1 colh. (chá) extrato de baunilha

(creme de confeiteiro)
  • 1 colh. (sopa)farinha de trigo
  • 1 colh (sopa)amido de milho
  • 2 colh. (sopa)açúcar
  • 2 ovos
  • 2/3 xic leite
  • 1/2 colh (chá) baunilha 

(cobertura de chocolate)
  • 55g chocolate de 70 a 100%, picado
  • 2 1/2 colh (sopa) manteiga (40g)
  • 1/2 xic creme de leite
  • 1/2 xic açúcar
  • 1 pitada de sal
  • Morangos para decoração e recheio

Preparo:
(bolo)
  1. Posicione a grade do forno no terço inferior e aqueça o forno a 180oC. Unte as laterais de uma forma de 20cm com manteiga, polvilhe com farinha, e forre o fundo com papel-manteiga.
  2. No processador, coloque a farinha, açúcar, sal e fermento e pulse algumas vezes para misturar. 
  3. Junte o creme e a manteiga e pulse 8 a 10 vezes até que esteja tudo misturado. 
  4. Junte os ovos e a baunilha e pulse mais 5 a 6 vezes. Raspe as laterais com uma espátula e pulse mais 5 vezes, apenas até que fique homogêneo.
  5. Passe para a forma, alisando a superfície, e asse por 30 a 35 minutos, até que esteja dourado e um palito saia limpo quando espetado no bolo. Deixe esfriar numa grade por 10 minutos antes de desenformar. 
  6. Quando frio, embrulhe em filme plástico e leve à geladeira até o dia seguinte, quando será mais fácil cortá-lo ao meio com uma faca serrilhada.
(creme de confeiteiro)
  1. Numa tigela, misture com um batedor de arame a farinha, o amido e o açúcar. Junte os ovos e bata bem até que fique claro e homogêneo.
  2. Numa panela pequena, aqueça o leite até que comece a borbulhar nas laterais. 
  3. Misture o leite quente aos ovos aos poucos, para que os ovos não cozinhem. Volte a mistura à panela e cozinhe em fogo médio, mexendo sempre com uma colher de pau até que comece a engrossar. Quando começar a ferver baixinho, cozinhe por 1 minuto mexendo sempre. 
  4. Imediatamente retire da panela, passando por uma peneira em uma tigela. Se houver quaisquer carocinhos, não os aperte pela peneira. Misture a baunilha e deixe que o creme esfrie completamente antes de cobri-lo com filme plástico (encostando no creme) e levá-lo à geladeira até a hora de usar.
(cobertura)
  1. Numa tigela, coloque o chocolate picado e a manteiga em pedacinhos.
  2. Numa panela, aqueça o creme de leite, açúcar e sal, mexendo sempre, em fogo médio, até que levante fervura. Abaixe o fogo e cozinhe, mexendo, por 4 minutos. 
  3. Derrame o creme sobre o chocolate, misturando com um batedor de arame até que a mistura esteja homogênea e brilhante. Deixe descansar, sem mexer, em temperatura ambiente, por 2 a 3 horas, ou até que firme. Leve à geladeira até a hora de usar.
(montagem)
  1. Corte o bolo ao meio com uma faca serrilhada e separe as metades. 
  2. Na metade de baixo, espalhe todo o creme de confeiteiro. Corte tantos morangos ao meio quantos forem necessários para cobrir o creme, a parte cortada virada para baixo. Isso vai depender do tamanho dos morangos. 
  3. Cubra com a segunda metade do bolo e aperte ligeiramente. 
  4. Espalhe a cobertura de chocolate por cima. Se ela estiver fora da geladeira há um tempo, estará mole o bastante para escorrer devagar pelas laterais. Se você quiser que a cobertura fique firme apenas em cima do bolo, leve à geladeira por uma meia hora antes de espalhar a cobertura. 
  5. Decore com morangos inteiros. 

No meio disso, tenho revisitado meu caderno de receitas antigas, antigas, que anda desmontando, perdendo páginas, e resolvi começar a finalmente cozinhar alguma coisa dele para só deixar as receitas que valem a pena. Porque tenho receita ali de desde antes de juntar os trapos, coisa de vinte anos atrás, que recortei e colei no caderno para fazer depois e ficou lá, só ocupando espaço no meio do bolo de cenoura da minha mãe e da receita de panetone da minha tia-avó que nunca funcionou. Tem receita da época em que eu achava que minha vida comportava sobremesa com oito técnicas de confeitaria diferentes, ou sorbet de tomate. Tem a desgraça do linguado com molho de maracujá e risotto de alho poró da revista Gula que eu guardei porque queria fazer um Dinner Party e cozinhar isso para os convidados, mas nunca fiz porque morria de medo de fazer risotto. E a receita ficou lá, e a ironia da coisa é que hoje não preciso mais de receita para fazer nem o risotto nem o linguado.

Quero preparar tudo o que couber na minha realidade. Estou estabelecendo uma guilhotina culinária: se não for DELICIOSO, tá cortado. Fora do meu caderno.

Essa semana resolvi fazer esses "pães de leite condensado". Que, no fim, são apenas pincelados com o leite condensado e não levam nenhum na massa. Ficaram bonitos e ficaram gostosos.



Mas também ficaram absurdamente maçudos e essa pincelada de leite condensado no pão pronto NUNCA seca, escorre no prato ainda por dias e mela a mão de um jeito irritante quando você vai comer. GUILHOTINA. Foi para a guilhotina um bolo de maçã que também não rolou, cujo processo coloquei lá no Instagram. (@anaelisagg)

No meio disso, estou com planos de transformar as receitas vencedoras do caderno, as que passaram pela guilhotina, em algo especial lá na minha loja da Etsy. (Aliás, tem muita arte à venda ali disponível para download e impressão, que não precisa de frete nem nada, inclusive um poster da Nonna que eu sei que muita gente já me pediu. https://www.etsy.com/shop/AnaElisaGG)
Enfim.

Se as coisas por aí andam mais difíceis, primeiro de tudo, lembre-se de respirar. Devagar. Prestando atenção no ar que entra e no ar que sai.

Segundo, ao invés de tentar estabelecer uma rotina, tenta estabelecer pequenos rituais. Rituais seus. Só para marcarem melhor o modo como você passa no tempo. Um guia. Aí vai encaixando as necessidades da família em volta dos seus rituais. Assim você tem certeza de que, nessa maré incerta, não vai nem ficar à deriva, nem desaparecer.

Lembra das sortes que você tem. Eu sei que a gente anda falando muito em privilégios, e é lógico que muito da sua situação se baseia em quanto privilégio você tem. E eu sei que esse papo faz a gente se sentir culpado porque tem gente sofrendo mais que a gente. Se você pode ajudar, ajude. SE a única coisa que pode fazer, dentro da realidade e das diretrizes do país e da cidade em que mora, é ficar em casa, então FICA EM CASA. Mas se cuide. Cuide dos seus. Encontre pequenas alegrias. Encontre um propósito que faça você passar por isso com mais leveza. Porque ficar sofrendo pelo que está acontecendo lá fora não vai fazer isso passar. No fim, a gente só consegue controlar o modo como passamos por isso, como nos sentimos e como reagimos a toda essa bizarrice.

Escolhe leveza. Como puder. Não é poliana, não é ignorar tudo de ruim que está acontecendo. É ter consciência da sua sorte. Das pequenas coisas. Se agarra nelas. As pequenas coisas não te deixam afundar.

Muito amor e luz a todos vocês.  

7 comentários:

yasmim ferreira disse...

Primeiro deixa eu falar que a gente devia mesmo ter marcado aquele cafe/cha enquanto podia, pq agora ja era...
Feliz de ver que vc tá se virando como pode, pq meu cerebro quebrou e a unica coisa que eu consigo fazer é estocar comida e cozinhar comida saudavel (pq ai eu posso comer todo os bolos e biscoitos que eu quiser). Provavelmente meu cerebro deseperado por algum controle haha
Dei um follow no instagram pq agora tenho tempo de sobra pra ficar lá assistindo stories de todo mundo.

ps: fiz a sopa de ervilha, brocoli e menta. Delicia!

Stéphanie disse...

Nossa, Ana, eu não tinha visto esse post!

Eu estava justamente conversando sobre isso com o mozão (que já não vejo há 20 dias por motivo de quarentena). A minha primeira reação foi de desespero, porque meus pais não puderem parar de trabalhar (tudo aquilo que já falei no outro comentário). E comentei com ele como eu estava tentando fazer promessas à divindades diferentes em troca da minha segurança e a dos meus (cheguei a cogitar prometer voltar ao catolicismo, depois daquela tocante e arrepiante missa do Papa sozinho; prometer cultuar Hécate em todas as mudanças de fases da lua e até a voltar a frequentar o terreiro - sim, um arroz de festa espiritual. Isso porque passei os últimos 7 anos bem afastada de toda essa noção de religiosidade e afins). Mas consegui perceber, sozinha, que esse ímpeto de promessas era só uma maneira de tentar me dar uma falsa sensação de controle. Negociação. Tipo os estágios do luto, sabe? Afinal, isso que estamos passando é sim, um imenso trauma e luto, pela vida que tínhamos antes e acabou...

O que eu posso, efetivamente, fazer? Ficar em casa, ir ao mercado apenas quando necessário e ir diariamente até a esquina levar almoço pros meus pais (por sorte, a loja deles é aqui do lado). Então é isso que eu faço.

Os problemas do governo do Brasil vão causar um apocalipse aqui? Infelizmente, vão. Qual controle eu tenho sobre isso, se não dá pra ir pra rua quebrar tudo e protestar? Só posso retrucar postagens idiotas de parentes, fazer comentários de cobrança em páginas oficiais e, como você disse (aqui e no Instagram) respirar. Então é isso que tenho feito.

Eventualmente isso passará. Em que momento e a que preço? Não sei. Mas, lembrando de Gandalf e Frodo conversando nas minas de Moria: as pessoas que vivem tempos de grandes crises e mudanças estruturais nunca escolhem passar por isso. Só o que elas podem fazer é escolher o que fazer com o tempo que lhes é dado.

Tenho escolhido cozinhar, fazer bolo e fundar o “Clube do Livro para dois” com o mozão: ligamos por vídeo, bebemos cada um em seu canto e discutimos um capítulo do livro que estamos lendo juntos. Rituais! Essa palavra que você usou é muito certeira para denominar esses momentos de paz.
Obrigada por mais esse texto, também :) e por aceitar meus desabafos.

Molinha disse...

Estou fazendo o oposto. Comprei um caderninho há meses com planos de incluir somente as receitas testadas e aprovadas. Ainda continuam espalhadas por aí (muitas delas neste seu blog que é uma relíquia de varias formas), mas quem sabe agora na quarentena consigo inicia-lo - apesar de que aqui a única coisa que mudou foi que não saímos de casa pro trabalho pois o home office ta rolando. Amanha é meu aniversario e ca estou pensando em uma forma de comemora-lo a distância com a leveza que tanto precisamos. E sim, muitos de nós temos muita sorte por poder encarar essa crise toda de uma forma mais confortável, por assim dizer. E não podemos esquecer nunca disso. Que seja um marco na vida daqueles que nunca passaram por uma guerra ou uma epidemia antes. Força pra vc Ana e pra todos nós!

Julia disse...

Oi Ana, tudo bem? Descobri que tinha post novo pelo instagram, vim aqui e vi que tem vários outros que meu feedly não mostra. Será que mudou alguma coisa na configuração de RSS? O último post que li tem mais de seis meses!

Lili Marlene disse...

Acho que a expressão que você estava procurando é "pegar no contra-pé".
Me parece que ela vem do futebol, quando um jogador passa a bola para o outro e esse outro está desprevenido, trocando de passo e recebe a bola com o pé que não é pé bom.
Me conte se você concorda.

Dani disse...

Oi, Ana!
Fiquei feliz por achar seus textos aqui de novo (deve ter dado pau nos emails do RSS, sei lá) e agora os estou poupando, guardando para lê-los aos poucos...
O bolo de baunilha da Alice Medrich que vc me fez descobrir eu já fiz várias vezes na mão e com criança, e dá super certo. Tenho preguiça de sujar o processador, e normalmente vai na mão mesmo. Costumo fazer na forma de cupcake, que já está "embalado" pra levar no lanche ou congelar. Se bem que não anda sobrando nem farelo pra congelar, os meninos dão cabo de tudo logo.
Curveball faz mais sentido pra mim como bola de efeito, mas essas metáforas de baseball são meio que intraduzíveis mesmo.
Um grande beijo pra vc e os seus, e obrigada por deixar a minha quarentena mais leve...

Natália disse...

Nossa, que coisa mais especial este texto. Obrigada, mais uma vez.

Cozinhe isso também!

Related Posts with Thumbnails