quarta-feira, 9 de setembro de 2020

Que venha o outono

 


Atrasaram o início das aulas em uma semana. Ainda bem que eu não estava aqui brincando de ter expectativas. Há uma parte do meu cérebro que não quer pensar nisso. A dez dias do início do ano escolar, eu estaria reorganizando as roupas de Outono das crianças, planejando cardápios de lanche e repensando minha agenda de trabalho.

É preciso sair e comprar máscaras. 

Suspiro e penso e respiro e não me mexo. 

A volta às aulas deveria marcar um fim e um começo. O fim do verão, dos dias longos, fim do descanso na grama sob o sol. Mas não foi un descanso, foi? Foram meses, tantos meses, de cansaço. De greves, de quarentenas, de mortes, de ferimentos, de estresse e exaustão. Foram meses de fazer força para manter tudo bem, para manter a cabeça funcionando e o coração leve. 

A volta às aulas não tem gosto de fim de descanso nem começo de um. Porque nada acabou, e não tenho em mim a certeza de que enviar as crianças à escola seja sinal de normalidade. Não acredito sequer que vá durar muito. Olho para o futuro com desconfiança e para o passado com a sensação de quem sonhou um sonho estranho.

Atenho-me a outros ciclos, então, que este calendário de horário comercial não anda fazendo sentido. Fecho minha campanha de vendas na loja com imensa felicidade. Com a meta financeira praticamente alcançada, sinto-me forte e feliz por ter tido meios de usar uma arte para pagar a outra. E nesta semana, assinei o contrato com uma editora. 

O sol foi embora de repente e fechou as cortinas antes de sair. A luz lá fora é prateada e difusa, mal atravessando as nuvens densas que tocam o chão em forma de névoa. A brisa é fria nas canelas ainda expostas, e os braços pedem o conforto de um moletom velho. 

Outono aqui sempre traz mudanças à base de muito vento. E a brisa vira vendaval. O livro que vai ser publicado, a escola que recomeça aos tropeços, o trabalho que ganha um novo fôlego, e o pé. O pé que começa a melhorar, enfim. 

Um massagem ayurvédica nas pernas que me arrancou tanto choro do peito que achei que nunca teria fim.Talvez o verão ainda tenha monções restantes. E então o pé doeu menos. E menos. O choro lavando embora aquelas inflamações. 


 

E num dia saio para andar no mato. E no dia seguinte de novo. Olho aquele mato que quer mudar de cor, o cheiro do inicio da destruição suspenso na umidade do ar, e vejo que é o tempo que está suspenso ali naquela névoa. Um respiro entre estações. A pausa que precede a mudança. Esses últimos dias de férias escolares que prometiam ser as últimas explosões energéticas do verão tornam-se passos lentos na lama e sons de água, chá quente e pés no sofá, pensamentos que não chegam à boca, enlaçados no som de suspiros como uma criança no cobertor.

Devagar.

É sabedoria antiga respeitar o ritmo das árvores? Então tudo bem. Fecho os olhos e ouço as folhas. Os pequenos Chipmunks começam a recolher folhas e castanhas para seus ninhos, preparando a toca para o longo sono do inverno. Esperto o bicho que não gasta energia à toa. 

"Não quero que vocês se deem bem o tempo todo", digo à crianças. "Isso é impossível e muito injusto de pedir a vocês. É lógico que vocês vão brigar. Conflitos existem o tempo todo e não é possível evitá-los o tempo todo. Quero que vocês resolvam a briga de uma forma melhor."

Parem de gastar energia à toa, digo a eles.

Sempre haverá um conflito. O futuro está cheio deles. Inevitáveis. Inexcrutáveis. Imprevisíveis. Gritar, bater, espernear, digo a eles, é gastar energia à toa. O Inverno está chegando, já dizia o seriado.

Preciso parar de gastar energia à toa. Ser mais esperta. Recolher minhas folhas e castanhas para a toca. Tocar a ponta da língua no céu da boca e manter meus pensamentos enlaçados no silêncio de quem observa. Ouvir a respiração no ritmo do vento e amar a pausa antes do novo ciclo. 

Que venha a escola, pelo tempo que durar. O novo criado a partir dos escombros da torre que cai. "Quando a torre cai, é o fim de uma vida organizada", dizia a carta do baralho de Tarot que carrego comigo desde os quinze anos. 

O pé doeu de tanto fincar no passado, sem querer andar para frente. Sem querer pisar na lama decadente do que se desfez, nas pedras e farelos daquilo que não podia mais ficar em pé. As palavras tentavam convencer o peito a não sentir, mas tudo o que doeu e não foi sentido virou pé quebrado, pé torcido, pé inflamado que me fez parar e olhar para a destruição. A vida é desorganizada e o conflito é inevitável. 

É poesia pensar que meu livro sai na Primavera. 

Vou passar meu Outono olhando a força destruidora da natureza, que faz cair folhas e as consome até o restar de sua estrutura rendada, e as desfaz até que não sejam sequer lembrança do que foram um dia. Até que sejam a terra fértil para o que ainda não sabemos que vai nascer. Vou confiar no Outono para que a Primavera venha. 


 

....

 Enquanto isso, minha cozinha segue cíclica. Todos os anos, as mesmas fases. O verão é simplicidade e leveza, e os primeiros ventos trazem não apenas as calças compridas, mas os preparos mais complexos. A vontade de barrigar o fogão retorna.  

Um Daal de lentilhas com berinjelas do Jamie Oliver. Uma salada quente de repolho, milho e bacon para acompanhar um peixe grelhado. Um arroz de forno com abobrinhas e tomates puxado da memória, acho que de um livro do Mark Bittman.

Mal esfriou e as crianças já pedem sopa.

Que venha o Outono.


SALADA QUENTE DE MILHO VERDE, REPOLHO E BACON

(do livro Sunday Suppers at Lucques, de Suzanne Goin)

Ingredientes:

  • 200g bacon fatiado, cortado em tirinhas finas
  • 2 colh. (sopa) manteiga sem sal
  • 1 xic. cebolinhas fatiadas bem fininho
  • 1 1/2 xic. milho verde, tirado da espiga
  • 2 colh.(chá) folhas de tomilho
  • 1/2 repolho pequeno, fatiado fininho
  • 2colh (sopa) salsinha picada
  • sal e pimenta do reino

 Preparo:

  1. Aqueça uma frigideira bem grande em fogo médio de acrescente o bacon, coznhando por cinco minutos, mexendo, até que doure e fique crocante. Transfira o bacon para um prato. 
  2. Junte à gordura do bacon na frigideira a manteiga, as cebolinhas, o tomilho, 1/2 colh.(chá) sal e uma pitada de pimenta. Refogue por uns três minutos.
  3. Junte o milho debulhado, mais uma pitada generosa de sal e pimenta e cozinhe por três minutos.
  4. Junte o repolho, e cozinhe,mexendo,até que o repolho murche um pouco. 
  5. JUnte o bacon, a salsinha,acerte o tempero e sirva como acompanhamento de um peixe, por exemplo. 

 

O Daal foi feito segundo a receita de Jamie Oliver, daqui: https://www.jamieoliver.com/recipes/vegetables-recipes/aubergine-daal/

 Mas ao invés de usar a pasta de curry pronta, fiz minha própria pasta, com meia colher de chá de cada um dos temperos: canela em pó, cominho em grão, coentro em grão,mostarda em grão, erva-doce em grão, cúrcuma em pó, gengibre em pó, 1/4 colh.(chá) cardamomo em pó, 2 cravos, 4 grãos de pimenta-do-reino, 4 folhas secas de curry, 1 pitada de pimenta calabresa e 1 pitada de sal. Moí tudo no pilão e misturei a duas colheres de óleo de coco. Você pode simplesmente usar sua mistura de curry em pó favorita também. Fica ótimo de qualquer forma. 

Dica: use metade da quantidade de lentilha e arroz pedida. 250g de lentilha para o Daal rendeu 2 refeições e meia para quatro bocas.Se usar o meio quilo que ele pede, vai ter Daal para um vilarejo indiano inteiro. o_O

Este arroz de forno foi muito simples. Foram duas xícaras de arroz branco que cozinhei. No panelão grande, refoguei duas abobrinhas fatiadas fino em azeite até amaciarem.Juntei meia cebola picada e um dente de alho  e um ramo de tomilho e continuei refogando em fogo médio até tudo estar dourado. Juntei o arroz cozido, dois ovos e um punhado de parmesão e espalhei na panela. Espalhei fatias de tomate por cima, temperei com sal, pimenta e azeite e polvilhei com um punhado de parmesão e levei ao forno médio (180oC) até os tomates murcharem e o queijo derreter.


3 comentários:

Olga disse...

Oi, Ana!
Excelente texto! E ótimas receitas!!!

Livia Luzete disse...

Eu sempre disse que se você escrevesse um livro eu compraria. Que chegue a primavera!

Graciele henzel Cardozo disse...

Com total certeza vou testar esse dahl, principalmente por ser de lentilhas.

Cozinhe isso também!

Related Posts with Thumbnails