domingo, 6 de agosto de 2017

Uma cozinha que não é minha

 
 
Escrevo este texto capenga com um dedo só, em meu celular, sentada numa cama que não é minha, num apartamento pequeno em uma casa vitoriana velha capenga, que tem aquele jeito estranho de casa de praia que se divide com tios e primas, que não é de ninguém, é limpa mas ninguém se dá ao trabalho de cuidar de fato. Nossas malas estão espalhadas pela pequenina sala e pelos dois quartos, ocupando o pouco chão disponível, meio feitas, meio desfeitas, pois não queremos de fato desmontar tudo para remontar em um mês. Vamos nos espalhar o menos possível, disse Allex, já prevendo o stress de perder miudezas durante a próxima mudança.

Viemos com 14 malas no fim. Três malas grandes, 2 médias, 2 mochilas de acampamento, 3 malinhas de bordo e uma mochila comum para cada um da família. Podíamos ter trazido mais, porém foi bom não o termos feito, pois sequer haveria como carregar tudo no aeroporto. Conseguimos trazer todos os nossos essenciais e até mesmo algumas futilidades, o que acho que faz bem para o espírito. Veio comigo minha colher de pau. Vieram minhas facas. Veio minha panela vermelha.

A imigração nos tomou mais tempo do que imaginávamos, e as crianças estavam já pedindo arrego, exaustas de filas, de lugares sem banheiro, de não poderem saltitar longe e cantarem alto enquanto tínhamos importantes conversas em outro idioma com nossos passaportes nas mãos.

"Welcome to Canada" foi uma frase que nos deu um tremendo alívio, uma sensação vitoriosa depois de mais de dois anos nesse processo, e um enorme frio na barriga quando nos demos conta de que Toronto é nossa casa agora.

A gente mora aqui.

A gente MORA aqui.

F*ck.

Fomos muitíssimo bem recebidos por nossos novos amigos, vindos do novo emprego do Allex, e passamos uma excelente manhã em sua casa enquanto não podíamos entrar em nosso apartamento temporário. Isso foi maravilhoso e fez toda a diferença em nossa chegada. :)

Nossos filhos brincaram todos juntos independente do idioma e nós conversamos sobre todas as particularidades da cidade e do recém chegado. Nessa hora me dei conta de como não sei nada. Não sei usar a lavanderia, não sei se deixo gorjeta quando compro café no balcão, não sei para que lado fica o supermercado nem se o leite 3,5% é o integral e se está caro ou barato. Não sei o que procurar num carro bom para a neve, não sei quais são as regras no parquinho.


Olho as gôndolas do supermercado e há 37 diferentes tipos de cereais matinais, e minha cabeça dói, information overload! information overload! E tenho vontade de sair e viver de luz por um tempo pra não precisar escolher. Apanhamos um cereal orgânico-gluten-free-fru-fru da caixa bonita, um pote grande de iogurte, uma caixa de mirtilos, leite orgânico, que era só pouca coisa mais cara que o comum, um suco, e saímos do mercado com nosso primeiro café da manhã e nos sentindo meio burros, sem jeito e desengonçados. A gente demora pra contar as moedas, a gente não sabe onde fica o botão que faz a esteira andar pra empacotar as compras.

Allex tira essa insegurança muito mais de letra. Sou eu, a control freak da família, que fico ansiosa correndo por aí feito galinha cabeça.


Almoçamos algo que conhecemos bem lá da Liberdade, em São Paulo, e que sabemos que as crianças vão gostar: lamen. Restaurante delicioso, preço justo, e as tigelas são raspadas até a última gota do espesso caldo com sabor marcante de ossos de porco. Logo de cara já temos um restaurante onde certamente seremos clientes regulares.

Passeamos pela vizinhança e me impressiono com a quantidade de verde na cidade. Há arvores e flores para todos os lados e basta sair da rua principal para encontrar silêncio e passarinhos. E parquinhos. As escolas deixam seus parques abertos para quem quiser usar e meus filhos rapidamente se aproveitam disso. Eles estão empolgados mas também exaustos da falta de rotina, um pouco frustrados por não falarem inglês. É preciso muita paciência e carinho. E parquinhos. Os daqui são muito legais. :D

Na volta apanhamos um sanduíche qualquer, alguns doughnuts e voltamos à casa. É o sono dos justos. Um sono pesado de quem cumpriu uma jornada.

Mas assim que acordamos nos damos conta de que a jornada só começou e que há muita, muita coisa a ser feita ainda.

Achei que meu primeiro post canadense viria acompanhado de receita, mas ainda não me senti à vontade o bastante na casa para cozinhar.

Sempre que viajamos, parece que é hora de ir embora justamente quando você já sabe chegar fácil de volta ao hotel, quando começa a chamar o quarto alugado de "lá em casa". Espero ansiosamente esse momento, quando começar a pegar o Bonde sem pensar muito e quando não precisar mais olhar para cada moeda para descobrir se é um dólar ou 25 centavos. Talvez esse momento nunca chegue. Vai saber. Estou aqui há apenas dois dias.

Amanhã vamos fazer a primeira compra para começarmos a cozinhar aqui. Coisas simples. Talvez ovos. Talvez cogumelos. Há lindos cogumelos no supermercado, do tamanho da cabeça de uma criança. Vamos ver. :)

Um dia de cada vez. Mas todos os dias com parquinho para as crianças.

18 comentários:

CRISTIANE LARA disse...

Olá Ana e família ! Que bom saber que chegaram bem, apesar do cansaço, de ainda estarem meio perdidos, mas é normal mesmo essa confusão e sensação que tudo está fora dos eixos... ;) Logo vocês estarão agindo e fazendo tudo normalmente como se tivessem nascido aí. :)
Desejo tudo de melhor nessa nova vida nesse lindo país ! Sucesso sempre ! Abraços quânticos ;)

Tia Vet disse...

Melhor iogurte: Libertè, melhor suco de laranja: Simple Orange. Melhor loja pra comprar roupa usada : Value Village. As thrift stores são uma mão na roda pra quem acabou de chegar e precisa economizar um pouco até estabilizar.

Roberta Vasconcelos disse...

Oi Ana
Mais uma vez boa sorte na nova jornada! Enquanto lia seu texto lembrei do canal Fala Maluca! Você conhece? A Carol e a Lu fizeram vários vídeos sobre esses detalhes do cotiano, quem sabe possa ajudar.
Abraço grande, Roberta

Unknown disse...

Bom início de vida no Canadá, rapidinho se adaptarão à nova cidade e costumes. Adoro seus posts e admiro sua forma de levar a vida!!!

Regina Bardella disse...

Oi Ana...É a primeira vez que te escrevo , mas já te acompanho há muito tempo. Aprendi a fazer vários pães com você , e te acompanhei quando você saiu do apartamento e foi morar em uma casa, quando seu filho nasceu , e quando nasceu sua menina...Quanto tempo...e passou muito rápido. Estou aqui pra te desejar o melhor deste mundo. Que Deus te abençõe grandemente em seu novo lar. Que você tenha ótimos amigos, que as crianças aprendam logo inglês (quando começarem as aulas elas irão aprender rapidinho). Que Deus te traga à memória , aquilo que te da esperança.
É muito gostoso ter tudo novo a nossa volta , principalmente flores , frutas , árvores , e coisas diferentes pra cozinhar. Que vocês sejam muito felizes...Tenha sempre muita fé , alegria, e esperança. Muita saúde , paz e amor também. Um grande abraço .

Camila disse...

Ana, morei 8 anos na Suíça e moro há 1 ano nos Estados Unidos...
Quando cheguei lá nem sabia pegar o carrinho de compras no mercado pois precisa inserir uma moeda de 1 franco para soltá-lo. Esse começo é assim mesmo, confuso e delicioso. Tudo é novidade, e essa sensação de não sei mais nada é boa no fim das contas, nos sacode e nos dá estrutura!
Boa sorte no seu recomeço!
Camila

ScolAstika'S Crochê disse...

Que bom que chegaram bem!
Que a adaptação seja breve e cheia de boas histórias - que graça teria sem elas?

Fernanda Martins disse...

<3 <3

Vai que vai

Dêda Lins disse...

Sei que já deve ter ouvido/ lido isso inúmeras vezes, mas aí vai: Adoraria saber sobre um livro seu, talvez de contos, talvez uma obra de ficção. Adoro seu blog, tão fácil de ler. Histórias simples e bem contadas fazem bem à alma.
Ps: vcs vão tirar de letra a adaptação ao Canadá.
Ps2: Fotos de Gnocchi quando ele chegar por aí ;)

Hellen Silva Tobaldini disse...

Ana, é uma loucura para minha cabeça ler seu post… Conheci seu blog em 2011 quando mudei para Toronto, estava tentando entender como comprar creme de leite, coloquei no google e seu blog surgiu. Você se tornou minha referencia culinária. Lia todos os seus post, fiz um caminhão de receitas suas, aliás várias das receitas que hoje chamo de minhas, vieram do seu blog. Comprei vários livros que você comentava. Em paralelo passando por todos os percalços de começar uma vida aí, aprender tudo do zero, com meu quase zero inglês, minha filha nasceu, bem próximo de quando a sua nasceu aqui no Brasil. Seus posts eram como notícias de uma amiga. Quando soube que você se mudaria para Toronto, fiquei abismada com a coincidência. Voltei para o Brasil há dois anos, fiquei pensando se teria alguma dica para te dar, depois de ter recebido tantas suas, me ocorreram três coisas para comer: - Você vai encontrar um pão sírio assado na hora e comida árabe a preço justo no restaurante Paramount. - O brunch com Ovos Beneditinos do Over Easy - O sorvete artesanal de pralines no Summer’s Ice cream em Yorkville.
Quanto a cozinhar, será um passeio no parque para você, ingredientes do mundo inteiro, quase em qualquer lugar. Para apetrechos de cozinha, uma visita em um loja chamada Tap Phong no Chinatown pode te ajudar a economizar tempo e dinheiro, a loja é uma confusão, mas vale o garimpo. Desejo toda sorte para você e sua família nessa jornada!

Aline disse...

Estou no Japão há dois anos e meio e sei bem como é começar a vida apenas com malas. Meu marido e eu viemos com apenas 4 malas grandes. Trouxemos apenas roupas e os meus livros mais preciosos. Com o tempo você estará fazendo tudo no automático. Tenho certeza que vai se adaptar muito rápido, principalmente as crianças. Desejo tudo de bom pra você e sua família nessa nova fase e que haja posts com mais frequência (Amo ler seus textos. Quanto mais longo, melhor! :D)

Marcus Penna disse...

AAAAAAAAAAAAAAAGH. Canadá?!

Que legal!

É nisso que dá não acompanhar o blog (é, eu sei, sou um fracasso como amigo :P)... Se é que você postou sobre isso antes.

Enfim, boa sorte aí na nova casa!

Saudade gigante :).

bjo

Alethea Carlini disse...

Nossa, vcs já mudaram? O ultimo post q tinha lido aqui vc tava contando da mudança!!!
Hj me deu vontade de vir aqui e o primeiro (mais recente) post conta q já foram!

Uma sensação de quem perdi alguém q nem pude conhecer pessoalmente!

Espero que estejam todos ótimos e desejo muita sorte e felicidade nessa jornada!! Que tudo seja maravilhoso!

Bjos
Ale

Margarete Loures disse...

Sucesso na nova jornada! E o cachorrinho??! Deu tudo certo com ele tb?

Antonia disse...

A Lu acabou de sair do canal...
Quem sabe surge aqui uma nova candidata para fazer dueto com a Carol!

Antonia disse...

Nossa
que emoção
chorei com o "welcome to canada" igual choro quando um bebe nasce nos videos de parto.
uma nova vida começa!
parabéns!!!!

Neide Lourenço disse...

Eu sei muito bem o que vcs estão sentindo! Saí do Brasil em 2008 para a Suiça, depois Alemanha e agora USA, moro no estado da Pennsylvania em York. Um conselho? Não se apresse pois o tempo será o melhor amigo de vocês! A pressa irá gerar stress desnecessário para todos! Te acompanho a tempos e te admiro muito, sou sua fã! Vc dará conta do recado! Para mim foi mais pesado pois não dominava o inglês e o primeiro idioma estrangeiro que aprendi foi o Alemão e agora estou aprendendo o inglês, do difícil para o menos complicado. Seus filhos irão aprender muito rápido, basta irem para a escola! Será um processo rápido, crianças não complicam, não questionam, simplesmente aprendem! Imagine eu nos supermercados da Suíça e Alemanha?? Comprava pelas imagens!! Voces irão se adaptar muito rapidamente pois agora vcs estarão num habitat mais condizente com o estilo de vida de vocês!!

Desejos muitas felicidades e boas realizações a vc e sua família!!

Stéphanie disse...

Ahh que lindo <3
toda a sorte do mundo nesse novo começo!
Estarei aqui pra ler as aventuras.
Um beijo grande em vocês!

Cozinhe isso também!

Related Posts with Thumbnails